‘MARIA CELIA DE ABREU LANÇA LIVRO’

Velhice – Uma nova paisagem” é o livro da psicóloga Dra. Maria Celia de Abreu publicado pela Editora Ágora, com lançamento marcado para o dia 13 de março, na Livraria Cultura, do Conjunto Nacional, em São Paulo. A obra traz  novos conceitos sobre o envelhecimento, além de  muitas informações para viver essa fase da maturidade com mais sabedoria e qualidade de vida. Dia 13, às 18h30, a autora faz palestra sobre o tema do livro e, em seguida, autografa os exemplares.

Publicado no Blog do Ideac em 19/02/2017: https://ideacblog.wordpress.com/2017/02/19/maria-celia-de-abreu-lanca-livro/

Velhice - uma nova paisagem

GIKOVATE FAZ PALESTRA E SESSÃO DE AUTÓGRAFOS NO LANÇAMENTO DO LIVRO “PARA SER FELIZ NO AMOR”

MG Editores e a Livraria Cultura do Conjunto Nacional (São Paulo) promovem no dia 13 de setembroterça-feira, o lançamento do livro Para ser feliz no amor, de Flávio Gikovate. Das 18 ás 19 horas, haverá palestra com o psicoterapeuta no Teatro Eva Herz. A sessão de autógrafos acontecerá em seguida, em frente ao teatro, no piso superior da livraria, que fica na Avenida Paulista, 2073, São Paulo.

Serão distribuídas senhas uma hora antes do evento, em frente ao teatro.

Saiba mais sobre o livro lançado em http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1449/Para+ser+feliz+no+amor+

Para ser feliz no amor

GIKOVATE FAZ PALESTRA NA LIVRARIA DA VILA, NO SHOPPING PÁTIO HIGIENÓPOLIS

A MG Editores e a Livraria da Vila (Shopping Pátio Higienópolis-São Paulo) promovem no dia 21 de setembro, segunda-feira, às 19 horas, palestra do psicoterapeuta Flávio Gikovate no auditório da livraria. Na sequência, ele autografará seu livro recém-lançado, Gikovate além do divã – AutobiografiaPara participar é necessário retirar senha antecipada, que estará disponível a partir de 18h30 (a cpacidade do auditório é de 60 pessoas sentadas). A livraria fica no Shopping Pátio Higienópolis, piso Pacaembu (Av. Higienópolis, 618, São Paulo).

Nos anos 1970, no auge do lema “sexo, drogas e rock’n’roll”, Gikovate viveu sua primeira grande ruptura com o pensamento psicológico tradicional. Em um artigo para uma revista de grande circulação, ele separou sexo de amor. E disse mais: são impulsos instintivos autônomos e muitas vezes antagônicos. Foi também nessa época que ele falou pela primeira vez do medo da felicidade, relacionando-o ao trauma do nascimento, e estabeleceu diferenças cabais entre desejo e excitação.

Adepto do pensamento livre, Gikovate nunca se filiou a nenhuma das tradicionais correntes da psicologia. O modo peculiar de conduzir seu trabalho e a originalidade de suas reflexões atingem milhares de pessoas, seja pela leitura de seus livros, que já venderam mais de 1 milhão de exemplares, seja pelo incalculável alcance do rádio em seu programa semanal, seja pelo atendimento em consultório, onde já passaram mais de 10 mil pacientes, seja pelas redes sociais, com números crescentes de seguidores. Em Gikovate além do divã – Autobiografia, Gikovate se abre para contar essa trajetória e revela, com sinceridade e emoção, como a influência familiar, a formação acadêmica, a vivência em consultório e a análise acurada do meio social contribuíram para construir seu modo de atuar.

O objetivo da autobiografia, segundo ele, é deixar registradas as etapas que foram essenciais para a elaboração dos seus métodos de trabalho e de sua produção intelectual.  “Penso que fui capaz de elaborar um guia útil para aqueles que desejam entender como a experiência clínica, as mudanças ocorridas em nossa cultura ao longo dos últimos 50 anos e também as vivências pessoais se mesclaram e formaram o substrato das reflexões originais que fiz sobre sexo, amor, moral e felicidade – e sobre o medo dela.”

