SORTEIO RELÂMPAGO!!!

20012
O Grupo Editorial Summus vai sortear um exemplar do livro O olhar médico – Crônicas de medicina e saúde, de Moacyr Scliar, entre os seguidores do Twitter @gruposummus que retuitarem o link encurtado da promoção (http://kingo.to/1jGW). O sorteio será pelo site sorteie.me, amanhã (13/12), às 16 horas e o resultado será publicado na sequência no blog e no Twitter do Grupo Summus. O ganhador deverá entrar em contato via DM para passar os dados de entrega do livro,  que será enviado na semana de 16 a 20/12, pelos Correios.
Boa sorte a todos!


***

Postado em 13/12/2013:

Resultado do sorteio: http://beta.sorteie.me/r/NTb. Parabéns à @Leila_C_S, que ganhou o livro “O olhar médico”!

CONHEÇA “CAPOEIRA”, O LIVRO RECÉM-LANÇADO PELA SELO NEGRO EDIÇÔES

 

As pesquisadoras Letícia Vidor de Sousa ReisElisabeth Vidor  resgatam o contexto histórico da capoeira no Brasil. Reconhecida hoje como um dos símbolos da cultura brasileira, a capoeira nem sempre teve esse status. Os adeptos foram perseguidos durante muitos anos, 40093especialmente na passagem do Império para a República. Associada à vadiagem e à violência, a capoeira só deixou de ser considerada crime há pouco mais de 80 anos. Atendendo ao que preconiza a Lei 10.639/03, que torna obrigatório o ensino das culturas africanas, afro-brasileiras e indígenas nas escolas, as pesquisadoras Elisabeth Vidor e Letícia Vidor de Sousa Reis decidiram se aprofundar no estudo do tema. No livro Capoeira – Uma herança cultural afro-brasileira, lançamento da Selo Negro Edições, as autoras retratam as origens sociais e culturais do movimento e mostram como a capoeira contribuiu para que os negros conquistassem e ampliassem seu espaço político e social no Brasil.  Com ilustrações e fotografias, a obra revela como o movimento corporal contribuiu para ampliar o espaço político e social do negro.

 

“A capoeira é ambígua, ao mesmo tempo jogo, dança e luta. Seus movimentos corporais privilegiam os pés e os quadris e, ao inverterem a hierarquia corporal dominante, colocam o mundo literal e metaforicamente de pernas para o ar”, explicam as autoras. Segundo elas, para entender o significado social e simbólico dessa inversão utiliza-se a linguagem do corpo como fonte principal de informação para enunciar as regras da gramática gestual da capoeira.

 

A partir de uma abordagem inovadora, é possível entender a capoeira também como uma forma de resistência do negro, desde o tempo da escravidão até os dias atuais. Entre as várias culturas de resistência negra desenvolvidas no país, a capoeira é uma das mais significativas, constituída com base em culturas provenientes da África. Dividido em três capítulos, o livro traz, com detalhes, a história da capoeira carioca no século 19. As autoras fazem uma interpretação antropológica dos movimentos corporais da capoeira para a compreensão da especificidade da relação entre negros e brancos no Brasil.

 

Além do conhecimento científico, as pesquisadoras também tiveram experiências práticas com o mundo da capoeira. Nessa condição, elas  analisam essa cultura com uma visão objetiva e subjetiva, revivendo traços importantes da história do Brasil, destacando a presença dos negros e suas formas de vida com uma percepção e compreensão próprias. Ao longo da obra, descrevem os fatos históricos de maneira sutil, possibilitando ao leitor uma reflexão mais atenta.

 

Surgida provavelmente nos quilombos brasileiros, quando o Brasil ainda era colônia de Portugal, a capoeira era utilizada como meio de defesa pelos escravos em suas fugas, já que eles não portavam armas. Durante cerca de meio século, a capoeira permaneceu na ilegalidade, deixando de ser considerada crime perante a lei apenas na década de 1930. O argumento principal para a descriminalização dessa prática foi a sua transformação em esporte. “O sentido dessa manifestação afro-brasileira se altera de acordo com as mudanças do lugar social do negro no país: de empecilho ao progresso à expressão de originalidade social”, complementam as autoras.

