‘GOVERNO MAPEIA 14 NOTÍCIAS FALSAS EM MÉDIA POR DIA SÓ RELACIONADAS À SAÚDE’

Matéria de Natália Cancian, publicada na Folha de S. Paulo em 12/10/2018

Vacinas, alimentos e remédios são os principais alvos de informações falsas, mostra levantamento

“Novas vacinas causam autismo e os governos sabem.” “Usar celular no escuro causa maculopatia (câncer no olho).” “Só água com vinagre pode matar bactéria presente no feijão.”

O que há em comum entre essas três frases, compartilhadas em correntes no WhatsApp e em outras redes sociais? É o Ministério da Saúde quem adverte: são informações falsas.

Ao completar um mês de funcionamento de um novo serviço para receber e verificar informações de saúde por meio do aplicativo de mensagem, a pasta afirma ter identificado 416 fake news —o equivalente a 14 por dia.

São correntes, textos disfarçados de notícias, imagens retiradas de contexto e áudios de supostos especialistas.

“A diferença é que, na saúde, a informação equivocada pode ter consequências graves”, alerta Renato Strauss, chefe da assessoria de imprensa e informação da pasta e à frente do grupo responsável pela checagem. “Uma pessoa que adere a um tratamento dito inovador pode agravar sua doença. Quem deixa de se vacinar pode ficar doente e chegar à morte”, afirma.

Segundo ele, além do serviço no Whatsapp, chamado de “Saúde sem fake news”, a pasta já identificou desde março outros 395 focos de informações falsas em redes sociais abertas, como Twitter e Facebook.

O controle é feito por meio de um monitoramento diário em mais de 7.000 menções e palavras-chave.

Vacinas, mitos sobre alimentação e sobre medicamentos são os alvos mais comuns de notícias falsas em saúde, aponta balanço da pasta. Dos 395 focos identificados nas redes, 89% eram sobre vacinas.

Já no serviço via WhatsApp, as vacinas responderam por 91 das 416 informações falsas repassadas à pasta no último mês. Outras 153 envolviam supostas “denúncias” ligadas a alimentação ou crenças de benefícios exagerados. Em 27 casos, o foco eram medicamentos “milagrosos”.

O governo tem redobrado as medidas para tentar evitar a propagação de fake news na área. Desde março, uma equipe de cinco pessoas se dedica exclusivamente a essa análise.

Agora, o ministério avalia criar novas ferramentas, como campanhas específicas em torno de alguns temas e listas de transmissão para que usuários cadastrados recebam alertas sobre informações já “desmascaradas”.

Ao contrário do que ocorria no passado, a maior parte das informações falsas recebidas pela pasta hoje não vem de sites, mas de correntes e informações em redes sociais, em que o contato com pessoas próximas e a agilidade no compartilhamento acaba por legitimar as informações.

“É fácil ver pelo grupo da família. Quem dissemina é uma pessoa que você conhece. É uma cadeia de confiança informal que acaba disseminando essa informação”, diz o assessor Strauss.

Segundo ele, uma das dicas para verificar se a informação é falsa é ver a data da notícia: a maioria se repete. “As fake news são cíclicas. A informação falsa de que a vacina causa autismo, por exemplo, de tempos em tempos aparece. As próprias imagens são as mesmas, de ano em ano.”

Ele lembra que a primeira vez que a pasta criou um grupo de controle de fake news ocorreu em 2008, quando sites passaram a vincular a campanha de vacinação contra a rubéola a uma tentativa de esterilização das mulheres. A situação levou o governo a criar força-tarefa para esclarecer.

Em abril, ganhou força em grupos do WhatsApp um áudio com voz feminina que dizia que a OMS (Organização Mundial de Saúde) não divulgava mortes em Goiás pelo vírus “H2N3” para “não alarmar a população”. O vírus, porém, nem sequer existe no Brasil —nem em nenhum lugar do mundo. A informação foi uma das que ganharam um selo “O Ministério da Saúde adverte: isso é fake news”.

Recentemente, um possível aumento na propagação de fake news tem sido investigado como um dos motivos para a queda na vacinação de crianças, que atingiu em 2017 o menor índice em 16 anos.

“Ainda vamos fazer um estudo sobre os motivos da não vacinação. Mas temos avaliação de que as fake news podem estar sim colaborando para isso”, diz a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações, Carla Domingues.

Se está mais fácil ter meios de verificar se uma informação é falsa, o difícil ainda é descobrir a origem dela.

Neste caso, a estratégia do governo é fazer intervenções em cada postagem para informar que se trata de fake news, com riscos à saúde. Outra é usar redes próprias para contrapor as informações.

Em outros casos, o governo também pode pedir a retirada do material do ar.

EMPRESAS DIZEM COLABORAR PARA EVITAR AS DESINFORMAÇÕES

O WhatsApp informou que, “dada a natureza privada” da plataforma, tem focado em “educar as pessoas sobre desinformação” e na capacitação de usuários com novas opções de controle no aplicativo —caso do marcador que avisa aos usuários quando uma mensagem foi encaminhada.

Já o Twitter diz que trabalha para “coibir tentativas de manipulação das conversas” na plataforma. “Uma das frentes prioritárias em que atuamos é a luta contra spam e contas automatizadas mal-intencionadas”.

O Facebook diz que lançou ferramenta de verificação de notícias denunciadas como falsas em parceria com as organizações de checagem Agência Lupa, Aos Fatos e AFP. “Se identificarem que não há fatos que sustentem o conteúdo, as postagens terão sua distribuição reduzida no feed de notícias e não poderão mais ser impulsionadas”, informa.

O número para solicitar checagem do Ministério da Saúde via WhatsApp é (61) 99289-4640. Você pode repassar esse texto para o maior número de pessoas possível.

MANUAL PARA NÃO PROPAGAR FAKE NEWS

  • Busque a fonte original
  • Faça uma busca na internet: muitos casos já foram desmentidos
  • Cheque a data: a “novidade” pode ser antiga
  • Leia a notícia inteira
  • Cheque o histórico de quem publicou
  • Se a notícia não tem fonte, não repasse

Para ler a matéria na íntegra (para assinantes ou cadastrados), acesse: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/10/governo-mapeia-14-noticias-falsas-em-media-por-dia-so-relacionadas-a-saude.shtml

***

 

Tem interesse pelo assunto? Conheça:

A SAÚDE NA MÍDIA
Medicina para jornalistas, jornalismo para médicos
Autora: Roxana Tabakman
SUMMUS EDITORIAL

A saúde é a preocupação número um dos seres humanos, mas a mídia não tem profissionais bem preparados e as universidades não ensinam os médicos a lidar com os meios de comunicação. Numa era em que o paciente está cada vez mais informado, saber falar de saúde é fundamental. Nesta obra de fôlego, a autora recorre a médicos, jornalistas, pacientes e ONGs para propor caminhos concretos de interação.

‘MENOS DE 10% DOS HOSPITAIS TÊM EQUIPES DE CUIDADOS PALIATIVOS NO BRASIL’

………………………………………….Matéria de Cláudia Collucci e Mariana Versolato, publicada na Folha de S. Paulo em 14/10/2018

Gargalo começa nas universidades; apenas 14% dos cursos de medicina têm formação específica

Menos de 10% dos hospitais brasileiros têm equipes de cuidados paliativos, serviço essencial para que doentes graves e sem chances de cura tenham qualidade de vida até o fim.

Levantamento inédito da Academia Nacional de Cuidados Paliativos mostra que são apenas 177 serviços registrados nos 2.500 hospitais brasileiros com mais de 50 leitos—a maioria (58%) no Sudeste.

“Não há coordenação, muitos cuidados são oferecidos de forma isolada e irregular”, diz Daniel Forte, presidente da Academia Nacional de Cuidados Paliativos, que apresentou os dados nesta quinta (11) em evento em Lima, no Peru.

Entre os países latino-americanos, o Brasil só está à frente da República Dominicana e da Venezuela em termos de disponibilidade de serviços de cuidados paliativos. Uruguai, Argentina, Costa Rica e Chile são os mais bem colocados.

No evento, representantes de governos, da academia e da sociedade civil criaram uma força tarefa com objetivo de incentivar países da região a adotarem políticas públicas de cuidados paliativos.

