‘NOVOS CAMINHOS PARA O VELHO’

Artigo de Maria Celia de Abreu*, publicado no jornal O globo, em 07/03/2019

Psicóloga e coordenadora de instituto para terceira idade diz que, à medida que sua população envelhece, país terá de rever seus valores sobre o tema

O aumento da longevidade e a diminuição de nascimentos trazem grandes modificações para a distribuição demográfica no Brasil do século XXI. Nos anos 1940, a expectativa média de vida de um brasileiro era em torno dos 40 e poucos anos; hoje, na primeira década do século XXI, vai além dos 70; viver 100 anos já não nos parece uma meta inatingível.

Entretanto, famílias com dez filhos, que eram comuns, tornaram-se uma raridade, ao mesmo tempo em que casais com um só filho, ou sem filhos, são encontrados com frequência. Somos uma sociedade que vem envelhecendo depressa, com tendência a acelerar ainda mais esse fenômeno.

Não é fácil se adaptar a situações novas, que geram uma verdadeira revolução, mas, neste caso, é imprescindível. Precisamos rever com urgência nossos valores em relação ao envelhecimento e ir em busca de bons caminhos para uma velhice com a melhor qualidade de vida possível.

As ciências, entre elas a psicologia, investiram em compreender a adolescência e a infância. Porém, não conhecemos a fundo características de pessoas com mais de 60 anos — que dirá com mais de 80 —,porque a existência delas como um grupo significativo para a população geral do país é recente. Estes estudos estão começando a florescer.

Uma reflexão sobre a qualidade de vida depois dos 80 anos precisa começar por distinguir entre o que é fato comprovado e o que é preconceito. Tal revisão de informações versus crenças deve ser feita pelos idosos e também pelos que com eles convivem, para que seu relacionamento não lhes seja nocivo ou restritivo e também para que os mais jovens se preparem para o seu futuro.

Qual é o valor que se atribui ao velho? Já é tempo de considerar que os seres humanos, qualquer que seja a sua idade cronológica, têm todos o mesmo valor.

Não é por não ser capaz de produzir bens como um jovem que seu papel na sociedade desaparece – crença que nos foi imposta pelo capitalismo e seu endeusamento da produção de bens de consumo. É preciso entender que a função do velho na sociedade só é diferente, mas não é inferior. Incorporar esse novo princípio é um desafio e tanto.

Suas consequências serão variadas: por exemplo, não será mais possível considerar o velho uma caricatura, um estereótipo do qual se debocha. Não vai dar mais para censurar e impedir o velho que se enamora ou que quer para si uma companhia; nem considerar alguém incapaz de trabalhar, de aprender ou de criar, só por sua idade.

Quem se livra do preconceito relativo ao desvalor do velho passa a respeitar sua capacidade de ser autônomo, de fazer escolhas sobre os rumos da própria vida, incluindo como quer usar o patrimônio e o dinheiro que lhe pertencem.

A não ser quando se instalou uma demência cognitiva, o fato de o velho precisar de alguma ajuda para atos cotidianos — como cuidar da casa, da roupa, da alimentação, da locomoção, da higiene — precisa ser discriminado do exercício de sua liberdade. Dependência é uma coisa, autonomia é outra.

Infantilizar o velho, muitas vezes superprotegendo-o, mesmo que seja carinhosamente, tolhe suas iniciativas, humilha, diminui, provoca a estagnação e o retrocesso.

À luz dessas reflexões, instituições tradicionais, tais como as propostas de moradia para quem tem mais de 80 anos, estão sendo radicalmente revistas. Não se aceita mais que a individualidade de cada morador seja ignorada, que suas funções cognitivas e de sociabilidade não sejam estimuladas, que seja tirado do morador asilado o exercício da liberdade.

O próprio interessado, desde que lúcido, deve fazer sua escolha de onde quer morar, e esta ser respeitada, sem mágoas e ressentimentos. Hoje, morar em uma instituição de longa permanência para idosos é uma opção tão válida quanto morar com um parente ou sozinho, com ou sem a presença de um cuidador.

