RÁDIO CBN ENTREVISTA EDITORA-EXECUTIVA DO GRUPO SUMMUS SOBRE FLÁVIO GIKOVATE

No dia 13/10/2017, completou um ano de falecimento do nosso autor Flávio Gikovate. Neste dia, a editora-executiva do Grupo Editorial Summus, Soraia Bini Cury, foi entrevistada por Tania Morales, no programa CBN Noite Total, da rádio CBN. Elas conversaram sobre a vida do psicoterapeuta, suas obras e o ebook, lançado pelo selo MG Editores em homenagem a Gikovate e que pode ser baixado gratuitamente nas melhores livrarias virtuais.

Ouça a entrevista abaixo:

 

Baixe o seu gratuitamente clicando em uma das imagens abaixo. Você será redirecionado automaticamente para a página do e-book na loja.

 

 

……

………………………

Conheça todas as obras de Flávio Gikovate, publicadas pela MG Editores:
http://www.gruposummus.com.br/mg/autor//Fl%C3%A1vio+Gikovate

 

AUTORES DO LIVRO “A ESCOLA PARA TODOS E PARA CADA UM” AUTOGRAFAM EM SÃO PAULO

A Summus Editorial, Livraria Brainstore e Fecap promovem no dia 4 de outubro, quarta-feira, das 18h às 21h, a noite de autógrafos do livro A escola para todos e para cada um. Os autores – Andreia Pinto, Augusto Galery, Deigles Giacomelli Amaro, Edith Rubinstein e Patrícia Vieirarecebem amigos e convidados na livraria, que fica na Av. Liberdade, 532 – Campus Fecap.

No início do segundo semestre de 2015, os educadores se reuniram para organizar um curso para professores e profissionais que atuam em escolas. A proposta era desmistificar diversas situações observadas no cotidiano escolar. Por exemplo, se a escola é um espaço institucional para aprender, por que tantas crianças e adolescentes tem sido trazidos aos consultórios com o intuito de fazê-los “aprender”? Por que se observa a necessidade de diagnosticá-los e medicalizá-los para justificar uma “não aprendizagem”? Quem são os alunos de “inclusão” e por que eles, muitas vezes, são considerados “vasos” na escola?

Essas e outras perguntas formaram o fio condutor para criar o curso, que precisava de muito estudo e reflexão. Dessa imersão surgiram vários textos. Dos textos nasceu o livro. Uma escola para todos e para cada um é um projeto inovador, que demanda radical e contínua transformação nas abordagens de ensino e aprendizagem. Para os autores, mais do que uma crítica à instituição escolar atual, o paradigma inclusivo de educação requer a reinvenção da escola e de todas as suas práticas e didáticas.

Trata-se de uma abordagem que não menospreza a complexidade do sujeito que aprende, inserido em contextos sociais, econômicos, ambientais e culturais diversos. Tendo ou não deficiência, transtorno ou qualquer outra privação cultural e/ou social, eles merecem o melhor, de acordo com os autores.

Destinado a professores e estudantes de educação e da saúde, como professores de todos os níveis, gestores, psicólogos, terapeutas ocupacionais e alunos dos cursos de pedagogia e psicologia – e também a pessoas com deficiência e seus representantes –, o livro apresenta, entre outros temas:

  • o conceito de inclusão;
  • os entraves à verdadeira educação inclusiva;
  • as principais dúvidas e angústias de pais e professores;
  • a inclusão na perspectiva da legislação brasileira;
  • recursos, procedimentos e práticas que ajudam os alunos  – com e sem dificuldades físicas e/ou psíquicas – a estabelecer uma relação rica e prazerosa com o aprendizado;
  • casos reais de sucesso em escolas públicas e particulares de diversas localidades do país;
  • possibilidades de superar as barreiras à inclusão.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1475/9788532310781

‘TERAPIA ME AJUDOU A ASSUMIR QUE SOU TRANS’: O PAPEL DA PSICOLOGIA NA IDENTIDADE DE GÊNERO

Quando criança, Gabriel Graça Oliveira, batizado Maria Graça Oliveira, já se sentia desconfortável com o próprio corpo. Não gostava de roupas de menina, se identificava com personagens masculinos quando via televisão e se juntava às brincadeiras dos garotos da rua e do colégio.