Segundo Emilio Herrera, presidente do New Health Foundation, entidade que desenvolve modelos de atenção em cuidados paliativos, os últimos meses de vida acumulam mais sofrimento e mais gastos aos sistemas de saúde.

“Com os cuidados paliativos, os custos podem cair de 30% a 50%. Evitando internações e terapias desnecessárias, pode-se usar recursos para serviços que realmente vão fazer a diferença ao doente.”

Uma comissão de especialistas da revista Lancet elaborou um pacote essencial do que deve nortear as políticas públicas, ancorado em três pilares: expansão dos cuidados paliativos a todos os níveis da assistência, medicamentos genéricos para controle da dor, como morfina oral e injetável, e a capacitação e treinamento de profissionais da saúde.

Segundo Felicia Marie Knaul, da Universidad de Miami e membro da comissão Lancet, o pacote essencial tem custo de US$ 3 (R$ 11) per capita, dependendo do país e do tipo de doença.

“Muitos países pagam caro por medicamentos para dor porque não negociam bem”, diz Knaul.

Para os especialistas, porém, o que mais emperra o acesso a drogas como a morfina não é o preço, mas mitos e preconceitos que atingem médicos e familiares dos doentes.

“Não medicam uma pessoa com dor aguda nos seus momentos finais por medo da dependência. É o que chamamos de opiofobia”, diz Knaul.

Para Nicolás Dawidowicz, coordenador do Programa Nacional de Cuidados Paliativos da Argentina, parte do mito remonta ao tempo em que a prescrição da morfina só ocorria no fim da vida.

“Quando o paciente já estava morrendo, davam morfina para que ele não sofresse. As pessoas passaram a associá-la à morte. É um analgésico seguro, não acelera a morte.”

A Argentina é um dos países da América Latina em que doentes graves mais têm acesso à morfina, com consumo per capita anual de 14 mg , contra 10,6 no Brasil. A média global é de 61,3 mg per capita.

Com fabricação própria, a Argentina está capacitando equipes de saúde da família a prescrever morfina em um programa de cuidados paliativos na atenção primária.

“Garantir o acesso a essas substâncias ao doente com dor é uma obrigação por parte dos Estados. Do contrário, o paciente está condenado a sofrer uma dor desnecessária, uma tortura”, diz Dawidowicz.

No Brasil, os gargalos já começam na formação médica. Só 14% dos cursos de medicina oferecem a disciplina de cuidados paliativos e em só 6% desses ela é obrigatória.

Para Tania Pastrana, presidente da Associação Latino Americana de Cuidados Paliativos, a falta de educação sobre o tema é uma das principais barreiras ao acesso.

“Se os médicos e familiares dos doentes conhecessem mais sobre os cuidados paliativos e o manejo da dor, passariam a exigir isso.”

Porém, o que se vê hoje, é muitas vezes uma disputa entre especialidades. Há oncologistas que resistem em encaminhar pacientes aos cuidados paliativos e insistem em tratamentos inúteis.

“Há estudos mostrando que os cuidados paliativos melhoram a qualidade de vida, os sintomas, a aderência ao tratamento e prolongam a vida. Eu pergunto aos oncologistas: se existisse um remédio que fizesse isso tudo, você não daria ao seu paciente?”

O caso do engenheiro aposentado Armando Colotto, 88, exemplifica o que são os cuidados paliativos na prática. Com um problema cardíaco muito grave e incurável, ele já foi internado 13 vezes desde novembro de 2016.

“O coração dele está parando, parando, menos de 30% funciona. Nós íamos à emergência e era um terror. Colocaram até sonda sem necessidade”, conta a mulher, Clara, 79.

Foi então que o cardiologista sugeriu que um médico de cuidados paliativos acompanhasse o caso. “Eu estranhei quando ele falou em cuidados paliativos, foi um choque. Mas confio nele e aceitei.”

A partir daí, segundo Clara, Colotto voltou à vida. “Pela primeira vez ele falou o que estava sentindo. Ninguém sabia o que estava passando pela cabeça dele.”

Na sua fala, apareceu o medo de sentir dor, de ficar dependente dos outros. “O doutor Daniel [Forte] falou: ‘Você não vai sentir dor’. E aí começaram a dar morfina. O fato de alguém assegurar isso foi essencial, o ponto de virada. E ele ficou tranquilo.”

Até as internações estão diferentes, segundo ela. “Agora não ficam mais colocando fios, não tem nada invasivo. Todas as intervenções são feitas para suprimir as torturas que ele sofria, para dar conforto.”

Clara diz que tem parentes nos EUA e na Europa, e que nesses locais os cuidados paliativos são uma realidade, inclusive com o envolvimento da comunidade.

“O marido de uma amiga tinha câncer avançado e voluntários iam na casa dela todos os dias, cuidavam dele, da casa, das atividades dos dois. Aqui temos que avançar muito ainda. Faz tanta diferença…”

A jornalista Cláudia Collucci viajou a convite da Associação Latino Americana de Cuidados Paliativos

 

Para ler a matéria na íntegra (para assinantes ou cadastrados), acesse: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2018/10/menos-de-10-dos-hospitais-tem-equipes-de-cuidados-paliativos-no-brasil.shtml

***

O médico Daniel Forte é um dos coautores do livro Vida, morte e luto, recém-lançado pela Summus.  Conheça a obra:

VIDA, MORTE E LUTO
Atualidades brasileiras
Organizadora: Karina Okajima Fukumitsu
Autores: Ana Catarina Tavares LoureiroAvimar Ferreira JuniorDaniel Neves ForteDaniela AchetteElaine Gomes dos Reis AlvesElaine Marques HojaijElvira Maria Ventura FilipeEmi ShimmaFernanda Cristina MarquettiGabriela CasellatoGilberto SafraGláucia Rezende TavaresLeo Pessini, Karina Okajima FukumitsuMarcello Ferretti FanelliMarcos Emanoel PereiraMaria Carlota de Rezende CoelhoMaria Helena Pereira FrancoMaria Julia KovácsMaria Luiza Faria Nassar de OliveiraMayra Luciana GaglianiMonja Coen Roshi Monja HeishinNely Aparecida Guernelli NucciPatrícia Carvalho MoreiraPedro Morales Tolentino LeiteProtásio Lemos da LuzTeresa Vera Gouvea
SUMMUS EDITORIAL

Esta obra visa apresentar os principais cuidados e o manejo em situações-limite de adoecimento, suicídio e processo de luto, bem como reitera a visão de que, toda vez que falamos sobre a morte, precisamos também falar sobre a vida. Escrito por profissionais da saúde, este livro multidisciplinar atualiza os estudos sobre a morte, o morrer, a dor e o luto no Brasil. Destinado a psicólogos, médicos, assistentes sociais, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais etc., aborda temas como: espiritualidade, finitude humana, medicina e cuidados paliativos; cuidados e intervenções para pacientes cardíacos, oncológicos e portadores de doença renal crônica; intervenção na crise suicida; pesquisas e práticas sobre luto no Brasil e no exterior; luto não autorizado; as redes de apoio aos enlutados; a tanatologia na pós-graduação.

SUMMUS APOIA A REALIZAÇÃO DO XVI CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE PNL.

Este ano o Congresso será no Rio de Janeiro, entre os dias 22 e 25 de novembro, e o tema será “PNL e Prosperidade“.

Nos dois primeiros dias, acontecerá um curso exclusivo, WealthyMind – Mente Próspera.

Já nos dias 24 e 25, acontecerão palestras com os maiores nomes da PNL no Brasil abordando a prosperidade nas diversas áreas da vida: negócios, relações, família e muito mais.

As obras de PNL da Summus Editorial estarão à venda no local.

Mais informações sobre o evento? Acesse o link abaixo e confira:
www.congressopnl.com.br

‘ATRITOS EM TEMPO DE ELEIÇÃO ABREM ROMBOS NAS RELAÇÕES FAMILIARES’

……………………………………………Coluna de Cláudia Collucci, publicada em 09/10/2018, no jornal A Folha de S. Paulo.

