‘PEDAGOGIA DA DIFERENÇA’

A edição de abril da Revista Educação publicou ampla entrevista com a educadora Maria Teresa Eglér Mantoan, autora do livro Inclusão escolar – O que é? Por quê? Como fazer?, da Summus Editorial. Maria Teresa Mantoan Revista_EducaçãoUma das maiores especialistas em inclusão escolar no país, ela defende na reportagem uma ampla transformação das escolas regulares para atender a todos, indistintamente. Leia a íntegra: http://goo.gl/SwtEzF.

A ideia de educação inclusiva impulsionou, nas últimas décadas, mudanças significativas na educação e orientou a transformação nos sistemas de ensino no Brasil. Porém, os problemas históricos quanto à garantia do direito à educação aos estudantes com deficiência ainda não foram resolvidos. O que é inclusão escolar? Quais são as razões pelas quais ela tem sido proposta e quem são seus beneficiários? Como fazê-la acontecer nas salas de aula de todos os níveis de ensino? Maria Teresa responde a essas e outras perguntas no livro, que é o 10999terceiro volume da coleção Novas Arquiteturas Pedagógicas.

Baseando-se na legislação mundial e brasileira, a autora analisa em profundidade o caminho percorrido até aqui. Segundo ela, incluir é não deixar ninguém de fora da escola comum, ensinando todas as crianças, indistintamente. A pedagoga propõe um deslocamento da visão educacional que se sente ameaçada pela inclusão para uma perspectiva que se abre para outras formas de ensinar e avaliar a aprendizagem. Conhecendo o potencial teórico da educação inclusiva e sua implicação no campo da mobilização social, Maria Teresa mostra a importância da análise do contexto escolar, para entender as dificuldades de atender a estudantes com deficiência e outros e apontar o propósito da inclusão como objetivo primordial dos sistemas de ensino.

“A escola inclusiva brasileira tem sólidas fundações, na lei, no vanguardismo dos que se dispuseram expandi-la, verdadeiramente imbuídos do compromisso de transformá-la, para se adequar ao nosso tempo. Eles estão se multiplicando e surpreendendo, demonstrando a força desta ideia poderosa – que depende de uma expansão rápida dos projetos verdadeiramente imbuídos do compromisso de transformar a escola comum para se adequar aos novos tempos”, afirma a pedagoga.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1401/Inclus%C3%A3o+escolar

 

‘O VÍNCULO DO AFETO’

A edição de março da Revista Educação trata do tema afetividade na escola. A afetividade voltou a ser considerada um elemento importante para o sucesso do trabalho do professor e para a construção da escola no século 21. A educadora Valéria Amorim Arantes, organizadora do livro Afetividade na escola – Alternativas teóricas e práticas (Summus Editorial), é uma das entrevistadas na reportagem. 10840Segundo ela, a atenção para a relação com os alunos é uma chave preciosa, capaz de promover melhorias e transformações positivas e concretas. Leia a matéria na integra: http://goo.gl/j9i0dU.

O livro traz para o cenário da educação o tema da afetividade, raramente abordado e frequentemente ocultado no cotidiano escolar. É uma coletânea de textos assinados por estudiosos de diferentes campos do conhecimento – educação, psicologia, linguística, neurologia e matemática – com reflexões e indagações sobre a dimensão afetiva.

Com 240 páginas, a obra discute, inicialmente, a afetividade com base nas teorias de autores como Vygotsky, Wallon e Piaget, na psicanálise e na abordagem cultural. Um segundo bloco explora as complexas relações entre afetividade, cognição e cultura no campo da moralidade humana. Finalmente, dois textos teóricos aprofundam-se em campos inusitados para a temática em questão: a neurologia e a epistemologia.

O livro questiona os dualismos estabelecidos no mundo científico e escolar, que separa cognição e afetividade, razão e emoção e assume  que essas dimensões são indissociáveis no funcionamento  psíquico humano. O desafio lançado por Afetividade na Escola – Alternativas Teóricas e Práticas é incorporar essa premissa na organização e na estruturação do trabalho educativo cotidiano.

