“OS HOMENS ANDAM PERDIDOS E ANGUSTIADOS”

Ao fim de anos a ouvir mulheres agredidas e maridos agressores, a psicanalista brasileira concluiu que o problema é que elas conquistaram direitos e mudaram as suas práticas, mas eles não se aperceberam.

Há meio século os homens dominavam as mulheres e tinham até o direito de lhes bater. Os tempos mudaram. Elas hoje já não são dependentes dos maridos e bater passou a ser considerado crime. Eles estão desorientados com as mudanças e não sabem como exercer a sua masculinidade perante uma mulher que já não se deixa dominar. A paulistana Malvina Muszkat, de 75 anos, que falou ao telefone com a SÁBADO, explica este fenómeno no seu livro, O Homem Subjugado – o Dilema das Masculinidades no Mundo Contemporâneo, recentemente lançado no Brasil.

Como chegou à conclusão de que os homens estão subjugados?
Durante muitos anos ouvi mulheres agredidas pelos maridos e percebi que era insuficiente ouvir só o ponto de vista delas para poder trabalhar com esse fenómeno complexo. Comecei a falar também com os homens e foi ficando claro que eles também sofriam o impacto das exigências que a sociedade tinha também com eles. Ser forte, produtivo, vigoroso, ser capaz de controlar a mulher e os filhos não era tarefa fácil. Se falhassem chamavam-lhes “mulherzinha” e “frouxo”, seriam questionados na sua masculinidade. Hoje as mulheres conquistaram os seus direitos, entraram no mercado de trabalho, mudaram as suas práticas e até conseguiram aprovar leis a seu favor e ficou ainda mais difícil. Muitos ainda não perceberam que tinham de rever as suas posições e continuaram a querer responder às exigências que a sociedade patriarcal lhes impôs – e não estão a dar conta.

Foram apanhados de surpresa?
Costumo dizer que elas fizeram tudo isso e eles não se aperceberam. É como se tivessem sido apanhados de surpresa: como é, agora já não temos a autoridade absoluta? Como vamos exercer a nossa masculinidade? O modelo patriarcal baseava-se na relação dominador-dominado, que era apoiado pelo Direito e pela Ciência.  E agora como se sentir homem diante de uma mulher que já não se deixa dominar?

Qual era a principal razão para os homens baterem nas mulheres?
Temos de voltar atrás 50 anos, em que era permitido aos homens matar uma mulher em nome da honra, então bater nas mulheres era a coisa mais normal, tanto quanto bater numa criança.

Isso acontecia porque as mulheres eram dependentes.
Sim, elas dependiam dos homens não só financeiramente como do ponto de vista moral. Homens e mulheres sempre foram subjugados pela cultura. Desde a luta pelo direito ao voto, no fim do século XIX, elas têm questionado essa cultura, rompendo vagarosamente com aquela submissão consensual que tínhamos no passado.

E eles ainda estão confusos?
Sim porque as mulheres já não têm medo de se separar deles, podem trabalhar, evitar a gravidez, ou seja, ter vida própria. Bater passou a ser agressão, ou seja, saímos de um binómio dominador-dominado para um binómio novo: vítima- -agressor. Aquilo que era consensual, que toda a gente aceitava, tornou-se crime. É aqui que começa a confusão na masculinidade. A legislação acompanhou isso, porque as mulheres exigiram leis que as protegessem.

Porque é que critica as leis aplicadas aos agressores?
Não digo que eles não devem ser punidos, jamais direi isso. Mas não basta pô-los na prisão para mudarem de comportamento. A minha tese é que as mulheres fizeram todo esse trabalho de ressignificação dos valores, impuseram grandes transformações na sociedade, então há que rever as leis de punição de acordo com as novas perspectivas culturais. Temos de ajudar os homens a ressignificar esses conceitos que ainda conservam, que são tradicionais. Foi com base nisto que os trouxemos para a instituição.

O que é preciso para eles entenderem?
Em primeiro lugar é preciso uma evolução das próprias famílias. Eles não têm de ser educados para controlar as suas emoções ou para responder com força e poder. Será que ele precisa disso tudo para se sentir homem? É isso que questionamos com eles. A masculinidade do patriarcado assenta em bases muito frágeis, ou seja, tudo o que não é masculino é visto como feminino. Se um menino é mais sensível, se brinca com bonecas, chora mais e está mais ligado à mãe, vai ser rotulado de “bichinha”. Então, desde muito cedo eles sentem-se obrigados a ser duros. São esses preceitos que temos de desconstruir.

E isso não está a ser fácil para os homens…
Não é nada fácil ser homem na nossa cultura. Acho que nunca foi porque, por exemplo, eles eram obrigados a ir para a guerra. Por isso sempre tiveram que ser viris com medo da homofobia, que ainda é o grande fantasma da nossa cultura. Então, para não serem “mariquinhas” têm de ser fortes, bravos e saber usar a força. Isso sempre representou um sacrifício para os homens, só que eles nunca se deram conta porque nem se questionavam.

