DOC COMPARATO: UMA AULA SOBRE PERSONAGENS – PARTE 4

Uma aula sobre personagens, dividida em 6 partes, com o mestre Doc Comparato.
Parte 4 – O Batismo.

Assista e fique atento: na segunda-feira, 03/12, postaremos a Parte 5 – A Composição.

Conheça o novo Da criação ao roteiro – Teoria e Prática, à venda nas melhores livrarias físicas e virtuais do Brasil: https://www.gruposummus.com.br/summus/livro/9788532311139

Para assistir à Parte 1 – O Roteiro e suas Etapas, Parte 2 – Como criar um personagem e Parte 3 – A Alma, acesse:
https://www.youtube.com/playlist?list=PLWBZMIEw-unatnlK2tRTUqdrsqPzd8vCg

‘EXISTE UM ‘PRAZO DE VALIDADE’ PARA O LUTO? ATÉ QUANDO ELE É NORMAL?’

Matéria de Gabriela Ingrid, publicada no Do UOL VivaBem, em 27/11/2018.

“Já se passaram oito anos da morte de um dos meus filhos. Sentir muito ainda e não poder falar no assunto sem chorar é normal?”

O luto é um processo que ocorre em todos os seres humanos quando há uma perda. Sofremos microlutos todos os dias, com expectativas, desejos que não se realizam, ideias que não dão certo. Mas existem os lutos maiores, como uma morte, a perda de emprego, de oportunidades. Em casos menores, nós vamos lidando com isso, superando e a vida continua. Quando se trata de perdas mais graves, como a morte de um filho, uma migração forçada ou até uma amputação, a sensação é mais intensa e demorada.

Um período de três meses a um ano é a media de duração do luto, mas pode chegar a até dois anos. Se a tristeza não diminui e o indivíduo não consegue retomar a vida, fica o tempo todo se sentindo culpado e infeliz, o problema se torna um luto patológico. Nesse caso, a depressão pode entrar em jogo e a busca por ajuda profissional, como tratamento psiquiátrico ou psicoterapêutico, pode ajudar.

É importante ressaltar que uma pessoa que sofre uma perda tão grande, como a de um filho, nunca vai esquecer essa situação. Ela vai se lembrar, principalmente em datas especiais, como aniversários. Mas isso tem que ser natural, sem tanta dor. Ela tem que trabalhar o luto até conseguir aceitar a realidade. E não pense que seguir em frente é algo controlável. É um processo inconsciente e pessoal que implica na necessidade de se adaptar ao mundo sem essa pessoa. Costuma-se dizer que a perda é para sempre e, neste sentido, sempre seremos afetados por ela. Mas o luto não é para sempre, ou seja, sempre é possível se organizar após uma perda.

Fontes: Valéria Ulbricht Tinoco, mestre e doutora pelo Programa de Psicologia Clínica da PUC-SP, cofundadora, professora e supervisora do instituto de psicologia Quatro Estações, especializado no atendimento a pessoas enlutadas; Roosevelt Cassorla, médico psiquiatra e psicanalista, analista didata da SBPSP (Sociedade Brasileira Psicanálise de São Paulo) e professor titular da Unicamp.

Para acessar na íntegra: https://vivabem.uol.com.br/noticias/redacao/2018/11/27/existe-um-prazo-de-validade-para-o-luto-ate-quando-ele-e-normal.htm

***

Valéria Ulbricht Tinoco é uma das coautoras no livro Resgate da empatia, da Summus. Conheça-o:

O RESGATE DA EMPATIA
Suporte psicológico ao luto não reconhecido
Organizadora: Gabriela Casellato
Autores: Valéria TinocoSandra Rodrigues de OliveiraRosane Mantilla de SouzaRegina Szylit BoussoPlínio de Almeida Maciel JrMaria Helena Pereira FrancoGabriela CasellatoDéria de OliveiraDaniela Reis e SilvaCristiane Ferraz PradeAna Cristina Costa Figueiredo
SUMMUS EDITORIAL

O tema do luto não sancionado é pouco abordado na literatura clínica. Neste volume, profissionais da área de saúde preenchem essa lacuna tratando de temas como aborto espontâneo, infidelidade conjugal, aposentadoria, morte de animais de estimação, perda de familiares por suicídio e o luto de cuidadores profissionais. Estratégias para lidar com a perda e os transtornos psiquiátricos decorrentes dela também fazem parte da obra.

 

DOC COMPARATO: UMA AULA SOBRE PERSONAGENS – PARTE 3

Uma aula sobre personagens, dividida em 6 partes, com o mestre Doc Comparato.
Parte 3 – A Alma.

Assista e fique atento: na quinta-feira, 29/11, postaremos a Parte 4 – O Batismo!

Conheça o novo Da criação ao roteiro – Teoria e Prática, à venda nas melhores livrarias físicas e virtuais do Brasil:
https://www.gruposummus.com.br/summus/livro/9788532311139

Para assistir à Parte 1 – O Roteiro e suas Etapas e Parte 2 – Como criar um personagem, acesse:
https://www.youtube.com/playlist?list=PLWBZMIEw-unatnlK2tRTUqdrsqPzd8vCg

DOC COMPARATO: UMA AULA SOBRE PERSONAGENS – PARTE 2

Uma aula sobre personagens, dividida em 6 partes, com Doc Comparato.
Parte 2 – Como criar um personagem.

Assista e fique atento: na segunda-feira postaremos a Parte 3 – A Alma.

