‘DIA DO IDOSO: ENVELHECER COM QUALIDADE DE VIDA É POSSÍVEL’

De acordo com especialistas, alguns cuidados podem ser tomados para envelhecer de forma saudável

Matéria de Pedro Peduzzi, da Agência Brasil,
publicada no UOL em 01/10/2019

Instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Dia Internacional do Idoso (hoje, 1º de outubro) é uma oportunidade para que as pessoas lembrem que a idade chega para todos, e que, com ela, novas dificuldades surgirão. Especialistas consultados pela Agência Brasil, no entanto, garantem: é possível envelhecer com qualidade de vida.

Segundo o médico geriatra e diretor científico da SBGG (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia), Renato Bandeira de Mello, qualidade de vida é algo subjetivo: depende da percepção do indivíduo sobre o que é felicidade.

Mas, em termos gerais, acrescenta o geriatra, qualidade de vida na velhice está associada a vida ativa: a busca por hábitos saudáveis como atividade física, alimentação saudável; e a manter a mente estimulada com novas atividades. Outro fator associado à qualidade de vida na terceira idade são as relações sociais.”Isso significa contato com a família, amigos e colegas de trabalhos”, resume Mello.

Família

O papel da família para a qualidade de vida do idoso, além de relevante, está previsto em leis. “Mais do que um papel, os familiares têm obrigação com os idosos. Isso, inclusive, é respaldado pelo Estatuto do Idoso”, explica o diretor da SBGG.

Nesse sentido, o estatuto prevê que a família se envolva nos cuidados e na proteção do idoso, “respeitando os seus limites e a autonomia a fim de não o cercear de suas liberdades e desejos”, acrescenta Mello.

Coordenadora-geral do Conselho Nacional dos Direitos do Idoso, Eunice Silva destaca ser o ambiente familiar o que registra a maioria das violações de direitos da pessoa idosa. Segundo ela, entre os fatores que resultam em enfermidades, quedas, demência e internamentos prolongados estão a violência doméstica, os maus tratos e o abandono.

“É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do poder público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, educação, cultura, esporte, lazer, trabalho, cidadania, liberdade e dignidade, ao respeito e às convivências familiar e comunitária”, argumenta a coordenadora do conselho que é vinculado ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Sociedade

De acordo com o médico geriatra e diretor da SBGG, no caso de idosos doentes que precisam de cuidado especial, além do apoio familiar é necessário o apoio da sociedade, que precisa estar atenta também às próprias mudanças que acontecem ao longo do tempo.

“Há que se pensar que, no futuro, os núcleos familiares serão menores. Precisaremos encontrar meios para construir uma sociedade que possa cuidar do idoso”, disse ao lembrar que a qualidade de vida dos idosos depende, ainda, de infraestruturas e de relações que enxerguem esse público não apenas como consumidor, mas como potencial colaborador.

“Bancos, lojas, mercados, transportes e outros serviços e estabelecimentos precisam buscar formas de inclusão, não apenas como consumidor, mas também como força de trabalho”, disse ele à Agência Brasil.

Políticas Públicas

Estar antenado com relação às políticas públicas pode ajudar a melhorar a qualidade de vida do idoso. No âmbito do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Eunice Silva destaca o Programa Viver – Envelhecimento Ativo e Saudável.

“Ele representa a aplicação, na prática, do Estatuto do Idoso”, explica a coordenadora, referindo-se ao documento que preconiza o envelhecimento como um “direito personalíssimo”, e que sua proteção representa um direito social.

Segundo Eunice, em 2019 a Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa tem atuado no sentido de levar, a capitais e municípios mais distantes, a inclusão na tecnologia digital para as pessoas idosas.

Na avaliação da coordenadora, esse tipo de tecnologia, que vem sendo disponibilizada pelo Programa Viver, representa um “instrumento libertador e emancipatório, voltado à autonomia e à ampliação dos limites da convivência familiar, da educação, da saúde e da mobilidade física”.

“A meta é implantarmos 100 programas no ano de 2019. O Programa Viver, conta com 202 municípios cadastrados”, explica Eunice. Para ter acesso ao programa nos municípios já implantados, basta aos idosos se cadastrarem nos centros de acolhimento do programa.

A Secretaria informa que tem atuado também para equipar e fortalecer os Conselhos de Direitos Municipais da Pessoa Idosa, por meio da capacitação de conselheiros no Programa Nacional de Educação Continuada em Direitos Humanos, na modalidade de EAD (Ensino a Distância).

Saúde

Entre as políticas públicas ofertadas pelo Ministério da Saúde aos idosos está a Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa, que é oferecida gratuitamente a este público. Mais de 3 milhões de cadernetas foram entregues a municípios em 2018.

De acordo com a pasta, essa caderneta passou por algumas atualizações, que permitem melhor conhecer as necessidades de saúde dessa população atendida na atenção primária, de forma a melhor identificar o comprometimento da capacidade funcional, condições de saúde, hábitos de vida e vulnerabilidades.

A caderneta apresenta, ainda, orientações relativas alimentação saudável, atividade física, prevenção de quedas, sexualidade e armazenamento de medicamentos.

Em outra frente de ações – neste caso voltada a profissionais de saúde e gestores, ajudando-os na tarefa de melhorar a qualidade de vida dos idosos – o MS disponibilizou o aplicativo Saúde da Pessoa Idosa. Ele pode ser obtido gratuitamente por meio do Google Play.

Estatísticas

Dados apresentados pelo Ministério da Saúde apontam que atualmente, os idosos representam 14,3% dos brasileiros, o que corresponde a 29,3 milhões de pessoas.

Segundo o Estudo Longitudinal da Saúde dos Idosos Brasileiros (ELSI-Brasil) divulgado em 2018, 75,3% dos idosos brasileiros dependem “exclusivamente” dos serviços prestados no Sistema Único de Saúde (SUS). Ainda segundo o levantamento, 83,1% realizaram pelo menos uma consulta médica nos últimos 12 meses.

Tendo por base dados obtidos por meio da Pesquisa Nacional de Saúde, o MS informa que 24,6% dos idosos tem diabetes, 56,7% tem hipertensão, 18,3% são obesos e 66,8% tem excesso de peso.

As doenças do aparelho circulatório são a principal causa de internação entre idosos. Em 2018, foram 641 mil internações registradas no Sistema Único de Saúde (SUS) de pacientes acima de 60 anos.

Acidentes

De acordo com a SBGG, as principais causas de mortes acidentais de idosos são atropelamento e quedas, o que, segundo seu diretor, pode levar a consequências diretas, como lesões e fraturas, e indiretas, como medo de cair e isolamento social, entre outros.

“A maior parte das quedas da própria altura ocorrem em casa por falta de adaptação do ambiente, excesso de obstáculos, falta de barras de apoio, presença de piso sem antiderrapante e que são perigos contínuos na vida do idoso”, acrescenta o médico geriatra.

A Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa, distribuída pelo Ministério da Saúde, recomenda 11 cuidados práticos para a prevenção de quedas em idosos:

  • Evitar tapetes soltos;
  • Escadas e corredores devem ter corrimão nos dois lados;
  • Usar sapatos fechados com solado de borracha;
  • Colocar tapete antiderrapante no banheiro;
  • Evitar andar em áreas com piso úmido;
  • Evitar encerar a casa;
  • Evitar móveis e objetos espalhados pela casa;
  • Deixar uma luz acesa à noite, para o caso de precisar se levantar;
  • Esperar que o ônibus pare completamente para você subir ou descer;
  • Utilizar sempre a faixa de pedestre;
  • Se necessário, usar bengalas, muletas ou outros instrumentos de apoio.

