‘ALIMENTAÇÃO INFANTIL: 11 ERROS QUE A GENTE COMETE SEM PERCEBER’

É comum que cometermos erros acreditando que estamos fazendo o melhor pelas crianças. Por isso, o UOL lista os principais, de acordo com Priscila Maximino, nutricionista do Centro de Dificuldades Alimentares do Instituto Pensi, do Hospital Infantil Sabará, em São Paulo, e com a médica nutróloga Ana Luisa Vilela.

  1. Dar qualquer suco de caixinha

Muitas vezes a gente prefere suco de caixinha ao refrigerante. Mas, dependendo da composição, um é tão cheio de açúcar quanto o outro. Para ser saudável, o produto precisa ser feito apenas de água e suco de fruta. Como saber isso? Veja a lista de ingredientes na caixinha. Se tiver açúcar, esqueça, principalmente para os menores de dois anos.

  1. Dar suco natural à vontade

Dar um suco natural, sem ser como parte de um dos dois lanches (no meio da manhã ou à tarde), que devem compor a alimentação diária, pode prejudicar o apetite da criança. Um suco que contenha 200 calorias pode representar 20% das necessidades nutricionais de uma criança de três anos, por exemplo. Com isso, ela não sente fome nas refeições principais.

  1. Trocar fruta por suco

Entre dar a fruta para a criança comer ou o suco natural dela, prefira a primeira opção. Ingerir a fruta é uma experiência enriquecedora para a educação alimentar da criança. Ela vai mastigar, conhecer a textura … Além de consumir fibras, elemento importante para o bom funcionamento gastrointestinal, que às vezes se perdem no preparo do suco.

  1. Substituir refeições principais

A criança não se alimentou direito no almoço ou no jantar, e os pais trocam por um iogurte, suco ou copo de leite. Não faça isso. Por mais difícil que seja ver o filho sem comer, tenha em mente uma coisa: criança com acesso a comida não passa fome. Espere o horário da próxima refeição.

  1. Deixar os filhos escolherem o que comer

Crianças pequenas não têm capacidade cognitiva de escolher o melhor alimento para elas. Não pergunte o que a criança quer comer. Você pode, sim, oferecer opções dentro de um mesmo grupo alimentar. Exemplo: hoje você quer macarrão ou purê de batata? Ambos são fontes de carboidrato.

  1. Forçar ou chantagear

Já falamos aqui que ver um filho sem comer pode parecer desesperador. Mas, nessa guerra, não vale tudo. Chantagear e/ou forçar fisicamente estão fora de questão. Quando se trata de alimentação, os pais decidem o que a criança come e somente ela decide o quanto.

  1. Deixar biscoitos a mão

Biscoitos de maisena e de polvilho não são tão inocentes quanto parecem. O primeiro é feito basicamente de gordura vegetal e açúcar e o segundo, de gordura e sal. Depois de um ano, podem ser consumidos eventualmente, como parte de um lanche. Mas nada de fazer deles parte da alimentação diária.

  1. Engrossar o leite com farinhas

A maioria das crianças não precisa tomar leite engrossado com farinhas. O recurso só deve ser usado por indicação do pediatra ou de um nutricionista, em casos específicos de baixo de peso ou de déficit de crescimento.

  1. Fazer papinha com muitos legumes misturados

Na expectativa de o filho ingerir o maior número de nutrientes, pais fazem papinhas com vários legumes e/ou verduras batidos. Com isso, a criança não aprende a mastigar nem a distinguir o sabor e a textura dos alimentos. O melhor é fazer receitas com poucos ingredientes e amassados, para que existam pedaços a serem mastigados.

  1. Fazer da sobremesa um presente

No dia a dia, você não dá sobremesa, mas cria a regra de doce nos finais de semana. Ao fazer isso, você torna esse tipo de alimento um hábito. Em vez disso, deixe que a criança peça e você atenda, quando possível, lembrando que os menores de dois anos não devem ingerir açúcar.

  1. Liberar embutidos “magros”

Crianças até três anos, pelo menos, não devem consumir embutidos, nem os ditos magros, como peito de peru e de frango. Com muito sal e conservantes em sua composição, esses alimentos têm potencial de causar alergia.