 

As leis federais 10.639/2003 e 11.645/2008 tornam obrigatório o ensino das culturas africanas, afro-brasileiras e indígenas nas escolas, possibilitando o reconhecimento e a valorização de sua presença no Brasil por meio da educação.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1355/Capoeira

ÉPOCA NEGÓCIOS ENTREVISTA FLÁVIO GIKOVATE

A edição de dezembro da revista Época Negócios publicou entrevista com Flávio Gikovate. Na reportagem, intitulada “O consumismo da elite é desespero”, o psiquiatra fala do consumismo dos ricos, de liderança e de temas atuais. Leia a íntegra: http://goo.gl/sNSmFd

Conferencista e autor consagrado, Gikovate lançou em 2013 o livro Sexualidade sem fronteiras, o trigésimo segundo de sua carreira. Na obra, ele põe de lado velhos pontos de vista e crenças, fruto da tradição religiosa e dos preconceitos mais tradicionais, e traz para o centro do debate as variáveis que interferem na vida sexual.

O primeiro passo nessa jornada de volta à evolução é entender que o caráter lúdico do erotismo desvincula o sexo do compromisso social. Esse é o clima que deve prevalecer 50094nas relações sexuais. Cada um de nós deve escolher e vivenciar os tipos de carícia – consentida – que mais lhe agradarem; cada um de nós deve ser livre para (re)direcionar os interesses eróticos da forma como bem nos aprouver. Só assim os rótulos se tornarão descabidos e desnecessários, e em vez de falarmos em hétero, homo, bissexualidade etc. falaremos em sexualidade.

“Minha proposta é de um mundo sem preconceitos (não só os de natureza sexual) no qual o sexo fosse verdadeiramente lúdico. Isso significaria tratá-lo como uma brincadeira em que não cabem cobranças, preocupações com o desempenho ou medo de fracasso, e na qual podemos considerar que tudo que é de consentimento recíproco é também legítimo”, afirma o psicoterapeuta.

Gikovate tem-se dedicado com mais afinco nos últimos anos a pensar sobre nossa condição de seres biopsicossociais, ou seja, indivíduos constituídos por ideias e ações tanto biológicas e psicológicas quanto decorrentes da educação e dos valores que recebemos ao longo da vida. “São tantas as variáveis implicadas em nosso futuro, do ponto de vista sexual – variáveis de caráter inato, determinadas pela nossa história de vida e também pelo contexto sociocultural em que vivemos, que tudo pode acontecer. É uma pena que essa liberdade não possa ser exercida, pois quando uma pessoa diz a si mesma ‘Eu sou heterossexual’ ou ‘Eu sou gay’ ela determina e delimita as fronteiras em que vai atuar”, diz.

Para saber mais sobre este livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1330/SEXUALIDADE+SEM+FRONTEIRAS

Para conhecer todos os títulos do autor pela MG Editores, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/busca/gikovate/all/1

 

 

JOSÉ ROBERTO SADEK FALA SOBRE “CRÔ – O FILME” EM ENTREVISTA PARA A FOLHA

O caderno Ilustrada, da Folha de S.Paulo, versão online, entrevistou o cineasta José Roberto Sadek, autor do livro Telenovela – Um olhar do cinema (Summus Editorial). A reportagem, intitulada “Personagem Crô não é caricatura rasa, segundo especialistas e dramaturgos”, faz uma análise sobre Crô: o Filme, em cartaz no circuito nacional. O mordomo gay cheio de trejeitos, vivido pelo ator Marcelo Serrado, foi criado pelo autor Aguinaldo Silva, que também assina o roteiro do longa. Leia a reportagem na íntegra: http://goo.gl/VFcK6l

As tramas de novela e seus personagens – alguns memoráveis e inesquecíveis – atraem milhões de pessoas para frente da televisão todos os dias. Mas o que justifica esse interesse inabalável, que sobrevive há tanto tempo, mesmo diante de tantas alternativas de entretenimento? A resposta é simples: o antigo prazer de ouvir uma boa história. E a telenovela, segundo o cineasta José Roberto Sadek, nada mais é do que uma maneira moderna de contar histórias. Em seu livro, lançado em 2008, ele apresenta um trabalho inédito: discorre sobre o surgimento dessa modalidade, compara sua estrutura dramática com a do cinema e mostra ângulos pouco conhecidos desse fenômeno de massa da cultura brasileira.

