‘CONVENÇÃO DE IOGA REÚNE CENTENAS DE PESSOAS EM SÃO PAULO’

É a primeira vez que uma representante da família Iyengar vem ao Brasil

Matéria de Iara Biderman, publicada originalmente no jornal
A Folha de S. Paulo, em 19/05/2019

Mais de 300 tapetinhos de ioga forram o salão do Tênis Clube Paulista. Localizado no bairro da Aclimação, entre o Paraíso e a Liberdade, o clube sedia as atividades da 3ª Convenção Brasileira de Iyengar Yoga.

Ao lado dos tapetes, blocos, mantas, cintos e cordas ajudam pessoas de diferentes idades e condicionamento físico a sustentarem os “ásanas” (posturas). São os “props”, objetos de apoio típicos da Iyengar.

Mesmo alunos menos experientes mantêm o equilíbrio, até em posturas complicadas, como as que ficam com as pernas para o ar e a cabeça para baixo, sustentando todo o peso do corpo.

Seguindo as instruções da professora, que indica as sequências de exercícios e corrige os alinhamentos corporais, nem parece ser algo tão difícil. Em alguns momentos, a sincronia dos corpos lembra uma coreografia bem ensaiada, embora seja a primeira vez que o grupo todo pratica junto. E com aquela professora.

Abhijata Iyengar, a mestra, é a alma da terceira convenção de Iyengar realizada no Brasil. A associação brasileira foi criada há 13 anos, mas é a primeira vez que um membro da família Iyengar vem ao país.

Neta de B.K.S. Iyengar (1918-2014), fundador dessa linha dentro da hata-ioga, ela é a sucessora responsável por manter o legado do avô, que sistematizou o aprendizado da prática milenar e, mesmo respeitando a tradição, transgrediu ao ministrar aulas mistas e democratizar o conhecimento das técnicas.

Tudo isso é encarado de forma simples e natural pela indiana de 36 anos, formada em bioinformática e mãe de dois filhos, de seis e dois anos. Este modo de ser é transmitido na aula.

“Quando você vê que tudo é simples, os nós na cabeça se desfazem naturalmente. Foi isso que B.S.K. me ensinou, é onde se apoia a prática do Iyengar”, diz ela.

O método não se baseia em explicações e divagações teóricas, o ensino parte do corporal, físico. “Não é para criar fantasias, dizer feche os olhos e medite. A pessoa pode estar de olhos fechados sonhando com o que vai comer no jantar. Isso não é meditação.”

O aprendizado começa com posturas em que a mente está ativamente envolvida com o corpo, concentrada na posição do quadril, no alinhamento dos pés ou de cabeça e ombros, por exemplo. A partir dos aspectos mais simples, a evolução no caminho da ioga ocorre de maneira tangível e compreensível, segundo Abhijata.

Descomplicar ou mesmo desmistificar a prática é um dos méritos de B.S.K. Iyengar, que mostrou ser possível conciliar o caminho (também espiritual) com as demandas da vida mundana.

Lição aprendida por Abhijata, que, como boa parte das mulheres fazem hoje, equilibra uma agenda de aulas, palestras, convenções, reuniões, trabalho e cuidados com a casa ou com os filhos.

“Como eu faço isso? Acho que é a vida. Tento estar inteira em cada coisa. Veja, tento, mas agora, por exemplo, estou pensando no que meus filhos estão fazendo”, diz.

Abhijata conversou com a repórter após passar mais de oito horas entre aulas e reuniões no primeiro dia da convenção em São Paulo. Ela está há quase dois meses em tour pela América Latina.

A ioga ajuda, é claro. “É o que me dá energia, foco. Sem a prática eu viveria totalmente dividida entre as inúmeras coisas que preciso e quero fazer”, diz.

Concentração, relaxamento ou alívio de dores são alguns dos benefícios da ioga, mas o que ela realmente oferece, segundo Abhijata, é integração e união entre a mente e o coração.