 

Matéria de  Adriana Nogueira, publicada originalmente no UOL, em 14/11/2017. Para acessá-la na íntegra: https://estilo.uol.com.br/gravidez-e-filhos/noticias/redacao/2017/11/14/alimentacao-infantil-11-erros-que-os-pais-cometem-achando-que-estao-certos.htm

***

 

Quer saber mais sobre alimentação infantil? Conheça os livros da nutricionista Claudia Lobo:
……………………….

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA
Conceitos, dicas e truques fundamentais
MG EDITORES

Todo dia surgem informações de como oferecer uma alimentação saudável aos filhos. Produtos que parecem ricos em nutrientes fazem sucesso, mas logo suas desvantagens são desmascaradas. Pensando nisso, a nutricionista Cláudia Lobo criou um guia para ajudar os pais a oferecer uma alimentação saudável às crianças. Mudança de hábitos, organização e perseverança são alguns dos ingredientes apontados por ela. Imperdível.

 

COMIDA DE CRIANÇA
Ajude seu filho a se alimentar bem sempre
MG EDITORES

Mostrando de maneira objetiva como montar um cardápio adequado à realidade de cada família, este livro ensina quais alimentos escolher na hora de comprar e por que fazê-lo; como economizar tempo e dinheiro; e como preparar refeições rápidas e nutritivas. Também sugere formas de transformar a própria criança em aliada no processo de educação alimentar e traz mais de 50 receitas nutritivas, ricamente ilustradas.

LIVROS EM REVISTA – “OS ANIMAIS E A PSIQUE”, COM MARIA DO CARMO DE BIASE E MARIA HELENA MONTEIRO BALTHASAR

Ralph Peter recebeu no programa Livros em Revista duas das seis autoras do livro Os Animais e Psique – Volume 2, Maria Helena Monteiro Balthasar e Maria do Carmo de Biase, ambas psicólogas. No livro elas explicam a relação dos animais e os sonhos com a psique humana. Assista à entrevista no vídeo abaixo.

Conheça os dois volumes de Os animais e a psique:

OS ANIMAIS E A PSIQUE – VOLUME 1
Baleia, carneiro, cavalo, elefante, lobo, onça, urso

Autoras: Stella Maria T. Cerquinho Malta, Roseli Ribeiro Sayegh, Neusa Maria Lopes Sauaia, Maria Luiza Piva Rodrigues, Maria Helena Monteiro Balthazar, Maria do Carmo De Biase, Denise G. Ramos
…………..

OS ANIMAIS E A PSIQUE – VOLUME 2
Asno, camelo, gato, golfinho, morcego, raposa, rato

Autoras: Stella Maria T. Cerquinho Malta, Roseli Ribeiro Sayegh, Neusa Maria Lopes Sauaia, Maria Helena Monteiro Balthazar, Maria do Carmo De Biase, Denise G. Ramos

‘A ESCOLA NEM SEMPRE ATENDE AS CRIANÇAS SINGULARMENTE’

Edith Rubinstein,  coautora do livro A escola para todos e para cada um, acredita que é preciso oferecer suporte a cada estudante para dar autonomia a eles.
Ouça abaixo sua entrevista na rádio CBN.

 

 


Conheça o livro:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1475/9788532310781

 

‘ANSIEDADE PODE VIRAR DOENÇA; SAIBA IDENTIFICAR E O QUE FAZER’

Parece uma ansiedade comum, mas não passa. É uma preocupação excessiva e difícil de controlar. E, sim, essa sensação vai atrapalhar a sua vida e pode desencadear uma depressão. As características descritas anteriormente dizem respeito ao TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada).

Segundo o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), é preciso que a inquietação dure pelo menos seis meses consecutivos e aconteça em relação a diferentes assuntos, como desempenho no trabalho e familiar, por exemplo, mas sem motivo aparente, como a possibilidade de uma demissão. O psiquiatra Lucas Gandarela, do Programa de Transtornos de Ansiedade do Ipq (Instituto de Psiquiatria da USP), diz que o TAG “toma conta da vida do indivíduo”.