Por causa do jeito de falar e vestir, chegava a ser confundido por menino na escola. Mas no início da adolescência, decidiu se “adequar” ao gênero que esperavam que tivesse. Passou a observar e imitar o modo de falar, andar e gesticular da mãe e das tias.

“Às vezes me sentia um ator”, conta. Gabriel não se via como mulher, mas carregou o nome, as roupas e a aparência da Maria por 48 anos.

“Eu sou um homem transgênero. Tenho conhecimento disso desde a infância. Mas só aos 48 anos consegui assumir essa identidade e iniciar o tratamento de transição de gênero, com cirurgia e hormônio”, relata à BBC Brasil.

O longo processo de autoconhecimento incluiu muitos anos de terapia até que, em novembro de 2015, Maria deu lugar a Gabriel nos documentos de identidade.

“A psicoterapia me ajudou a compreender melhor como eu me sentia, a identificar com maior clareza minha identidade. Ajudou a compreender que é um fenômeno humano”, diz.

Ele estava em um relacionamento sério com uma mulher quando decidiu iniciar o tratamento para ganhar aparência masculina. O desconforto que sentia com o próprio corpo era tão grande que começara a afetar a vida sexual do casal.

“Meu constrangimento com meu corpo feminino não me deixava à vontade na intimidade. Enquanto éramos apaixonados, conseguíamos passar por cima dessa minha dificuldade, mas depois que a paixão acabou fomos oprimidos pela minha inadequação física”, conta.

“A mudança na aparência me trouxe conforto”, explica. Casado desde abril deste ano, feliz com o próprio corpo e confortável com identidade masculina, Gabriel Oliveira critica a liberação de tratamentos psicológicos para mudança de orientação sexual.

O verdadeiro papel da terapia, defende, é promover o autoconhecimento.

Neste mês, o juiz federal da 14ª Vara do Distrito Federal Waldemar Cláudio de Carvalho concedeu uma liminar que autoriza psicólogos do Brasil a oferecerem aos pacientes formas de terapia de reversão sexual, a chamada “cura gay”.

A justificativa, segundo o juiz, seria a de não impedir os profissionais “de promoverem estudos ou atendimento profissional, de forma reservada, pertinente à (re)orientação sexual, garantindo-lhes, assim, a plena liberdade científica acerca da matéria, sem qualquer censura ou necessidade de licença prévia”.

A liminar atende parcialmente uma ação movida contra o Conselho Federal de Psicologia por Rozangela Alves Justino, psicóloga que teve seu registro profissional cassado em 2009 por oferecer “terapias para curar a homossexualidade masculina e feminina”. Resolução do órgão proíbe desde 1999 tratamentos de reversão da orientação sexual.

O argumento é que homossexualidade não representa doença, distúrbio nem desvio psicológico e, portanto, não cabe reorientação. Mas Rozangela Justino argumenta, na ação, que a resolução do conselho representa ato de “censura” e impede psicólogos de “desenvolver estudos, atendimentos e pesquisas acerca de comportamentos e práticas homoeróticas”.

Na sexta, o Conselho Federal de Psicologia recorreu da decisão judicial que libera o tratamento de “cura gay”. Diretor do órgão, Pedro Paulo Bicalho nega que a resolução impeça pesquisas sobre orientação sexual e identidade de gênero.

“Isso não faz o menor sentido, porque o órgão que regulamenta pesquisa no Brasil é a Coordenação Nacional de Ética em Pesquisa, órgão do Conselho Nacional de Saúde. Os conselhos profissionais não têm a menor interlocução com pesquisa cientifica.”

Função da terapia

Além da experiência pessoal com terapia no reconhecimento da própria identidade de gênero, Gabriel Oliveira é psicoterapeuta e professor de psiquiatria da Universidade de Brasília. Ele argumenta que a função do processo terapêutico é permitir que o indivíduo, com interlocução do psicólogo, organize os próprios pensamentos e identifique os fatores causadores de angústias e sofrimentos.

“A terapia precisa ajudar o paciente a se conhecer mais profundamente, compreender, acessar sua real identidade e se aceitar, aceitar sua orientação, como algo que faz parte do humano, da vida”, defende.

