FÁBIO PARANHOS, AUTOR DO LIVRO “CORAGEM DE SER”, PARTICIPA DE SEMINÁRIO SOBRE PATERNIDADE

A Rede Nacional Primeira Infância, através do GT Homens pela Primeira Infância, promove nos dias 1 e 2 de Setembro, em São Paulo, o III Seminário Nacional Paternidades e Primeira Infância: avanços e desafios do cuidar. O objetivo do evento é dar visibilidade à diversidade de experiências dos pais homoafetivos, pais adolescentes e encarcerados, além de abordar temas como a ampliação da licença-paternidade, guarda compartilhada e educação para a igualdade de gênero.

O ativista Fábio Paranhos, coautor do livro Coragem de ser (Edições GLS), é um dos convidados a palestrar no seminário. Usando como base o tema do livro, ele vai mostrar os 14 depoimentos de homens que assumiram a homossexualidade depois de ter formado uma família. “São histórias de amor, de encontros e desencontros, de sofrimento e superação”, afirma Paranhos, destacando que o livro também traz depoimentos de filhos desses homens tão corajosos.

Nesta sexta-feira, dia 1º, a programação do evento será dedicada ao debate e reflexão com especialistas no tema, vindos de diferentes estados do Brasil. A mesa 1, sobre a importância das políticas públicas na valorização da paternidade, vai abordar a ampliação da licença-paternidade, os próximos passos para a regulação e efetivação do Marco Legal da Primeira Infância, e também sobre o papel do homem no desenvolvimento e educação das crianças. Na segunda mesa de debates, a diversidade das famílias brasileiras estará presente, com falas de pais adotivos homoafetivos, pais adolescentes, pais transexuais e pais que já estiveram em situação de prisão. A terceira mesa de debates vai discutir o novo posicionamento do homem na dinâmica familiar, e contará com a presença de defensores do direito à guarda compartilhada das crianças, e representantes de movimento que defende a participação dos pais nas creches.

O segundo dia do evento será dedicado às oficinas vivenciais e rodas de conversa para escuta e troca de experiências, sobre temas como amamentação e alimentação saudável, educação para a equidade de gênero e oficinas sobre o brincar. As crianças serão bem-vindas, e poderão participar de atividades propostas por um grupo de educadores, para que os pais e mães possam participar das oficinas. Também no sábado, acontecerá um encontro com autores e especialistas sobre paternidade e o encerramento com a apresentação da Banda Alana.

O III Seminário Nacional Paternidades e Primeira Infância: avanços e desafios do cuidar é uma realização do GT Homens pela Primeira Infância, integrado pelas seguintes organizações: Aldeias Infantis SOS Brasil, CECIP – Centro de Criação de Imagem Popular, Coordenação Nacional de Saúde do Homem do Ministério da Saúde, Comitê Vida, Diário do Papai, Instituto Papai, Plan, Portal Aleitamento.com, Portal 4Daddy, Primeira Infância Melhor e Promundo Brasil. E conta com o apoio da secretaria-executiva da Rede Nacional Primeira Infância / CECIP – Centro de Criação de Imagem Popular.

Além dos debates, o evento vai contar com o lançamento do documentário “Pai é quem cuida”, oficinas e rodas de conversas para escuta e troca de experiências. As inscrições são gratuitas e as vagas, limitadas, clique aqui para se inscrever.

Serviço

Evento: III Seminário Nacional Paternidades e Primeira Infância: avanços e desafios do cuidar
Data: 1º e 2 de setembro, sexta-feira e sábado
Horário: das 8h as 17h30 (sexta) e das 8h as 12h30 (sábado)
Local: Sede do Projeto Quixote
Endereço: Av. Engenheiro Luís Gomes Cardim Sangirardi, 789 – Vila Mariana – São Paulo
Inscrições e vagas limitadas, acesse:  https://goo.gl/s97hFN

 

Sobre o livro

Contrariando o senso comum, estudo recente realizado na Universidade de Toronto, no Canadá, estimou que mais da metade dos pais homossexuais era composta por pais biológicos e não adotivos. De início, essa constatação pode gerar questionamentos do tipo: por que ele se casou e teve filhos se sabia que era gay? Por que escondeu o que sentia da família? O livro Coragem de ser – Relato de homens, pais e homossexuais  lançamento das Edições GLS, escrito pela psicóloga Vera Moris e pelo ativista Fábio Paranhos, mostra que esse raciocínio não é apenas incorreto, mas terrivelmente preconceituoso. Por meio de depoimentos de homens que assumiram a homossexualidade depois de formar uma família, os autores encontraram, sobretudo, homens que tentaram ser “normais” antes de entender e aceitar o que realmente eram.

A sombra da heteronormatividade, segundo os autores, que os persegue até a idade adulta, faz que eles existam, vivam e ajam exatamente de acordo com essa norma, trazendo a concretização do sonho da família perfeita e da vontade de ser pai. Porém, aos poucos, a percepção da orientação homossexual começa a vir à tona. Ao mesmo tempo, a separação está associada à temida necessidade de se reconhecer não heterossexual.

