SELO NEGRO LANÇA “POLÍTICAS DA RAÇA”

Organizado pelos professores Flávio Gomes e Petrônio Domingues, o livro reúne vários historiadores, nacionais e estrangeiros, que aceitaram o desafio de apresentar textos originais sobre a experiência histórica dos negros no período da escravidão e pós-escravidão.

Dos anos 1870, com o início do movimento abolicionista no Brasil, a 2012, quando o Superior Tribunal Federal (STF) julgou constitucionais as cotas raciais na Universidade de Brasília, inúmeros e decisivos foram os processos de abolição e emancipação no país. Apesar disso, pouco se sabe das dezenas de milhares de homens e mulheres escravos que, com seus filhos, conheceram a liberdade no século XIX, ainda numa sociedade escravista. Será que a liberdade significava o simples fim da escravidão? O livro Políticas da raça – Experiências e legados da abolição e da pós-emancipação no Brasil, lançamento da Selo Negro Edições, 40098reúne uma coletânea de artigos de grandes pesquisadores brasileiros e estrangeiros que buscaram essa resposta, enfrentando o desafio de pensar a abolição e o pós-emancipação no Brasil.

Trata-se de uma obra completa, que aborda assuntos como: a formação dos quilombos entre 1880 e 1881; a migração de libertos por São Paulo e pelo Rio de Janeiro; os negros no movimento republicano brasileiro; os ex-escravizados em Salvador; um novo enfoque sobre o quadro A redenção de Cã, de Modesto Brocos; os linchamentos raciais no Oeste paulista; a luta entre imigrantes e ex-escravos pela posse da terra e de moradia; os negros que ajudaram a lutar contra a monarquia; o fortalecimento do maracatu, da capoeira e dos instrumentos africanos; as relações entre o movimento operário e os trabalhadores negros; comunismo, integralismo e a Frente Negra Brasileira; e as representações da Mãe Preta ao longo dos anos.

“São 17 capítulos que versam sobre temas variados, lastreados tanto pelo uso de fontes e abordagens diversas quanto pela pluralidade de ideias e pela multiplicidade de interpretações”, afirmam os historiadores Flávio Gomes e Petrônio Domingues, organizadores do livro. Outro grande mérito, segundo eles, é responder em certa medida as questões ligadas à lei 10.639, que obriga o ensino de história e cultura afro-brasileira na rede de ensino em todo o país.

Quando começam e quando terminam as histórias do pós-emancipação? Se ainda precisamos conhecer muito sobre as experiências e os debates acerca da liberdade, da cidadania, das culturas políticas, das expectativas de direitos e das perspectivas da sociedade brasileira que não necessariamente iniciaram no dia seguinte ao 13 de maio de 1888, também deveríamos (precisaríamos?) definir quando se dá o fim da pós-emancipação. Tais balizas e definições – para além de arcabouços conceituais, universos empíricos e temas transversais – ainda aguardam mais e mais pesquisas, evidências, argumentos e interpretações, na avaliação dos organizadores.

Colocando a experiência histórica brasileira em tela, o livro demonstra que o legado não resolvido da emancipação é uma parte do tempo presente da nação mesmo após mais de 120 anos do fim da escravidão. “O anseio por autodeterminação, reconhecimento, políticas redistributivas, igualdade nas relações sociais, direitos humanos e acesso aos recursos da terra e aos frutos do próprio trabalho ainda continua no horizonte de milhares de brasileiros”, concluem.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/selonegro/livro/9788587478986

REVISTA BRASILEIROS INDICA LIVRO DA SELO NEGRO

A edição de fevereiro da Revista Brasileiros sugeriu a leitura do livro Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação (Selo Negro Edições). Com pesquisas originais, que esmiúçam fontes e privilegiam as biografias, a obra oferece um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres negras, primeiras agentes da emancipação da comunidade de africanos e de seus descendentes na diáspora. Veja a nota: http://goo.gl/DXHSB