“Ao existir tratamento para a homossexualidade parte-se do pressuposto de que a homossexualidade é uma doença, algo que precisa ser tratado, como se você pudesse, através da psicoterapia, ser heterossexual. Vai levar as pessoas a não se aceitarem, a se sentirem inadequadas”, diz.

É esta também a posição do Conselho Federal de Psicologia. “O papel da terapia é empoderar o sujeito para que ele possa conviver da melhor maneira possível com a sua orientação sexual e identidade de gênero e dar a ele condição de entender os processos históricos e sociais que fazem com que setores da sociedade tenham preconceitos e fobia LGBT”, explica Bicalho, que também é professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

“É um processo muito importante. O Conselho Federal de Psicologia nunca impediu tratamento psicológico. O que proíbe é terapia vinculada a um processo de reversão da orientação sexual ou da identidade de gênero”, completou.

O advogado Mauro Finatti, por exemplo, diz que encontrou na terapia uma forma de se conhecer melhor e de abordar com clareza diferentes aspectos da vida pessoal e profissional. Casado há cinco anos com outro homem, ele conta que a psicologia o ajudou a lidar com o modo como familiares e colegas de trabalho reagem à sua orientação sexual.

“A terapia me fez fazer uma análise da minha vida como um todo, de aspectos familiares a questões de trabalho e, dentro desses aspectos, a questão da homossexualidade, de relacionamentos”, relata.

“O processo terapêutico me ajudou muito a ajustar expectativas, até com relação à aceitação da minha sexualidade no ambiente familiar e de trabalho. Eu tinha a expectativa de que tinha que explorar de forma mais aberta a minha sexualidade com a minha família e que eles tinham que me aceitar. Tinha essa inconformação de não ter uma relação mais aberta na minha família. A terapia me ajudou a resolver essa questão comigo mesmo”, detalha.

Texto parcial extraído de matéria de Nathalia Passarinho, da BBC Brasil em Londres, publicado em 25/09/2017. Para ler a matéria completa, acesse: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-41360867

***

 

Que saber mais sobre o assunto? Conheça os livros do psicólogo Klecius Borges, especialista em terapia afirmativa:
…………..

MUITO ALÉM DO ARCO-ÍRIS
Amor, sexo e relacionamentos na terapia homoafetiva
Edições GLS

Gays, lésbicas e bissexuais não costumam encontrar referências ou representações sobre a natureza de seus relacionamentos. Questões como autoaceitação, visibilidade social, homofobia e preconceito são comuns na clínica homoafetiva. Escrito por um especialista em terapia afirmativa, este livro apresenta uma seleção de casos nos quais esses problemas foram tratados de uma perspectiva não heteronormativa.

 

TERAPIA AFIRMATIVA
Uma introdução à psicologia e à psicoterapia dirigida a gays, lésbicas e bissexuais
Edições GLS

Para a psicologia afirmativa – base teórica do trabalho do autor –, a homofobia, e não a homossexualidade, é a principal responsável pelos conflitos vivenciados por homossexuais. Por isso, os psicoterapeutas que adotam a abordagem afirmativa oferecem a seus pacientes absoluto respeito por sua sexualidade, cultura e estilo de vida. Para gays, psicólogos e todos os que querem se instrumentalizar para combater o preconceito.

NOITE DE AUTÓGRAFOS NA LIVRARIA SARAIVA, EM FLORIANÓPOLIS

Convidados e amigos prestigiam o lançamento de Orientação profissional em ação – Volume 1da Summus Editorial. O evento aconteceu na última quarta-feira, 13 de setembro, na Saraiva do Shopping Iguatemi Florianópolis (SC)

Conheça a obra: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1473/9788532310743


 

 

 

‘MUITO ALÉM DO SOM: ENTENDA OS BENEFÍCIOS DA MUSICOTERAPIA PARA IDOSOS’

Saiba como a prática oferecida pelo SUS pode ajudar no envelhecimento ativo e colaborar no tratamento de doenças relacionadas à terceira idade

A sala principal não estava muito cheia quando a terapeuta ocupacional Flávia Kaori Kanegava apareceu. Algumas pessoas estavam espalhadas pelo jardim e outras assistiam à televisão. Mas, bastaram poucos minutos para que ela reunisse todas em uma grande roda. Muitas vieram por iniciativa própria, enquanto aquelas que resistiam, aos poucos, foram cedendo até se juntarem à maioria. Seja em suas cadeiras de roda ou no sofá, em pouco tempo, estavam todos atentos para que estava prestes a começar.