A oferta não é inalcançável nem exige de ninguém se afastar dos comuns-mortais e renunciar ao mundo. Ao contrário, é estar nele, só que de outra forma.

“O mundo está um caos porque estamos desconectados do que fazemos, das outras pessoas, da sociedade, da natureza. A prática da ioga conecta a pessoa consigo mesma; a partir daí, a harmonia com tudo o que está em volta se torna possível”, afirma Abhijata.

Para ler na íntegra (assinantes Folha de S.Paulo e UOL), acesse: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2019/05/convencao-de-ioga-reune-centenas-de-pessoas-em-sao-paulo.shtml

***

Se você tem interesse no tema, conheça:

LUZ NA VIDA
A jornada da ioga para a totalidade, a paz interior e a liberdade suprema
Autor: B. K. S. Iyengar
SUMMUS EDITORIAL

Considerado o maior mestre de hata-ioga do planeta, o autor criou um método que permite a todos – inclusive idosos, portadores de deficiências ou de doenças crônicas – praticar ioga e recuperar ou aprimorar a saúde. Seus ensinamentos não têm nada de dogmáticos: usando de sabedoria, simplicidade e experiência, ele mostra como atingir a paz interior por meio da ação, da reflexão e do autoconhecimento. Obra imprescindível para os que buscam qualidade de vida.

MORRE O MESTRE IYENGAR

Lamentamos informar que faleceu nesta quarta-feira, dia 20 de agosto, o guru Bellur Krishnamachar Sundararaja Iyengar, um dos responsáveis pela popularização da prática da ioga no mundo ocidental. Iyengar tinha 95 anos e morreu de insuficiência renal, em um hospital de Pune, na Índia. Autor de várias obras sobre ioga, a Summus publicou em 2007 o livro Luz na vida – A jornada da ioga para a totalidade, a paz interior e a liberdade suprema.  Na época, Iyengar era o maior professor vivo de ioga no mundo. Usando de sabedoria, simplicidade e experiência, ele mostra no livro como atingir a paz interior por meio da ação, da reflexão e do autoconhecimento.

B. K. S. Iyengar tinha por volta de 14 anos quando começou a praticar ioga. Franzino, debilitado e suscetível a todo tipo de doença, ninguém imaginava que ele sobreviveria. Com a ajuda da ioga, Iyengar não apenas sobreviveu como passou a disseminar os benefícios de sua prática, provando que ela é indicada a qualquer pessoa. No livro, ele condensou sua experiência e traduziu os complexos conceitos da filosofia hindu de maneira simples e envolvente.

Com mais de 70 deles dedicados à técnica, Iyengar foi quem mais difundiu a ioga no Ocidente e no Oriente nos últimos 50 anos. Ele transmitiu seus conhecimentos a milhares de alunos no mundo todo. A profundidade com que as posturas são realizadas em seu método, conhecido como Iyengar ioga, traz ao praticante mais do que consciência corporal: permite o alinhamento de corpo, mente e alma.

“Ao observá-lo manipulando um paraplégico e notar a precisão com que ele colocava aquele aluno nos ássanas (posturas), concluí que ele tem o máximo conhecimento da mecânica dos movimentos corporais e de cada manobra complexa dos ássanas”, afirma Sandro Malburg Bosco, diretor da Escola Yoga Dham, que visitou o mestre na Índia. Segundo ele, as orientações de alinhamento dadas por Iyengar intensificam os benefícios que começam no corpo físico e reverberam internamente nos níveis mais sutis da mente e da existência humana.

