LANÇAMENTOS DA SELO NEGRO TÊM DESTAQUE NO ESTADÃO

A coluna Babel, publicada no caderno Sabático do jornal O Estado de S.Paulo, no sábado, dia 27 de outubro, deu destaque para os livros Você conhece aquela? e Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação, ambos lançamentos da Selo Negro Edições. Para ler a nota, acesse: http://goo.gl/3cHD8

No livro Você conhece aquela?, o antropólogo Dagoberto José Fonseca analisa como as piadas sobre negros contribuem para propagar o racismo e abre caminho para que se discuta mais profundamente as relações etnorraciais em nosso país. Ele catalogou diversas anedotas contadas no território brasileiro, interpretando-as à luz das relações raciais entre negros e brancos. Nesse percurso, descobriu nas piadas novas e antigas manifestações sociais que ganham vida num universo engendrado pela produção cultural e pela história local, fazendo parte de um intercâmbio entre a língua, o poder, a força da palavra e de suas representações.
Já o livro Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação, organizada por Giovana Xavier, Juliana Barreto Farias e Flavio Gomes, traz vários ensaios de importantes especialistas na temática. Os temas da escravidão e da presença africana tiveram destaque no chamado pensamento social brasileiro desde o alvorecer do século XX. Por meio de inúmeras publicações, sabemos cada vez mais sobre as estruturas sociais, demográficas, econômicas e culturais de várias regiões, assim como de sua população de africanos e descendentes. Entretanto, para algumas temáticas ainda há muitas indagações. Como foi a participação das mulheres cativas na organização da sociedade escravista e nas primeiras décadas do pós-emancipação? Como elaboraram sociabilidades, modificando a própria vida e a de seus familiares? Como protestaram com obstinação, minando a escravidão e contrariando a ideia de que aceitaram com passividade a opressão imposta? A coletânea avança nessa direção. Os vários ensaios passeiam por cidades, plantations e áreas de mineração de norte a sul do Brasil, nos séculos XVIII, XIX e primeiras décadas do XX. Com pesquisas originais, que esmiúçam fontes diversas e privilegiam as biografias, temos um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres africanas, crioulas, cativas e forras – primeiras agentes da emancipação da comunidade de africanos e de seus descendentes na diáspora.

Para saber mais sobre os livros, clique nas capas acima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*