“É para cantar bem bonito”, disse dona Olinda. E assim o fizeram. Ao som de “Como é grande o meu amor por você”, de Roberto Carlos, era possível ouvir as vozes de quase 30 senhores e senhoras, residentes do Cora Residencial Sênior, uma Instituição de Longa Permanência para idosos, onde a musicoterapia passou a fazer parte da rotina dos hóspedes.

Envelhecer melhor

A prática não tem muito a ver com entonação ou aulas de canto. A ideia é mais voltada à colaboração direta para o envelhecimento ativo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a prática estimula a fala, aumenta a criatividade, movimenta o corpo, exercita a memória, reduz sintomas de depressão e age na prevenção de doenças associadas ao aumento de idade e início de doenças crônicas.

“Por desenvolver aspectos cognitivos, como atenção, concentração, memória, organização e planejamento, os exercícios com música são bastante completos, já que a parte física também é trabalhada”, explica Flávia.

Reabilitação

Antes de começar o coral, a terapeuta ocupacional incentiva os idosos a fazerem exercícios vocais, e depois pede para que eles cantem, com o auxílio da letra – impressa e entregue a cada participante. No meio da aula, ela troca de música e, ao som de “Trem das Onze”, de Adoniran Barbosa, os sorrisos começam a brotar na sala e o balanço dos corpos fica impossível de ser contido.

Porém, a agilidade de seus corpos já não é a mesma. Os movimentos, sutis, são feitos de seus assentos, com um gingado tímido, mas encorajados pela profissional. “Aqui o objetivo é estimular o cérebro e os movimentos, ainda que singelos, ajudam muito. Temos vários pacientes com demência causada por Alzheimer ou AVE [acidente vascular encefálico] que passam a ficar afásicos com o tempo, mas quando a música toca vejo que eles conseguem participar da atividade de um jeito bem mais natural, colaborando para a reabilitação”, explica Flávia.

A profissional também aproveita o encontro semanal para resgatar memórias provocadas pelas canções escolhidas, sendo esse um outro jeito de desenvolver a atividade cerebral, segundo ela.

“Tem gente aqui que não consegue saber que horas são. Mas, quando a música toca, todo mundo participa. É uma coisa que todos gostamos. Eu gosto porque ajuda a me lembrar do meu tempo de solteira, quando era menina”, contou dona Joice Seabra, de 92 anos.

Quem também reconhece os benefícios da musicoterapia não só para o corpo, mas também para a mente e o coração é dona Viviana Papni, de 97 anos. “Sinto muitas saudades quando escuto as músicas. Lembro-me de quando estudei piano, lembro-me de tudo com muito carinho”.

Doenças

Além de provocar a sensação de bem-estar, maior facilidade em se expressar, reduzir o estresse e melhorar as condições físicas, um estudo comandado pelo Instituto Max Planck de Neurociência e Cognição Humana de Leipzig, na Alemanha, conseguiu comprovar também que, uma vez que a música está relacionada às emoções mais profundas, as letras e as melodias são raramente esquecidas por pacientes com Alzheimer, por exemplo.

Essa constatação também pode ser percebida no documentário “Alive Inside”, produzido nos Estados Unidos, que mostra a atividade sendo capaz de fazer com que o cérebro de pacientes com Alzheimer ficasse mais ativo depois de terem que lidar com canções conhecidas, fazendo com que respondessem melhor a estímulos após a terapia.

Além disso, pessoas portadoras de doenças como Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, autismo, ou que sofreram acidente vascular cerebral (AVC) são beneficiadas com a prática, conforme constatam outras pesquisas.

SUS

Diante de tantas vantagens, a atividade foi incorporada recentemente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. Desde janeiro deste ano, outras terapias como meditação, reiki e quiropraxia são oferecidas gratuitamente à população.

Para saber onde encontrar o local adequado onde as sessões de musicoterapia são aplicadas e participar, é preciso entrar em contato com a secretaria de saúde do seu estado ou cidade.