Para ler na íntegra, acesse: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2019/10/01/dia-do-idoso-envelhecer-com-qualidade-de-vida-e-possivel.htm

***

Tem interesse no assunto? Conheça alguns livros do grupo Summus que falam sobre envelhecimento:

VELHICE
Uma nova paisagem
Autora: Maria Celia de Abreu
EDITORA ÁGORA

A psicóloga Maria Celia de Abreu propõe neste livro transformar visões e ideias preconcebidas a respeito do velho. Partindo de estudos teóricos sobre a psicologia do envelhecimento e de vivências colhidas em grupos de estudos, ela propõe que a vida passe a ser encarada como uma estrada que percorre diversas paisagens diferentes – nem melhores nem piores que as outras.

Com exercícios de conscientização e exemplos práticos, a autora discorre sobre inúmeros assuntos pertinentes à velhice, como corpo, sexualidade, memória, perdas, luto e depressão. Fundamental para idosos, seus familiares, cuidadores, pesquisadores e para todos os que desejam envelhecer com saúde, autoconfiança e alegria, a obra conta com depoimentos de importantes personalidades sobre emoções que sentem ao encarar a ideia da velhice.

VIVA BEM A VELHICE
Aprendendo a programar sua vida
Autores: M. E. Vaughan, B. F. Skinner
SUMMUS EDITORIAL

Um dos mais notáveis psicólogos do século XX, ele próprio já beirando os oitenta anos de idade, ensina — em linguagem agradável e bem-humorada — como os idosos podem administrar sua vida, sem depender dos outros, criando para si mesmos um meio ambiente estimulante e adequado.

GERONTODRAMA: A VELHICE EM CENA
Estudos clínicos e psicodramáticos sobre envelhecimento e 3ª idade
Autora: Elisabeth Maria Sene- Costa
EDITORA ÁGORA

A autora, médica psiquiatra e psicodramatista, vem atuando há mais de 15 anos com idosos. Aos poucos foi agregando uma série de abordagens às técnicas do psicodrama imprimindo um cunho pessoal ao seu trabalho, que batizou de gerontodrama. O livro, que também apresenta os aspectos conceituais e clínicos do envelhecimento, é um guia completo para quem quer seguir essa especialização, ou para qualquer pessoa com curiosidade sobre o envelhecer. A apresentação é de José de Souza Fonseca Filho.

EQUILÍBRIO HORMONAL E QUALIDADE DE VIDA
Estresse, bem-estar, alimentação e envelhecimento saudável
Autor: Sergio Klepacz
MG EDITORES

Sergio Klepacz, psiquiatra e autor de Uma questão de equilíbrio, mostra neste livro como a relação entre balanceamento hormonal, combate ao estresse e alimentação saudável pode levar a uma vida saudável e até mesmo deter o processo de envelhecimento. Ele discute as polêmicas questões da reposição hormonal e dos hormônios bioidênticos e relata casos reais de pacientes que procuraram respostas na medicina ortomolecular.

SEXO E AMOR NA TERCEIRA IDADE
Autor: Robert N. Butler, Myrna I. Lewis
SUMMUS EDITORIAL

Butler e Lewis derrubam tabus e provam que o sexo e a sexualidade são experiências prazerosas, gratificantes e altamente saudáveis, após os 60 anos. É a época em que o ser humano possui maior experiência e disponibilidade de tempo para poder, apesar das dificuldades naturais, usufruir de uma vida sexual positiva.

‘PASSO A PASSO PARA SUPERAR A TIMIDEZ’

Artigo publicado no portal A Mente É Maravilhosa,
em 28/08/2019.

A timidez é, em muitas ocasiões, aquela barreira que nos separa dos nossos objetivos e nos impede de apreciar os momentos da vida. Um obstáculo que temos que aprender a enfrentar para podermos nos mostrar da forma como somos.

Superar a timidez é um desafio para muitas pessoas. Não se trata de uma doença ou um distúrbio, mas de uma condição emocional na qual a vergonha prevalece a nível emocional e a dissimulação a nível comportamental.

O tímido não rejeita os outros nem evita o contato em sentido estrito. Muitas vezes até mesmo gosta da companhia dos outros. Também não teme os outros em termos globais. O que ele teme é ser exposto aos outros, ser objeto de atenção dos outros.

Para superar a timidez, é importante que tenhamos certeza do que é esta característica. Especificamente, não devemos confundi-la com a introversão. O introvertido pode ser tímido ou não, já que as duas características nem sempre coincidem.

Vamos ver tudo isso em mais detalhes a seguir.

O que é a timidez?

Existem, basicamente, três abordagens para entender a timidez. A primeira é a organicista. De acordo com ela, esse traço provavelmente tem uma origem genética. Tem a ver com certas anormalidades nas glândulas de secreção, particularmente nas glândulas pituitária e adrenal.

A abordagem comportamental, por sua vez, indica que a timidez é um comportamento aprendido. Geralmente tem sua origem na infância; às vezes pelos modelos parentais, às vezes porque a criança não é suficientemente reconhecida e valorizada pelos adultos ao seu redor.

Além disso, também pode surgir diante de alguma forma de abuso.

A psicanálise, por outro lado, aponta que a timidez é uma manifestação de um conflito do indivíduo consigo mesmo ou com uma parte de si mesmo. Isso está associado à repressão inconsciente de um ou vários instintos.

O tímido, quando exposto, sente que incorreu em uma ação incorreta ou imprópria. Sente que foi descoberto e não pode se defender. Também pode sentir que foi marcado pelo julgamento e a desaprovação dos outros.

Os primeiros passos para superar a timidez

Pelo menos 50% das pessoas se definem como tímidas em um ou mais aspectos. Então, este é um problema bastante comum.

Superar a timidez só se torna um objetivo importante se você achar que essa característica o limita significativamente. Especialmente se você acha que ela lhe causa sofrimento.

Nesses casos, vale a pena se dedicar para superar a timidez. Não é tão difícil. Os primeiros passos a dar são os seguintes:

Identifique seu tipo de timidez. Basicamente, existe uma timidez global e uma outra ocasional. A primeira está constantemente presente. A segunda aparece apenas diante de certas pessoas ou circunstâncias. Por isso, a primeira coisa a fazer é identificar a que tipo você corresponde.

Identifique os gatilhos. Tente se lembrar dos momentos em que você se sentiu mais envergonhado. O que essas situações têm em comum? Quais são os fatores que mais influenciaram para que você se sentisse tão envergonhado? Quais presenças tiveram um efeito especial em você?

Um passo a passo prático

Se você sente que as limitações provocadas pela timidez são relevantes na sua vida, a psicoterapia pode ajudá-lo. Atualmente, existem conhecimentos e meios para superar essas limitações.

Por outro lado, se a timidez não o condiciona tanto, você pode tentar seguir em frente usando alguma das estratégias que apresentaremos a seguir. Siga estas etapas:

Aceite que você é tímido. Você não está cometendo um crime, você simplesmente tem um traço de personalidade que, inclusive, muitos acham atraente. Sim, você é tímido e ponto.

Defina 10 situações de “risco”. Faça uma lista das dez situações sociais mais temidas. Não importa o quão improváveis ou absurdas elas possam parecer. Tente ser muito realista e específico. Por exemplo: “Contar uma piada e ninguém rir”.

Organize os dados. Classifique sua lista da situação mais simples à mais complexa. Por simples entendemos aquela que não lhe causa tanto medo. Por complexa, a que mais o incomoda, paralisa ou incapacita.

Domine o inventário. Depois de definir essas situações estressantes, comece a trabalhar uma por uma. Tente se expor a circunstâncias que o levem a enfrentar cada medo.