É por isso que diz que os homens se sentem desorientados?
Exactamente. Para ser homem era preciso duas coisas: ser diferente da mulher e dominá-la. Mas hoje eles já não podem dominá-las e nem sempre querem ser diferentes – preferem ser pais amorosos, maridos ternos e não querem entrar em todas as lutas. É muito angustiante para alguns homens mudar de modelo.

Porque é que acha que as mulheres estão ferozes com eles?
Nos encontros que tenho com jovens vejo que as mulheres estão muito agressivas com os homens, muito mais do que as gerações antigas, e eles estão muito perdidos. Hoje, as famílias educam as filhas mulheres para serem corajosas para competir no mercado de trabalho, mas não têm coragem de educar os filhos homens para serem ternos, com medo da homofobia.

Qual é o seu método de trabalho com os agressores?
Fazemos grupos operativos em que questionamos os valores de domínio e o direito de agredir física ou psicologicamente. Trabalhamos com esses homens no sentido de eles repensarem os seus próprios mitos. Será que para ser homem, eu tenho que usar sempre a força? O homem continua subjugado à cultura patriarcal, ele não percebeu que houve grandes mudanças. Esta agressividade, que foi estimulada durante séculos, é uma causa de risco para eles. Os homens morrem mais, mais cedo, praticam mais homicídios e suicídios e ficam mais deprimidos.

Eles são vítimas da sua própria educação?
Sim. Aqui no Brasil, a mortalidade nos homens entre os 18 e os 25 anos, é muito elevada por causas violentas. Morrem no trânsito porque conduzem exaltados, morrem no tráfico de droga, etc. O tal modelo de ter de ser forte para ser homem coloca-os em alto risco. Colocamos essa discussão na mesa e é muito curioso porque como eles nunca falam dos seus medos com ninguém, por ser vergonhoso, quando falam entre si as coisas começam a mudar.

É como tirar uma máscara?
Isso! Quando eles agridem, achando que é um sinal de poder, nós mostramos- lhes que é um sinal de fraqueza, só bate quem não tem argumentos, quem não sabe dialogar. Por isso é que nas classes menos educadas há mais violência do que nas classes onde é maior o capital intelectual.

Entende que essa mudança das mulheres era inevitável?
Foi uma revolução social importantíssima, a par do desenvolvimento da ciência e da tecnologia, e estas mudanças eram inevitáveis. O que manteve as mulheres domináveis durante séculos foi a Igreja e a Ciência, que são as instituições que ditam os movimentos sociais. Os Estados poderiam colaborar mais com políticas públicas que facilitassem para que os homens participem mais na vida familiar, na criação dos seus filhos. Até há poucos anos, os pais nunca iam à escola saber dos seus filhos, era sempre as mães. Não era assunto de homens.

Os homens ainda vão demorar a adaptar-se?
Acho que podíamos apressar o processo se introduzíssemos este tema nas escolas, se preparássemos as famílias para isso e se trabalhássemos com os agressores no sentido de eles entenderem e não resolver o assunto, mandando-os para a cadeia.

O que antes era visto como cavalheirismo, como pagar a conta do restaurante, agora pode ser considerado machista?
É e os homens não sabem lidar com isso. Na hora de pagar a conta do restaurante o melhor é falar disso abertamente, mas é muito difícil saber como se comportar. Agora como tudo é abuso, começa a ser complicado para os homens aproximarem-se das mulheres. O que no meu tempo era charmoso, como assobiar ou dizer uma palavra para uma moça bonita, hoje é interpretado como abuso e isso acaba por levar a cultura para trás e não para a frente. A liberdade e a espontaneidade vão desaparecendo.

Acha que elas exageram?
Elas não admitem nem uma brincadeira. Nalgumas universidades daqui as mulheres criaram autênticos tribunais para julgar se os homens se portam bem ou mal e acho que isso é muito prejudicial para os relacionamentos. Precisamos de dialogar, não é só julgar. Claro que aquele homem grosseiro que se encostou a mim no Metro tem de ser visto de forma diferente do meu colega de turma, que pode cometer uma falha ao dizer uma piada machista, sem ter tido a intenção de ofender. Elas estão muito intransigentes.

Com tanto feminismo, acha que as mulheres ainda criam filhos para serem homens, no sentido machista?
É verdade, depois elas vão criar os filhos no mesmo padrão. Ainda é muito difícil para as famílias criarem filhos homens que sejam ternos, que choram, que gostam de ficar no colo da mãe. Há uns até que gostam de pintar as unhas e as mães morrem de medo da homofobia – esse é um problema que perdura na nossa cultura. Estive recentemente nos Estados Unidos e lá há um grupo de jovens casais que estão a criar os filhos como se eles não tivessem sexo. Não lhes dão nome feminino nem masculino e vestem-nos com roupas unissexo para que as crianças possam ser livres para escolher o seu género.

E isso é pedagógico?
Não sei se é pedagógico, eu acho é que é inevitável porque cada vez mais existem várias modalidades de sexo, acabou essa coisa de ser só homem e mulher. É um caminho que não tem retorno. Eu não julgo, eu constato.

Texto de Sónia Bento, revista SÁBADO, Portugal.


Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1483/Homem+subjugado,+O