Matéria de Marina Teodoro, publicada originalmente no iG, em 26/07/2017. Para acessá-la na íntegra: http://saude.ig.com.br/2017-07-26/musicoterapia-idosos.html

***

Quer saber mais sobre musicoterapia? Conheça os livros da Summus:

MÚSICA E SAÚDE
Autora: Even Ruud

Compilação de textos das conferências do Congresso de Musicoterapia (Oslo, 1985). Especialistas internacionais mostram as ligações entre a musicoterapia e outros campos do conhecimento, como a neurologia, a percepção corporal e a semiótica. O leitor encontra aqui reflexões e métodos sobre as diferentes formas de trabalhar com música em terapia.

CAMINHOS DA MUSICOTERAPIA
Autora: Even Ruud

Este livro pretende esclarecer as relações entre a musicoterapia e os diferentes caminhos existentes na área da saúde mental e observar como estes diversos procedimentos estão vinculados a tendências filosóficas distintas.

TEORIA DA MUSICOTERAPIA
Contribuição ao conhecimento do contexto não-verbal
Autor: Rolando Benenzon

A musicoterapia é uma técnica que explora a relação entre emoções e música dentro de um processo terapêutico. Neste livro, o Dr. Benenzon esclarece os fundamentos teóricos da musicoterapia, contribuindo para a orientação na formação de musicoterapeutas em nível universitário.

O DESPERTAR PARA O OUTRO
Musicoterapia
Autora: Clarice Moura Costa

A partir de um embasamento teórico e de casos clínicos, a autora traça os objetivos e os limites da proposta psicoterápica apoiada na música. São mostradas as possibilidades de restauração dos processos de sociabilização e as reações dos pacientes.

PRIMEIRA REDE SOCIAL PARA USUÁRIOS DE IMPLANTE COCLEAR É CRIADA NO BRASIL

A blogueira e autora do Crônicas da Surdez, Paula Pfeifer Moreira, acabou de lançar a primeira rede social exclusiva para usuários de Implante Coclear. O CI Users World Map é um site destinado à promoção de contato e compartilhamento de experiências entre implantados do mundo inteiro, com versões da plataforma em inglês, português e espanhol.

Paula conta que teve a ideia do projeto em uma viagem ocorrida no ano passado. “Num brainstorming durante um voo Rio-POA em 2015, decidi que queria criar uma rede social de surdos oralizados. Eram muitas ideias ao mesmo tempo! Em parceria com o Dr. Luciano Moreira, do Portal Otorrino (meu marido), decidimos otimizar e criar a primeira rede social exclusiva para implantados no mundo, o CI Users World Map”.

Funciona assim: o usuário de IC cadastra o seu PIN no mapa mundi do site e então pode enviar e receber mensagens de qualquer usuário – ou de outra pessoa, como, por exemplo, candidatos ao implante. Segundo Paula, o objetivo é aproximar e conectar os “cyborgs” do planeta, além de mostrar como a perda auditiva é comum no mundo moderno e divulgar o máximo possível a reabilitação auditiva.

Então, está esperando o quê para participar? Já são mais de 410 PIN’s cadastrados, dos mais diferentes países: Brasil (líder em cadastros), Colômbia, Austrália, Índia, Nova Zelândia, Suécia, Inglaterra, Portugal e Havaí. Conheça mais o projeto em http://www.cochlearimplantusers.com/

Publicado no site da ADAP – Associação de Deficientes Auditivos, Pais, Amigos e Usuários de Implante Coclear. Acesse na íntegra: http://adap.org.br/site/index.php/artigos/293-primeira-rede-social-para-usuarios-de-implante-coclear-e-criada-no-brasil

*** 

Paula Pfeifer é autora dos livros Crônicas da surdez e Novas crônicas da surdez, publicados pela Plexus Editora. Conheça mais sobre as obras:

60092CRÔNICAS DA SURDEZ

Nesta obra, Paula Pfeifer discute um assunto que, por vezes, se torna tabu: a deficiência auditiva, que tanto afeta a comunicação e a interação humanas. Porém, a autora passa longe da autocomiseração e mostra que os surdos podem e devem levar uma vida feliz, independente e produtiva. Dividido em três partes, o livro relata como Paula lidou com as dificuldades e as agruras da surdez, traz textos que ela escreveu no blogue Crônicas da Surdez – que tem milhares de acessos mensais –, além de apresentar depoimentos emocionantes de leitores. Temas como preconceito, tecnologia, mercado de trabalho e bullying são apresentados de forma leve, sem julgamentos, permitindo aos deficientes auditivos, a seus familiares e a profissionais de saúde refletir sobre as experiências cotidianas e sobre a capacidade de superação inerente a todos nós.

