REPORTAGEM DA REVISTA ISTOÉ CITA O LIVRO “A TV NO ARMÁRIO”

A edição 2303 da revista IstoÉ, publicada em 15 de janeiro, deu destaque para o livro A TV no armário (Edições GLS), do jornalista Irineu Ramos Ribeiro. A reportagem, intitulada “Um personagem contra o preconceito” – capa da edição – mostra como a atuação do ator Mateus Solano, 30057na novela Amor à vida, colocou o debate sobre a homossexualidade nos lares brasileiros. Leia a reportagem na íntegra: http://goo.gl/nwpdNB.

Em pleno século XXI, os meios de comunicação ainda abordam a questão da homossexualidade de forma preconceituosa. Embora se esforcem para ser “politicamente corretos”, na prática, são incapazes de lidar com a diferença. Para Ribeiro, a mídia, em geral, aponta a sexualidade com deboche, discriminação e caricaturização. No livro A TV no armário, ele analisa diversos aspectos do tratamento dado aos gays na programação humorística, em telejornais e em novelas, demonstrando as diversas formas pelas quais o preconceito é estimulado. Baseando-se no pensamento de Michel Foucault e noções da teoria queer, ou teoria do estranhamento, o autor comprova que a televisão brasileira acaba transmitindo valores negativos, depreciativos e caricatos no que se refere aos gays. “Está na hora de mudar de rumo”, afirma, lembrando que a mídia tem um papel determinante na formação de identidade.

Fruto de ampla pesquisa, desenvolvida durante dois anos, incluindo também a observação de toda a programação de TV, a obra abre caminhos para problematizar a maneira pejorativa como a comunidade LGBT é retratada na telinha. Ribeiro mostra, em quatro capítulos, que os meios de comunicação ainda precisam percorrer um longo caminho para retratar as diferenças de gênero, ajudando a reafirmar a identidade gay e a construir um mundo onde a diversidade seja respeitada. “A TV tem dificuldade de se pautar por abordagens que informam sobre a amplitude que o tema sexualidade implica. A consequência disso é que acabam se restringindo à reprodução de enfoques que estimulam o preconceito”, complementa o autor.

Ao longo da obra, o autor discorre sobre o limiar dos gêneros, abordando questões como ambiguidade, identidade, sexualidade e formas de pensar. Fala sobre o desenvolvimento das identidades sexuais “proscritas” no decorrer do século XX e as relações de poder na mídia televisiva. Faz um breve histórico do movimento homossexual no mundo e de algumas de suas lutas até chegar à década de 1970, quando o gênero passa a ter uma conotação social ampla. “O conceito de gênero se refere à construção social e cultural que se organiza a partir da diferença sexual”, revela o autor.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1217/TV+no+arm%C3%A1rio,+A

REVISTA ISTOÉ DESTACA O LIVRO “EQUILÍBRIO HORMONAL E QUALIDADE DE VIDA”

A Revista IstoÉ desta semana deu destaque para o livro Equilíbrio hormonal e qualidade de vida, da MG Editores. A reportagem, intitulada “O Super Hormônio”, traz entrevista com o psiquiatra Sergio Klepacz, autor da obra. Veja a matéria na íntegra: http://goo.gl/9LSIiw

O equilíbrio hormonal, aliado ao controle do estresse e à alimentação saudável, pode melhorar a qualidade de vida e até influenciar no processo de envelhecimento. No livro, Klepacz explica como essa relação é possível. Com base em estudos e na avaliação de casos reais de pacientes, ele mostra como o organismo se comporta no decorrer dos anos e por que é tão importante balancear os hormônios para o bem-estar e a saúde.

Segundo o psiquiatra, os mais importantes grupos médicos que trabalham na área do antienvelhecimento já concluíram que um dos principais motivos pelo qual envelhecemos é a queda do nível dos nossos hormônios ao longo da vida, e não o contrário. “Para melhor compreender essa afirmação, basta imaginarmos nosso sistema hormonal como uma balança. Em um dos pratos se encontram os hormônios construtores, que funcionam em uma direção, e, no outro prato, aqueles que funcionam no sentido oposto, os hormônios destruidores.”

Os hormônios construtores (ou anabólicos), explica o psiquiatra, apresentam taxas bastante elevadas na infância e na juventude. Eles propiciam crescimento corpóreo, favorecem o equilíbrio emocional e trazem coragem, otimismo e potência. Os destruidores (ou catabólicos), por sua vez, são hormônios de fuga, de estresse. Quando apresentam níveis superiores aos desejados, causam desequilíbrio físico e distúrbios emocionais e psíquicos.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1083/Equil%C3%ADbrio+hormonal+e+qualidade+de+vida

ISTOÉ E O GLOBO DESTACAM LIVROS DO GRUPO EDITORIAL SUMMUS NO FIM DE SEMANA

Dois livros do Grupo Editorial Summus foram destaque em reportagens neste fim de semana. A revista IstoÉ entrevistou o autor de Ciúme – O lado amargo do amor (Ágora), o psiquiatra Eduardo Ferreira-Santos. Já o jornal carioca O Globo entrevistou a psiquiatra Carmita Abdo, autora de Descobrimento sexual do Brasil (Summus). Vejam as respectivas matérias nos links: http://goo.gl/tI34O e http://goo.gl/PqNNG

Muitas vezes idealizado e até romantizado, o ciúme – esse sentimento tão comum aos seres humanos que amam – é, no entanto, expressão de desconfiança e insegurança. Se, de início, as demonstrações de posse podem até “apimentar” o relacionamento, com o tempo tornam-se reações cada vez mais descontroladas. No livro Ciúme – O lado amargo do amor, Ferreira-Santos mergulha fundo no tema. Ele explicita as causas e as conseqüências dramáticas para as relações afetivas (como dependência, perda de auto-estima e até distúrbios psicológicos graves) e aponta possíveis saídas para situações neuróticas.

O livro Descobrimento Sexual do Brasil – para estudiosos e curiosos traz um retrato multifacetado dos hábitos sexuais do brasileiro. As descobertas, os medos, as conquistas, os tabus, a evolução e as diferenças entre a sexualidade de homens e mulheres. Em linguagem simples e objetiva, a sexóloga Carmita Abdo trata de orientação sexual, disfunção erétil, orgasmo, fidelidade e compromisso, hábitos sexuais, desejo, ponto G e doenças sexualmente transmissíveis. A obra é resultado da extensa pesquisa de campo “Estudo da Vida Sexual do Brasileiro” (EVSB), realizada com mais de sete mil brasileiros de todas as regiões do País.

Para saber mais sobre os livros, clique nas capas acima.