Utilizando recursos simples, Iyengar criou maneiras para que qualquer um – crianças, jovens, gestantes, idosos, deficientes, enfermos – possa praticar ioga. É essa “democracia” que caracteriza seus ensinamentos. De acordo com o mestre, a ioga é para todos e seus benefícios devem ser proporcionados ao maior número de pessoas possível.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1015/Luz+na+vida

REPÓRTER ECO, DA TV CULTURA, EXIBE ENTREVISTA COM ILAN SEGRE NESTE DOMINGO, 24

O psicólogo Ilan Segre, autor do livro Terapia integrativa (Editora Ágora), participa do programa Repórter ECO, da TV Cultura, neste domingo, dia 24 de março, às 17h30. Na reportagem, ele fala basicamente sobre alimentação saudável e defende os princípios da naturopatia como forma de combater as doenças. O programa será reprisado no sábado, 30 de março, às 7h30 da manhã.

Numa época em que a saúde se tornou uma das maiores preocupações do ser humano, são poucos os que conseguem levar uma vida plena. De um lado, o ritmo de vida frenético facilita o aparecimento de distúrbios como ansiedade, pânico, depressão e insônia. De outro, a alimentação industrializada contamina nosso organismo com conservantes, hormônios e pesticidas. Então nos tratamos com remédios, o que acaba intoxicando ainda mais o corpo e deixando-o propenso a doenças. Como sair desse círculo vicioso? No livro Terapia integrativa, Segre mostra saídas possíveis para recuperar e manter a saúde. Aliando o amplo conhecimento em ioga, naturopatia e ayurveda à sua formação de psicólogo, ele mostra como a unificação da mente, do corpo, do movimento e da alimentação pode ajudar a estabelecer o bem-estar físico e mental.

O ponto de partida da obra é a própria história do autor. Com um sistema imunológico fraco, Segre sofreu com broncoespasmos e passou boa parte da infância e da adolescência tomando antibióticos para combater recorrentes infecções. A partir dos 16 anos, começou a sofrer também com crises de enxaqueca, que o obrigavam a fazer uso constante de analgésicos. Sem encontrar respostas coerentes para as dúvidas em relação ao funcionamento do seu organismo e depois de tentar inúmeros tratamentos, decidiu descobrir como viviam nossos antepassados, sem toda a parafernália medicinal. E, assim, foi para a Índia.

Durante quase dois anos, ele viveu num quarto pequeno, de apenas nove metros quadrados, sem televisão e sem banheiro. Ali, releu os textos antigos e conheceu as práticas naturopatas de origem alemã, envolvendo dietas e processos naturais para desintoxicação do corpo. Também aprendeu mais sobre a lógica da ayurveda que utiliza alimentos e ervas para prevenir e tratar doenças e intensificou a prática de ioga e de limpeza. Com todo esse aprendizado, a maior descoberta foi constatar que os sintomas de uma doença não aparecem por acaso.

“O que vemos por experiência é que as crianças vivem no consultório do pediatra com o nariz escorrendo, e terão inúmeras infecções respiratórias quando pequenas. Depois, na adolescência ou na idade adulta, vêm os problemas digestivos, enxaquecas, afecções de pele e afins. Em seguida, problemas de coração e de câncer e, por último, as doenças degenerativas. A questão é que aprendemos que tudo isso é natural e ninguém está a salvo. Será?”

Em 16 capítulos, Segre nos instiga a pensar sobre os motivos pelos quais adoecemos, apresenta soluções simples para problemas potencialmente complexos e mostra a aplicação prática dessa técnica, que busca tratar as pessoas de forma integral. Em muitas situações, ocorreu rápida melhora e os sintomas foram minimizados ou controlados.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1324/TERAPIA+INTEGRATIVA

VOCÊ SABE O QUE É TERAPIA INTEGRATIVA?

No vídeo abaixo, Ilan Segre apresenta seu livro “Terapia integrativa – Ioga, naturopatia, psicologia e ayurveda“.