60094NOVAS CRÔNICAS DA SURDEZ
Epifanias do implante coclear

Aqui, Paula Pfeifer conta como foi perder a audição desde a infância até chegar à surdez bilateral profunda aos 31 anos e, então, fazer um implante coclear e voltar a ouvir. A jornada em direção ao som foi cheia de altos e baixos, e o livro mostra com sinceridade os melhores e os piores momentos desse caminho: da decisão de fazer a cirurgia aos meses seguintes à ativação dos eletrodos.

Clique nas capas ou nos títulos acima para adquiri-los com desconto no site da Amazon.

‘APÓS PERDER BEBÊ, MÃE CRIA LOGO PARA SINALIZAR LUTO NA MATERNIDADE’

Símbolo em hospital avisa que bebê era parte de uma gestação múltipla em que nem todos sobreviveram

Símbolo em hospital avisa que bebê era parte de uma gestação múltipla em que nem todos sobreviveram

Símbolo em hospital avisa que bebê era parte de uma gestação múltipla em que nem todos sobreviveram

Na maternidade, uma mãe cansada tentando acalmar seus gêmeos recém-nascidos olha para a outra, na cama ao lado, e diz: “Você tem sorte de ter apenas um”. A intenção era fazer uma brincadeira, mas a afirmação ganhou ares de tragédia, pois a vizinha de leito também tinha tido uma gravidez múltipla e somente uma das duas bebês sobreviveu. As informações são do site americano “Babble”.

Embora prematura, Callie nasceu normal, mas Skye teve anencefalia (má formação caracterizada pela ausência total ou parcial do encéfalo e da calota craniana) e viveu apenas três horas. Mesmo sabendo da condição da bebê desde a 12ª semana de gestação, os pais, Milli Smith e Lewis Cann, ficaram arrasados com sua morte.

Contrariando as previsões médicas, que diziam que Skye não seria capaz de fazer sons, ela chorou quando nasceu e mexeu os braços, o que emocionou o casal.

O Kingston Hospital, no Reino Unido, onde o parto aconteceu, dispõe de uma sala especial, chamada Daisy, onde os pais de um bebê em estado terminal podem permanecer ao seu lado até o fim. E foi isso que eles fizeram.

Fazia pouco tempo que Skye tinha morrido quando a outra paciente fez o comentário infeliz, mas não intencional, deixando Milli devastada.

Para evitar que outras famílias passem por constrangimentos como esse, ela criou um símbolo (uma borboleta roxa) que indica que o bebê presente em determinado leito ou incubadora é parte de uma gestação múltipla em que nem todos os fetos sobreviveram. Assim, a família pode ser tratada, tanto pela equipe do hospital quanto pelos visitantes e pacientes, de maneira mais gentil e respeitosa.

Para viabilizar o projeto, Milli criou uma campanha para arrecadar fundos e espera que, no futuro, a iniciativa se transforme em uma fundação para homenagear a filha e apoiar outras famílias que passarem por perdas como a dela.

………..
Texto publicado originalmente no UOL, em 29/06/2016. Para lêlo na íntegra, acesse:
http://estilo.uol.com.br/gravidez-e-filhos/noticias/redacao/2016/06/29/apos-perder-bebe-mae-cria-logo-para-sinalizar-luto-na-maternidade.htm

***

Para entender melhor  os processos de dor e luto da perda gestacional, conheça:
20060MATERNIDADE INTERROMPIDA
O drama da perda gestacional
Autora: Maria Manuela Pontes
EDITORA ÁGORA

Por vezes o ciclo da vida inverte-se: morre-se antes de nascer. Estará a sociedade civil consciente da fragilidade da maternidade e do vigor desse sono eterno que nos desvincula da existência? Este livro denuncia os processos da dor e do luto em mulheres que enfrentaram o drama da perda gestacional. São testemunhos reais de uma dura realidade que, silenciosa, clama por ser ouvida. Prefácio de Maria Helena Pereira Franco.