“Mais frequente em mulheres, é um distúrbio recorrente em 5 a 7% da população mundial, que percebe o problema e procura um médico. Por mais contraditório que seja, ansiosos demoram para buscar ajuda, acham que vai passar e acabam desenvolvendo algo pior, como a depressão”, explica. De acordo com Gandarela, que faz parte da classe de médicos responsáveis por fazer esse diagnóstico, indivíduos com TAG são “intolerantes à incerteza”.

Mais sintomas

Além da própria ansiedade e outros sintomas psicológicos, como pensamentos negativos costumeiros, dificuldade de concentração e irritabilidade, o TAG tem sinais físicos. “O corpo vai dando sinais de que não está tudo bem e podem surgir inquietação, falta de ar, suor excessivo e fadiga”, afirma Marisa Graziela Morais, terapeuta cognitivo comportamental.

Os especialistas dizem que não existem evidências científicas que expliquem a maior incidência em mulheres, mas que este fato pode estar ligado a desequilíbrios hormonais, como na produção de serotonina e dopamina, conhecidos como hormônios da felicidade. Outro desencadeante, segundo Maria, é a baixa qualidade de vida que temos nos dias atuais.

“A sociedade está extremamente competitiva e ‘ansiogênica’ e as pessoas sofrem com isso. Crises políticas, econômicas, o desemprego, tudo isso gera ansiedade, que pode virar um distúrbio. Alguns conseguem lidar com isso de forma que não se agrave, mas outros não”.

Como tratar?

De acordo com Gandarela, ir ao psiquiatra ainda é um tabu, “as pessoas ainda são resistentes porque se sentem fracassadas”. Entretanto, o TAG é um um distúrbio crônico, difícil de tratar e precisa de acompanhamento medicamentoso, com antidepressivos, e psicológico, com terapia cognitivo comportamental.

“Essa linha é considerada a ideal porque utiliza técnicas de controle em relação a como o indivíduo pode lidar com esses sintomas de estresse, pensamentos disfuncionais e os comportamentos deles decorrentes. Com a terapia, desenvolvemos estratégias para controlar a ansiedade”, explica Mara Lúcia Madureira, especialista da área.

Mudança de hábito

Aliado aos medicamentos e à terapia, Gandarela afirma que é necessário uma mudança de estilo de vida. Por isso, um dos passos para tratar o TAG é olhar mais para si mesmo.

“Ter mais momentos de autocuidado, hobbies, que seja qualquer coisa que te faz bem pode ajudar. Além disso, cuidar da higiene do sono também faz parte dos aspectos importantes para fazer o tratamento funcionar.”
…………

Matéria de Thais Carvalho Diniz, publicada originalmente no UOl em 20/10/2017. Para acessá-la na íntegra:  https://estilo.uol.com.br/comportamento/noticias/redacao/2017/10/20/a-ansiedade-virou-doenca-entenda-o-que-e-o-tag.htm

***

 

Quer saber mais sobre assunto? Conheça:

TRANSTORNOS DE ANSIEDADE, ESTRESSE E DEPRESSÕES
Conhecer e tratar
Autior: Breno Serson
MG EDITORES

Insônia, falta ou excesso de apetite, falta de ar, tonturas, medos, aperto no peito, pensamentos angustiantes. Esses e outros sintomas físicos e mentais podem indicar um transtorno de ansiedade ou depressão, que atinge cada vez mais nossa sociedade contemporânea. Este livro objetiva partilhar conhecimento, em linguagem simples, sobre os transtornos ansiosos e depressivos e os tipos de tratamento disponíveis, refletindo sobretudo sobre a integração de tratamentos convencionais e de medidas gerais benéficas.

 

‘BULLYING E VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS AINDA SÃO TEMAS SEM DIAGNÓSTICO NO PAÍS’

O Brasil não tem um mapeamento claro sobre a dimensão da violência dentro das escolas. Não há estudos abrangentes sobre a temática, o que, segundo especialistas, dificulta não só um diagnóstico do problema, mas também uma intervenção mais adequada.

Na sexta-feira, um estudante de 14 anos atirou contra colegas de sala em uma escola particular de Goiânia. Dois morreram e outros quatro ficaram feridos.