Os temas da escravidão e da presença africana tiveram destaque no chamado pensamento social brasileiro desde o alvorecer do século XX. Por meio de inúmeras publicações, sabemos cada vez mais sobre as estruturas sociais, demográficas, econômicas e culturais de várias regiões, assim como de sua população de africanos e descendentes. Entretanto, pouco se sabe sobre as experiências de mulheres negras. Como foi a participação das cativas na organização da sociedade escravista e nas primeiras décadas do pós-emancipação? Como elaboraram sociabilidades, modificando a própria vida e a de seus familiares? Como protestaram com obstinação, minando a escravidão e contrariando a ideia de que aceitaram com passividade a opressão imposta? O livro Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação, organizado pelos historiadores Giovana Xavier, Juliana Barreto Farias e Flavio Gomes, começa a descortinar essa história.

A obra reúne artigos de 20 importantes especialistas na temática, cobrindo o Brasil de norte a sul em termos teóricos e no uso de fontes diversas. A coletânea passeia por cidades, plantations e áreas de mineração nos séculos XVIII, XIX e primeiras décadas do século XX. “São textos de pesquisa que dão conta não só de cidades, engenhos, fábricas, mansões, mas que fundamentalmente reconstroem cenários e desenham paisagens revelando sombras, suspiros e formas de vida, do corpo, da mente e da alma das mulheres na escravidão e nas primeiras décadas do pós-emancipação”, afirmam os organizadores. Além dos organizadores, assinam os textos Adriana Dantas Reis, Antônio Liberac Cardoso Simões Pires, Camillia Cowling, Eduardo França Paiva, Flavia Fernandes de Souza, Isabel Cristina Ferreira dos Reis, Luciano Figueiredo, Marcelo Paixão, Maria Cristina Cortez Wissenbach, Maria Helena P. T. Machado, Mary Karasch, Paulo Roberto Staudt Moreira, Petrônio Domingues, Sandra Lauderdale Graham, Sandra Sofia Machado Koutsoukos, Solange P. Rocha, Valéria Gomes Costa.

A principal proposta do livro, segundo os historiadores, foi não somente caminhar a partir das mulheres, mas com elas e por meio delas. Por conta disso, os textos tiveram como centro da análise os percursos de pequenas biografias, em uma diversidade territorial que abrange grandes cidades escravistas, destacando principalmente os Estados de Minas Gerais, Bahia, Paraíba, Goiás, Pernambuco, Sergipe, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro.

Referências nos estudos de gênero, escravidão e pós-emancipação não só no Brasil como nas Américas, os autores apresentam textos com uma narrativa diferenciada da abordagem acadêmica tradicional.  A qualidade dos artigos e a originalidade da temática somam-se à diversidade de fontes documentais utilizadas nas pesquisas. Processos, jornais, literatura, inventários, músicas, poesias, registros de óbito, de batismo, iconografia etc. foram fartamente explorados para apresentar um panorama amplo da história da mulher negra, contemplando sua presença e participação em diferentes partes do país.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1322/MULHERES+NEGRAS+NO+BRASIL+ESCRAVISTA+E+DO+P%C3%93S-EMANCIPA%C3%87%C3%83O

 

CONCURSO NACIONAL PREMIA TEXTOS DE MULHERES NEGRAS

Até o dia 25 de janeiro mulheres autodeclaradas negras podem se inscrever para o prêmio “Mulheres Negras Contam sua História”. O concurso de redação e ensaios sobre a história e/ou a vida de mulheres negras na construção do Brasil é uma iniciativa da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República.

De acordo com a SPM, o concurso tem como objetivo estimular a inclusão social de mulheres negras, por meio do fortalecimento da reflexão acerca das desigualdades vividas por elas em seu cotidiano, no mundo do trabalho, nas relações familiares e na superação do racismo.

O prêmio possui duas categorias: “Redação”, com textos de no mínimo 1.500 até o máximo de 3.000 caracteres, e “Ensaio”, com textos de 6.000 a 10.000 caracteres. As cinco melhores redações serão premiadas com R$ 5 mil, e os cinco melhores ensaios, com R$ 10 mil.