É animador constatar que surgem caminhos novos para melhor atender a população crescente de quem tem mais de 80. O Sesc foi pioneiro em oferecer atividades e cursos para idosos. Faculdades da terceira idade são relativamente recentes, e se propagaram muito rapidamente, bem como cursos de iniciativa isolada específicos para idosos: informática, atualidades, dança e teatro e por aí afora, respondendo a demandas.

Há empresas de turismo atendendo a velhos. A indústria de calçados e de confecções começa a perceber que velhos precisam de mercadorias com características diferenciadas. As faculdades voltadas para a área da saúde começaram a incluir em sua grade curricular a disciplina da gerontologia. Nos hospitais, as maternidades estão diminuindo e as UTIs, crescendo, enquanto a medicina preventiva passa a ser valorizada.

Centro-dia

Surgida há poucos anos, a instituição conhecida como centro-dia vem se multiplicando rapidamente, provando sua utilidade e adequação. É um local onde a pessoa idosa passa algumas horas, embora continue morando em sua residência; ali lhe são oferecidas atividades que visam inclusão social, como a estimulação de habilidades cognitivas, a escuta de sua fala e o favorecimento da socialização.

Não é um local onde o velho é “depositado” enquanto os membros da família estão trabalhando e estudando e não podem supervisioná-lo, mas onde seu frequentador continua crescendo como ser humano, estimulado, desafiado, com acolhimento, respeito e alegria.

Infelizmente, nossa sociedade ainda não consegue dar as mesmas oportunidades aos velhos de todas as classes socioeconômicas. Os mais pobres, como sempre, saem penalizados. O fundamento desta realidade é o preconceito torto, pernicioso, falso, de que o rico vale mais que o pobre — um modo de pensar a ser destruído, tanto quanto seu paralelo, o de que o jovem vale mais que o velho.

São muitos os caminhos possíveis a serem descobertos que conduzem a uma vida de mais qualidade para quem já viveu pelo menos 80 anos. São muitos os tabus que dificultam essas descobertas e que necessitam ser desmascarados.

Nessa aventura pioneira, a mídia tem uma função fundamental, seja para estimular a reflexão, seja para apontar soluções e divulgar as que comprovam ser efetivas. Muita coisa há de mudar para melhor para os velhos que vivem no século XXI.

* Maria Celia de Abreu é psicóloga com doutorado pela PUC-SP e coordenadora do Ideac (Instituto para o  Desenvolvimento Educacional, Artístico e Científico)

Para acessar na íntegra: https://oglobo.globo.com/sociedade/artigo-novos-caminhos-para-velho-23503082

§§§

Maria Celia de Abreu é autora do livro “Velhice – Uma nova paisagem”, da Ágora. Conheça-o:

VELHICE
Uma nova paisagem
EDITORA ÁGORA

Estima-se que, em 2050, a população de pessoas com mais de 60 anos comporá 30% da população brasileira, ou seja, cerca de 66,5 milhões de pessoas. Ao lado do grande crescimento do número de idosos, há também o aumento da expectativa de vida: hoje, no Brasil, vive-se em média 75 anos. Assim, todos nós estamos ou muito em breve estaremos envolvidos com velhos: por sermos idosos, por termos alta probabilidade envelhecer ou porque nossos produtos tendem a ser consumidos por esse público. Por que, então, a velhice permanece um estigma em nossa sociedade?

A fim de mudar essa visão, a psicóloga Maria Celia de Abreu propõe neste livro transformar visões e ideias preconcebidas a respeito do velho. Partindo de estudos teóricos sobre a psicologia do envelhecimento e de vivências colhidas em grupos de estudos, ela propõe que a vida passe a ser encarada como uma estrada que percorre diversas paisagens diferentes – nem melhores nem piores que as outras.