Sem histórias picantes e detalhes de bastidores, Gikovate escreveu sobre a vida pessoal apenas o que era indispensável para explicar certos aspectos do modo como se encaminhou sua trajetória como psicoterapeuta. A medicina entrou em sua vida desde muito cedo. Filho de um médico e intelectual respeitado, influente também no meio político, ele nutriu grande admiração pela determinação e inteligência do pai. Mas foi a severa doença psiquiátrica da mãe, que se manifestou pela primeira vez quando ele tinha 6 anos de idade, que selou sua escolha pela medicina e, posteriormente, pela psiquiatria.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1423/9788572551151

Gikovate_Palestra Livraria da Vila

 

COMO ENSINAR DIVERSIDADE ATRAVÉS DO CINEMA

Nota

30048
A convite da UNESP de Presidente Prudente (SP), Stevan Lekitsch, autor do livro Cine arco-íris (Edições GLS), irá proferir a palestra Como Ensinar Diversidade Através do Cinema. O evento ocorrerá no Centro Cultural Matarazzo, pertencente a Secretaria de Cultura da cidade, na sexta-feira (29 de agosto), às 19 horas.

Conheça o livro: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1265/Cine+arco-%C3%ADris

GIKOVATE FAZ PALESTRA SOBRE O LIVRO “MUDAR” NA LIVRARIA MARTINS FONTES

A MG Editores e a Livraria Martins Fontes (São Paulo) promovem no dia 1º de setembro, segunda-feira, o lançamento do livro Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira, de Flávio Gikovate. Às 19h, haverá palestra com o psicoterapeuta no auditório (piso superior) e sessão de autógrafos em seguida.
A livraria fica na Av. Paulista, 509, próximo à estação Brigadeiro do metrô.

50109Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? Gikovate vai ao âmago dessas questões. No livro Mudar, ele não apresenta fórmulas prontas nem conselhos fáceis.  Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Tecendo considerações acerca de como nos tornamos aquilo que somos, o autor contempla todas as possibilidades sem se deixar aprisionar por nenhuma das hipóteses teóricas que povoaram o território da psicologia do século XX. “Penso que só podemos chamar de ciência um sistema aberto e eternamente incompleto, no qual hipóteses e ideias vêm e vão, sendo sempre substituídas por outras mais abrangentes”, diz. Para ele, todo saber é temporário, sendo isso particularmente verdadeiro num terreno como o da psicologia.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Mudar

Mudar Martins_Fontes1

 

OUÇA A PALESTRA DE LANÇAMENTO DO LIVRO “MUDAR”, DE FLÁVIO GIKOVATE

50109Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? O psicoterapeuta Flávio Gikovate vai ao âmago dessas questões em seu novo livro Mudar – Caminhos para transformação verdadeira. Ele não apresenta fórmulas prontas nem conselhos fáceis.  Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar.

Uma palestra realizada pelo autor marcou o lançamento do livro. O evento ocorreu no dia 11 de agosto, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo. Ouça abaixo o áudio da palestra:

Para saber mais sobre o livro, acesse: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1380/Mudar

PROFESSOR ULISSES F. ARAÚJO FAZ PALESTRA E SESSÃO DE AUTÓGRAFOS DA COLEÇÃO NOVAS ARQUITETURAS PEDAGÓGICAS

A Summus Editorial convida para o lançamento dos dois primeiros volumes da coleção Novas Arquiteturas Pedagógicas: A sociedade da insegurança e a violência na escola, da professora Flávia Schilling, e Temas transversais, pedagogia e projetos de mudanças na educação, do professor Ulisses F. Araújo, no dia 21 de agosto, quinta-feira, às 18h30. O evento, que acontece no auditório da Fundap – Fundação para o Desenvolvimento Administrativo (Av. Alves Guimarães, 429 – 4ª andar – Pinheiros – São Paulo), terá início com a cerimônia de entrega de certificados de conclusão aos alunos do curso de especialização Ética, Valores e Cidadania na Escola, oferecido pela USP e pela UNIVESP. Em seguida, o prof. Araújo fará uma palestra sobre o tema da coleção e, por fim, a sessão de autógrafos das obras.