Ative seu detector. Quando você começar a se sentir envergonhado, pare por um minuto. Tome nota de seus pensamentos e emoções. Não faça nada antes de entender o que está acontecendo com você.

Anime-se. Mantenha uma postura corporal que o encoraje a continuar e valorize cada progresso que fizer. Evite comparações e destaque as características que melhor o definem de forma positiva. Pense em tudo que você contribui para os outros.

A timidez, por si só, não é um problema. O problema surge quando ela provoca emoções desagradáveis em nós, ​​ou nos afasta dos objetivos que desejamos alcançar.

Para ler na íntegra, acesse: https://amenteemaravilhosa.com.br/superar-a-timidez/

***

Quer saber mais sobre timidez? Conheça:

MORRENDO DE VERGONHA
Um guia para tímidos e ansiosos
Autores: Teresa Flynn, Cheryl N. Carmin, C. Alec Pollard, Barbara G. Markway
SUMMUS EDITORIAL

Pessoas que sofrem de fobia ou ansiedade em situações sociais não conseguem comer diante de outras pessoas, não utilizam banheiro público, fracassam em tentar expressar opiniões, apavoram-se diante de testes ou exames etc. Neste livro um grupo de psicólogos estuda o problema e apresenta um programa para vencê-lo. Analisando situações específicas, oferecem meios de auto-avaliação e recursos para dominar as fobias sociais.

TIMIDEZ
Esclarecendo suas dúvidas
Autores: Lynne Crawford, Linda Taylor
EDITORA ÁGORA

A timidez excessiva interfere na vida profissional, social e emocional das pessoas. Este livro mostra como identificar o problema e como quebrar os padrões de comportamento autodestrutivos da timidez. Apresenta conselhos e técnicas simples e poderosas para enfrentar as mais diversas situações.

HOJE É DIA INTERNACIONAL DA MULHER!

Neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, conheça algumas obras do Grupo Summus que apresentam uma visão renovadora sobre a força do feminino e seu papel na sociedade.

 

A MULHER HERÓICA
Relatos clássicos de mulheres que ousaram desafiar seus papéis
Autor: Allan B. Chinen
SUMMUS EDITORIAL

O livro traz contos populares compilados entre milhares de relatos ao redor do mundo. São histórias de mulheres fortes e maduras que não aceitaram o papel tradicional de passividade que grande parte das culturas lhes impõem. São explorados temas como competição, lealdade, limites, intuição e inteligência, entre outros.
.

MULHERES NA JORNADA DO HERÓI
Pequeno guia de viagem
Autoras: Cristina BalieiroBeatriz Del Picchia
EDITORA ÁGORA

Baseadas no grande sucesso da obra O feminino e o sagrado – Mulheres na jornada do herói, Beatriz Del Picchia e Cristina Balieiro produziram uma obra dinâmica e objetiva na qual resumem os passos da jornada descrita por Joseph Campbell e apresentam depoimentos de mulheres que superaram inúmeros desafios para atingir a plenitude no cotidiano.

O FEMININO E O SAGRADO
Mulheres na jornada do herói
Autoras: Cristina BalieiroBeatriz Del Picchia
EDITORA ÁGORA

De que forma se entrelaçam o feminino, a mitologia, e as manifestações do sagrado na vida cotidiana? Partindo desse questionamento, as autoras entrevistaram 17 mulheres, cujas histórias compõem a obra. Tomando como base as etapas da jornada do herói, modelo mitológico descrito por Joseph Campbell, elas revelam histórias fortes de mulheres que tiveram a coragem de buscar o sagrado, pagando às vezes um alto preço por isso. As entrevistadas são: Ana Figueiredo, Andrée Samuel, Bettina Jespersen, Heloisa Paternostro, Jerusha Chang, Maria Aparecida Martins, Monica Jurado, Monika von Koss, Neiva Bohnenberger, Regina Figueiredo, Renata C. Lima Ramos, Rosane lmeida, Sandra Sofiati, Solange Buonocore e Soninha Francine.
.

MULHERES NEGRAS NO BRASIL ESCRAVISTA E DO PÓS-EMANCIPAÇÃO
Organizadores: Juliana Barreto FariasGiovana XavierFlávio Gomes
SELO NEGRO EDIÇÕES

Como foi a participação das mulheres cativas na sociedade escravista e nas primeiras décadas da pós-emancipação? Como protestaram mirando a escravidão e contrariando a ideia de que aceitaram com passividade a opressão imposta? Os ensaios desta coletânea, que abrange os séculos 18 a 20, constituem um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres africanas, crioulas, cativas e forras.

‘ANSIEDADE CONTROLADA, SONO MELHOR E MAIS: 6 BENEFÍCIOS EM RESPIRAR DIREITO’

Matéria de Dimone Cunha, publicada originalmente
no UOL VivaBem, em 28/02/2019

 

A respiração é uma ação que acontece sem termos de pensar nela. Mesmo assim, ela pode sofrer influência das emoções. O ser humano nasce respirando de forma correta –inspirando pelas narinas, enchendo os pulmões e liberando oxigênio para nutrir as células do corpo — mas a exigência de uma vida mais agitada e estressada vai modificando esse padrão.

A ansiedade, por exemplo, provoca uma respiração superficial, com um padrão ruim, em que há aumento da frequência, mas não da profundidade. E isso pode se tornar algo automático e perene, modificando o tônus muscular da cadeia respiratória.

Por isso, os métodos de controle da respiração podem ajudar a monitorar e regular as inalações e exalações, contribuindo diretamente com a saúde. Veja as vantagens de respirar corretamente para todo seu corpo:

  1. Controle da ansiedade

Em um estado de ansiedade, a respiração fica mais acelerada ativando o sistema nervoso simpático, responsável por várias reações do corpo ao estresse. A ansiedade aumenta a frequência respiratória, eleva a frequência cardíaca e produz mais adrenalina.

O sistema nervoso autônomo é dividido em parassimpático e simpático, que atuam de forma antagônica: enquanto um é responsável pelo estado de alerta (simpático), o outro oferece uma sensação calma (parassimpático). A respiração profunda e lenta possibilita diminuir a frequência cardíaca e a liberação de adrenalina, acalmando o simpático e elevando o parassimpático, promovendo um estado de equilíbrio no organismo.

  1. Alívio do estresse

Um estudo realizado em 2016, na Universidade Técnica de Munique, conduzido por Anselm Doll mostrou que o foco atencional alivia o estresse e as emoções negativas, ativando o córtex pré-frontal. Essa ativação ocorre em áreas cerebrais relacionadas com a sensação de bem-estar, criando novas conexões e garantindo melhor controle, por isso concentrar a atenção na respiração pode favorecer o alívio de situações estressoras e emoções negativas.

  1. Melhora da insônia

A dificuldade em pegar no sono nada mais é que o reflexo de uma mente acelerada, em estado de estresse e ansiedade. Em 2015, Cheryl Yang e sua equipe da Universidade Nacional Yang-Ming, em Taiwan, confirmaram que 20 minutos de exercícios de respiração lenta (seis ciclos de respiração por minuto) antes de dormir melhora significativamente o sono.

  1. Redução da pressão arterial

Se o sistema nervoso simpático estiver ativado, ele eleva a produção de adrenalina que reduz o nível do calibre dos vasos arteriais, fazendo com que a pressão arterial aumente. Por isso, pessoas com hipertensão que meditam ou apostam em técnicas de relaxamento e respiração tendem a conseguir controlar melhor a pressão arterial.