………………..
Segundo psicóloga, está difícil entender que pensar diferente não é ser adversário

Essas eleições tóxicas continuam provocando efeitos adversos na saúde física e mental das pessoas. Não só pela insensatez de todas ordens e do clima de insegurança, mas também pelos conflitos familiares que têm surgido.

Nos últimos dias, vários amigos relataram profunda tristeza ao descobrir, por exemplo, que pais, irmãos ou parentes próximos são eleitores do candidato Jair Bolsonaro (PSL).

“Preciso de ajuda para enfrentar esse segundo turno. Meu pai fazendo campanha para o coiso já está demais”, disse uma amiga.

“Descobri que meus pais vão votar nele. E o pior: estão mentindo para mim. Meu pai disse que votaria no Álvaro Dias, e mamãe iria anular o voto. Minha sobrinha os desmascarou hoje. Estou arrasado”, comentou outro amigo.

“Estou me sentindo órfã”, desabafou outra.

Não faltam na trajetória do candidato à Presidência pelo PSL declarações machistas, racistas e de ódio às minorias. Em entrevista à TV Record, ele negou ter falado essas asneiras, ainda que exista farto material gravado e publicado a respeito disso.

A questão aqui não é o candidato, mas o endosso a essas ideias por meio do voto. Quando se trata de alguém não muito próximo, é mais fácil ignorar, excluir, bloquear ou colocar a pessoa no modo soneca. Mas e quando esse alguém é seu pai, sua mãe ou seu irmão?

Como um gay pode lidar com o sofrimento de ver o pai ou a mãe votando em alguém que já disse: “Prefiro que um filho meu morra num acidente do que apareça com um bigodudo por aí”?

Para falar sobre isso, entrevistei a psicóloga Maria Helena Franco, professora titular da PUC e uma das maiores especialistas brasileiras em situações de perdas e lutos. Veja o depoimento dela:

“Tenho ouvido muito de pessoas que estão vivendo um choque, uma decepção. Votar em Bolsonaro é muito mais do que escolher para um candidato à Presidência. É tudo o que vem nesse pacote e que está abrindo fissuras, rombos nas relações entre as pessoas.

A fala dele, o discurso contra gays, acabou virando porta-voz de algumas condições que já existiam nas famílias, mas que ficam meio camufladas, não autorizadas de serem expressas. Gosto de pensar no ventríloquo. A voz parece que sai do boneco, mas quem fala é o ventríloquo. Bolsonaro faz o papel desse boneco para sair a voz que as famílias não tinham coragem de trazer. E isso é uma ferida grande.

Existe todo um discurso de aceitação, de que somos bons, uma família que se ama, mas, de repente, aparece um boneco trazendo a voz da pessoa que não teve coragem de falar o que pensa.

Estou vendo muito tristeza nas famílias. Hoje [segunda, 8] foi um dia de consultório em que esse foi o tema principal. As pessoas estão tristes, preocupadas pela possibilidade de terem agido democraticamente e estarem num beco sem saída. A polarização fez muito mal, e isso se manifesta nas famílias.

Está muito difícil as pessoas conseguirem conversar e entender que pensar diferente não é ser adversário, que não se trata de enfrentamento. A intimidade da família permite que a gente converse com segurança. Mas, com os ânimos exaltados, isso está ameaçado. Ficou uma história de ‘nós contra eles’ —quem pensa diferente de mim é um adversário.

Acho isso grave. Família tem que nos dar uma base segura até para divergir, para falar “não dá mais para conversar, fui”. Mas tem que ter uma base segura, senão a gente se desarticula demais.

O Estado também é um representante de base segura para a gente se colocar de maneiras diversas, argumentar, divergir e ter liberdade para se expressar.

Luto significa rompimento de uma relação, de um vínculo significativo. Pode ser com uma pessoa, mas pode ser também com uma ideia. Essa abstração do luto é muito importante de pensar nesse momento.

Será que estamos falando de ideologias? De  projeto? O que se rompeu, o que não foi o desejado, o esperado? Espera-se que pessoas com mais de 16 anos já consigam lidar com frustração. Você tem um candidato de sua escolha, um partido, um projeto de governo que corresponde ao que você entenda como bom, certo, necessário, plausível. Mas se aquele fulano não é eleito, a gente se frusta. Será que a gente não consegue lidar com frustração? Será que a diferença ideológica precisa virar um cabo de guerra? Uma queda de braço?

O que acontece é que o nosso povo escavou trincheiras e ficou entrincheirado. Se a gente se coloca nessa posição de entrincheirado, é um luto que vai pedir que eu refaça significados. Significados de um projeto de país e de governo.

Esse luto por uma abstração fica difícil de se percebido, vem com cara de frustração. E as pessoas estão lidando muito mal com frustrações.” 

Para ler a coluna na íntegra (para assinantes ou cadastrados), acesse:
https://www1.folha.uol.com.br/colunas/claudiacollucci/2018/10/atritos-em-tempo-de-eleicao-abrem-rombos-nas-relacoes-familiares.shtml?loggedpaywall

***

 

Maria Helena Pereira Franco é autora da Summus. Conheça seus livros sobre luto:

FORMAÇÃO E ROMPIMENTO DE VÍNCULOS
O dilema das perdas na atualidade
Organizadora: Maria Helena Pereira Franco
Autores: Maria Cristina Lopes de Almeida AmazonasAirle Miranda de SouzaDanielle do Socorro Castro MouraDurval Luiz de FariaElizabeth QueirozGabriela GolinGeórgia Sibele Nogueira da SilvaJanari da Silva PedrosoJosé Ricardo de Carvalho Mesquita AyresMaíra R. de Oliveira NegromonteVera Regina R. RamiresMaria Helena Pereira FrancoMaria Julia KovácsMaria Lucia C. de Mello e SilvaMaria Thereza de Alencar LimaRoberta Albuquerque FerreiraRosane Mantilla de SouzaSilvia Pereira da Cruz BenettiSoraia SchwanTereza Cristina C. Ferreira de Araújo

Este livro reúne grandes especialistas em formação e rompimento de vínculos. Entre os temas abordados estão os dilemas dos estudantes de medicina diante da morte, a questão das perdas em instituições de saúde, o atendimento ao enlutado, a morte no contexto escolar, as consequências psicológicas do abrigamento precoce, as possibilidades de intervenção com crianças deprimidas pela perda e a preservação dos vínculos na separação conjugal.
……………..

A INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA EM EMERGÊNCIAS
Fundamentos para a prática
Organizadora: Maria Helena Pereira Franco
Autores: Cristina Foloni Delduque da CostaKarina Kunieda PolidoJulia Schmidt MasoJosé Paulo da FonsecaIsabela Garcia Rosa HispagnolIara Boccato AlvesGabriela CasellatoEster Passos AffiniEleonora JaburLilian Godau dos Anjos Pereira BiasotoCristiane Corsini PrizanteliClaudia Gregio CukiermanCibele Martins de Oliveira MarrasAriana OliveiraAna Lucia ToledoAdriana Silveira CogoAdriana Vilela Leite CésarViviane Cristina TorlaiLuciana MazorraLuiz Antonio ManzochiMarcelo M. S. GianiniMaria Angélica Ferreira DiasMaria Helena Pereira FrancoMaria Inês Fernandez RodriguezMariangela de AlmeidaPriscila Diodato TorolhoRachel Roso RighiniReginandréa Gomes VicenteRégis Siqueira RamosSamara KlugSandra Regina Borges dos SantosSandra Rodrigues de OliveiraSuzana Padovan

Este livro reúne experiências e reflexões sobre um campo de atuação novo no Brasil: o atendimento psicológico a pessoas em situações de emergência e desastre. Diversos especialistas abordam a importância de cuidar dessas pessoas e os procedimentos e técnicas mais indicados em cada caso. A saúde mental do psicólogo e os efeitos do transtorno de estresse pós-traumático também são analisados.
……………….

