MORRE ALBERTO DINES

Foto de Jaqueline Machado

Lamentamos informar que faleceu nesta terça-feira, 22 de maio de 2018, aos 86 anos, o jornalista Alberto Dines, devido a problemas respiratórios. Segundo Norma Couri, sua esposa, ele estava internado no hospital Albert Einstein há 10 dias por causa de uma forte gripe, que acabou evoluindo para uma pneumonia. Um dos mais conhecidos e respeitados jornalistas brasileiros, Dines foi autor de livros de ficção, reportagem, história e biografias. Pela Summus Editorial, lançou em 2009 a nona edição do livro “O papel do jornal e a profissão do jornalista”, obra clássica na área da comunicação, lançada há quase 45 anos.

Jornalista desde 1952, Dines foi repórter das revistas Visão e Manchete, editor da Última Hora e do Diário da Noite e criador de Fatos e Fotos. No Jornal do Brasil, ao longo de quase doze anos, deu sequência a uma reforma editorial que marcou o jornalismo brasileiro. Nesse período, editou os “Cadernos de Jornalismo e Comunicação” (1965-1973), experiência pioneira de reflexão sobre mídia. Precursor da função de ombudsman com a coluna “Jornal dos Jornais” (Folha de S.Paulo, 1975-1977), na Folha também foi diretor da sucursal do Rio de Janeiro e colunista político.

Dines foi professor de jornalismo na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), professor-visitante na Universidade de Columbia (Nova York) e um dos criadores, na Unicamp, do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) – onde em 1996 foi desenvolvido o projeto do “Observatório da Imprensa”, que teve edições na TV e no rádio.

Organizou a edição fac-similar da coleção do Correio Braziliense, primeiro periódico a circular no Brasil. Foi diretor editorial do Grupo Abril em Portugal, onde viveu entre 1988 e 1995, trabalhando e realizando pesquisas para Vínculos do fogo – Antônio José da Silva, o Judeu, e outras história da Inquisição em Portugal e no Brasil, Tomo I.

Em “O papel do jornal e a profissão de jornalista”, Dines discorre sobre um dos seus temas prediletos: o papel da imprensa no desenvolvimento do país. Na obra, revista, ampliada e atualizada, ele retoma o debate sobre a polêmica questão da necessidade do diploma de jornalismo para o exercício da profissão e revigora aspectos fundamentais para o exercício da profissão, como transparência, consciência profissional e interesse público.

Ele deixou quatro filhos, de seu primeiro casamento, com Ester Rosali.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*