As inscrições somente serão aceitas mediante o envio dos textos, em formato de texto, para o email premiomulheresnegras@spmulheres.gov.br ou postadas pelo correio para o endereço: Prêmio Mulheres Negras contam sua História – Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República – Praça dos Três Poderes Via N1 Leste, s/n Pavilhão das Metas. CEP 70150-908 Brasília – DF. Acesse o site http://goo.gl/ue7vb para obter mais informações.

***

Em novembro de 2012, a Selo Negro Edições lançou o livro “Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação”, que foi organizado pelos historiadores Giovana Xavier, Juliana Barreto Farias e Flavio Gomes. Com pesquisas originais, que esmiúçam fontes e privilegiam as biografias, a obra oferece um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres negras, primeiras agentes da emancipação da comunidade de africanos e de seus descendentes na diáspora.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1322/MULHERES+NEGRAS+NO+BRASIL+ESCRAVISTA+E+DO+P%C3%93S-EMANCIPA%C3%87%C3%83O

CORREIO BRAZILIENSE SUGERE A LEITURA DOS LIVROS “MULHERES NEGRAS NO BRASIL” E “CECAN”

O jornal Correio Braziliense publicou no domingo, dia 25 de novembro, ampla reportagem sobre a militância do movimento negro em Brasília. A matéria, intitulada “Batalhas fragmentadas”, destaca questões históricas da luta contra o racismo. Ao final da reportagem, o jornalista sugere a leitura de dois livros da Selo Negro Edições: Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação e Centro de Cultura e Arte Negra – Cecan. Clique no link para ler: http://goo.gl/m9Dk6

O livro Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação, lançado recentemente pela Selo Negro, reúne artigos de 20 importantes especialistas na temática, cobrindo o Brasil de norte a sul em termos teóricos e no uso de fontes diversas. A coletânea passeia por cidades, plantations e áreas de mineração nos séculos XVIII, XIX e primeiras décadas do século XX. “São textos de pesquisa que dão conta não só de cidades, engenhos, fábricas, mansões, mas que fundamentalmente reconstroem cenários e desenham paisagens revelando sombras, suspiros e formas de vida, do corpo, da mente e da alma das mulheres na escravidão e nas primeiras décadas do pós-emancipação”, afirmam os organizadores da obra Giovana Xavier, Juliana Barreto Farias e Flavio Gomes.

Já o livro Centro de Cultura e Arte Negra – Cecan, nono volume da Coleção Retratos do Brasil Negro, apresenta pela primeira vez a biografia de uma entidade. A história do Centro de Cultura e Arte Negra – Cecan, que atuou na capital de São Paulo na década de 1970, foi marcada por um ideal: reforçar a importância da consciência étnica. Na obra, a mestre em ciências sociais, Joana Maria Ferreira da Silva, analisa a trajetória da organização que foi uma das primeiras entidades negras a trabalhar a ideia da negritude. 

Para saber mais sobre os livros, clique nas capas acima.

LIVRO MULHERES NEGRAS NO BRASIL ESCRAVISTA E DO PÓS-EMANCIPAÇÃO É LANÇADO EM SALVADOR

A Selo Negro Edições e a Livraria LDM (Salvador) promovem na sexta-feira, dia 30 de novembro, das 18h às 21h, a noite de autógrafos do livro Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. Com pesquisas originais, que esmiúçam fontes e privilegiam as biografias, a obra, organizada pelos historiadores Giovana Xavier, Juliana Barreto Farias e Flavio Gomes, oferece um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres negras, primeiras agentes da emancipação da comunidade de africanos e de seus descendentes na diáspora. A livraria fica no Espaço Itaú de Cinema, na Praça Castro Alvez, s/n – Centro, Salvador –BA.