O próprio autor dos disparos disse à polícia que era vítima de bullying. Colegas relataram que o estudante, tímido e retraído, era vítima de gozações contínuas e era xingado de “fedorento”.

Pesquisadora sobre violência nas escolas, Miriam Abramovay afirma que não é possível saber, por exemplo, quais são os fatores de risco aos quais os estudantes estão envolvidos, nem tampouco possíveis estratégias de proteção -essa realidade é foco, inclusive, de estudo que ela coordena atualmente em dois Estados.

“Não temos diagnósticos. Estados e municípios não querem ver expostos dados negativos em geral, muito menos sobre a violência nas escolas”, diz ela, ligada à Flacso (Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais). “No sistema privado talvez seja ainda mais difícil.”

Em parceria com o MEC (Ministério da Educação) e OEI (Organização dos Estados Ibero-Americanos), a Flacso realizou uma pesquisa em 2015 com 6.700 estudantes das sete capitais mais violentas do país. Divulgado no ano passado, é o último levantamento de maior fôlego feito no país.

Mesmo que parcial, os dados indicam um cenário preocupante da escola como reprodutora da violência social, mas também produtora de uma violência particular.

Quatro em cada dez estudantes (do 6º ano do ensino fundamental ao 3º do médio) afirmaram já terem sofrido violência física ou verbal dentro da escola no último ano.

Em 65% dos casos, o agressor foi um colega –15% assumem já ter cometido alguma violência. Um quarto das agressões relatadas ocorreram dentro da sala de aula.

Sem uma sistematização dos desafios, as escolas têm dificuldade de lidar com desafios de violência e bullying -uma sequência contínua de ataques. “A escola está muito ligada no ensino e aprendizagem e não olha corretamente para isso. Não consegue detectar inclusive casos extremos como esse”.

Em Goiânia, o estudante, que é do 8º ano, relatou ter planejado o ataque por três meses. O pai disse que o filho havia passado por tratamento psicológico. Ele deu 11 onze tiros, mas uma das vítimas era seu alvo principal.

A psicopedagoga Quézia Bombonatto afirma que a problemática envolve alunos, escolas e famílias. “As escolas precisam sempre conversar com o grupo, é um trabalho que precisa ser feito permanentemente, sem esperar que algo aconteça”, diz ela, conselheira vitalícia da Associação Brasileira de Psicopedagogia. “E as famílias devem ficar muito atentas”.

Mudanças de comportamento, queda de rendimento e desinteresse em ir à escola, por exemplo, podem ser sinais de que algo pode estar errado. “Tanto a vítima de ataques quanto o algoz precisam de atendimento.”

A falta do diagnóstico mais confiável não significa que as escolas não tem feito nada. Embora, pela falta de informações, é difícil mensurar a efetividade de ações no nível nacional.

Nas escolas públicas de ensino fundamental, 74% dos diretores dizem que têm projetos nas escolas com a temática da violência e 83%, sobre bullying. Os dados são do questionário aplicado na realização da Prova Brasil de 2015. Naquele mesmo ano, 17% dos gestores relataram terem identificado alunos com armas como faca e 3%, com revólver.

Pesquisas nacionais e internacionais mostram que o clima escolar –em que a identificação e combate a conflitos é parte fundamental– contribui para melhores resultados da escola, como de aprendizado e de redução das desigualdades. Abramovay, da Flacso, vai além. “Essa violência prejudica não só o alunos e a escola, mas tem consequências sociais e econômicas”, diz. “Ninguém sai incólume”.

A Folha questionou o MEC sobre a existência de dados, bem como acerca da atuação federal na temática, mas não obteve resposta. A pasta lamentou o episódio e, em nota, disse reafirmar “o compromisso com a busca de uma sociedade mais justa e solidária, pautada no respeito à diversidade, à convivência harmônica e à tolerância entre crianças, adolescentes e jovens”.