Com base em estudos consagrados sobre as narrativas do cinema clássico, o autor expõe peculiaridades das telenovelas, por exemplo: a correção de rumo durante a produção e os andamentos das tramas; o uso de critérios não-dramáticos, como razões industriais e de mídia, na divisão dos capítulos; e a produção de várias tramas encadeadas e independentes, que constituem um zapping sem mudar de canal. Para corroborar sua tese, ele compara produções marcantes, como O bem-amado, Belíssima e Paraíso tropical, bem como os filmes O cangaceiro, Carandiru e Cidade de Deus, revelando alguns de seus segredos.

“Olhar a telenovela com base em paradigmas cinematográficos permite perceber nela características de linguagem atípicas no conjunto dos dramas encenados. Muito dessa originalidade vem da raiz folhetinesca e das histórias contadas em parcelas, das quais As mil e um noites parecem ser a matriz inicial”, explica.

Por outro lado, segundo o autor, a telenovela, por ser audiovisual, não se adapta integralmente à sua raiz literária. Em vez disso, agrega condicionantes de produção e de mídia, como o grande peso das emissoras, a influência dos índices de audiência e a atuação dos anunciantes sobre temas e personagens, que não são elementos dramáticos, mas têm participação decisiva no novo padrão de linguagem.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1098/Telenovela

SUMMUS APOIA FESTIVAL INDEPENDENTE DE CINEMA

A Summus Editorial apoiou o V CURTA NEBLINA – FESTIVAL LATINO-AMERICANO DE CINEMA. A mostra competitiva, que tem o roteirista e diretor de cinema Beto Besant curador, ocorreu de 27 de novembro a 1º de dezembro, em Paranapiacaba, São Paulo, e contou com a presença de diversos cineastas e personalidades, entre eles o premiado diretor Beto Brant, grande homenageado desta quinta edição do evento. Laerte foi a homenageada pela Mostra de Filmes de Diversidade Sexual.

Conheça os vencedores de cada categoria e saiba mais sobre o festival, acessando: http://curtaneblina.blogspot.com.br/.

“CURAR PARA A IMORTALIDADE” É O NOVO LIVRO DA ÁGORA

“A medicina espiritual se baseia em um ensinamento essencial, o de que temos os meios para curar-nos usando os processos mentais internos. Podemos tomar em nossas mãos a responsabilidade por nossa saúde e nosso bem-estar. O objetivo último desse esforço é não apenas alcançar um estado de cura, mas conquistar, por fim, uma longevidade que agora parece impossível. Com o tempo, podemos chegar a derrotar a morte.” Com essa afirmação corajosa, o psiquiatra Gerald Epstein, pioneiro no campo da medicina corpo-mente, define o livro Curar para a imortalidade – A nova medicina das imagens mentais, lançamento da Editora Ágora. Uma obra que literalmente pode salvar – e talvez prolongar indefinidamente – a vida.

O autor do best-seller Imagens que curam, descreve agora um programa comprovado de autocura baseado em mais de 40 anos de prática clínica e de inúmeras pesquisas sobre os fatores que provocam e curam doenças. Epstein explica que sintomas físicos são apenas a manifestação externa da doença, cuja fonte verdadeira encontra-se não em germes ou vírus, mas em um corpo desconectado da mente e do espírito.

Na medicina mental, segundo o psiquiatra, a mente e o corpo funcionam em total parceria, formando uma unidade. Assim, quando examinamos nossas doenças e aflições, percebemos o significado dos sintomas. “Reconhecemos o seu valor, no sentido de que nos alertam não só para um problema físico, mas também para as dificuldades sociais e morais mais amplas que enfrentamos nas situações da vida. Quando aceitamos a integração mente-corpo, como faziam os antigos, cada órgão do corpo assume um significado no nível emocional e social”, diz.

Para Epstein, uma medicina que não incorpore a mente como vontade significativa tenderá a isolar e separar o sintoma da pessoa, examinando-o de maneira objetiva e distante, sem relação com o restante da vida. No livro, ele mostra como a reintegração entre mente, corpo e espírito, por meio do poder da vontade, da imaginação e da memória, é capaz de curar – e prevenir – todo tipo de moléstia.