Coordenada pelo professor Araújo, a coleção Novas Arquiteturas Pedagógicas tem como ponto de partida atender às demandas e necessidades de uma sociedade democrática, multicultural e inclusiva, permeada pelas diferenças e pautada no conhecimento inter, multi e transdisciplinar. Para tanto, publica livros que ajudem os profissionais da educação a construir ambientes educativos inovadores, atentos a formas diferentes de organização dos tempos, espaços e relações na educação. O objetivo é auxiliá-los a incorporar novas linguagens e tecnologias na sua prática docente, bem como aplicar a ética nas relações humanas dentro e fora da escola.

10952No livro A sociedade da insegurança e a violência na escola, a professora Flávia discute a violência presente nas redes de ensino em todas as suas dimensões – econômicas, sociais, políticas e simbólicas –, propondo que o espaço escolar seja visto como lugar de inclusão, aprendizado e exercício pleno dos direitos democráticos. “Pela primeira vez em nossa história, lidamos, no Brasil, com nossa face violenta — esse tema permeia a fala das pessoas no cotidiano, aparece de modo espetacular na mídia, perpassa os discursos políticos, provoca ações de políticas públicas, além de produzir pesquisas e debates. A sensação é de que a violência tomou conta do mundo”, afirma a autora.

10958Já a obra Temas transversais, pedagogia e projetos de mudanças na educação, de autoria do professor Araújo, discute como os chamados temas transversais, articulados com a pedagogia de projetos e os princípios de interdisciplinaridade, podem apontar caminhos inovadores para a educação formal e uma ressignificação da prática docente. Tomando o construtivismo como corrente teórica ideal, o autor traz ainda o exemplo concreto de um projeto, desenvolvido em sala de aula do ensino fundamental, que empregou a metáfora da “rede” de conhecimentos como referência, a fim de materializar na prática docente a concepção de transversalidade. “Esses novos caminhos já se encontram em pleno desenvolvimento nas escolas de nosso país”, complementa.

Para saber mais sobre os livros, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/busca/novas+arquiteturas+pedag%C3%B3gicas/all/0

Colecao_Novas_arquiteturas_pedagogicas

 

 

 

 

 

 

GIKOVATE FAZ PALESTRA E SESSÃO DE AUTÓGRAFOS NO LANÇAMENTO DO LIVRO “MUDAR”

GIKOVATEA MG Editores e a Livraria Cultura do Conjunto Nacional (São Paulo) promovem no dia 11 de agosto, segunda-feira, o lançamento do livro Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira, de Flávio Gikovate. Às 19h, haverá palestra com o psicoterapeuta, no Teatro Eva Herz. A sessão de autógrafos acontecerá em seguida, em frente ao teatro, no piso superior da livraria, que fica na Avenida Paulista, 2073, São Paulo.

Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? O psicoterapeuta Flávio Gikovate vai ao âmago dessas questões. No livro Mudar, ele não apresenta fórmulas prontas nem conselhos fáceis.  Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Tecendo considerações acerca de como nos tornamos aquilo que somos, o autor contempla todas as possibilidades sem se deixar aprisionar por nenhuma das hipóteses teóricas que povoaram o território da psicologia do século XX. “Penso que só podemos chamar de ciência um sistema aberto e eternamente incompleto, no qual hipóteses e ideias vêm e vão, sendo sempre substituídas por outras mais abrangentes”, diz. Para ele, todo saber é temporário, sendo isso particularmente verdadeiro num terreno como o da psicologia.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1380/Mudar

Mudar

 