Com exercícios de conscientização e exemplos práticos, a autora discorre sobre inúmeros assuntos pertinentes à velhice, como corpo, sexualidade, memória, perdas, luto e depressão. Fundamental para idosos, seus familiares, cuidadores, pesquisadores e para todos os que desejam envelhecer com saúde, autoconfiança e alegria, a obra conta com depoimentos de importantes personalidades sobre emoções que sentem ao encarar a ideia da velhice.

‘CADA VEZ MAIS VELHA, POPULAÇÃO DO BRASIL CHEGA A 208 MILHÕES’

Matéria de Lucas Vettorazzo, publicada na Folha de S. Paulo, em 25/07/2018.

Projeção aponta que país terá mais idosos que jovens em 2060

O Brasil atingiu a marca de 208,4 milhões de habitantes em 2018, segundo estimativa do IBGE divulgada nesta quarta-feira (24).

O dado é uma projeção com base no levantamento populacional do Censo de 2010.

A população brasileira em 2018 teve aumento de 0,38% (ou 800 mil pessoas) em relação ao contingente de 2017, quando era de 207,6 milhões.

O dado mais recente mostrou que o crescimento populacional brasileiro está desacelerando. Ou seja, a cada ano a população cresce menos. De 2016 para 2017, o crescimento havia sido de 1,6 milhão de pessoas, o dobro do registrado na passagem de 2017 para 2018.

Alguns motivos levam à desaceleração da taxa de crescimento da população. O principal é a redução da taxa de fecundidade. Além disso, as mulheres estão engravidando mais tarde e a relação entre idosos e jovens está diminuindo.

O IBGE estimou que a população brasileira continuará a crescer pelos próximos 29 anos, até 2047, quando deverá atingir 233,2 milhões. Nos anos seguintes, estima o instituto, a população cairá gradualmente, até chegar a 228,3 milhões em 2060.

O instituto fez uma série de projeções de longo prazo. A expectativa é que até 2060 a população com mais de 60 anos mais que dobre de tamanho e atinja 32,1% do total. Esse indicador em 2018 está em 13,44%.

Movimento contrário ocorre na população de crianças de até 14 anos, que atualmente representa 21,3% do total e que em 2060 representará 14,7%. O confronto desses dois indicadores mostra o envelhecimento da população.

Em 2060, portanto, o país terá mais idosos do que crianças. Se comparadas ano a ano, as mudanças são tímidas. Num prazo mais longo, porém, os dados não deixam dúvida. Em 2060, um quarto (25%) da população terá mais de 65 anos, estima o instituto.

O Rio Grande do Sul, segundo o IBGE, é o estado que primeiro experimentará uma proporção maior de idosos em relação às crianças. Essa reversão se dará em 2029. Quatro anos mais tarde será a vez de Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Os estados do Sul e Sudeste apresentam atualmente populações mais velhas do que os do Norte e do Nordeste, por exemplo.

A idade média da população brasileira em 2018 é de 32,6 anos. O estado mais jovem é o Acre, com população com idade média de 24,9 anos. O Rio Grande do Sul é o mais envelhecido, com 35,9 anos.

ENVELHECIMENTO

O motivo para envelhecimento geral é que a expectativa de vida experimentou melhora na última década, enquanto a fecundidade caiu gradativamente. Atualmente, a expectativa de vida ao nascer é de 76,2 anos. Em 2060, será de 81.

Segundo o demógrafo do IBGE Tadeu Oliveira, a redução da fecundidade está associada ao aumento da participação da mulher no mercado de trabalho. Elas têm dado cada vez mais prioridade aos estudos ou à carreira e têm postergado a maternidade. A evolução tecnológica, que permite às mulheres engravidarem mais tarde, também tem impacto nos dados.

Em 2010, a idade média em que as brasileiras engravidavam pela primeira vez era de 26,5 anos. Em 2018, o número está em 27,1 anos. Em 2060, chegará aos 28,8 anos de idade.