Numa época em que a saúde se tornou uma das maiores preocupações do ser humano, são poucos os que conseguem levar uma vida plena. De um lado, o ritmo de vida frenético facilita o aparecimento de distúrbios como a depressão e insônia. De outro, a alimentação desregrada envia para dentro do organismo conservantes, hormônios e pesticidas. Então nos tratamos com remédios, o que acaba intoxicando o corpo e tornando-o cada vez mais frágil. Como sair desse círculo vicioso? Ilan Segre mostra neste livro que a saúde está ao alcance de todos. Usando um discurso crítico e partindo de sua longa experiência com ioga, ayurveda e naturopatia, o autor alinha essas três ciências à sua formação de psicólogo e propõe um novo caminho para aqueles que almejam o bem-estar físico e mental. Além disso, analisa casos de pacientes que atendeu na Índia utilizando sua abordagem integrada e mostra que a terapia integrativa é capaz de curar moléstias e aliviar sintomas de doenças graves como esclerose múltipla.

Ilan Segue é psicólogo formado pela Universidade de São Paulo e pós-graduado na Índia em iogaterapia e naturopatia, fala sobre o assunto no vídeo abaixo.

Saiba mais sobre o autor: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/autor//Ilan+Segre

Conheça o livro: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//TERAPIA+INTEGRATIVA

ILAN SEGRE LANÇA O LIVRO TERAPIA INTEGRATIVA COM PALESTRA

A Editora Ágora e a Livraria da Vila (Vila Madalena-SP) promovem no dia 22 de novembro, quinta-feira, das 18h30 às 21h30, a noite de autógrafos do livro Terapia integrativa – Ioga, naturopatia, psicologia e ayurveda, do psicólogo Ilan Segre. Às 19 horas, o autor fará uma palestra sobre o tema da obra no auditório. Com um discurso crítico sobre alimentação, muitas vezes combinada com o uso excessivo de remédios, Segre parte da própria história para explicar por que adoecemos. Aliando o amplo conhecimento em ioga, naturopatia e ayurveda à sua formação de psicólogo, ele mostra como a unificação da mente, do corpo, do movimento e da alimentação pode ajudar a estabelecer o bem-estar físico e mental. A livraria fica na Rua Fradique Coutinho, 915 – Vila Madalena – SP e o lançamento acontece no piso térreo.

O ponto de partida da obra é a própria história do autor. Com um sistema imunológico fraco, Segre sofreu com broncoespasmos e passou boa parte da infância e da adolescência tomando antibióticos para combater recorrentes infecções. A partir dos 16 anos, começou a sofrer também com crises de enxaqueca, que o obrigavam a fazer uso constante de analgésicos. Sem encontrar respostas coerentes para as dúvidas em relação ao funcionamento do seu organismo e depois de tentar inúmeros tratamentos, decidiu descobrir como viviam nossos antepassados, sem toda a parafernália medicinal. E, assim, foi para a Índia.

Durante quase dois anos, Segre viveu num quarto pequeno, de apenas nove metros quadrados, sem televisão e sem banheiro. Ali, releu os textos antigos e conheceu as práticas naturopatas de origem alemã, envolvendo dietas e processos naturais para desintoxicação do corpo. Também aprendeu mais sobre a lógica da ayurveda que utiliza alimentos e ervas para prevenir e tratar doenças e intensificou a prática de ioga e de limpeza. Com todo esse aprendizado, a maior descoberta foi constatar que os sintomas de uma doença não aparecem por acaso.

“O que vemos por experiência é que as crianças vivem no consultório do pediatra com o nariz escorrendo, e terão inúmeras infecções respiratórias quando pequenas. Depois, na adolescência ou na idade adulta, vêm os problemas digestivos, enxaquecas, afecções de pele e afins. Em seguida, problemas de coração e de câncer e, por último, as doenças degenerativas. A questão é que aprendemos que tudo isso é natural e ninguém está a salvo. Será?”

Em 16 capítulos, Segre nos instiga a pensar sobre os motivos pelos quais adoecemos, apresenta soluções simples para problemas potencialmente complexos e mostra a aplicação prática dessa técnica, que busca tratar as pessoas de forma integral. Em muitas situações, ocorreu rápida melhora e os sintomas foram minimizados ou controlados.

Para saber mais sobre o livro, acesse: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1324/TERAPIA+INTEGRATIVA