29 DE JANEIRO, DIA DO JORNALISTA

Promoção relâmpago em comemoração ao Dia do Jornalista, 29 de Janeiro: livros com 50% de desconto em 3 supercombos especiais. Aproveite, os kits ficarão no ar só até 31/01! Clique nas imagens abaixo para ir direto aos combos.

Kit Dia do Jornalista 1 2016

Assessoria de imprensa +
Media training +
Jornalismo
freelance
De R$ 150,40
Por R$ 75,20

Kit Dia do Jornalista 2 2016

O papel do jornal +
A arte de tecer o presente +
A notícia como fábula
De R$ 149,00
Por R$ 74,50

Kit Dia do Jornalista 3

Nada mais que a verdade +
Por trás da notícia +
Pragmática do jornalismo
De R$ 184,40
Por R$ 92,20

 

 

 

 

………
Para conhecer todos os livros de jornalismo da Summus Editorial, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/categoria/Jornalismo

 

‘O QUE TIRA O SEU BEM-ESTAR NO DIA A DIA?’

cbnA dio CBN entrevistou a antropóloga e psicóloga Susan Andrews, autora de Por uma vida de verdade – Saúde, bem-estar e gerenciamento de estresse. Ela falou sobre qualidade de vida em meio à correria cotidiana. Confira abaixo.
…………………………

………

20175Por uma vida de verdade é uma coletânea dos principais artigos de Susan Andrews publicados entre 2006 e 2008 na revista Época, que abordam, entre outros assuntos, qualidade de vida, gerenciamento do estresse, a necessidade de levar uma existência mais calma e pacífica e os males do individualismo. Embora os escritos tenham quase uma década, os assuntos neles abordados continuam atuais e presentes na vida de milhões de pessoas. Entre as maneiras citadas pela autora de alcançar o bem-estar físico e emocional estão transformar os sentimentos negativos em energia positiva, resgatar o contato com a natureza, sentir o profundo prazer do altruísmo e da empatia, responder com mais flexibilidade às mudanças que acontecem ao nosso redor e converter o perigo em oportunidade para a transformação. Trata-se de leitura essencial a todos os que desejam viver de forma mais plena e feliz.

Para saber mais sobre o livro, acesse: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//9788571831759

Para conhecer todos as obras da autora pela Ágora, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/busca/susan+andrews/all/0

‘LIVRO ANALISA CAMINHOS DO CINEMA BRASILEIRO A PARTIR DA RETOMADA’

Cineasta, professor e crítico de cinema Marcelo Ikeda conversa com o Arte Clube, da Rádio MEC. Ouça abaixo.

 

.

Os altos e baixos do cinema brasileiro, desde o sucesso do filme “Carlota Joaquina”, tido como marco da retomada até o início do governo Dilma são o foco do livro “Cinema brasileiro a partir da retomada – Aspectos econômicos e políticos” (Summus Editorial). O autor, cineasta, professor e crítico de cinema Marcelo Ikeda conversou com o Arte Clube sobre a obra. Ele também falou sobre os rumos do cinema nacional neste momento de crise econômica. Clique no player para conferir a entrevista.

Em 272 páginas, Ikeda percorre os últimos 25 anos para traçar um panorama das políticas públicas – sobretudo as cinematográficas – para o setor audiovisual no Brasil, mesclando um referencial teórico sobre as transformações do Estado brasileiro no período com uma extensa compilação de dados de captação de recursos e da performance de filmes nacionais no mercado local.11023No livro, o autor pesquisou três grandes momentos do cinema nacional nesse período. O primeiro corresponde à reconstrução do apoio estatal ao cinema brasileiro, com a implantação do modelo de fomento indireto, baseado nas leis de incentivo fiscal (Lei Rouanet e Lei do Audiovisual) no governo Collor; o segundo, é a consolidação do modelo estatal no fim do mandato do governo FHC, com base na atuação de um “tripé institucional” formado pelo Conselho Superior do Cinema, pela Secretaria do Audiovisual e, sobretudo, pela Agência Nacional do Cinema (Ancine). E o terceiro grande momento, já no governo Lula, corresponde à reavaliação desse modelo e aos novos rumos na política cultural brasileira, com o Estado retomando seu poder ativo de proposição das políticas culturais. Por fim, no epílogo, Ikeda trata das políticas audiovisuais na primeira fase do governo Dilma e se estende a uma projeção da atividade para os próximos anos.
..
..