Atualmente, a taxa de fecundidade é de 1,77 filho por mulher. Em 2060, esse número será de 1,66.

Em 2018, o país teve mais 1,6 milhão a mais de nascimentos do que mortes (até 1º de julho, data de referência da pesquisa). Apesar da expectativa de vida maior em 2060 frente a 2018, a relação entre nascimentos e óbitos sofrerá reversão no futuro.

O país terá, em 2060, 736 óbitos a mais do que nascimentos, segundo estimativa do IBGE, fato que contribui para o envelhecimento da população.

Para acessa a matéria na íntegra: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/07/com-populacao-cada-vez-mais-velha-brasil-atinge-208-milhoes-de-pessoas.shtml

***

Tem interesse pelo assunto? Conheça alguns livros do Grupo Summus que abordam o envelhecimento saudável:

VENCENDO O TEMPO
Viver bem após os 60
Autora: Eda LeShan
EDITORA ÁGORA

Um livro para pessoas de qualquer idade que começam a refletir sobre o envelhecer. Em tópicos curtos, com texto fluente e abordando assuntos desde os do cotidiano até os mais profundos, “Vencendo o tempo” traz sugestões de como dar mais qualidade ao caminho do amadurecimento. Sem ressentimento, mas também sem o artificial discurso “cor-de-rosa”. A autora é psicóloga, tem vários livros publicados, e esse é fruto de sua experiência pessoal. Isto é, ela própria é uma senhora com bastante idade e vivências.
………………………………………

VELHICE
Uma nova paisagem
Autora: Maria Celia de Abreu
EDITORA ÁGORA

A psicóloga Maria Celia de Abreu propõe neste livro transformar visões e ideias preconcebidas a respeito do velho. Partindo de estudos teóricos sobre a psicologia do envelhecimento e de vivências colhidas em grupos de estudos, ela propõe que a vida passe a ser encarada como uma estrada que percorre diversas paisagens diferentes – nem melhores nem piores que as outras.
Com exercícios de conscientização e exemplos práticos, a autora discorre sobre inúmeros assuntos pertinentes à velhice, como corpo, sexualidade, memória, perdas, luto e depressão. Fundamental para idosos, seus familiares, cuidadores, pesquisadores e para todos os que desejam envelhecer com saúde, autoconfiança e alegria, a obra conta com depoimentos de importantes personalidades sobre emoções que sentem ao encarar a ideia da velhice.
………………………………..

EQUILÍBRIO HORMONAL E QUALIDADE DE VIDA
Estresse, bem-estar, alimentação e envelhecimento saudável
Autor: Sergio Klepacz
MG EDITORES

Sergio Klepacz, psiquiatra e autor de Uma questão de equilíbrio, mostra neste livro como a relação entre balanceamento hormonal, combate ao estresse e alimentação saudável pode levar a uma vida saudável e até mesmo deter o processo de envelhecimento. Ele discute as polêmicas questões da reposição hormonal e dos hormônios bioidênticos e relata casos reais de pacientes que procuraram respostas na medicina ortomolecular.
………………………….

SEXO E AMOR NA TERCEIRA IDADE
Autores: Robert N. ButlerMyrna I. Lewis
SUMMUS EDITORIAL

Butler e Lewis derrubam tabus e provam que o sexo e a sexualidade são experiências prazerosas, gratificantes e altamente saudáveis, após os 60 anos. É a época em que o ser humano possui maior experiência e disponibilidade de tempo para poder, apesar das dificuldades naturais, usufruir de uma vida sexual positiva.