O RESGATE DA EMPATIA
Suporte psicológico ao luto não reconhecido
Organizadora: Gabriela Casellato
Autores: Valéria TinocoSandra Rodrigues de OliveiraRosane Mantilla de SouzaRegina Szylit BoussoPlínio de Almeida Maciel JrMaria Helena Pereira FrancoGabriela CasellatoDéria de OliveiraDaniela Reis e SilvaCristiane Ferraz PradeAna Cristina Costa Figueiredo

O tema do luto não sancionado é pouco abordado na literatura clínica. Neste volume, profissionais da área de saúde preenchem essa lacuna tratando de temas como aborto espontâneo, infidelidade conjugal, aposentadoria, morte de animais de estimação, perda de familiares por suicídio e o luto de cuidadores profissionais. Estratégias para lidar com a perda e os transtornos psiquiátricos decorrentes dela também fazem parte da obra.

 

VIDA, MORTE E LUTO
Atualidades brasileiras
Organizadora: Karina Okajima Fukumitsu
Autores: Leo PessiniAna Catarina Tavares LoureiroAvimar Ferreira JuniorDaniel Neves ForteDaniela AchetteElaine Gomes dos Reis AlvesElaine Marques HojaijElvira Maria Ventura FilipeEmi ShimmaFernanda Cristina MarquettiGabriela CasellatoGilberto SafraGláucia Rezende TavaresKarina Okajima FukumitsuTeresa Vera GouveaMarcello Ferretti FanelliMarcos Emanoel PereiraMaria Carlota de Rezende CoelhoMaria Helena Pereira FrancoMaria Julia KovácsMaria Luiza Faria Nassar de OliveiraMayra Luciana GaglianiMonja Coen RoshiMonja Heishin Nely Aparecida Guernelli NucciPatrícia Carvalho MoreiraPedro Morales Tolentino LeiteProtásio Lemos da Luz

Esta obra visa apresentar os principais cuidados e o manejo em situações-limite de adoecimento, suicídio e processo de luto, bem como reitera a visão de que, toda vez que falamos sobre a morte, precisamos também falar sobre a vida. Escrito por profissionais da saúde, este livro multidisciplinar atualiza os estudos sobre a morte, o morrer, a dor e o luto no Brasil. Destinado a psicólogos, médicos, assistentes sociais, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais etc., aborda temas como: espiritualidade, finitude humana, medicina e cuidados paliativos; cuidados e intervenções para pacientes cardíacos, oncológicos e portadores de doença renal crônica; intervenção na crise suicida; pesquisas e práticas sobre luto no Brasil e no exterior; luto não autorizado; as redes de apoio aos enlutados; a tanatologia na pós-graduação.

‘VOCÊ FOI ENSINADA A ROMANTIZAR RELAÇÕES ABUSIVAS? SAIBA COMO PARAR COM ISSO’

…………………………….Matéria de Heloísa Noronha, publicada originalmente no Universa, do UOL, em 26/09/2018

 

Por maiores que sejam os avanços dos recentes movimentos feministas, existem certas crenças difíceis de abandonar. Afinal, muitas foram aprendidas na infância, transmitidas por nossa família, e têm raízes culturais. O problema é que algumas dessas convicções, principalmente as que dizem respeito a relacionamentos afetivos, nem sempre são conscientes.

E, por serem alimentadas pela indústria do lazer (cinema, novelas, livros), têm seu lado nocivo e até mesmo machista romantizado. Só que há uma linha muito tênue entre o que é amor e o que é controle e, consequentemente, abuso.

O ciúme, por exemplo, ainda é tido como uma prova de amor. “Acredita-se que se há crises de ciúme com direito a brigas, discussões e gritos, existe amor. O homem que age dessa forma estaria ‘cuidando’ da parceira. Por trás disso, porém, há toda uma manobra de silêncio e de prisão dessa mulher. Trata-se de um pensamento que precisa ser modificado”, fala a psicóloga Livia Marques, do Rio de Janeiro (RJ).

Certos filmes, novelas e livros contribuem para perpetuar ideias românticas enganosas, normalizando o comportamento abusivo. Alguns exemplos do que tais produtos ensinam, seja  nas entrelinhas ou de maneira explícita:

  1. quanto mais exagerada a declaração de amor de um homem, maior seu sentimento;
  2. amor bom é amor cheio de obstáculos e empecilhos;
  3. toda mulher precisa de um “salvador”;
  4. quem sente ciúme ama de verdade.

“O que nos é passado é que o amor bom faz sofrer e que é para ser assim, mesmo. Não, não é. Mas vejo no consultório que amores calmos, para certas pessoas, não têm a menor graça, não fazem vibrar. Muita gente precisa da briga, da endorfina… A graça está na relação estilo iô-iô, que vai e volta, que desmancha e faz as pazes”, conta Mônica Bayeh, psicóloga clínica e psicoterapeuta, do Rio de Janeiro (RJ). Acreditar nessas crenças configura um risco enorme: o de aliviar a barra de um parceiro agressivo, justificando a violência como um “excesso de amor”.

Menos valor às mulheres

É claro que o romantismo e uma certa dose de fantasia fazem parte da vida. “No entanto, não devem limitar a mulher. Ela tem voz própria e deve ser aceita”, afirma Livia. Na opinião da psicanalista Malvina Muszkat, autora do livro “O homem subjugado – O dilema das masculinidades no mundo contemporâneo” (Ed. Summus), as ideias de origem romântica reproduzem um inconsciente coletivo que atribui menos valor às mulheres do que aos homens tanto social quanto profissionalmente. “Homens são criados para brilhar e mulheres para seduzir. Eles são criados para serem fortes, poderosos e rudes, enquanto elas aprendem a ser afetivamente dependentes e submissas”, diz.

Segundo Malvina, o sentimentalismo tóxico e abusivo é muitas vezes perpetuado – de modo nem sempre consciente – pelas próprias mulheres, que estimulam seus homens a se comportarem como heróis, como nos tempos do amor romântico. “Apesar de, inúmeras vezes, competentes e corajosas em vários campos da vida, algumas mulheres ainda são românticas a ponto de se sentirem  prestigiadas quando homens ‘fortes e poderosos’ demonstram sua fragilidade quando atingidos pelo ciúme”, explica.

De acordo com especialistas, uma das formas mais eficazes para romper definitivamente esse padrão é educando meninos e meninas de forma igualitária, ensinando-os a respeitar as mulheres sem reproduzir discursos ultrapassados e machistas. “A criação das meninas tende a ser mais restritiva do que a dos meninos. As pessoas dizem ‘menina não faz isso’, ‘menina não faz aquilo’. As garotas que são criadas para ser obedientes e submissas tendem a reproduzir esse tipo de aprendizado nas relações adultas”, comenta Mônica. Outro fator determinante de uma relação abusiva é a base das relações com os pais na infância. Crianças que vivenciaram relações abusivas costumam buscar parceiros abusivos.

Mulher não precisa de ninguém!

A ideia de que toda mulher precisa de um homem que a complete e que a proteja pode estar por trás da dificuldade que algumas têm de se desvencilhar de relacionamentos abusivos. “Elas suportam tudo, desde que não estejam sós”, observa Malvina, que salienta ainda que identificar crenças tóxicas não é difícil, pois elas agem como uma espécie de “droga”. “Difícil é abrir mão dos seus efeitos secundários, como a sensação de ter domínio sobre o homem e o falso incremento da autoestima”, conta.

Resgatar uma visão mais realista sobre a relação homem-mulher é algo bem-vindo. Antes de ser feliz com um par, a pessoa precisa encontrar felicidade e segurança Antes de ser feliz com um par, a pessoa precisa encontrar felicidade e segurança nela mesma. “Mulheres devem entender de uma vez por todas que não precisam de um salvador. E que ninguém é feliz o tempo todo, pois todo relacionamento tem seus altos e baixos”, exemplifica Mônica. Os homens, segundo Malvina, em qualquer fase da vida também devem ser orientados e ter a oportunidade de revelarem sua fragilidade e ternura. “A verdade é que homens são muito mais dependentes das mulheres do que o oposto. Homens são obrigados a se proteger com uma máscara social que, ao mesmo tempo, encobre suas dificuldades e estimula sua violência”, pondera.