 

Matéria de Paulo Saldaña, publicada originalmente na Folha de S. Paulo, em 22/10/2017. Para acessá-la na íntegra: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/10/1929183-bullying-e-violencia-nas-escolas-ainda-sao-temas-sem-diagnostico-no-pais.shtml

***

 

Tem interesse pelo tema? Conheça:

A SOCIEDADE DA INSEGURANÇA E A VIOLÊNCIA NA ESCOLA
Autora:
Flávia Schilling
SUMMUS EDITORIAL

Entre os discursos da violência como uma epidemia e o silêncio por ela provocado, há discursos inauditos e imprevistos que apontam para uma compreensão ampliada das questões que nos preocupam. Este livro discute a violência que está na escola, apresentando as várias dimensões que cercam o problema e apontando algumas ações possíveis que estão ao alcance de todos nós.

 

A VIOLÊNCIA NA ESCOLA
Autores: M. PerdriaultG. MangelC. Colombier
SUMMUS EDITORIAL

O tema da violência escolar é uma presença cada vez mais constante em todos os veículos de imprensa. Ele encontra um enfoque atualizado e detalhado neste livro, do ponto de vista da pedagogia institucional. São quatro monografias que abordam a violência na escola, com descrições do ambiente opressivo que circunda os adolescentes, a agressividade entre professores e alunos entre si. É o relato de uma experiência visando meios de trabalhar com uma classe especialmente violenta. A violência selvagem e a violência simbólica aqui analisadas tornam esse livro um instrumento esclarecedor e necessário. Um texto forte e realista, de leitura imprescindível.

‘QUE TIPO DE COMILÃO VOCÊ É? DECIFRAR SUA FOME PODE TE AJUDAR A EMAGRECER’

Quando falta autocontrole com a comida, e os ponteiros da balança sobem sem parar, o problema pode estar na sua cabeça, e não na barriga. Comer até sem ter fome é sinal de um distúrbio psicológico — e será preciso se conhecer a fundo para frear a comilança. A missão é desvendar o que te fez ter essa relação de exagero com os alimentos.

“Não é só fazer dieta, é importante ter apoio da psicoterapia para compreender a mudança, entender suas motivações e aprender a se defender dos estímulos errados”, explica Arthur Kaufman, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP.

Ou seja: a mente tem que mudar junto com o corpo. Para diferenciar o que é fome da vontade de comer, você tem que saber em que grupo se enquadra.

Os comilões que mais aparecem no consultório:

  • Come por impulso

A cena é: você está de dieta, mas entra na cozinha e vê um doce incrível. Sem nem pensar direito, e nem se lembrar do esforço para manter o foco, bastam algumas garfadas para devorar tudo! Nessa necessidade imediata de recompensa, a pessoa come sem controle e depois sofre por ter estragado a vida saudável.

  • Devora por vontade mesmo. Mas é muita vontade!

Pode ser normal, saudável ou patológico. Tudo bem ter vontade de comer brigadeiro de vez em quando, mas não o tempo todo. O problema aqui é não considerar a saúde e comer apenas o que quiser, na hora em que quiser, pensando apenas em ter prazer.

  • Come em resposta aos sinais externos

Sabe quando você acha que tem o controle da alimentação, mas vai em uma festa e não resiste em ver a cerveja e as coxinhas? Ou passa em frente a uma loja de bolos e para para comprar um na hora? Basta ver os alimentos por perto para você perder o controle e mandar tudo para dentro.

  • Amigos engordativos

Não precisa culpá-los, mas será necessário se defender de tantas ofertas e dos perigos daqueles que dizem: “Fica mais um pouquinho, afinal, furar um dia a dieta não engorda, é só uma saideira?” O problema é que um único petisco geralmente leva esse tipo de pessoa a emendar outros dez e enfiar o pé na jaca de vez.

  • Comilança sem controle e sem fim

A compulsão começa pelo impulso, mas você exagera na comida em pouco tempo e não dá chance ao controle. O exemplo clássico é acabar com uma caixa Bis em três minutos. Quando você percebe tudo o que engoliu se sente mal, se culpa e fica deprimido.

  • Come para afogar as mágoas

É o que acontece com quem desconta na comida quando não está em um bom momento. Teve um problema e está triste? Usa a comida como uma companhia, uma espécie de apoio para ficar alegre momentaneamente e esquecer o que o chateou no primeiro momento.

