‘ENSINO’ DE EMOÇÕES GANHA ESPAÇO EM ESCOLAS E DESAFIA PROFESSORES

Competências como resiliência, cooperação ou liderança, parte das chamadas habilidades socioemocionais, nunca foram estranhas ao mundo da educação. Mas evidências recentes de que esses fatores têm forte impacto no desempenho escolar já têm alterado o trabalho em escolas públicas e particulares –e desafiado quem se dedica à área.

No colégio Bandeirantes, na capital, não haverá mais divisão de salas de aula no ensino médio por desempenho a partir de 2017 –decisão vinculada ao trabalho estruturado que a escola vem desenvolvendo nesse campo. “Não basta ensinar só história, geografia, também é necessário ensinar relacionamentos”, diz a professora Maria Estela Zanini, que comanda na escola uma coordenadoria chamada Convivências em Processo de Grupo.

O Ismart, instituto que seleciona talentos da rede pública para dar bolsas em escolas particulares, já avalia autonomia, motivação, inspiração e persistência na hora de escolher os bolsistas.

“Estamos conseguindo combinar mais o perfil emocional com o desempenho acadêmico e percebemos que, agora, quando os jovens entram no projeto, conseguem desempenho melhor muito mais rápido”, diz a diretora Maria Amelia Sallum.

De olho na formação dos professores nesses conceitos, o Instituto Singularidades, de São Paulo, acaba de lançar uma especialização pioneira em habilidades socioemocionais voltada para educadores.

Pesquisas promovidas pelo Instituto Ayrton Senna mostram que o perfil emocional dos alunos tem impacto na sala de aula. Alunos mais responsáveis, focados e organizados aprendem em um ano letivo cerca de 30% a mais de matemática do que os demais colegas.

O estudo foi feito na rede estadual do Rio e apresentado em 2014. O instituto iniciou em 2013 um projeto piloto na escola estadual Chico Anysio, no Rio, que atende alunos de ensino médio. A rede estadual de São Paulo iniciou no ano passado um programa piloto voltado ao perfil emocional dos alunos. Hoje, ele atinge 145 escolas dos anos iniciais do ensino fundamental.

MEDITAÇÃO

Sentados no chão e em círculo, os alunos da 3ª série B da escola estadual Professora Maria Antonietta de Castro, no Jardim Julieta, zona norte da capital, começam a aula com uma meditação. “Inspira e respira”, pede a professora Viviane Araujo, 40, atendida pela maioria dos estudantes de 8 e 9 anos.

Com fotos na mão de uma criança chorando e outra sorrindo, ela provoca os alunos sobre os sentimentos ali representados. Pergunta bastante, tenta ouvir ainda mais. “Estávamos acostumados com uma escola em que o professor tem a detenção do discurso e, no programa, é essencial ouvir. Foi um desafio”, diz a professora.

Uma vez por semana os alunos têm uma aula específica, mas a ideia é que os conceitos abordados perpassem todas as aulas. “Na primeira aula já aprendi que não pode bater, que tenho que ouvir meu colega e respeitar minha vó, que está trabalhando para sustentar a gente”, diz o aluno Marcelo Filho, 8, após uma aula.

O programa tem formações com professores e material didático próprio. “Trabalhando nessa expectativa conseguimos aumentar a autonomia racional das crianças”, diz a coordenadora de Gestão da Educação Básica da Secretaria de Educação do Estado, Gislene Trigo.

CUIDADOS

A professora da Faculdade de Educação da USP (Universidade de São Paulo) Sandra Zakia afirma que desde os anos 80 existe a preocupação na escola de ir além das habilidades cognitivas. Ela, no entanto, faz ressalvas sobre a ênfase que o tema vem ganhando.

“Causa estranhamento esse realce tão grande das habilidades socioemocionais, ainda mais em avaliações, que podem justamente resultar em um disciplinamento inadequado das crianças e jovens”, diz a professora.

 

Texto de Paulo Saldaña, publicado na Folha de S. paulo, em 16/05/2016. Para lê-lo na íntegra, acesse: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2016/05/1771649-ensino-de-emocoes-ganha-espaco-em-escolas-e-desafia-professores.shtml

 ***

Se você tem interesse pelo tema, conheça o livro:

10791ALFABETIZAÇÃO EM VALORES HUMANOS
Um método para o ensino de habilidades sociais
Autores: Edna Maria Marturano, Dâmaris Simon Camelo Borges
SUMMUS EDITORIAL

Fruto de um intenso trabalho de pesquisa dentro de sala de aula, esta obra mostra que valores humanos como ética, solidariedade e respeito podem ser aprendidos. Depois de aplicar um método de resolução de conflitos e transmissão de valores a uma classe de primeira série do ensino fundamental, as autoras contam os recursos pedagógicos que utilizaram e como as crianças incorporaram tais valores em seu caráter.

 

Uma ideia sobre “‘ENSINO’ DE EMOÇÕES GANHA ESPAÇO EM ESCOLAS E DESAFIA PROFESSORES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*