Ermelinda Marçal

Assistente social, consultora em inclusão e técnica de emprego apoiado. Atuou por 30 anos na área de RH em administração de benefícios, implantação do Serviço Social e Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência. Especialista na Língua Brasileira de Sinais (Libras) e Educação dos Surdos. Palestrante do I Workshop Inclusão Social no Cooperativismo no Sescoop/SP e do Conarh de 2014 com o tema: “Promovendo a caixa-baixa”. Atualmente, está concluindo a pós-graduação de formação em Psicodrama pela Sociedade de Psicodrama de São Paulo. Contato: ermelindamarcal@gmail.com

Livros deste autor

ATENÇÃO
Devido à pandemia de COVID-19, a qual nos impede de estimar e cumprir prazos de entrega, nossa loja está desabilitada para compra até que a situação se normalize. Você pode navegar normalmente, acompanhar nosso blog e comprar as obras nas lojas de nossos parceiros por meio dos links diretos na página de cada livro. Em breve nossa loja estará de volta e voltaremos a atendê-lo diretamente.

Exibindo 1 resultado

PSICODRAMA E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS

Diálogos e reflexões
Adriana Cristina Dellagiustina
Dalmiro M. Bustos
Denise Nonoya
e mais 8 autores
R$68,80

Em estoque

Apesar da grande produção bibliográfica dos psicodramatistas brasileiros nas últimas décadas, o tema das relações étnico-raciais é extremamente raro tanto em livros quanto em artigos acadêmicos. A fim de preencher essa lacuna, Maria Célia Malaquias reúne neste volume profissionais renomados para discutir assuntos como racismo, protagonismo negro, representatividade, ancestralidade e inclusão. De sua posição de mulher negra, psicóloga e psicodramatista, Malaquias leva o leitor a refletir sobre a desigualdade racial no Brasil e sobre os caminhos e instrumentos que podem ajudar a debelar essa chaga que nos assola há tantos séculos.

Entre os temas aqui abordados estão:

  • A importância do Teatro Experimental do Negro, berço do psicodrama no Brasil;
  • As contribuições do intelectual e ativista negro Alberto Guerreiro Ramos para a terapia de grupo;
  • As consequências nefastas do complexo de vira-latas tupiniquim;
  • O uso das técnicas do psicodrama no enfrentamento do racismo e na ressignificação de experiências doloridas;
  • O papel transformador dos etnodramas na existência de pessoas negras e não negras.