“Esses homens se casaram com parceiras por quem estavam apaixonados e com elas tiveram filhos. Viveram, entre namoro e o casamento, uma vida satisfatória. Para alguns, encontrar a mulher amada depois de uma infância e de uma adolescência problemática representava a possibilidade de constituir uma família. Porém, mais tarde, eles constataram aquilo que não conseguiam mais esconder: a inevitável atração – tanto sexual quanto afetiva – por pessoas do mesmo sexo”, afirma Vera Moris.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1467/Coragem+de+ser

REUMATOLOGISTA MEXICANO, AUTOR DA MG EDITORES, PARTICIPA DE SEMINÁRIO SOBRE FIBROMIALGIA NA UNIFESP

A UNIFESP promove no dia 14 de abril, terça-feira, das 9h30 às 16h30, o Seminário “Fibromialgia e dor crônica sem mistérios: uma visão integrativa”, que acontece no Anfiteatro Boris Casoi, na UNIFESP/Campus Vila Clementino. Um dos principais palestrantes do evento, que é gratuito e aberto ao público, será o reumatologista mexicano Manuel Martinez-Lavin, uma dos maiores especialistas no tema. Ele é autor do livro Fibromialgia sem mistérios, lançado em 2014 pela MG Editores.

50108A fibromialgia acomete entre 2% e 5% da população mundial, quase sempre mulheres. É uma dor difusa e crônica que migra por vários pontos do corpo. Como seus sintomas são muitas vezes confundidos com os de outras enfermidades, o diagnóstico é difícil e demorado. No livro, o reumatologista traz um alento para as pessoas que convivem com a doença. Apresentando os principais sinais e sintomas da fibromialgia, ele explica o motivo da tão frequente “confusão diagnóstica”, aponta as prováveis causas da doença e propõe linhas de tratamento efetivas.

Reconhecida como doença apenas nas últimas décadas, a fibromialgia produz múltiplos sintomas físicos e psicológicos. Dor crônica generalizada, fadiga, distúrbios de sono, dificuldade de concentração, secura nos olhos e na boca, palpitações, endometriose, baixa imunidade e sensação de desalento são algumas das queixas mais comuns dos pacientes.

Na obra, Lavín mostra que a fibromialgia é uma doença complexa, que pode ser confundida com outras enfermidades, e desconhecida por muitos médicos e pela sociedade em geral. Além disso, os novos critérios para o diagnóstico, promulgados em 2010, são controversos. “Essa ignorância conduz inevitavelmente ao mau tratamento de uma multidão de pessoas que é vítima da enfermidade”, complementa. O alto custo econômico e social da doença ajuda a ampliar a falta de entendimento.

O Seminário

A programação completa do seminário pode ser acompanhada pelo site http://goo.gl/weN85F. Além do dr. Lavín, participam a anestesiologista Fabíola Peixoto Minson, a reumatologista Suely Roizenblatt, o psiquiatra Mário César Bazzarella, a psicóloga Elaine de Siqueira Sales, a jornalista Fernanda Soares Andrade e o obstetra Roberto Cardoso, que é autor do livro Medicina e meditação, também pela MG Editores.

Serviço

Seminário: “Fibromialgia e dor crônica sem mistério: uma visão integrativa”
Data: 14 de abril de 2015, terça-feira
Horário: das 9h30 às 16h30
Local: Anfiteatro Boris Casoi – Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Campus Vila Clementino.
Endereço: Rua Botucatu, nº 821 (Bairro: Vila Clementino / 1º andar do Prédio da Oftalmologia), São Paulo.
Público-alvo: Médicos, profissionais de saúde, pacientes e familiares.
Perfil do evento: gratuito e aberto ao público em geral.
Informações: http://goo.gl/weN85F

Para saber mais sobre os livros da MG Editores, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1389/FIBROMIALGIA+SEM+MIST%C3%89RIO

 

LAURA GUTMAN FAZ SEMINÁRIO NO BRASIL

Laura Gutman__FOTO_Alejandra_LopezA renomada terapeuta argentina Laura Gutman, autora do livro O poder do discurso materno (Editora Ágora), estará no Brasil no dia 1º de novembro, sábado, para o seminário “Biografia Humana: a ponte entre nosso presente e nossa infância”. O evento, que começa às 10h e termina 15h30, com intervalo para o almoço, acontece no São Paulo Center, que fica na Av. Lineu de Paula Machado, 1100 (em frente aos portões do Jockey Club de São Paulo). As vagas são limitadas. Valores e inscrições pelo blog: http://goo.gl/Z3Ow8k

Terapeuta mundialmente famosa, Laura Gutman explica no livro O poder do discurso materno, lançado no Brasil em 2013, a sua metodologia da construção da biografia humana. 20117Um trabalho de tecelã em que a pessoa reconstrói sua história não com o discurso daqueles que a cercam, mas com autonomia e discernimento.

Laura acredita que é o processo de autoconhecimento que permite às pessoas entrar em contato com experiências esquecidas no inconsciente e, com base em um novo ponto de vista, libertar-se do passado opressor e criar novas maneiras de ser e estar no mundo.

Sem dar conselho, nem apontar falhas nem culpados, Laura conduz o indivíduo por uma jornada de autoconhecimento, desvendando experiências infantis que não estão racionalmente organizadas na consciência. “Não importa o que é correto ou o que é incorreto. A única coisa que importa é compreendermo-nos mais e entendermos a lógica de nossas ações, de nossos rancores, de nosso medo ou de nossa rigidez. Se estamos procurando o equilíbrio fora de nós, não o encontraremos nunca”, afirma terapeuta.

O livro mostra que esse mergulho interior por vezes é duro, dolorido, mas o potencial de crescimento que advém dele é capaz de transformar por completo aqueles que têm coragem o bastante para enfrentar um processo de mudança de condicionamento e de pautas que adquirimos quando crianças. “Emergem daí seres humanos mais completos e aptos a manter relações familiares e amorosas harmônicas”, complementa a autora.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1348/Poder+do+discurso+materno,+O