SURGIMENTO DO “NOTÍCIAS POPULARES” COMPLETA 50 ANOS

No dia 15 de outubro de 2013, completam-se 50 anos do lançamento do jornal “Notícias Populares” – que circulou pela primeira vez em 15 de outubro de 1963. Eternizado como o “espreme que sai sangue”, o popular jornal do trabalhador colecionou fãs e inimigos na mesma proporção. No dia 20 de janeiro de 2001, chegou às bancas a última edição de um dos mais polêmicos periódicos brasileiros. Nasceu de maneira improvável, viveu intensamente e morreu à míngua.

Doze anos se passaram e o velho NP segue sem substitutos na imprensa brasileira – bem como a principal obra sobre o jornal. Em 2012, a Summus Editorial lançou uma edição revista e atualizada do livro Nada mais que a verdade – A extraordinária história do jornal Notícias Populares, dos jornalistas Celso de Campos Jr., Giancarlo Lepiani, Denis Moreira e Maik Rene Lima. A obra resgata os detalhes dessa rica história, lembrando fatos importantes e pitorescos – desde a fundação do jornal até a circulação da última edição, com 50 reproduções das primeiras páginas do jornal. A nova edição tem prefácio do jornalista Marcelo Coelho e uma apresentação inédita de ninguém menos que Ebrahim Ramadan, editor-chefe do NP entre 1972 e 1990.

A extraordinária história do NP começa em 1959. Depois de ser confinado por Stálin, durante dez anos, nas minas de carvão da Sibéria, o jornalista romeno Jean Mellé desembarca em São Paulo para fugir dos fantasmas da perseguição comunista. Menos de cinco anos depois, acuado pelas próprias lembranças, o ex-preso político alia-se a Herbert Levy, conservador parlamentar paulista, e cria uma arma para contra-atacar o Última Hora, jornal que ambos consideravam o grande veículo de propaganda esquerdista no Brasil, criado por Samuel Wainer e historicamente ligado a Getúlio Vargas.

Assim nasceu o NP, em 1963. Era a esperança da União Democrática Nacional (UDN), de Levy e Carlos Lacerda, para conter a influência popular do rival Última Hora. A vocação política do NP, porém, teria curta duração. Após a tomada do poder pelos militares e o fim da ameaça comunista, o NP foi vendido, em 1965, para Octávio Frias de Oliveira e Carlos Caldeira Filho, da empresa Folha da Manhã S.A., que hoje edita a Folha de S.Paulo. Mellé permaneceu como editor do NP. Com o fim do Última Hora, que também havia sido adquirido por Frias e Caldeira Filho – e acabou sendo preterido em relação ao NP –, Mellé pôde, enfim, imprimir mudanças no jornal e o NP começou a ganhar as feições de um jornal popular: com ênfase na parte policial e esportiva, as preferências do povo.

E Mellé não poupou esforços para ampliar as vendas do jornal. Com um faro indiscutível para manchetes explosivas, ele usou e abusou de clichês e dos inúmeros fenômenos jornalísticos. Certa vez, pelos idos de 1968, o jornal estava sem manchete, e Mellé pediu a um repórter que telefonasse para Roberto Carlos para produzir alguma reportagem. Tentando localizar o cantor, o repórter ouviu do diretor da TV Record que o cantor estava em Nova York, mas não era possível localizá-lo. Certo de que o assunto estava encerrado, o repórter levou a notícia a Mellé. Ele por sua vez decidiu “esquentar” a notícia e soltou a seguinte manchete: “Desapareceu Roberto Carlos”. No dia seguinte, centenas de fãs cercaram a redação em busca de notícias sobre o ídolo. Revoltado, o diretor da Record exigia um desmentido, mas Mellé, no dia seguinte, apenas manchetou: “Acharam Roberto Carlos”. Nos dois dias, o jornal vendeu 20 mil exemplares a mais.