  1. Diminuição de dores lombares

A respiração mais curta tensiona o diafragma, que tem inserções na coluna lombar. Aliviar essas tensões pode reduzir uma eventual dor lombar. Além disso, a própria tensão psicológica gera um tônus muscular geral no corpo muito maior do que o necessário, o que também pode gerar mais desconfortos lombares.

  1. Sensação de bem-estar

Uma respiração tranquila consegue elevar a atividade do nervo vago, que está relacionado ao sistema nervoso parassimpático. Ao estimular esse nervo o ritmo cardíaco e a pressão arterial diminuem, os músculos relaxam e este conjunto de ações promove uma sensação de tranquilidade. Estando mais calma, a pessoa pode tomar decisões mais assertivas e agir com mais atenção e precisão.

Treinando a respiração

Para reaprender a respirar de forma tranquila e correta, é válido apostar em práticas que acalmem e sirvam de válvulas de escape ao estresse. As atividades físicas são muito conhecidas por seus mecanismos ansiolíticos e antiestresse, além disso, praticar ioga e meditação podem ser relevantes para uma receita de saúde física e mental.

A respiração lenta e controlada é muito usada por praticantes de ioga e de meditação para promover estados mentais calmantes e contemplativos. São técnicas usadas clinicamente para suprimir o excesso de estresse, até para certos tipos de ataques de pânico. Assim, o treinamento respiratório deve ser restrito aos momentos da aula/terapia, que deve ser frequente até que o novo padrão seja incorporado e automatizado.

Para exercitar em casa

Confira três técnicas de respiração simples para fazer:

1) Deitado, coloque as mãos no abdômen, na altura do umbigo e respire um pouco mais profundamente, sentindo que o abdômen move as mãos, soltando o ar devagar. Repita cerca de dez vezes e volte a respirar livremente;

2) Sentado de forma confortável e com a coluna ereta, realize inspirações profundas seguidas de expirações profundas, totalizando 10 respirações seguidas de ritmo respiratório normal;

3) Sentado de forma confortável, respire pelas duas narinas, mantendo a palma da mão esquerda relaxada no colo, e deixando a mão direita para abrir e fechar as narinas. Coloque o indicador e dedo médio entre as sobrancelhas, quando for respirar, feche a narina direita e solte pela esquerda; depois puxe pela esquerda, e solta pela direita, intercalando sempre. Repita oito vezes.  Fontes: Paulo José Zimermann Teixeira, pneumologista da SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia) e professor da UFCSPA (Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre); Elisa Kozasa, pesquisadora do Instituto do Cérebro da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, de São Paulo; Danielle Bedin, pneumologista no Hospital Beneficência Portuguesa e doutora em pneumologia pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo); Danilo Santaella, educador físico, doutor em pneumologia e coordenador do setor de ensino e pesquisa do CEPEUSP (Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo).
.

Para ler na íntegra, acesse: https://vivabem.uol.com.br/noticias/redacao/2019/02/28/ansiedade-controlada-sono-melhor-e-mais-6-beneficios-em-respirar-direito.htm

 

***

Tem interesse pelo tema? Conheça os livros do Grupo Summus:

RESPIR-AÇÕES
A respiração para uma vida saudável
Autor: Philippe Campignion
SUMMUS EDITORIAL

Partindo dos conceitos desenvolvidos por Godelieve Denys-Struyf em Cadeias musculares e articulares, o autor faz um estudo profundo e detalhado do processo respiratório. Analisa esse processo em conexão com a musculatura corporal como um todo, bem como a essência dos mecanismos envolvidos. Sugere ao leitor meios de tomar consciência do seu modo particular de respirar, e a partir daí trabalhar sua própria respiração, descobrindo formas de respirar melhor. Impresso a 4 cores, formato 21 X 28 cm, contém mais de 100 ilustrações.


RESPIRAÇÃO

Autor: Philippe Emmanuel Souchard
SUMMUS EDITORIAL

Este livro é um moderno instrumento de estudo de todos os órgãos envolvidos no ato de respirar. Da anatomia à neurofisiologia, passando pela fisiopatologia e estresse, o autor chega à reeducação do processo respiratório e à respiração total. Numerosas fotografias e ilustrações.

 

RESPIRAÇÃO, ANGÚSTIA E RENASCIMENTO
Autor:
José Ângelo Gaiarsa
EDITORA ÁGORA

Quantos de nossos problemas estão relacionados com a respiração, algo tão fundamental e, paradoxalmente, tão negligenciado? Ao tratar do significado desse fenômeno e de seu valor psicológico, este livro amplia a consciência corporal do leitor e traz exercícios respiratórios, casos clínicos e até mesmo análises etimológicas, por considerar a palavra um derivado da respiração. Com rica fundamentação teórica, a obra torna-se acessível graças ao modo peculiar de escrever de J. A. Gaiarsa.

‘SEIS RAZÕES QUE PROVAM QUE O AMOR MADURO É O MELHOR DE TODOS’

Matéria de Heloísa Noronha, publicada originalmente no UOL Universa,
em 10/02/2019

 

Menos medo e drama, mais intimidade e certeza. Na maturidade, homens e mulheres conseguem dar e receber o melhor de si por causa da experiência de vida. Confira outras justificativas:

As expectativas são realistas

Não só em relação ao outro, mas também as individuais. Experiências de vida, relacionamentos anteriores e o próprio amadurecimento fazem com que as pessoas busquem ou encarem o amor de forma mais direcionada, direta e tranquila. Embora, obviamente, ainda cultivem sonhos e objetiva, alimentar idealizações e ideias fantasiosas não costumam integrar seu repertório.

Há menos ansiedade

À medida que o tempo passa, o autoconhecimento é maior. E, consequentemente, homens e mulheres sentem mais seguros, confiantes e não sofrem mais tanto por aquilo que não conseguiram ter ou ser. Também não estão mais preocupados em agradar a todo custo nem a pagar qualquer preço pelo amor. São pessoas que já construíram alguma coisa na vida – família, patrimônio, carreira – e, portanto, o foco é curtir a companhia um do outro. Além disso, a experiência acumulada ajuda a encarar melhor situações novas ou que causam medo.

A bagagem de vida de cada um faz com que tenham mais convicção sobre o que querem ou não

Isso ocorre, principalmente, em novos relacionamentos. Por já terem passado por outras relações, os maduros não estão dispostos a perder tempo e energia em envolvimentos sem futuro ou que não lhes agradem. Existe mais clareza nas escolhas e nos critérios dessas escolhas. Por exemplo: numa idade mais avançada, homens e mulheres sabem quais pontos de identificação não abrem mão e quais diferenças conseguem ou não tolerar. Dessa forma, a convivência transcorre com maior serenidade. A experimentação ao longo da vida permite um melhor autoconhecimento – e conhecer mais sobre si permite a qualquer pessoa saber o quanto se pode prometer e entregar em uma relação. Isso torna os relacionamentos mais maduros mas estáveis e promissores.

Ninguém quer gastar tempo nem energia com “joguinhos”

Em relações longevas, é comum que certos “joguinhos” –ciúme, brigas bobas, pequenas provocações– passem a fazer parte da identidade do casal. É uma espécie de “tempero” que, se para muita gente tem efeito nocivo, para diversos casais funciona como um combustível. À medida que o tempo passa, no entanto, embora algumas pirraças ainda persistam no dia a dia, a tendência é que esse comportamento se atenue. Já relacionamentos que se iniciam tardiamente, por sua vez, costumam ser livres de dramatizações ou birras desnecessárias. Os maduros aprenderam a diferenciar o que é realmente importante na vida daquilo que não tem a menor importância.