Para acessar a matéria na íntegra: https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2018/09/26/voce-foi-ensinada-a-romantizar-relacoes-abusivas-saiba-como-parar-com-isso.htm

 

Conheça o livro da psicóloga Malvina Muszkat, mencionado na matéria:

O HOMEM SUBJUGADO
O dilema das masculinidades no mundo contemporâneo
Autora: Malvina E. Muszkat
SUMMUS EDITORIAL

Neste livro, a autora Malvina Muszkat, propõe que se repense o fenômeno da violência sob a perspectiva da subjetividade masculina na dinâmica dos relacionamentos, de forma a buscar maneiras mais eficientes de se promover o dialogo e evitar o confronto. Transitando por áreas como antropologia, sociologia, mitologia e psicanálise, Malvina mostra como a imagem da masculinidade foi construída ao longo dos séculos e de que forma os homens foram proibidos de demonstrar seus medos e fraquezas.

Talvez seja possível criar homens com comportamentos diferentes dos usualmente atribuídos a eles em nossa sociedade. Se não há apenas uma forma de ser mulher, por que haveria apenas uma forma de ser homem?40

‘SABE O QUE É INCESTO EMOCIONAL? VEJA SE VOCÊ FOI VÍTIMA E MUDE ESSE PADRÃO’

……………………………………..Matéria de Heloísa Noronha, publicada originalmente no portal Universa, do UOL, em 04/10/2018

 

O incesto emocional não tem a ver com sexo. Porém, é um tipo de interação que confunde os limites entre o adulto e a criança de uma maneira psicologicamente inadequada e que tem consequências tão devastadoras quanto um abuso físico. Nem sempre é algo intencional. “Muitos pais e mães sequer se dão conta do que estão fazendo”, diz a psicóloga e psicopedagoga Elizabeth Monteiro, autora do livro “A Culpa É da Mãe – Reflexões e Confissões Acerca da Maternidade” (Ed. Summus). Trata-se de um processo inconsciente. Para entender melhor do que se trata, vale conhecer quais são as situações mais recorrentes:

Situação 1: a criança é colocada no papel de confidente

Em casais onde o diálogo é complicado ou quando a relação entre os dois não anda bem, o incesto emocional ocorre quando um dos dois passa a tratar o filho como ouvinte de reclamações e desabafos. “Quando um casal enfrenta problemas, os filhos podem não ter maturidade para entender o que está acontecendo. E, com frequência, saber detalhes da situação mais machuca do que ajuda”, fala a psicóloga Dora Lorch, autora de “Como Educar Sem Violência” (Ed. Summus). “Vou dar o exemplo do pai que trai a mãe: ele foi infiel à mulher, não aos filhos, mas em alguns relatos parece que o pai traiu os filhos ao se relacionar sexualmente com outra pessoa. Será? Será que desejar viver com outro alguém faz dele um pai menos carinhoso com os filhos?”, indaga.

Ouvir certas confidências faz a criança se sentir usada e aprisionada, mesmo que ela não se dê conta disso. Outro comportamento comum é desprezar a diferença de idade e a hierarquia e tratar essa criança como se fossem amigos, e não mãe/pai e filho. Isso acontece entre pais e mães que querem participar dos programas dos filhos de uma maneira invasiva. “Na vida familiar, é preciso haver uma hierarquia e um certo distanciamento para permitir que o filho cresça e se desenvolva como pessoa”, diz Dora.

Situação 2: a criança vira substituta de um parceiro

Ou seja, o pai ou a mãe transfere para a criança a atenção e o carinho que gostaria de receber do par. Atinge com maior frequência com filhos do sexo oposto e quando a mãe ou o pai é solitário. “Os recém-divorciados podem sentir a ausência do parceiro intensamente. Com aspectos de seus filhos lembrando-os do ex, a ocorrência de incesto emocional pode ser aumentada”, informa Monica Pessanha, psicopedagoga e psicanalista infantil e de adolescentes, informa Monica Pessanha, psicopedagoga e psicanalista infantil e de adolescentes, de São Paulo (SP).

“Pela dificuldade de lidar com a família fragmentada, muitos genitores buscam refazer o imaginário da família ideal ‘readaptando’ a criança para a função de marido/pai ou esposa/mãe. Em determinados casos, um dos pais até projeta na criança a expectativa de que ela possa ser o marido ou a esposa perfeita que não tiveram”, comenta Silvia Malamud, psicóloga clínica especializada em terapia de casais e família, também da capital paulista.

Silvia diz que, como tanto crianças como adolescentes têm necessidades emocionais relacionadas às suas idades, o peso dessas demandas costumam afetar drasticamente sua futura vida emocional e afetiva. “Volta e meia recebo em meu consultório jovens em estados depressivos severos, com perda de interesse pela vida, pelos estudos e por tudo o que poderia auxiliá-los em seus rumos de vida adulta independente. Eles sequer alimentam a esperança de serem eles mesmos pela árdua missão que têm de substituir os pais”, relata a terapeuta.

Até mesmo casais que vivem juntos podem virar reféns desse mecanismo sufocante quando não são conectados emocionalmente e levam uma vida automatizada mais voltada para fora do que para dentro. “Nesse padrão de funcionamento, muitos pais acabam sendo permissivos além da medida, permitindo que filhos durmam entre o casal, por exemplo, num contexto que, muitas vezes, ativa ainda mais a desconexão da dupla, promovendo outros tipos de conexões psicológicas não saudáveis”, explica Silvia.

Situação 3: o filho como “propriedade” dos pais

“Ela é a princesinha do papai”, “Ele é o namoradinho da mamãe”, “Só vai namorar depois que fizer 20 anos”, “Se aparecer algum(a) vagabundo(a) aqui na porta, eu boto para correr”… Frases tidas como carinhosas, em princípio, podem apenas sinalizar superproteção. No entanto, o que muitos pais e mães expressam sem se dar conta, na verdade, é um sentimento nocivo de posse e ciúme. No futuro, a probabilidade de atrapalharem os relacionamentos amorosos dos filhos é muito grande.

Segundo Silvia Malamud, há pais e mães que criam seus filhos para lhe fazerem companhia e não deixam que se relacionem com amigos. “Eles morrem de medo do mundo e obrigam os filhos a viver sob seus medos, em condomínios fechados e círculos sociais restritos, viabilizando a diversão apenas pela internet. Sei de adultos cujos pais nunca permitiram que fossem dormir na casa de amigos ou parentes. Não por achar a casa ou os pais dos amigos inadequados, mas por puro medo deles saírem de perto e se verem frente à sua própria solidão, de perderem o controle”, completa.

Outra forma de incesto emocional é a invasão de privacidade, quando os pais querem exercer sua autoridade entrando e saindo quando bem quiserem de seus quartos e banheiros.

Da sensação inicial de poder à autoestima em frangalhos

De acordo com Monica Pessanha, o incesto emocional tem maior poder na primeira infância, pois a criança vive com os pais uma fusão emocional que até os dois anos de idade é importante para sua sobrevivência saudável. “Mas, quando os pais não se desligam, essa criança poderá criar no futuro uma incapacidade de se ligar intimamente a uma vida saudável com um parceiro adulto”, avisa.

As crianças podem se sentir importantes ou especiais porque são os confidentes escolhidos pelos pais. “Embora provavelmente saibam que estão sendo tratadas de forma diferente das crianças ao redor, a sensação de maturidade pode ser estimulante. Elas também podem sentir-se úteis ou mesmo poderosas, pois são elas quem orientam seus pais durante uma jornada adulta. Porém, mesmo se sentindo bem, ao longo dessa jornada com os pais, há o risco de a criança começar a apresentar problemas emocionais”, observa Monica.

Para Dora Lorch, em muitos casos, os filhos se sentem amados e valorizados sem perceber o alto preço que estão pagando por esse amor. “A questão é que esse comportamento vai minando a autoestima e semeando a dúvida sobre suas qualidades, opiniões e, por fim, sobre a maneira como a pessoa vê a realidade. Ela fica vulnerável e fragilizada”, pontua.

Quem eu sou? Crianças vítimas do incesto emocional nunca se sentem livres para serem quem são. “É como se os pais tivessem lhes tirado a possibilidade de solidificar a própria identidade”, diz Monica. Como esses danos não são facilmente detectados, podem emergir na adolescência ou na vida adulta através de distúrbios alimentares, autoagressão (cortes como forma de autopunição), uso de drogas e depressão em diversos níveis com risco de suicídio.