……………………………

GERONTODRAMA: A VELHICE EM CENA
Estudos clínicos e psicodramáticos sobre envelhecimento e 3ª idade
Autora: Elisabeth Maria Sene- Costa
EDITORA ÁGORA

A autora, médica psiquiatra e psicodramatista, vem atuando há mais de 15 anos com idosos. Aos poucos foi agregando uma série de abordagens às técnicas do psicodrama imprimindo um cunho pessoal ao seu trabalho, que batizou de gerontodrama. O livro, que também apresenta os aspectos conceituais e clínicos do envelhecimento, é um guia completo para quem quer seguir essa especialização, ou para qualquer pessoa com curiosidade sobre o envelhecer. A apresentação é de José de Souza Fonseca Filho.

‘SOLIDÃO É UM DOS MAIORES MEDOS E QUESTÕES DA VELHICE; COMO LIDAR, ENTÃO?’

Você fica mais velho, para de trabalhar, algumas quedas o deixam com medo de sair de casa, a família se afasta e você se encontra sozinho e isolado do mundo. Essa é a realidade de muitos idosos no mundo. Recentemente, o Reino Unido criou o Ministério da Solidão, para enfrentar o problema no país. No Japão, idosas estão indo parar na cadeia propositalmente por se sentirem sozinhas ou invisíveis em casa. E os problemas não estão tão longe de nós assim.

A partir da década de 2050, a população brasileira acima dos 60 anos será o dobro do contingente de crianças e adolescentes com menos de 14 anos, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No entanto, apesar de o país estar envelhecendo, os idosos estão cada vez mais solitários. Segundo um levantamento de 2017 da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, a solidão é o maior temor dos brasileiros na terceira idade.

De acordo com Salma Rose Imanari Ribeiz, médica psiquiatra e psicogeriatra, doutora em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina da USP, a culpa pode estar nas mudanças na configuração das famílias. “Antigamente, os lares eram habitados por diversas gerações: avós, filhos e netos. E sempre havia companhia para o idoso em casa. Atualmente, nas grandes cidades, é frequente os idosos morarem sozinhos e, mesmo quando moram na mesma residência, seus filhos e netos passam a maior parte do tempo fora de casa, estudando ou trabalhando.”

A solidão pode causar efeitos graves na saúde

Além de elevar o nível dos hormônios do estresse e inflamações, a exclusão pode aumentar o risco de doenças cardíacas, artrite, diabetes tipo 2, demência e depressão. Por isso, é importante saber contornar o isolamento na terceira idade. “O problema é que as causas deste isolamento são múltiplas e vão desde uma dor para andar até problemas de comunicação, como a surdez. A questão é que as pessoas estão envelhecendo sem qualidade de vida”, diz Paulo Camiz, geriatra do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Envelhecer com qualidade de vida é essencial

Um levantamento realizado pelo instituto Qualibest em 2017 mostrou que, apesar de não praticarem atividades físicas ou manterem uma alimentação saudável, os brasileiros desejam envelhecer com saúde e pretendem viver até os 85 anos. Escolhas bastante contraditórias. Mais uma vez, o medo da solidão foi mencionado por 45% dos participantes. “Apesar do medo, as pessoas não estão se mexendo para envelhecer melhor. É preciso começar desde jovem a se prevenir”, alerta Camiz. Mas como?

Maria Thereza Leme, ou Tiê, como prefere ser chamada, tem 82 anos e é um exemplo de como chegar à terceira idade com a mente ativa. A paulistana aprendeu a mexer na internet e no smartphone com a família e, desde então, usa as redes sociais para se comunicar com os filhos (“que não vejo muito, mas estou sempre em contato”) e até para fazer curso. “Faço curso de filosofia pelo Skype, uso o Instagram com frequência e o Whatsapp, onde me comunico com todo mundo. TV é a última coisa que faço uso”, conta.

Tiê ainda dá aulas de francês em casa e faz bordados com sua cuidadora, que mora junto com ela desde 2014. À tarde, ainda se dedica a todo tipo de receitas: “Os filhos vêm buscar quando eu faço”, conta. A aposentada é uma entre os milhões de idosos que vivem na nova formulação familiar, explicada por Ribeiz, mas Tiê afirma que entende a família ter de trabalhar e cuidar de seus respectivos afazeres: “Eu respeito que cada um tem a sua vida. No domingo, não há uma obrigação de almoçarmos juntos, por exemplo. É tudo bem livre. Então, eu também não posso deixar de fazer as minhas coisas.”