Sexo: mais prazer e intimidade, menos performance

A ânsia pela penetração e a valorização extrema do orgasmo não são mais tão evidentes nas transas maduras. Há menos show e mais prazer, ou seja, a existe uma entrega mais profunda, principalmente no que diz respeito às preliminares, e a intimidade é compartilhada com sabedoria. Mesmo que algumas capacidades possam até declinar um pouco (e hoje tem solução!), o desejo, o erotismo e a afetividade permanecem.

Sentimentos negativos como posse e controle já foram devidamente trabalhados

A essa altura da vida, seja pelo amor ou pela dor, as pessoas provavelmente já aprenderam que a confiança é a base de qualquer relação. O autoconhecimento promovido pela maturidade também permite o entendimento mais amplo das próprias fragilidades, então homens e mulheres são mais capazes de identificar quais questões e problemas não devem jogar nos ombros alheios.

FONTES: Adelsa Cunha, psicóloga e coautora do livro “Por Todas as Formas de Amor” (Ed. Ágora); Carmen Cerqueira Cesar, psicoterapeuta e terapeuta de casais, de São Paulo (SP); Elizabeth Monteiro, psicóloga e psicopedagoga, autora do livro “Viver Melhor em Família (Mescla Editorial); Luciano Passianotto, psicoterapeuta e terapeuta de casal, de São Paulo (SP); Marcelo Levites, coordenador do Centro de Longevidade do Hospital 9 de Julho, em São Paulo (SP), e Patricia Bader, psicanalista e coordenadora do setor de psicologia do Hospital e Maternidade Itaim Rede D’Or São Luiz, em São Paulo (SP)

Para ler na íntegra, acesse:
https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2019/02/10/6-razoes-provam-que-o-amor-maduro-e-o-melhor.htm

***

Conheça as obras do Grupo Summus mencionadas acima:

POR TODAS AS FORMAS DE AMOR
O psicodramatista diante das relações amorosas
Organizadores: Carlos Roberto Silveira, Adelsa Cunha
Autores: Adelsa Cunha, Carlos Calvente, Carlos Roberto Silveira, Dalmiro M. Bustos, Elisabeth Maria Sene- Costa, Eni Fernandes, Irany B. Ferreira, Maria do Carmo Mendes Rosa, Maria Luiza Vieira Santos, Rosilda Antonio, Suzana Modesto Duclós
EDITORA ÁGORA

Esta obra amplia as reflexões sobre o amor, trazendo para o leigo informações sobre o tema e permitindo-lhe identificar-se com o conteúdo abordado. Além disso, sensibiliza o psicoterapeuta sobre a repercussão, em sua prática clínica, de conceitos e preconceitos relacionados às diferentes formas de amar. Entre os temas abordados estão homo e bissexualidade, amor na terceira idade, amores adolescentes e a dor do rompimento amoroso.

VIVER MELHOR EM FAMÍLIA
Dicas e atitudes para relacionamentos saudáveis e filhos felizes
Autora: Elizabeth Monteiro
MESCLA EDITORIAL

Criar filhos e manter relações familiares harmônicas não é tarefa fácil. Neste livro, Betty reúne reflexões e comentários publicados em suas cinco obras anteriores. Além de se dirigir às mães, a coletânea também pode ser lida por avós, pais e cuidadores.

‘ANOREXIA E BULIMIA: ENTENDA COMO IDENTIFICAR E TRATAR ESSES TRANSTORNOS’

Texto parcial da coluna de Paola Machado publicada no UOL  Universa,
em 07/02/2019.
.

Não comer por opção ou por condição? Comer em excesso ou não comer absolutamente nada? Os distúrbios alimentares, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), são um dos problemas de saúde mais preocupantes da humanidade.

Nos países subdesenvolvidos, o número de mortes pela falta de comida, por condição, aumenta. Já nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, a preocupação é com os transtornos alimentares como, o sobrepeso, a obesidade, a anorexia e bulimia. Mas por que isto acontece?

Os transtornos alimentares (TA) são transtornos psiquiátricos com critérios diagnósticos baseados em características psicológicas, comportamentais e fisiológicas. No entanto, existe considerável variabilidade na gravidade e no tipo de TA.

Uma revisão sobre “Eating Disorders” (2011), publicada na Pediatrics in Review, considera que estes distúrbios em crianças e jovens são um sério problema de saúde mental, podendo envolver, no caso da anorexia e bulimia, fatores biológicos, psicológicos e ambientais. Ainda enfatiza que os transtornos alimentares afetam muito mais as mulheres do que os homens.

Os melhores tratamentos usam como base terapias, como a cognitivo-comportamental (TCC), terapia de comportamento dialético, psicoterapia psicodinâmica e diferentes formas de terapias familiares. Elas são realizadas por psiquiatras e psicológicos, juntamente com a intervenção de um nutricionista que entenda desse tipo de comportamento.

O que precisamos entender é que qualquer transtorno deve ser visto com mais sensibilidade por parte do profissional, familiares e amigos. Como parte do paciente a vontade de mudar, a motivação e confiança nas pessoas próximas é importante para ele entender e iniciar o tratamento.

Como detectar um transtorno?

Anorexia

É caracterizada por alterações extremas do hábito alimentar, consideradas patológicas (anorexia nervosa, subtipo restritivo), associadas a outros comportamentos voltados para o controle do peso, como abuso de drogas laxativas e anfetaminas (presente nos inibidores de apetite), vômitos induzidos e exercícios físicos exagerados (anorexia nervosa, subtipo bulímico).

Existem dois tipos de anorexia:

Restritivo Prevalecem comportamentos voltados ao controle da ingestão alimentar, como refeições restritivas (ex.: hipocalóricas, de baixo teor lipídico, hipoprotéicas), diminuição do número de refeições diárias ou jejum, que pode ser de algumas horas ou períodos mais longos.

Bulímico (binge-eating / purging) Prevalecem comportamentos purgativos como vômitos, diarreia decorrente do abuso de laxantes; uso/abuso de inibidores do apetite e laxantes, prática de exercício excessivo voltado à perda de peso, além dos comportamentos restritivos que também podem estar presentes.

Dentre os principais sintomas estão:

  • Vontade de sempre estar magro e culto pela magreza. Medo intenso de ganhar peso ou tornar- se “gordo”, mesmo estando abaixo do peso.
  • Distúrbio de imagem corporal, distúrbio na maneira de vivenciar sua forma ou peso corpóreo, influência indevida da forma ou peso corpóreo na autoavaliação, ou negação da seriedade do baixo peso atual.
  • Recusa em manter o peso mínimo para a idade e a altura, por exemplo, perda de peso e manutenção desta em 15% ou mais do esperado, ou ausência de ganho de peso esperado para aquele período de crescimento, levando a um peso menor do que 85% do esperado.
  • Transtornos de ansiedade generalizada (TAG).
  • Transtorno obsessivo compulsivo (TOC).
  • Fobia social.
  • Depressão

Em crianças e adolescentes, o médico deverá se atentar na perda de peso rápida ou grave (saindo do percentual de crescimento), exercício ou dieta em excesso, preocupação em contar as calorias dos alimentos e preocupação excessiva com o peso e com a forma do corpo.

Bulimia

A bulimia nervosa pode acontecer de forma isolada ou estar associada à anorexia. Caracteriza-se por episódios de compulsão alimentar (ingestão de grandes quantidades de alimentos dentro de um período de duas horas) e perda de autocontrole. Esse transtorno se divide em 2 subtipos:

Tipo sem purgação O indivíduo usa outros comportamentos compensatórios inadequados, tais como jejuns ou exercícios excessivos, mas não se envolve regularmente na autoindução de vômitos ou no uso indevido de laxantes, diuréticos ou enemas durante o episódio atual.