“MUDAR – CAMINHOS PARA A TRANSFORMAÇÃO VERDADEIRA”, NOVO LIVRO DE FLAVIO GIKOVATE

Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e GIKOVATEcomo entendê-los para, então, desmantelá-los?
O novo livro do psicoterapeuta Flávio Gikovate vai ao âmago dessas questões. Em Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira, lançamento da MG Editores, ele não apresenta fórmulas prontas nem conselhos fáceis.  Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar. O lançamento acontece dia 11 de agosto, segunda-feira, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2073, São paulo, SP), com palestra às 19h, no Teatro Eva Herz, piso superior. O evento será seguido de sessão de autógrafos e coquetel.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. 50109Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

No livro, Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Tecendo considerações acerca de como nos tornamos aquilo que somos, o autor contempla todas as possibilidades sem se deixar aprisionar por nenhuma das hipóteses teóricas que povoaram o território da psicologia do século XX. “Penso que só podemos chamar de ciência um sistema aberto e eternamente incompleto, no qual hipóteses e ideias vêm e vão, sendo sempre substituídas por outras mais abrangentes”, diz. Para ele, todo saber é temporário, sendo isso particularmente verdadeiro num terreno como o da psicologia.

O tema mudança é extremamente complexo mesmo em seus aspectos mais singelos e imediatos. “Não deixa de ser impactante considerar que carregamos características que não apreciamos e das quais gostaríamos de nos livrar”, afirma o autor. Para ele, é intrigante e estimulante perceber como as pessoas são capazes de gerir muitos dos seus anseios, em especial aqueles que entram em confronto com outros desejos que não podem coexistir.

O sucesso em qualquer empreitada, segundo Gikovate, esbarra sempre num último e inesperado obstáculo: no medo da felicidade, que, para ele, não pode faltar em projetos dessa natureza. “Esse obstáculo também terá de ser encarado e, se não definitivamente superado, pelo menos mantido sob controle”, complementa.

Flávio Gikovate é médico psiquiatra formado pela USP em 1966. Trabalha com psicoterapia breve, tendo atendido mais de oito mil pacientes. É conferencista e autor consagrado, com várias obras publicadas, que somam mais de um milhão de livros vendidos.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1380/Mudar

AUTOR DO LIVRO “GLAUCOMA” FAZ PALESTRA NA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO, NESTA QUARTA, 28 DE AGOSTO

O dr. Remo Susanna Jr., oftalmologista e autor do livro Glaucoma (MG Editores), será um dos palestrantes do XXXI Ciclo de Debate Município Saudável, que terá como tema principal a prevenção da cegueira e a manutenção da boa qualidade visual na cidade de São Paulo. O evento, que é aberto ao público, acontece na Câmara Municipal, na Sala Tiradentes, nesta quarta-feira, dia 28 de agosto, das 9h às 12h.  O endereço da Câmara é Viaduto Jacareí, 100, 8º andar.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano são registrados 2,4 milhões de novos casos no mundo. Cerca de 60 milhões de pessoas tinham glaucoma em 2010. Esse número chegará a 80 milhões em 2020. No Brasil, não há estatísticas populacionais sobre a doença, mas estima-se que existam mais de 1 milhão de portadores. Os números são alarmantes, mas há dados ainda piores. Boa parte dos doentes em estágio avançado teria chances de evitar a cegueira se tivesse sido diagnosticado a tempo e recebido o tratamento adequado. Até mesmo nos países desenvolvidos, 50% dos indivíduos afetados não receberam o diagnóstico nem estão em tratamento. Metade deles, no entanto, fez exames oftalmológicos nos últimos dois anos.

Em seu livro, o professor Remo, um dos maiores especialistas mundiais em glaucoma, traz informações claras e precisas para portadores e seus familiares. Ele oferece definições importantes sobre o glaucoma, explica os mitos mais comuns relacionados à doença, aborda os principais tipos de tratamento e oferece recursos para melhorar a deficiência visual decorrente do problema.

“O glaucoma é considerado o mais astuto ladrão da visão, que não respeita classe social, sexo e raça, sendo a principal causa de cegueira irreversível no mundo. Quando o paciente percebe que algo não vai bem com a sua visão, a extensão da lesão já é enorme e o glaucoma encontra-se em fase avançada”, explica o autor, destacando que 2% a 4% da população acima de 40 anos têm a doença.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Glaucoma