O problema mais fácil de identificar, porém, é a dificuldade em estabelecer relacionamentos afetivos saudáveis e duradouros. “Muitos filhos são orientados, de modo camuflado ou direto, para que tomem cuidado nos seus relacionamentos por conta dos sofrimentos causados pelas escolhas erradas dos pais. O aviso ‘subterrâneo’, portanto, é que o ideal seria que permanecessem atados ao papel de maridos e esposas desses pais, esses, sim, os parceiros ‘ideais’. Como consequência, ou os relacionamentos são fadados ao fracasso ou essas pessoas sequer pensam em ter algo mais consciente e muitas vezes nem buscam”, afirma Silvia.

E há, ainda, quem se torna alvo fácil de parceiros abusivos, perpetuando a dinâmica tóxica e doentia que vivia na família.

Mudança difícil

Quebrar esse padrão é árduo e complexo. “Sei de casos em que os filhos só conseguiram se libertar e viver como queriam depois da morte dos pais”, diz Elizabeth Monteiro. Na opinião da psicopedagoga, libertar-se é difícil porque essas pessoas cresceram sob o peso da culpa e das chantagens emocionais. “Ao longo da vida, muitas quiseram cortar o vínculo doentio, mas são poucos, de fato, os que conseguem cortar. As sensações de ingratidão e de ter uma dívida com os pais fala mais alto. Além disso, os filhos assumem o papel complementar dessa trama: os pais precisam dominar e eles acabam precisando ser dominados”, afirma.

Já Silvia Malamud destaca que não é raro que a identidade dos filhos desse tipo de abuso fique ‘misturada’ com a do pai ou a da mãe. “Daí, na vida adulta, existe enorme dificuldade em se saber onde um começa e o outro termina. Por conta desse desarranjo, há a dificuldade de impor limites. Como a identidade está baseada na lealdade para com os pais, a vítima ora se sente onipotente, ora se percebe com receio de ser rejeitada se não cumprir com a identidade planejada para ela. Portanto, sentimentos de inferioridade e de não pertencimento sempre serão pano de fundo”, diz.

Por mais difícil que seja, e na maior parte das vezes o processo exige uma terapia, as pessoas precisam se esforçar para estabelecer limites saudáveis com os pais. “Elas têm que trabalhar para recuperar seu senso de identidade, afastando-se de se colocar no papel de cuidador em seus relacionamentos. E isso não é fácil. É um problema para ser tratado a longo prazo, e quase sempre em um processo terapêutico, até porque o incesto emocional é devastador devido à natureza indireta e encoberta do trauma”, aponta Monica.

Para acessar na íntegra: https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2018/10/04/sabe-o-que-e-incesto-emocional-veja-se-foi-vitima-e-nao-perpetue-o-padrao.htm

***

………………..
Conheça os livros das psicólogas Elizabeth Monteiro e Dora Lorch, mencionados na matéria:


A CULPA É DA MÃE
Autora:
Elizabeth Monteiro
SUMMUS EDITORIAL

Neste livro emocionante e catárquico, a psicoterapeuta Elizabeth Monteiro relata suas experiências – muitas vezes desastradas – como mãe de quatro filhos. Partindo das relações familiares na época de sua avó e passando pela própria infância, ela mostra que as mães, independentemente da geração, erram. Mas não devem se sentir culpadas por isso. Prefácio de Lya Luft.

Para ver outros livros dessa autora, acesse https://amzn.to/2NnkcJ0

 

COMO EDUCAR SEM USAR A VIOLÊNCIA
Autora:
Dora Lorch
SUMMUS EDITORIAL

Toda criança precisa compreender o mundo em que vive, e pais e educadores devem fornecer exemplos diários de boa conduta e agir de maneira coerente com o que dizem. Mas muitos optam pela violência e pela humilhação para ” ensinar”. Agindo assim, criam seres humanos sem capacidade crítica e também violentos. Usando a psicologia para falar de birras, medos, mentiras, vergonha, inconsciente e brincadeiras, a autora constrói um singelo manual de boas maneiras – para os pais. Prefácio de Ruth Rocha.

‘ASTROLOGIA MÉDICA, VOCACIONAL… CONHEÇA OS DIVERSOS TIPOS E SAIBA USÁ-LOS’

Matéria de Claudia Dias, publicada no Universa, do UOL, em 29/09/2018

Astron: estrelas, logos: estudo. Astrologia significa, literalmente, o estudo das estrelas e difere da astronomia por focar nas correlações entre os movimentos no céu e os acontecimentos na vida humana.

A definição resume propósito, mas deixa escapar todos seus braços e ramificações. Isso porque estamos acostumados a acompanhar no dia a dia apenas uma parte desse meio, dentro da visão ocidental.

Na verdade, o estudo dos astros vai muito mais longe e revela diferentes tipos e ramos, desmembramentos de uma história que soma milhares e milhares de anos.

“A astrologia desenvolveu-se, a princípio, como uma forma de adivinhação – previsão de eventos coletivos, como fomes e pragas, por exemplo. Não existia o foco individual. Com o advento da civilização grega e, posteriormente, da romana, suas mitologias foram totalmente incorporadas pela astrologia, tal qual a conhecemos hoje”, pontua a astróloga Maura Lanari.

A bagagem é bem ampla. Por isso, conforme argumenta a especialista, pode-se dizer que sua origem coincide com “o momento em que o homem saiu da caverna, viu que os corpos celestes se movimentavam e que, paralelamente, à sua volta, eventos se sucediam”. “Criou-se então uma linguagem simbólica, analógica para descrever esses movimentos e suas relações”, esclarece.

Os registros sobre essa observação encontram-se por toda parte, inclusive no Brasil, de acordo com Maura. “Na Serra dos Caiapós, há uma gruta situada num sítio arqueológico, onde é possível reconhecer símbolos cosmológicos semelhantes aos da astrologia mesopotâmica, gravados há mais de 10.000 anos, segundo medições arqueológicas”, ilustra.

O nascimento da linguagem ocidental coincide com o surgimento da humanidade na antiga região da Mesopotâmia – não à toa chamada “berço da civilização”. Também foi ali e naquele momento que surgiu o sistema védico (ou hindu) para estudo dos astros. “O chinês é o único sistema astrológico que se desenvolveu independente da influência mesopotâmica”, acrescenta Maura.

A seguir, com ajuda da especialista, listamos os principais tipos de sistemas e abordagens astrológicos.

Astrologia védica (hindu) Também é chamada Joytisha, que significa luminoso, celeste, brilhante, pertencente ao mundo da luz. Desenvolveu-se na Índia a partir de 1.500 a.C., com objetivo de fazer brilhar a luz cósmica sobre o verdadeiro caminho de vida de um indivíduo. Neste sistema, o mapa astral é levantado a partir da data, hora exata e local de nascimento, considerando as posições planetárias do zodíaco sideral, que utiliza a posição fixa das estrelas. O mapa astral védico representa os padrões cármicos do passado da pessoa. Seus planetas e casas têm significados semelhantes aos da vertente ocidental.

Astrologia chinesa

Os chineses foram um dos poucos povos a desenvolverem um sistema complexo de astrologia inteiramente independente das influências mesopotâmicas. Do mesmo modo que a linguagem ocidental tem 12 signos solares, a versão chinesa inclui 12 signos anuais, representados por igual número de animais. E em vez de quatro elementos da natureza vistos na linha tradicional, na chinesa há cinco: Madeira, Fogo, Terra, Metal e Água.

Astrologia asteca (maia)

Desenvolvida e praticada na América Central, sua proposta é guiar a religião, a guerra e a vida cotidiana. “Há evidências da prática astrológica em entalhes de pedra feitos por artesãos desde 600 a.C.”, comenta Maura.

…………….

Outras vertentes são:

Astrologia esotérica: usa os conceitos da astrologia mais para especulações filosóficas do que para aplicação prática às preocupações da vida cotidiana.

Astrologia medieval: desenvolvida e praticada pela civilização árabe entre 750 d.C. até 1.500 d.C.

Astrologia cabalística: fusão de princípios astrológicos e da cabala judaica.
…………..