Tipo Purgativo Este subtipo descreve apresentações nas quais o indivíduo se envolve regularmente na autoindução de vômito ou no uso indevido de laxantes, diuréticos ou enemas durante o episódio atual. A pessoa costuma utilizar os próprios dedos para provocar o vômito ou objetos que estimulem o reflexo de vômito. É comum que esses pacientes escondam seus hábitos alimentares compulsivos e seus métodos purgativos por um sentimento de vergonha.

Dentre os sintomas estão:

  • Cometer excessos alimentares e ter comportamentos compulsivos –e por impulso –, associados a estratégias compensatórias inadequadas ou purgação — indução de vômito, uso de laxativos ou mesmo emagrecedores, excesso de treino, alternar a compulsão ao alimento a longos períodos de jejum.
  • Similares à anorexia nervosa, indivíduos com bulimia nervosa também exibem psicopatologia, incluindo o medo de estar acima do peso.
  • Transtornos de humor (depressão, bipolaridade, ansiedade), usando, muitas vezes, medicamentos para combater estes altos e baixos.
  • Comportamentos de alto risco, como tabagismo, uso excessivo de drogas ou álcool, promiscuidade sexual ou extremos, como furtos.

(…)

Para ler na íntegra, acesse: https://paolamachado.blogosfera.uol.com.br/2019/02/07/anorexia-e-bulimia-entenda-como-identificar-e-tratar-esses-transtornos/

***

Tem interesse pelo assunto? conheça os livros do grupo Summus que falçam sobre o tema:

ANOREXIA E BULIMIA
GUIAS ÁGORA – Esclarecendo suas dúvidas
Autora: Julia Buckroyd
EDITORA ÁGORA

Nos últimos 25 anos, a anorexia e a bulimia transformaram-se em endemias entre os jovens do mundo ocidental. O livro traz informações atualizadas sobre o assunto, que ainda é pouco conhecido e que atinge uma enorme camada de jovens entre 15 e 25 anos de idade. A autora esclarece como a sociedade e a cultura colaboram com a criação dessas doenças, descreve os sintomas, as conseqüências e também como ajudar no âmbito familiar e profissional.

A EXPERIÊNCIA ANORÉXICA
Autora: Marilyn Lawrence
SUMMUS EDITORIAL

De forma simples e direta, a autora trata o complexo tema de anorexia que, nos tempos atuais, tem afligido um grande número de mulheres e jovens. O estudo busca entender por que a doença aflige basicamente o sexo feminino, e também analisa por que alguns tipos de tratamentos hospitalares são tão desastrosos. A autora oferece explicações e, principalmente, novas perspectivas. A quase inexistente bibliografia sobre a questão em nosso país torna esta obra consulta obrigatória.

MULHERES FAMINTAS
Uma psicologia da anorexia nervosa
Autora: Angelyn Spignesi
SUMMUS EDITORIAL

Uma obra essencial que explora a anorexia através do imaginário, linguagem e metáforas espontaneamente produzidas pelos que sofrem deste mal. A autora conduz à dimensão simbólica da anorexia e à compreensão dos seus significados e conceitos mais profundos. O respeito da autora pela natureza da psique feminina fica evidente em cada página. Um convite para que as mulheres comecem a escrever sobre si mesmas, a partir de sua psique. Uma grande contribuição para o conhecimento do que é ser mulher.

O VÍCIO DA PERFEIÇÃO
Compreendendo a relação entre distúrbios alimentares e desenvolvimento psiquíco
Autora: Marion Woodman
SUMMUS EDITORIAL

Este livro explora os temas Anorexia Nervosa, Bulimia e Obesidade. Com a apresentação de vários casos clínicos, a conceituada autora verifica a relação dessas síndromes com o momento sociocultural, a mitologia, a literatura e principalmente a psicologia profunda de C. G. Jung.

MORRE, AOS 83 ANOS, A PSICANALISTA ANNA VERONICA MAUTNER

Faleceu na tarde desta quarta-feira, dia 30 de janeiro de 2019, a psicanalista Anna Veronica Mautner por falência múltipla dos órgãos. Ela foi internada há cerca de duas semanas com infecção pulmonar, após passar por uma infecção urinária.

Anna Veronica nasceu em Budapeste, na Hungria, em 1935. Imigrou para o Brasil aos 3 anos de idade, pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial. Criou-se em São Paulo, no bairro da Lapa. Durante a juventude, militou no Movimento Juvenil Sionista-Socialista (Dror) e estudou Ciências Sociais na Universidade de São Paulo.

Conviveu com toda uma geração de sociólogos e filósofos que marcaram a esquerda paulista. Também viveu a época áurea do Rio de Janeiro, onde atuou como jornalista no Última Hora e nos Diários Associados. Foi professora da USP e da Fundação Getulio Vargas e trabalhou em Nova York, em Londres e no Canadá.

Sua vida profissional começou muito cedo no salão de beleza dos pais. Lá ela tinha permissão para ficar, desde que quieta. E, assim, aprendeu a ouvir aos 5 anos. Aos 12, dava aulas de português aos estrangeiros que chegavam refugiados da guerra e ouvia suas histórias. Na juventude, levada por amigos mais velhos, circulou pelo Rio de Janeiro e conheceu os trotskistas da época: Mário Pedrosa, Bruno Giorgi, Alfredo Volpi, ministro Ribeiro da Costa, o poeta Dante Milano, o jornalista Medeiros Lima e tantos outros.  Também ouvia histórias de Clarice Lispector e Ligia Clark, antes da fama, e dos irmãos Oswaldo e Assis Chateaubriand.

Amiga de J. A. Gaiarsa, Anna atravessou a contracultura e fundou o curso de Psicoterapia Reichiana no Instituto Sedes Sapientiae. Formou-se psicanalista na Sociedade Brasileira de Psicanálise e clinicou por quase 50 anos.

Foi colunista do caderno Equilíbrio, da Folha, de 2000 a 2013, e, nos últimos tempos, colaborava escrevendo textos para a página de opinião do jornal.

Sua rica existência influenciou centenas de pessoas e formou várias gerações de terapeutas, entre elas Regina Favre, que em 2018 aceitou o desafio de mergulhar em seus textos e extrair um compilado que pudesse captar sua essência. O resultado está no livro Fragmentos de uma vida, lançado pela Editora Ágora, o último de Anna Veronica. Ela também escreveu O cotidiano nas entrelinhas (2001), Educação ou o quê? (2011) e Ninguém nasce sabendo (2013). Conheça-os:
https://www.gruposummus.com.br/gruposummus/autor//Anna+Veronica+Mautner

Anna Veronica deixa três filhos e cinco netos.

‘ABORTO ESPONTÂNEO: A DOR DE PERDER UM BEBÊ E ESTAR ENTRE MÃES FELIZES’

Matéria de Jacqueline Elise, publicada originalmente no UOL Universa,
em 23/01/2019.

A designer gráfico Carolina Schmitz, de 39 anos, ainda chora ao lembrar de sua primeira gravidez. Em 2013, com quase três meses de gestação, ela foi realizar o primeiro ultrassom, mas encontrou só silêncio: o saco gestacional era muito pequeno e não havia batimentos cardíacos. Por conta do pouco tempo, pediram para que ela aguardasse mais dez dias para refazer o exame e ver se o feto teria batimentos da próxima vez.

Uma semana depois, Carolina teve um sangramento e voltou ao hospital. Lá, ela descobriu que tinha sofrido um aborto espontâneo. Não bastasse a notícia, ela foi atendida na ala da maternidade, dividindo espaço com outras mulheres que estavam lá para, enfim, ter seus bebês. “Passei o dia todo naquele lugar me sentindo sozinha, como se ninguém pudesse me ver”, relata.