Usando parábolas bíblicas e tradições da civilização oriental, o psiquiatra revive uma prática curativa que prevalecia há mais de cinco mil anos. Recheado de exemplos práticos, casos clínicos e exercícios com imagens mentais, o livro torna-se um guia definitivo para curar o corpo com o poder da mente.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1356/Curar+para+a+imortalidade

 

GUIA DA FOLHA PUBLICA RESENHA SOBRE O LIVRO “A BOLA E O VERBO”

O Guia de Folha, encarte publicado mensalmente pela Folha de S.Paulo, fez uma resenha sobre o livro A bola e o verbo (Summus Editorial), do jornalista Rodrigo Viana. Com prefácio de Juca Kfouri e apresentação de Ignácio de Loyola Brandão, o livro entrelaça três temas bastantes caros aos brasileiros: literatura, futebol e jornalismo. Clique no link para ler a resenha: http://goo.gl/vLr1dr

Quem nunca se deliciou ao ler uma crônica de futebol? Elementos do conto, da poesia, do romance. Uma mistura perfeita para descrever a emoção desse universo apaixonante. Com a proposta de esmiuçar essa narrativa, Viana foi buscar no futebol os argumentos para situar a crônica como gênero literário e também jornalístico. Por meio da análise e comparação de textos escritos por craques como Mário de Andrade, Lima Barreto, José Roberto Torero e João Saldanha, ele mostra como a crônica de futebol se instalou na imprensa brasileira e os desdobramentos desse movimento para a nossa literatura e para o jornalismo.

Ao decidir fazer sua dissertação de mestrado, Viana queria, antes de tudo, falar de um “jornalismo humano”. Um jornalismo que trabalha o texto de forma quase artesanal, que dialoga com um leitor imaginário e que o faz vivenciar a emoção de cada palavra. Amante dos gramados desde a infância – foi jogador de futebol antes de cursar jornalismo –, ele não precisou de muita pesquisa para encontrar seu objeto de estudo. “As crônicas de futebol já faziam parte da minha vida. Mergulhar nesse mundo, onde o jornalismo se aproxima da literatura, era um desafio épico, que enfrentei como missão”, diz o autor.

Para entrar nesse universo tão simples e tão complexo ao mesmo tempo, o jornalista descreveu inicialmente o percurso histórico da crônica até ela chegar ao Brasil. Em seguida, demonstrou em que momento sociocultural a crônica específica de futebol tomou vulto, contextualizando o surgimento e a consolidação da imprensa e do esporte futebol no país. Embasado historicamente, partiu para o olhar crítico dos textos produzidos pelos maiores cronistas literários da cena futebolística.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1353/Bola+e+o+verbo,+A

 

GRUPO SUMMUS CHEGA A 200 E-BOOKS EM SEU CATÁLOGO

Grupo Editorial Summus chega ao final de 2013 com cerca de 200 e-books. As parcerias firmadas com Livraria Cultura, Kobo, Gato SabidoIba/Grupo Abril, SaraivaAmazonGoogleApple, entre outras, garantem a distribuição dos livros no novo formato. Desde o início de 2012, todos os títulos nacionais da editora estão sendo lançados simultaneamente na versão impressa e digital e vários títulos antigos do catálogo já foram convertidos para o formato eletrônico.

Com iniciativas que fizeram história no mercado editorial, o grupo reúne atualmente sete selos: Summus EditorialEditora ÁgoraEdições GLSSelo Negro EdiçõesPlexus EditoraMG Editores e Mescla Editorial. Veja abaixo alguns destaques, separados por selo, do que já temos disponível também em e-book e continue acompanhando os nossos lançamentos. Para receber as novidades em seu e-mail, cadastre-se em nosso site, acessando: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/cadastro

 

 

 

     

 

 

                                            

 

 

*** 

 


BETTY MONTEIRO, AUTORA DA SUMMUS, PARTICIPA DO DIVÃ DO FAUSTÃO

O Divã do Faustão de ontem, dia 1º, teve a participação de Ivete Sangalo e da psicóloga Elizabeth Monteiro, autora de A culpa é da mãe, Cadê o pai dessa criança? e outros livros da Summus. Para ver trechos da participação, clique nas imagens abaixo:

Parte 1

Parte 2

Para conhecer todos os livros da autora, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/busca/elizabeth+monteiro/all/0