Mais derivações

Além dos sistemas astrológico, há diferentes ramos ou aplicações que foram desenvolvidas e são seguidas no mundo todo. De acordo com Maura Lanari, alguns dos desdobramentos são:

Astrologia médica
Traduz o simbolismo astrológico especificamente para questões de saúde. Ou seja, avalia Sol, Lua, ascendente e regente, casas VI (saúde, trabalho e cotidiano em geral) e XII (saúde mental e inconsciente coletivo), seus ocupantes e regente, bem como as relações (aspectos), como significadores de saúde.

Astrologia vocacional
Interpreta o mapa levando em conta todos os indicadores de talentos, vocação, predisposições, ritmos, potenciais e desafios, voltados para as escolhas profissionais, transições de carreira etc.

Astrologia empresarial
Aqui, as análises levam em conta fatores como: compatibilidade entre sócios, mudanças de objeto social, fusões, cisões e aquisições, entre outros. A intenção é chegar a um diagnóstico abrangente e preciso de todas as áreas que compõem a empresa, revelando aspectos geralmente não detectados por técnicas convencionais. Ao identificar ciclos de expansão e estruturação, desafios e potencialidades, serve de base para o planejamento de curto, médio e longo prazo.

Astrologia horária
Parte do princípio de que as condições de qualquer pergunta feita, bem como de sua resposta, encontram-se refletidas na configuração celeste do momento. “O maior atrativo é sua eficácia”, opina Maura. Pode ser usada para informações imediatas, sem a necessidade de análise prolongada de tendências ou do mapa individual de quem faz a pergunta.

Astrologia eletiva
Busca, dentre um período específico, o melhor momento para iniciar algo – um projeto, uma empresa, um casamento, uma cirurgia. Usa os mesmos conceitos da astrologia horária. Dependendo do contexto, conjuga os princípios horários com os do assunto em questão, tais como entrevista de emprego (vocacional) e agendamento de cirurgia (médica).

Astrologia mundial ou mundana
Era uma categoria abrangente, que incluía tudo que não se referisse às astrologias natal (análise do mapa astral) e horária. Ou seja, desde clima, terremotos, negócios, agricultura, entre outros, caíam no domínio da mundana. Na prática moderna, o termo se refere de maneira mais restrita à política e grandes movimentos coletivos. Os mapas são calculados para nações, eventos específicos (como assinatura de tratados e acordos internacionais), chefes de estado, eleições, partidos políticos etc.

Astrocartografia
Metodologia usada em astrologia de localização. O horóscopo é recalculado para um local diferente do de nascimento

Para lera matéria na íntegra, acesse:
https://altoastral.blogosfera.uol.com.br/2018/09/29/astrologia-medica-vocacional-conheca-os-diversos-tipos-e-saiba-usa-los/

 

***

Ficou interessado no assunto? Conheça livros da Ágora sobre algumas das derivações mencionadas na matéria:

………………

O ESPELHO PARTIDO
Astrologia & Psicopatologia – A possibilidade de diagnóstico e prevenção
Autor: Rui Sá Silva Barros

O autor analisa a possibilidade de diagnóstico e prevenção de distúrbios psicológicos a partir do exame de mapas astrais. O texto se baseia em casos reais e no estudo da configuração astral de algumas personalidades, como Freud.

 

VOCAÇÃO, ASTROS E PROFISSÕES
Manual de astrologia vocacional (acompanha CD)
Autoras: Márcia MattosCiça Bueno

A astrologia, neste livro de duas das mais conceituadas profissionais da área, se mostra uma ferramenta poderosa para auxiliar na identificação da verdadeira vocação. Um CD para que cada um faça a própria análise astrológica, completa esta obra dirigida a jovens e adultos em busca do melhor caminho profissional.

 

O CAMINHO DA REALIZAÇÃO COM A AGRICULTURA CELESTE
Autor: Maurício Bernis

Exposta em linguagem prática e direta, a metodologia da agricultura celeste foi desenvolvida por Maurício Bernis para aqueles que buscam a autorrealização mas evitam clichês místicos e esotéricos. Ela soma conhecimentos de diversas vertentes filosóficas e de psicologia junguiana e se expressa por meio da astrologia. O símbolo do processo é a árvore, que espelha as energias da vida e da natureza – vem daí o nome da obra.

29 DE SETEMBRO: DIA MUNDIAL DO CORAÇÃO

 

Criado no ano 2000 pela WHF – World Heart Federation, o Dia Mundial do Coração é comemorado neste sábado, 29 de setembro. Em 2018, a entidade está aumentando a conscientização sobre um fator de risco cada vez mais importante: a poluição do ar. Quase uma em cada cinco mortes por doenças cardiovasculares são causadas pela poluição do ar, um total de 3 milhões de mortes no mundo a cada ano.

Pesquisas revelam que 7 milhões de pessoas morrem prematuramente todos os anos por causa da poluição do ar: 1,4 milhão de acidente vascular cerebral e mais de 2 milhões por doenças cardíacas.

Uma pesquisa cientifica recente, publicada pela revista Nature, adverte que a exposição ao dióxido de nitrogênio e às partículas finas da poluição do ar está claramente ligada à mortalidade por doenças cardiovasculares. A má qualidade do ar também é classificada como a quarta causa de DALY (Disability Adjusted Life Years), ou seja, um ano de vida saudável perdida,  de acordo com o mais recente Estudo Global do Ônus das Doenças.

Para a WHD, a redução da exposição à poluição do ar tornou-se um desafio crucial que o mundo precisa enfrentar se quiser continuar avançando na meta de reduzir o impacto das doenças não transmissíveis, especialmente cardiovasculares.

Além de alertar a população sobre os riscos da poluição do ar, a celebração do Dia Mundial do Coração tem como objetivo reforçar junto ao público a importância de manter a boa saúde do coração. No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 300 mil pessoas sofrem infarto agudo do miocárdio por ano. Infelizmente, para 30% delas, a doença é fatal.

Por isso, para os mais cuidadosos e preocupados com a manutenção desse órgão fundamental do corpo humano, o livro Coração, manual do proprietário: tudo o que você precisa saber para viver bem, escrito pelo cardiologista Mauricio Wajngarten, da MG Editores, explica tudo sobre o seu funcionamento. O livro é  um manual sobre o coração acessível a todos. Já no primeiro capítulo, o médico explica o funcionamento do órgão a partir de analogias e desenhos divertidos.

No capítulo Conversando com o seu ‘mecânico’, o cardiologista dá dicas de como o paciente e o médico devem se comportar durante a consulta, explica o que é anamnese, bateria de perguntas que o médico faz ao paciente, exame físico etc. As doenças que podem afetar o coração como arteriosclerose, angina, enfarto, derrame, entre outras, são descritas no capítulo Sinais de desgaste do equipamento.

Em Manutenção preventiva, ele explica como lidar com “fatores de risco controláveis” como diabetes, tabagismo, colesterol, triglicérides, estresse, depressão etc. e, também, com “fatores de risco incontroláveis” como herança genética, raça, sexo e idade. E o cardiologista ressalta que os fatores controláveis ou modificáveis são responsáveis por 70% das doenças do coração.

Apertando os parafusos mostra o que é possível fazer para consertar um coração meio entupido: angioplastia, ponte de safena, cirurgia das valvas; ou um coração que bate pouco: marcapasso, transplante de coração e ressuscitação cardiorrespiratória.

No livro, o cardiologista fala da necessidade de cuidar do coração nas diferentes fases da vida: infância, adolescência, maturidade e velhice. Também explica como cuidar do coração durante o sexo, no verão e no inverno. Quanto aos exercícios físicos, ele garante que basta caminhar meia hora por dia para manter o coração saudável.

Para saber mais, acesse: https://www.gruposummus.com.br/mg/livro/9788572550307

ASSISTA EM VÍDEO À PALESTRA DE JOSÉ OSVALDO DO AMARANTE NA UNIBES

“Queijos e vinhos do Brasil e do mundo” foi o tema do bate-papo com José Osvaldo Albano do Amarante, autor da Mescla, na Unibes Cultural. O evento, gratuito, ocorreu no final de agosto e contou com a participação de Airton Gianesi, proprietário da queijaria Serra das Antas. Assista abaixo a essa verdadeira aula.