O caso de Carolina é muito comum. Por se tratar de um procedimento obstétrico, o atendimento a mulheres em processo de abortamento é feito em hospitais que dispõem de maternidade, para que os especialistas cuidem dos casos. Mas pode acontecer de parturientes e gestantes sofrendo um aborto espontâneo serem atendidas na mesma área, sem separação de ambientes.

D. F.*, de 42 anos, também passou por isso, e mais de uma vez. O primeiro caso aconteceu aos 35 anos: ela perdeu seu filho, recomendaram que ela aguardasse o processo se concluir naturalmente, mas, no fim, precisou realizar a sucção dos restos embrionários, a curetagem — e na mesma ala em que também eram feitos os partos.

Na segunda vez, a situação se repetiu. “Das coisas mais doloridas na experiência da curetagem, me lembro do choro das crianças nascendo no centro cirúrgico ao lado, de passar pelos bebês recém-nascidos, de ser chamada de ‘cureta’ pela enfermagem”, diz.

Frieza no atendimento também afeta as mulheres

D. relata que, na primeira vez que sofreu um aborto espontâneo, o tratamento distante dos médicos não ajudou. “Eu sei que eles trabalham com um número grande de pessoas, mas não precisa desumanizar tanto”.

A artista plástica Ana Pires, 29 anos, de São Paulo (SP), estava em uma viagem à Bahia quando descobriu que estava grávida. Logo que voltou ao seu estado para iniciar o pré-natal, ela teve um sangramento. Ana estava em processo de abortamento espontâneo, mas foi aconselhada a esperar o feto “sair sozinho” em casa. Demorou uma semana até expelir tudo, e ela alega que o tratamento no hospital foi muito “frio”.

Hoje, as três mulheres tiveram filhos após as experiências de abortamento, mas todas acreditam que poderia ter sido menos traumático se tivessem acompanhamento humanizado e atendimento psicológico, especialmente porque foram aconselhadas a aguardar o abortamento acontecer naturalmente, em casa, e receberam conselhos que pouco ajudaram a apaziguar a dor. “Não ajuda ficar dizendo ‘é normal perder filho, a fulana perdeu oito vezes antes de vingar um'”, diz Carolina.

Atender na maternidade é necessário, mas pode haver alas divididas no hospital

Janaína Motta, ginecologista, obstetra e colposcopista de São Paulo (SP), explica que existem um caso é classificado como aborto espontâneo quando ele ocorre até a 20ª semana de gestação. Existem dois tipos de aborto: o ativo, no qual a mulher tem um sangramento indicando que o processo já está acontecendo; e o retido, no qual ela não tem sintomas explícitos e é necessário fazer a curetagem. Em ambos os casos, as pacientes precisam ser tratadas na ala obstétrica dos hospitais.

“Quando a mulher em abortamento é atendida numa área obstétrica, é necessário uma equipe médica multidisciplinar composta por ginecologistas e obstetras, enfermeiros, assistente social e psicólogos, para que ela possa ter um apoio”, explica a especialista. Ela afirma que, em geral, os hospitais separam as parturientes das pacientes tendo um aborto, mas reconhece que “em hospitais com estruturas menos adequadas, infelizmente elas estarão misturadas com outras mulheres que acabaram de ter seus bebês”.

Maria Eugênia de Santi, especialista em reprodução assistida e responsável pelo departamento de planejamento familiar do Hospital Pérola Byington, em São Paulo (SP), afirma que a separação de alas “não é sempre prioridade dentro da administração do hospital”. “Um hospital que só funciona como maternidade recebe também pessoas que estão fazendo cirurgias. Ele poderia privilegiar uma área não relacionada ao parto, onde mulheres que farão cirurgias ginecológicas, como retirada de miomas e histerectomia, e mulheres em abortamento poderiam ficar”, pensa.

Preciso de apoio: o que fazer?

Ambas as médicas já sofreram, também, um aborto espontâneo. Santi diz: “Quando você perde o bebê, mesmo que seja no comecinho, na sua imaginação, ele já é grande, tem um quarto, roupinhas. E quando você vai para o corredor onde todas as portas têm as plaquinhas com enfeites, e a sua porta indica uma situação de insucesso, é traumatizante”, relata.

Ela afirma que, no seu caso, foi aconselhada e ir para casa e esperar o aborto acontecer, mas se recusou. “A curetagem tem seus riscos, ela pode machucar o colo do útero, por isso recomendam que aguardem. Mas eu pedi para minha médica fazer a curetagem, porque eu não ia aguentar passar pela espera. Isso é uma opção, a paciente pode solicitar que o procedimento seja feito, sim”.

Motta também salienta que a mulher em abortamento pode solicitar atendimento psicológico para lidar com a situação e minimizar a dor. “O atendimento médico tem que ser o mais humanizado possível para que ela se sinta confortável e segura neste momento. O fundamental é este apoio psicológico e emocional por parte dos médicos e da assistência social, ou ala de Psicologia do hospital”. Caso a paciente sinta que foi prejudicada durante o atendimento, é recomendado que ela procure a ouvidoria.

Por fim, Santi afirma que compartilhar histórias e encontrar grupos de apoio é o melhor remédio para a dor emocional. “Tem a questão do luto gestacional, mas também há muito medo de engravidar e perder de novo, de descobrir algum problema de saúde. Por isso é importante conversar com quem passou por isso”, pensa.

Para ler na íntegra, acesse:
https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2019/01/23/aborto-espontaneo-a-tristeza-de-perder-um-filho-e-ficar-na-maternidade.htm

***

Se você tem interesse pelo tema do luto gestacional, conheça os livros do Grupo Summus que falam sobre o assunto:

ABORTO ESPONTÂNEO
Guias Ágora – Esclarecendo suas dúvidas
Autora: Ursula Markham
EDITORA ÁGORA

A perda de um bebê em formação é uma experiência devastadora para a mulher. Ela não só terá de lidar com a dor e a frustração, mas também com a ansiedade em relação a uma futura gravidez. Este simpático guia oferece conforto, conselhos práticos, segurança nos próximos passos.

.
MATERNIDADE INTERROMPIDA
O drama da perda gestacional
Autora: Maria Manuela Pontes
EDITORA ÁGORA

Por vezes o ciclo da vida inverte-se: morre-se antes de nascer. Estará a sociedade civil consciente da fragilidade da maternidade e do vigor desse sono eterno que nos desvincula da existência? Este livro denuncia os processos da dor e do luto em mulheres que enfrentaram o drama da perda gestacional. São testemunhos reais de uma dura realidade que, silenciosa, clama por ser ouvida.
Prefácio de Maria Helena Pereira Franco.

‘SINTOMAS FÍSICOS DA DEPRESSÃO: QUANDO SEU CORPO FALA’

 Artigo publicado originalmente no site A Mente é Maravilhosa em 09/01/2019.

Os sintomas físicos da depressão são acompanhados pelos psicológicos. No entanto, é comum que muitas pessoas prestem atenção em primeiro lugar às dores de cabeças ou nas costas, à insônia, ao cansaço, etc.

Os sintomas físicos da depressão são um modo através do qual nosso cérebro nos avisa que algo não está certo. Esse transtorno complexo não altera apenas o ânimo e os pensamentos.

Se há um aspecto comum, é o claro impacto que tem sobre nosso corpo, trazendo-nos dor, fadiga, inflamações, problemas de sono, etc. Poucas condições alteram de forma tão intensa todo o nosso ser.