A obra reúne artigos de 20 importantes especialistas na temática, cobrindo o Brasil de norte a sul em termos teóricos e no uso de fontes diversas. A coletânea passeia por cidades, plantations e áreas de mineração nos séculos XVIII, XIX e primeiras décadas do século XX. “São textos de pesquisa que dão conta não só de cidades, engenhos, fábricas, mansões, mas que fundamentalmente reconstroem cenários e desenham paisagens revelando sombras, suspiros e formas de vida, do corpo, da mente e da alma das mulheres na escravidão e nas primeiras décadas do pós-emancipação”, afirmam os organizadores. Além dos organizadores, assinam os textos Adriana Dantas Reis, Antônio Liberac Cardoso Simões Pires, Camillia Cowling, Eduardo França Paiva, Flavia Fernandes de Souza, Isabel Cristina Ferreira dos Reis, Luciano Figueiredo, Marcelo Paixão, Maria Cristina Cortez Wissenbach, Maria Helena P. T. Machado, Mary Karasch, Paulo Roberto Staudt Moreira, Petrônio Domingues, Sandra Lauderdale Graham, Sandra Sofia Machado Koutsoukos, Solange P. Rocha, Valéria Gomes Costa.

A principal proposta do livro, segundo os historiadores, foi não somente caminhar a partir das mulheres, mas com elas e por meio delas. Por conta disso, os textos tiveram como centro da análise os percursos de pequenas biografias, em uma diversidade territorial que abrange grandes cidades escravistas, destacando principalmente os Estados de Minas Gerais, Bahia, Paraíba, Goiás, Pernambuco, Sergipe, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro.

Referências nos estudos de gênero, escravidão e pós-emancipação não só no Brasil como nas Américas, os autores apresentam textos com uma narrativa diferenciada da abordagem acadêmica tradicional.  A qualidade dos artigos e a originalidade da temática somam-se à diversidade de fontes documentais utilizadas nas pesquisas. Processos, jornais, literatura, inventários, músicas, poesias, registros de óbito, de batismo, iconografia etc. foram fartamente explorados para apresentar um panorama amplo da história da mulher negra, contemplando sua presença e participação em diferentes partes do país.

Para saber mais sobre o livro, acessse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1322/MULHERES+NEGRAS+NO+BRASIL+ESCRAVISTA+E+DO+PÓS-EMANCIPAÇÃO

 

O GLOBO DESTACA O LANÇAMENTO DO LIVRO MULHERES NEGRAS NO BRASIL

 

O jornal O Globo deu destaque para o lançamento do livro Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação (Selo Negro Edições). A noite de autógrafos acontece na Folha Seca Livraria, no Rio de Janeiro, nesta quarta-feira, dia 21 de novembro, a partir das 19h. Veja o link: http://goo.gl/SZtxy

Com pesquisas originais, que esmiúçam fontes e privilegiam as biografias, a obra, organizada pelos historiadores Giovana Xavier, Juliana Barreto Farias e Flavio Gomes, oferece um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres negras, primeiras agentes da emancipação da comunidade de africanos e de seus descendentes na diáspora. A livraria fica na Rua do Ouvidor, 37 – Centro, RJ (entre a rua 1º de março e a Travessa do Comércio). 

A obra reúne artigos de 20 importantes especialistas na temática, cobrindo o Brasil de norte a sul em termos teóricos e no uso de fontes diversas. A coletânea passeia por cidades, plantations e áreas de mineração nos séculos XVIII, XIX e primeiras décadas do século XX. “São textos de pesquisa que dão conta não só de cidades, engenhos, fábricas, mansões, mas que fundamentalmente reconstroem cenários e desenham paisagens revelando sombras, suspiros e formas de vida, do corpo, da mente e da alma das mulheres na escravidão e nas primeiras décadas do pós-emancipação”, afirmam os organizadores. 

Além dos organizadores, assinam os textos Adriana Dantas Reis, Antônio Liberac Cardoso Simões Pires, Camillia Cowling, Eduardo França Paiva, Flavia Fernandes de Souza, Isabel Cristina Ferreira dos Reis, Luciano Figueiredo, Marcelo Paixão, Maria Cristina Cortez Wissenbach, Maria Helena P. T. Machado, Mary Karasch, Paulo Roberto Staudt Moreira, Petrônio Domingues, Sandra Lauderdale Graham, Sandra Sofia Machado Koutsoukos, Solange P. Rocha, Valéria Gomes Costa. 