A intensidade era a tônica do NP. O jornal viveu um período difícil depois da morte de Mellé, em 1971. Com a troca de comando, as vendas despencaram de 100 mil para 25 mil exemplares. Mas Ebrahim Ramadan, contratado como o novo editor, mudou novamente os rumos da história. Para alavancar as vendas, ele investiu em uma overdose de crime e sexo nas páginas do jornal. Para o bem e para o mal, figuras folclóricas como a mula sem cabeça, as almas penadas, os monstros e os demônios tornaram-se personagens importantes no universo do Notícias Populares, ao lado de alienígenas e outras aberrações.

Em maio de 1975, o Notícias Populares publicou a história do bebê-diabo, que se tornaria um marco no jornalismo brasileiro. O jornal investiu na história bizarra, levando a população a acreditar no nascimento de um menino com chifres e rabo em São Bernardo do Campo. A credulidade popular era tamanha que o NP começou a inventar uma saga para o bebê-diabo. O caso permaneceu na primeira página do jornal por 27 dias, nos quais pessoas ligavam para a redação jurando que viam o bebê-diabo e informando seu paradeiro. A cobertura de Carnaval do NP era outro caso à parte: até os leitores de outras publicações não resistiam às toneladas de fotos picantes tiradas pelos salões de São Paulo, com suas hilárias legendas.

Com o lançamento do jornal Agora, em 1999, pela mesma empresa que o editava, o NP foi desprestigiado. Sem dinheiro para melhorar sua estrutura ou grandes campanhas, a redação começou a fazer milagre com a minguada verba que era reservada ao jornal. O anúncio do fechamento do NP, em 20 de janeiro de 2001, pegou de surpresa até os jornaleiros.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1243/Nada+mais+que+a+verdade

________________________________________________________________________ 

Durante esta semana, de 14 a 22 de outubro, você pode adquirir o livro “Nada mais que a verdade” com 50% de desconto no site da Livraria da Folha. Acesse: 
http://livraria.folha.com.br/livros/jornalismo-e-midia/nada-verdade-celso-campos-jr-denis-moreira-1161099.html
________________________________________________________________________ 

JORNAL ‘NOTÍCIAS POPULARES’ É RECRIADO EM DIVULGAÇÃO DE ‘FAROESTE CABOCLO’

Informe publicitário de 8 páginas tem ‘notícias’ sobre o enredo do filme. Conhecido como ‘NP’, jornal circulou em São Paulo de 1963 a 2001.

Para divulgar o filme “Faroeste caboclo”, que estreia no dia 30 de maio nos cinemas brasileiros, a Europa Filmes escolheu uma forma diferente de divulgação e recriou uma edição do extinto jornal “Notícias Populares”. O roteiro do longa é baseado na música homônima, composta por Renato Russo.

Em circulação nesta sexta-feira (24) junto com o jornal “Folha de São Paulo” (somente dentro do estado de SP) o informe publicitário de 8 páginas tem “notícias” sobre o enredo do filme.  A publicidade tem também uma edição online, no endereço www.ultimonp.com.br. A criação é da agência Click Isobar.

Sensacionalismo

Com a manchete “Treta por rabo de saia termina em tiros”, o encarte relembra as manchetes sensacionalistas do antigo período.

O jornal “Notícias Populares”, que ficou conhecido como NP, circulou em São Paulo de 1963 e 2001. Editado pelo Grupo Folha, ficou conhecido por manchetes sensacionalistas, muitas vezes violentas ou com conotação sexual.

Texto publicado no G1 em 24/05/2013. Para ler na íntegra, acesse: http://g1.globo.com/economia/midia-e-marketing/noticia/2013/05/jornal-noticias-populares-e-recriado-para-divulgar-filme-faroeste-caboclo.html

***

 

Conheça a história do NP com o livro
Nada mais que a verdade – A extraordinária história do jornal Notícias Populares”,
de Maik Rene Lima, Giancarlo Lepiani ,
Celso de Campos Jr. e Denis Moreira.
Mais que uma biografia do jornal, este livro é um romance fantástico que conduz o leitor por quatro décadas de uma ciranda de crimes, sexo, devaneios e, sim, bom jornalismo.