A dor mental existe e é a verdadeira responsável por muitas de nossas doenças físicas. No entanto, parece mais fácil dizer que estamos com dor nas costas, na cabeça ou no estômago do que dizer em voz alta algo tão dramático quanto “estou com dor na vida”. Porque se existe algo que sabemos é que nossa realidade é, muitas vezes, bastante dolorosa.

Os fracassos, as perdas, as decepções, o não saber o que fazer ou como reagir perante algo traz sofrimento. E mais, é comum sentir uma profunda angústia emocional sem forma e sem origem específica, um mal-estar persistente ao qual não sabemos dar explicações ou um desencadeador específico.

A depressão, como vemos, tem mil formas e tantos relevos que é como se fosse uma impressão digital. Não existem duas iguais.

É comum, por exemplo, essa combinação tão desgastante na qual a ansiedade se mistura com a depressão. É então que os pacientes costumam definir esse estado como estar assustado e extremamente cansado ao mesmo tempo. Como querer ficar sozinho e temer a solidão ao mesmo tempo. Como ter vontade de fugir e se sentir paralisado ao mesmo tempo.

Viver com depressão ou qualquer outro transtorno não é fácil para ninguém. No entanto, aprofundar-nos na anatomia dessas condições é muito necessário para compreender melhor o que estamos enfrentando.

A depressão dói. Poderíamos defini-la de muitas formas: um estado paralisante, pensamentos negativos e, inclusive, prejudiciais, angústia, medo, tristeza, apatia, desânimo, etc.

No entanto, não é comum escutar na boca de ninguém essa definição que nos revela que a depressão é, acima de tudo, sentir dor. Uma dor na qual o sofrimento físico (além do emocional) é real.

Estudos como o realizado na Universidade de medicina do Texas, nos Estados Unidos, em 2004, confirmam essa mesma informação: os sintomas físicos são comuns na depressão e, de fato, toda essa sintomatologia aparece por meio da dor ou de alguma alteração orgânica.

De tal forma, assim como nos revela o doutor Madhukar H. Trivedi, responsável pelo trabalho citado, grande parte dos pacientes procuram os postos de saúde com dores na cabeça, nas costas ou problemas de sono ou digestivos sem saber que todas essas sensações são os sintomas físicos da depressão.

Vamos analisar a seguir quais são esses sintomas mais recorrentes.

Cansaço, sensação de peso e dor generalizada

Tudo pesa, tudo dói, o corpo se torna lento. É como viver no interior de um opressivo escafandro. Esta, sem dúvida, é uma das características que grande parte das pessoas com um transtorno depressivo sente.

Ao mesmo tempo, assim como nos explica em um estudo o doutor Steven Targum, diretor do Hospital de Boston, nos Estados Unidos, as pessoas deprimidas nem sequer se beneficiam de um sono reparador. Mesmo que durmam 12 horas, continuarão se sentindo exaustas.

Dores nas costas

Se tivéssemos que falar de uma dor clássica associada à depressão, as dores nas costas estariam presentes. Este incômodo supera, inclusive, as dores de cabeça. Agora, para responder sobre o porquê dessa relação, podemos citar um estudo da Universidade de Emory, nos Estados Unidos, realizado em 2016:

  • Há um vínculo entre as vias inflamatórias e os neurocircuitos do cérebro quando experimentamos sensações de alerta, medo ou angústia.
  • Ocorre uma reação, um enfraquecimento do sistema imunológico e uma resposta inflamatória que se localiza, sobretudo, na coluna vertebral, nos nervos e nas vértebras das costas.

Maior sensibilidade à dor

Outro dos sintomas físicos da depressão é nosso limite de dor. De repente, tudo fica doloroso, um arranhão, uma batida leve, as mudanças de temperatura, os diferentes tecidos de roupa, etc. A pele e nossos receptores ficam mais sensíveis. Dessa foram, sofremos mais.

Problemas digestivos

Com a depressão, é comum a ocorrência de alterações digestivas:

  • Cólicas.
  • Digestões lentas.
  • Cólon irritável.
  • Dor de estômago.
  • Sensação de ardor.

Assim como indica um trabalho da Universidade de Harvard, não podemos esquecer que existe uma íntima relação entre nosso cérebro e o sistema digestivo.

Fatores como o estresse, a ansiedade, os medos, as angústias e as tristezas provocam uma série de alterações que partem desde o esôfago e vão até o cólon.

Problemas oculares

Esse dado é curioso. Outro dos sintomas físicos da depressão é a percepção do contraste. Trata-se de uma pequena disfunção na vista na qual a pessoa tem dificuldade para focalizar as coisas. Além de a visão ficar mais embaçada, também há uma leve dificuldade para diferenciar o branco do preto.

Estudos como o realizado pela Universidade de Harvard nos indicam que quando alguém está deprimido, o mundo fica mais monocromático e, acima de tudo, as cores azul e cinza ficam mais fortes.

Trata-se de um dado muito interessante com o qual muitos pacientes que sofrem dessa condição psicológica concordam.

Para concluir, assim como pudemos verificar, os sintomas físicos da depressão são variados. No entanto, devemos nos lembrar de que essa série de incômodos ou particularidades devem ser relacionadas com uma série de alterações emocionais e cognitivas para poder constituir o quadro clínico de uma depressão.

A tipologia e o modo de enfrentar a doença é algo que o profissional da saúde deve decidir. Devemos nos lembrar, por sua vez, de que independentemente do tipo de depressão que temos, todas são tratáveis.

No momento em que se sente uma melhora, a maior parte desses sintomas físicos desaparece. É quando nossa mente fica em paz e nosso corpo para de gritar para se deixar levar em sintonia com nosso bem-estar emocional.

Para ler na íntegra, acesse: https://amenteemaravilhosa.com.br/sintomas-fisicos-da-depressao/

***

Quer saber mais sobre depressão? Conheça os livros do Grupo Summus sobre o tema:

DEPRESSÃO
Esclarecendo suas dúvidas
Autor: Sue Breton
EDITORA ÁGORA

A depressão cobre uma vasta gama de emoções, desde o abatimento por um episódio do cotidiano até o forte impulso suicida. Este guia mostra os diferentes tipos de depressão e explica os sentimentos que os caracterizam, para ajudar os familiares e os profissionais a entender a pessoa em depressão. Ensina também como ajudar a si mesmo e a outros depressivos.

 

TRANSTORNOS DE ANSIEDADE, ESTRESSE E DEPRESSÕES
Conhecer e tratar
Autor:  Breno Serson
MG EDITORES

Insônia, falta ou excesso de apetite, falta de ar, tonturas, medos, aperto no peito, pensamentos angustiantes. Esses e outros sintomas físicos e mentais podem indicar um transtorno de ansiedade ou depressão, que atinge cada vez mais nossa sociedade contemporânea. Este livro objetiva partilhar conhecimento, em linguagem simples, sobre os transtornos ansiosos e depressivos e os tipos de tratamento disponíveis, refletindo sobretudo sobre a integração de tratamentos convencionais e de medidas gerais benéficas.

 

UNIVERSO DA DEPRESSÃO
Histórias e tratamentos pela psiquiatria e pelo psicodrama
Autora: Elisabeth Maria Sene-Costa
EDITORA ÁGORA

Este livro é o resultado de uma ousada proposta para obtenção do título de mestre em Ciências pela Faculdade de Medicina da USP. A autora, psicóloga, estudou com profundidade os aspectos fisiológicos e clínicos da depressão e em seguida desenvolveu um tratamento apoiado no psicodrama. Tese inovadora e muito bem embasada, útil para profissionais das áreas médica e psi.