Como se desvincular da comilança?

Não existe uma receita, mas já vamos avisando: só comer menos de uma hora para outra não basta. “Sua cabeça não compreende a mudança de apenas colocar menos comida no prato. Existe todo um processo psicológico que precisa ser vivenciado”, diz Kaufman.
Além de aprender a controlar as escolhas, você deve descobrir novas formas de se premiar e se conhecer melhor, descobrindo o que motiva essa urgência por comida. Buscar por ajuda profissional também pode ajudar a analisar a gravidade de seu caso, se existe compulsão mesmo.

Quando come sem saber o motivo, não há nada de errado aparente e comer é mais forte do que você, o problema pode ser psiquiátrico, sendo necessário até o uso de remédios.

Matéria de Maria Júlia Marques, publicada originalmente no  UOL, em  27/10/2017. Para lê-la na íntegra, acesse: https://estilo.uol.com.br/vida-saudavel/listas/que-tipo-de-comilao-voce-e-decifrar-sua-fome-pode-te-ajudar-a-emagrecer.htm

***

Tem interesse pelo assunto? Conheça o livro do psicoterapeuta Flávio Gikovate:
…………………….

DEIXAR DE SER GORDO
MG EDITORES

A convicção de Gikovate é a de que as dietas para emagrecer engordam. Trata-se de um estudo psicólogico acerca da obesidade, que tem por objetivo ajudar as pessoas a se livrarem do problema. Este livro, que já está na sétima edição e foi revisado pelo autor, é para quem quer deixar de ser gordo e não apenas emagrecer temporariamente, à custa de regimes torturantes e ineficazes.

ESPECIAL DE EBOOKS DE FLÁVIO GIKOVATE NA AMAZON

……………
MUDAR: Caminhos para a transformação verdadeira

Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? Contumaz observador da alma humana, Flávio Gikovate analisa neste livro os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer tais entraves.

Compre agora

 

PARA SER FELIZ NO AMOR: Os vínculos afetivos hoje

A evolução tecnológica das últimas décadas, a emancipação feminina e as facilidades que permitem às pessoas viver sós têm colocado em xeque os relacionamentos à moda antiga.

Porém, apesar de todos concordarem que hoje as afinidades são fundamentais, o fato é que a grande maioria dos casais continua a se formar entre pessoas muito diferentes, o que sempre culmina em dor. Por quê?

Compre agora

……..
….

                  

                 

COAUTORAS DE “OS ANIMAIS E A PSIQUE – VOLUME 2” NA RÁDIO CBN

Ouça a entrevista de Denise Gimenez Ramos e Neusa Maria Lopes Sauaia, coautoras de “Os animais e a psique – Volume 2”, recém-lançado pela Summus, no programa CBN Noite Total. Tania Morales conversou com as psicólogas junguianas sobre o simbolismo dos animais na psique humana.

Conheça os dois volumes de Os animais e a psique:

OS ANIMAIS E A PSIQUE – VOLUME 1
Baleia, carneiro, cavalo, elefante, lobo, onça, urso

Autoras: Stella Maria T. Cerquinho Malta, Roseli Ribeiro Sayegh, Neusa Maria Lopes Sauaia, Maria Luiza Piva Rodrigues, Maria Helena Monteiro Balthazar, Maria do Carmo De Biase, Denise G. Ramos
…………..

OS ANIMAIS E A PSIQUE – VOLUME 2
Asno, camelo, gato, golfinho, morcego, raposa, rato

Autoras: Stella Maria T. Cerquinho Malta, Roseli Ribeiro Sayegh, Neusa Maria Lopes Sauaia, Maria Helena Monteiro Balthazar, Maria do Carmo De Biase, Denise G. Ramos

 

NOITE DE AUTÓGRAFOS NA LIVRARIA DA VILA DO SHOPPING PÁTIO HIGIENÓPOLIS, EM SÃO PAULO

Convidados e amigos prestigiaram o lançamento de Os animais e a psique –
Volume 2
, da Summus Editorial. O evento aconteceu na última terça-feira, 17 de outubro, na Livraria da Vila do Shopping Pátio Higienópolis em São Paulo.