AUTORES DO LIVRO “COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ESTRATÉGICA” FAZEM DEBATE E AUTOGRAFAM NA LIVRARIA CULTURA, DO SHOPPING IGUATEMI

A Livraria Cultura (Shopping Iguatemi) e a Aberje (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial) promovem no dia 4 de abril, segunda-feira, das 18h30 às 21h30, o lançamento do livro Comunicação organizacional estratégica – Aportes conceituais e aplicados. Antes da sessão de autógrafos, a professora Margarida Kunsch (organizadora) e os professores Luiz Alberto de Farias e Paulo Nassar, ambos coautores, farão um debate sobre o tema do livro. A livraria fica na Av. Brig. Faria Lima, 2.232 – Piso 3, em São Paulo.

O livro Comunicação organizacional estratégica reúne autores que integram o corpo docente do curso de pós-graduação de Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). A obra reflete os temas que vêm sendo trabalhados no curso e que passam por atualizações frequentes diante das novas demandas sociais e do mercado cada vez mais competitivo.

A comunicação organizacional precisa ser entendida de forma abrangente e complexa. Deve, sobretudo, ser considerada um fenômeno e um processo comunicativo em contínua interação entre a organização e seus diversos interlocutores, numa perspectiva dialética e em busca de um consenso negocial”, afirma Margarida. Segundo ela, organizações e interlocutores/públicos estratégicos estão insertos em um sistema social global, sujeitos às interferências externas e sofrendo as intempéries da dinâmica da história.

De acordo com a organizadora, apesar das incertezas globais e da impossibilidade do controle imaginado como possível por parte das organizações, as ações de comunicação precisam ser muito mais bem pensadas estrategicamente e planejadas com base em pesquisas científicas e análise e interpretação de cenários. “Daí a necessidade de uma visão crítica de mundo, de uma filosofia e da adoção de políticas de uma comunicação organizacional integrada, unindo o trabalho de relações públicas com a comunicação institucional e a comunicação interna, assim como a atividade de marketing com a comunicação mercadológica”, avalia a professora.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//9788532310460

Convite Comunicacao organizacional estrategica

ESPECIALISTAS DEBATEM TEMA DO LIVRO “RELAÇÕES PÚBLICAS, MERCADO E REDES SOCIAIS”

A Associação Brasileira de Relações Públicas (ABRP-SP) e a Summus Editorial promovem no dia 13 de novembro, quinta-feira, das 19h15 às 20h15, um debate sobre o tema do livro Relações públicas, mercado e redes sociais, da Summus Editorial. O autor do livro, o pesquisador Rafael Vergili, e o professor Luiz Alberto de Farias, que também é autor da Summus, discutem, mediados por Dayane Azeredo, diretora da ABRP-SP, os possíveis caminhos para ampliar a participação do profissional de RP no mercado de comunicação digital. O debate, seguido de sessão de autógrafos, acontece no auditório da Livraria Martins Fontes, Av. Paulista, 509 – São Paulo, próximo à estação Brigadeiro do metrô.

Infromações e inscriçoes: http://bit.ly/rpmercadoers, email abrpsaopaulo@gmail.com ou twitter @abrpsp

Hoje, as redes sociais constituem um ambiente de grande exposição – tanto positiva quanto negativa – para as empresas. Quando se trata de imagem institucional, como utilizar o poder da rede para atingir o público? O profissional de relações públicas está capacitado para esse trabalho? Que tipo de conhecimentos ele deve ter para atuar na web? No livro,Vergili responde essas e muitas outras perguntas.

Por meio de uma pesquisa com 128 empresas e entrevistas realizadas nas principais agências de comunicação do Brasil, Vergili constatou que 78,1% das grandes companhias priorizam o relacionamento com os públicos nas redes sociais e querem aprimorar esse contato. Paradoxalmente, o profissional de RP, que seria formado para promover esse diálogo, não está inserido adequadamente nesse nicho de mercado. Segundo ele, apenas 12,5% dos respondentes são estudantes de Relações Públicas ou graduados na área.

O trabalho contemplou apenas empresas de grande porte e revelou também que 42,1% das organizações optam por deixar a articulação de redes sociais a cargo da área de comunicação. Na sequência, aparece o núcleo de marketing, com 32,5%. A presença de um departamento especifico, focado apenas na web, é a terceira mais utilizada, com 18,3%. Articulações informais por parte dos colaboradores chegam a 7,1%.

“Diante desse cenário, o temor, por parte das organizações, de receber opiniões negativas e possivelmente de sofrer prejuízos à reputação corporativa tende a aumentar, devido sobretudo ao foco mercadológico e a ausência de capacitação para relacionamentos no uso das redes”, afirma o autor. Segundo ele, esse é um desafio com o qual o profissional de relações públicas precisará lidar no processo de demonstração de sua importância no relacionamento com os públicos, por meio de redes sociais, tendo como base o diálogo.

Para saber mais sobre o livro, acesse: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/9788532309471

Relações públicas, mercado e redes sociais