Leitura indicada para professores de educação infantil, ensino fundamental e ensino médio, cursos de Pedagogia, Psicologia, Licenciatura e Formação de Professores, além de cursos oferecidos na pós-graduação na área de Educação e Psicologia.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/846/Afetividade+na+escola

UMA CONVERSA SOBRE CIÊNCIAS

A edição de janeiro da revista Educação traz uma resenha sobre livro Ensino de ciências (Summus Editorial), escrito pelos educadores Nélio Bizzo e Attico Chassot. A doutora em Educação pela USP, Carla Marques Alvarenga de Oliveira, recomenda a leitura da obra, “tendo em vista seu alto valor para reflexão dos educadores preocupados com um ensino que privilegie a alfabetização científica para a cidadania”. Leia a íntegra da resenha: http://goo.gl/tsY8vh.

10891No livro, os educadores estabelecem um diálogo fundamental para a formação de professores de ciência no contexto brasileiro. Eles discutem de história e filosofia ao ensino de ciências com ideias diversificadas e complementares, apontando inovações e mudanças na busca de um ensino de qualidade. Organizada pela professora Valéria Amorim Arantes, a obra trata de um campo específico do conhecimento, iniciando uma nova fase da coleção Pontos e Contrapontos.

Com uma visão interdisciplinar, os autores abordam temas como a origem das espécies e do ser humano, o papel da Igreja na história da ciência, a dimensão social no desenvolvimento da ciência e dos conteúdos nas disciplinas científicas, as relações entre saberes populares e saberes científicos, e a formação de professores de ciências no contexto brasileiro, o androcentrismo no campo científico, interdisciplinaridade, transversalidade e aprendizagem baseada em problemas no ensino de ciências, entre outros.

Seguindo a proposta da coleção, o livro está estruturado em três partes. Na primeira, cada autor discorre livremente sobre o tema, expondo seu ponto de vista. Em seguida, ambos trocam perguntas e respondem-nas. Na terceira parte, a professora Valéria lança novos questionamentos, gerando um debate profícuo e instigante. “Com o intuito de trazê-los para o cotidiano escolar, proponho discutirem da eterna polêmica sobre os conteúdos a ser ensinados nas instituições escolares às mudanças que devem ser promovidas nos cursos de formação de professores de ciências no país”, complementa a organizadora.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1337/Ensino+de+ci%C3%AAncias:+pontos+e+contrapontos

Conheça outros livros da Coleção Pontos e Contrapontos, coordenada pela educadora Valéria Amorim Arantes:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/busca/pontos+e+contrapontos/all/0

 

 

REVISTA EDUCAÇÃO ENTREVISTA AUTORAS DO LIVRO “A CRIANÇA E O MARKETING”

A edição de julho da Revista Educação traz uma ampla entrevista com as autoras do livro A criança e o marketing” (Summus Editorial), a psicóloga Ana Maria Dias da Silva e a especialista em comunicação Luciene Ricciotti Vasconcelos. Na reportagem, intitulada “Fiscais da educação”, elas alertam para o impacto do consumismo na infância. No livro, as autoras analisam como se dá a formação do caráter, desvendam o funcionamento das principais ferramentas de marketing e da comunicação e mostram como a publicidade atinge as crianças. Leia a entrevista: http://goo.gl/cWtQJ

Para saber mais sobre este livro clique aquiPartindo do pressuposto de que pais e professores podem, desde a mais tenra infância, ajudar as crianças a se tornarem consumidores conscientes, as autoras reuniram informações fundamentais para auxiliar os adultos a proteger as crianças dos apelos do marketing infantil. Segundo elas, com mais consciência de seu poder como consumidor, de sua influência na criação de produtos e na divulgação dos mesmos, será possível criar adultos capazes de escolher o que comprar, com base naquilo que realmente querem e necessitam.

“Cremos que será maravilhoso viver em um mundo onde todos poderão escolher o que comprar usando critérios econômicos, sociais e ambientais, felizes com suas escolhas, usufruindo os benefícios do consumo de produtos”, afirmam.

Segundo as autoras, atualmente, pessoas de todos os níveis sociais e de todas as idades estão escolhendo o consumo como atitude de vida e não como meio de satisfazer suas reais necessidades. Refletir sobre essa questão e suas consequências é responsabilidade de todos: empresas, governos, famílias, educadores, publicitários e executivos. “Entendemos que a consciência vigilante da população diante do marketing infantil é um trabalho coletivo”, completam.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/detalhes_livro.php?produto_id=1303