A principal proposta do livro, segundo os historiadores, foi não somente caminhar a partir das mulheres, mas com elas e por meio delas. Por conta disso, os textos tiveram como centro da análise os percursos de pequenas biografias, em uma diversidade territorial que abrange grandes cidades escravistas, destacando principalmente os Estados de Minas Gerais, Bahia, Paraíba, Goiás, Pernambuco, Sergipe, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro. 

Para saber mais sobre o livro, acesse: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1322/MULHERES+NEGRAS+NO+BRASIL+ESCRAVISTA+E+DO+PÓS-EMANCIPAÇÃO

SELO NEGRO LANÇA MULHERES NEGRAS NO BRASIL ESCRAVISTA E DO PÓS-EMANCIPAÇÃO

A Selo Negro Edições e a Folha Seca Livraria promovem no dia 21 de novembro, quarta-feira, a partir das 19h, a noite de autógrafos do livro Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. Com pesquisas originais, que esmiúçam fontes e privilegiam as biografias, a obra, organizada pelos historiadores Giovana Xavier, Juliana Barreto Farias e Flavio Gomes, oferece um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres negras, primeiras agentes da emancipação da comunidade de africanos e de seus descendentes na diáspora. A livraria fica na Rua do Ouvidor, 37 – Centro, Rio de Janeiro, RJ (entre a rua 1º de março e a Travessa do Comércio).

A obra reúne artigos de 20 importantes especialistas na temática, cobrindo o Brasil de norte a sul em termos teóricos e no uso de fontes diversas. A coletânea passeia por cidades, plantations e áreas de mineração nos séculos XVIII, XIX e primeiras décadas do século XX. “São textos de pesquisa que dão conta não só de cidades, engenhos, fábricas, mansões, mas que fundamentalmente reconstroem cenários e desenham paisagens revelando sombras, suspiros e formas de vida, do corpo, da mente e da alma das mulheres na escravidão e nas primeiras décadas do pós-emancipação”, afirmam os organizadores.

Além dos organizadores, assinam os textos Adriana Dantas Reis, Antônio Liberac Cardoso Simões Pires, Camillia Cowling, Eduardo França Paiva, Flavia Fernandes de Souza, Isabel Cristina Ferreira dos Reis, Luciano Figueiredo, Marcelo Paixão, Maria Cristina Cortez Wissenbach, Maria Helena P. T. Machado, Mary Karasch, Paulo Roberto Staudt Moreira, Petrônio Domingues, Sandra Lauderdale Graham, Sandra Sofia Machado Koutsoukos, Solange P. Rocha, Valéria Gomes Costa.

A principal proposta do livro, segundo os historiadores, foi não somente caminhar a partir das mulheres, mas com elas e por meio delas. Por conta disso, os textos tiveram como centro da análise os percursos de pequenas biografias, em uma diversidade territorial que abrange grandes cidades escravistas, destacando principalmente os Estados de Minas Gerais, Bahia, Paraíba, Goiás, Pernambuco, Sergipe, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro.

Referências nos estudos de gênero, escravidão e pós-emancipação não só no Brasil como nas Américas, os autores apresentam textos com uma narrativa diferenciada da abordagem acadêmica tradicional.  A qualidade dos artigos e a originalidade da temática somam-se à diversidade de fontes documentais utilizadas nas pesquisas. Processos, jornais, literatura, inventários, músicas, poesias, registros de óbito, de batismo, iconografia etc. foram fartamente explorados para apresentar um panorama amplo da história da mulher negra, contemplando sua presença e participação em diferentes partes do país.

Para saber mais sobre o livro, acesse: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1322/MULHERES+NEGRAS+NO+BRASIL+ESCRAVISTA+E+DO+P%C3%93S-EMANCIPA%C3%87%C3%83O