Conheça todos os livros do autor publicados pela Mescla Editorial:

QUEIJOS DO BRASIL E DO MUNDO PARA INICIANTES E APRECIADORES

José Osvaldo Albano do Amarante, um dos maiores especialistas em vinhos do Brasil, dedica-se neste livro a outra de suas paixões: o queijo, tema sobre o qual ministra palestras em todo o país desde 1993. Viajante inveterado, foi colecionando observações sobre os queijos que consumiu e aprofundou suas pesquisas ao longo das últimas três décadas. O resultado é uma obra completa, com dados sobre produção, exportação e consumo dos principais queijos do Brasil e do mundo. Aqui, ele aborda os tipos de leite e os fatores que garantem sua qualidade, fala sobre a classificação do queijo de acordo com a espécie de massa, conta a história do queijo no Brasil e classifica- os por tipo: de vaca, de cabra, de ovelha e de búfala. Amarante dedica-se ainda a comentar a produção de países como França, Itália, Espanha, Portugal, Suíça, Áustria, Alemanha, Holanda, Bélgica, Inglaterra, Noruega, Dinamarca, Suécia, Finlândia, Grécia e Estados Unidos, com dicas de viagem e dados sobre produtores. Entre os atrativos desta verdadeira obra de referência estão ainda informações sobre compra, armazenamento, serviço, consumo e uso na culinária, além de receitas famosas que levam o queijo como principal ingrediente.

 

OS SEGREDOS DO VINHO PARA INICIANTES E INICIADOS

Este é o mais completo livro sobre vinhos já escrito no Brasil. Além de fornecer ao leitor todas as dicas para que ele compre, armazene e consuma seus vinhos de forma correta, harmonizando-os com todos os tipos de comida, a obra – agora em edição revista, atualizada e ampliada – explica a arte da produção de vinhos e traz informações detalhadas sobre os principais países produtores. Inclui tabela das melhores safras do mundo.

 

OS SEGREDOS DO GIM

Única obra brasileira do gênero, Os segredos do gim inova em todos os aspectos. Do projeto gráfico arrojado às formas de consumo, passando pela história do surgimento da bebida, o livro aborda a legislação brasileira e europeia que regulamenta a produção da bebida, as principais ervas aromáticas utilizadas no preparo, o processo de destilação, os grandes líderes mundiais na fabricação do gim, as principais marcas brasileiras e, claro, os coquetéis mais consumidos – e os mais exóticos. Totalmente ilustrado, traz ainda os melhores bares de gim no Brasil e no mundo.

 

 

‘A DESCOBERTA DE UMA FRAUDE EM PESQUISA SOBRE AUTISMO’

………………………………………..Matéria de Fabiana Cambricoli, publicada no jornal O Estado de S.Paulo, em 17 Setembro 2018

Jornalista desmascarou médico que mentiu em estudo relacionando vacinação com ocorrência de autismo

Foi numa trivial entrevista com uma mãe ativista antivacinas que o jornalista britânico Brian Deer percebeu que havia alguma coisa errada no estudo científico publicado em 1998 que ligava a vacina tríplice viral (que protege contra sarampo, rubéola e caxumba) à ocorrência de autismo.

Conduzida pelo médico britânico Andrew Wakefield e publicada na The Lancet, uma das revistas científicas mais renomadas do mundo, a pesquisa acompanhou 12 crianças que desenvolveram transtornos de desenvolvimento dias após serem vacinadas. Depois da divulgação do estudo, as taxas de cobertura dessa vacina no Reino Unido começaram a cair ano a ano, chegando ao seu nível mais baixo em 2003, com apenas 79% da população imunizada.

VACINAÇÃO

Foi nesse contexto que o então repórter do The Sunday Times, de Londres, resolveu investigar a controvérsia em torno da tríplice viral e descobriu uma das maiores fraudes da história da ciência mundial: o médico responsável pelo estudo havia manipulado dados dos paciente por interesses próprios.

“Quando entrevistei essa ativista, mãe de uma das crianças do estudo, vi que as informações que ela me passava não batiam com nenhum dos casos relatados na pesquisa. Achei estranho e fui procurar quem tinha financiado esse estudo. Foi então que descobri que Wakefield havia sido contratado por advogados para produzir dados contra a vacina para que eles pudessem ganhar dinheiro processando os fabricantes do produto”, resumiu Deer, em entrevista exclusiva ao Estado, concedida na semana passada, quando esteve em São Paulo para participar de um seminário do Instituto Butantã sobre os desafios da educação e da comunicação sobre vacinas.

Após a publicação da primeira reportagem sobre a fraude no estudo, em fevereiro de 2004, o jornalista continuou investigando Wakefield e descobriu outros conflitos de interesse. “Reunimos informações que mostravam que ele tinha registrado a patente da sua própria vacina contra o sarampo, que ele dizia ser mais segura.”

Até mesmo uma estratégia de Wakefield para negar as acusações acabou comprovando a fraude. “Ele resolveu me processar por causa das reportagens e, na ação, seus advogados de defesa anexaram os prontuários médicos dos pacientes que participaram do estudo. Nesses documentos, comprovamos que ele havia manipulado os dados. Em alguns casos, por exemplo, os pacientes relatavam que os sintomas de autismo tinham começado antes da vacinação e Wakefield falava no estudo que haviam começado dias depois da imunização”, diz o jornalista.

A série de matérias seguiu até 2010, quando o médico teve o registro profissional cassado e o periódico The Lancet revogou a publicação do artigo fraudulento.

Mesmo com tantas evidências de que o estudo foi manipulado e com diversas pesquisas posteriores demonstrando que o imunizante não causa autismo, movimentos antivacina no mundo, inclusive no Brasil, seguem disseminando a informação como verdade e acreditando em Wakefield – que hoje espalha suas ideias antivacina nos EUA.

Para Deer, essa crença permanece por três motivos: (1) as pessoas nem sempre têm condições de discernir a informação correta das chamadas fake news; (2) há uma crise de confiança em profissionais e instituições, o que faz os pacientes preferirem acreditar em dados divulgados em redes sociais do que nos seus médicos; (3) e os pais de crianças com transtornos de desenvolvimento que acreditam que o problema foi ocasionado pelas vacinas são constantemente usados por pessoas como Wakefield para comprovar suas teses.

Caminho

Para Deer, a busca pela informação séria e baseada em evidências é o melhor caminho contra as fake news que prejudicam a saúde pública. “Podemos comprovar isso vendo a situação do Reino Unido em meio ao surto atual de sarampo na Europa. As taxas da doença lá não são tão altas como as da Grécia e Itália justamente porque a fraude de Wakefield ficou muito conhecida e as pessoas voltaram a se vacinar. É o acesso à informação que leva a decisões acertadas.”

Para ler na íntegra (para assinantes ou cadastrados): https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,a-descoberta-de-uma-fraude-em-pesquisas,70002505464

***

Quer saber mais sobre o assunto? Saiba tudo sobre vacinação com o livro recém-lançado pela MG Editores:
………………………

VACINAR, SIM OU NÃO?
Um guia fundamental
Autores: Monica LeviGuido Carlos LeviGabriel Oselka

Desde o surgimento da primeira vacina, no fim do século XVIII, centenas de milhares de mortes foram evitadas e dezenas de moléstias, combatidas. Estima-se que, nos últimos dois séculos, as vacinas proporcionaram um aumento de cerca de 30 anos em nossa expectativa de vida.

Porém, nos últimos anos, um grande movimento internacional contra as vacinas tem chamado a atenção de pais, profissionais de saúde e educadores. Partindo de informações contraditórias e de dados sem comprovação científica, seus membros alegam ter o direito de escolher vacinar ou não os filhos. No entanto, essa decisão, que de início parece individual, tem consequências coletivas, fazendo por vezes ressurgir epidemias que se consideravam erradicadas.

Escrito por dois pediatras e um infectologista, todos com vasta experiência em imunização, este livro apresenta:

  • um histórico do surgimento e da consolidação das vacinas;
  • os benefícios da imunização para a saúde individual e coletiva;
  • os mitos – pseudocientíficos e religiosos – associados a elas, como o de que a vacina tríplice viral provoca autismo;
  • as respostas da ciência a esses mitos;
  • as consequências da não vacinação para os indivíduos e a comunidade;
  • as reações adversas esperadas e como agir caso isso aconteça;
  • as implicações éticas e legais da vacinação compulsória.