De acordo com os especialistas, a família pode ajudar o idoso a se adaptar às mudanças que a vida traz e a encontrar novos papéis para ele desempenhar. Sentir-se útil e poder ajudar os outros pode ser o antídoto que traz de volta a autoestima e a segurança que a solidão aplacou. No caso de Tiê, ocupar a mente é a chave para manter-se viva.
……………………………………………………………..

Texto parcial de matéria de Gabriela Ingrid, publicada originalmente no portal Viva Bem, do UOL, em 28/03/2018. Para acessá-la na íntegra: https://vivabem.uol.com.br/noticias/redacao/2018/03/28/numero-de-idosos-solitarios-esta-aumentando-saiba-como-evitar.htm

***

Tem interesse pelo assunto? Conheça o livro abaixo, da psicóloga Maria Célia de Abreu, fundadora e coordenadora do Ideac-Instituto para o Desenvolvimento Educacional, Artístico e Científico, cujo foco principal, desde 1992, é a psicologia do envelhecimento.

……………………….
VELHICE

Uma nova paisagem
Autora: Maria Celia de Abreu
EDITORA ÁGORA

Todos nós estamos ou muito em breve estaremos envolvidos com velhos: por sermos idosos, por termos alta probabilidade envelhecer ou porque nossos produtos tendem a ser consumidos por esse público. Por que, então, a velhice permanece um estigma em nossa sociedade?

A fim de mudar essa visão, a psicóloga Maria Celia de Abreu propõe neste livro transformar visões e ideias preconcebidas a respeito do velho. Partindo de estudos teóricos sobre a psicologia do envelhecimento e de vivências colhidas em grupos de estudos, ela propõe que a vida passe a ser encarada como uma estrada que percorre diversas paisagens diferentes – nem melhores nem piores que as outras.

Com exercícios de conscientização e exemplos práticos, a autora discorre sobre inúmeros assuntos pertinentes à velhice, como corpo, sexualidade, memória, perdas, luto e depressão. Fundamental para idosos, seus familiares, cuidadores, pesquisadores.

Prefácio de Mario Sergio Cortella.

NOITE DE AUTÓGRAFOS DE “VELHICE – UMA NOVA PAISAGEM” FOI UM SUCESSO

Maria Celia de Abreu recebeu amigos e convidados no lançamento de seu livro Velhice – Uma nova paisagem, da Editora Ágora. A noite de autógrafos ocorreu na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo.

Confira abaixo alguns momentos do evento:

MCelia PalestraDSCN0081DSCN0083DSCN0084

 

 

 

DSCN0085DSCN0087DSCN0088

DSCN0089DSCN0091DSCN0092

DSCN0093DSCN0094DSCN0098

DSCN0108DSCN0110DSCN0113

DSCN0116MCelia MAdelaide

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

……………

20199

 

Para saber mais sobre o livro, acesse: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Velhice

‘MARIA CELIA DE ABREU LANÇA LIVRO’

Velhice – Uma nova paisagem” é o livro da psicóloga Dra. Maria Celia de Abreu publicado pela Editora Ágora, com lançamento marcado para o dia 13 de março, na Livraria Cultura, do Conjunto Nacional, em São Paulo. A obra traz  novos conceitos sobre o envelhecimento, além de  muitas informações para viver essa fase da maturidade com mais sabedoria e qualidade de vida. Dia 13, às 18h30, a autora faz palestra sobre o tema do livro e, em seguida, autografa os exemplares.

Publicado no Blog do Ideac em 19/02/2017: https://ideacblog.wordpress.com/2017/02/19/maria-celia-de-abreu-lanca-livro/

Velhice - uma nova paisagem