Conheça o novo Da criação ao roteiro – Teoria e Prática, à venda nas melhores livrarias físicas e virtuais do Brasil:
https://www.gruposummus.com.br/summus/livro/9788532311139

Para assistir à Parte 1 – O Roteiro e suas Etapas, acesse:
https://youtu.be/6pq_4vZrqUo

DOC COMPARATO: UMA AULA SOBRE PERSONAGENS – PARTE 1

Uma aula sobre personagens, dividida em 6 partes, com o mestre Doc Comparato.
Parte 1 – O Roteiro e suas Etapas.

Assista e fique atento: na quinta-feira, dia 22, postaremos a Parte 2 – Como criar um personagem!

 

Conheça o novo Da criação ao roteiro – Teoria e prática, à venda na melhores livrarias físicas e virtuais do Brasil: https://www.gruposummus.com.br/summus/livro/9788532311139

 

‘PALMADA EDUCA? ESTUDO APONTA CONSEQUÊNCIAS PARA A VIDA ADULTA’

Artigo publicado no iG Delas, em 07/11/2018

Comportamentos violentos na educação tem consequências negativas para a formação de crianças e adolescentes, gerando adultos agressivos. Entenda

Apesar de algumas pessoas defenderem que adultos façam uso da palmada e de outros comportamentos agressivos para  impor limites e educar as crianças, quem estuda o assunto a fundo sabe que esse não é o melhor caminho para uma educação saudável.

O assunto voltou à tona na segunda-feira (5), quando a Academia Americana de Pediatria (AAP) apresentou uma nova política chamada de “Effective Discipline to Raise Healthy Children” (“Disciplina Eficaz para Criação de Crianças Saudáveis”), na qual expõe estratégias para educar as crianças sem o uso de palmada ou outras formas de violência física.

A ideia é que o documento seja uma referência para pediatras, pais e educadores, sendo um guia para uma forma de  educar saudável e que leve em conta as necessidades físicas e emocionais da criança, respeitando o tempo dela e garantindo seu desenvolvimento pleno.

A organização, que é uma das maiores autoridades de pediatria do mundo, comprova com base em estudos que o uso de violência na educação é algo extremamente ineficaz e que tem sérias consequências para o desenvolvimento cerebral, prejudicando a vida jovem e adulta.

As consequências da palmada

De acordo com um dos estudos apresentados na conferência da Academia Americana de Pediatria, as crianças que sofreram agressões mais de duas vezes por mês até os 3 anos de idade mostraram um comportamento mais agressivo aos 5 anos de idade. Aos 9 anos, estas mesmas crianças apresentaram comportamentos negativos.

Além desse estudo, outra pesquisa exposta no evento apontou de que maneira agressões às crianças interfere no desenvolvimento cerebral. De acordo com o material apresentado, bater, xingar e até mesmo gritar com as crianças pode fazer com que os hormônios do estresse aumentem, o que pode alterar a forma de cérebro. O abuso verbal também é relacionado com problemas mentais em pré-adolescentes e adolescentes.

Ou seja, a palmada e outros comportamentos agressivos devem estar cada vez mais distantes da realidade das famílias e da educação . “A boa notícia é que cada vez menos pais têm usado palmadas em relação ao passado. Podemos melhorar!”, diz Robert D. Sage, um dos autores da nova política da Academia Americana de Pediatria.

Para ler na íntegra, acesse https://delas.ig.com.br/filhos/2018-11-07/palmada-estudos.html

***

Tem interesse pelo assunto? Conheça o livro da psicóloga Dora Lorch:

COMO EDUCAR SEM USAR A VIOLÊNCIA
Autora: Dora Lorch
SUMMUS EDITORIAL

Toda criança precisa compreender o mundo em que vive, e pais e educadores devem fornecer exemplos diários de boa conduta e agir de maneira coerente com o que dizem. Mas muitos optam pela violência e pela humilhação para “ensinar”. Agindo assim, criam seres humanos sem capacidade crítica e também violentos. Usando a psicologia para falar de birras, medos, mentiras, vergonha, inconsciente e brincadeiras, a autora constrói um singelo manual de boas maneiras – para os pais. Prefácio de Ruth Rocha.

NOITE DE AUTÓGRAFOS DA EDIÇÃO RENOVADA DO CLÁSSICO “DA CRIAÇÃO AO ROTEIRO”

Summus Editorial e a Livraria Argumento – Leblon promovem no dia 22 de novembro, quinta-feira, a partir das 19 horas, o lançamento do atualíssimo Da criação ao roteiro – Teoria e prática, de Doc Comparato. O autor receberá amigos e convidados para a noite de autógrafos na livraria, que fica na Rua Ferreira Dias, 41, Leblon, Rio de Janeiro.

Depois de quarenta anos de uma vida dedicada ao ato de escrever para o cinema, o teatro e a televisão no Brasil e na Europa, Doc Comparato concebe uma nova visão do trabalho do roteiristaNasce um novo livro, com inédita definição sobre o roteiro e sua aplicação, atribuição e divisão – seja ele para cinema, televisão ou mídias digitais. A obra tem a missão de trazer o que existe de mais moderno na criação para streaming, realidade virtual, webséries, game e inteligência artificial, e aborda ainda contratos, adaptações, festivais, contatos profissionais, universitários e muito mais.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
https://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1503/9788532311139

“VIDA, MORTE E LUTO”, POR KARINA FUKUMITSU

Karina Okajima Fukumitsu fala sobre o livro Vida, morte e luto – Atualidades brasileiras, obra multidisciplinar organizada por ela e que conta com a autoria de diversos conceituados profissionais da saúde. Assista.

 

Para saber mais sobre o livro, acesse: https://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1497/Vida,+morte+e+luto