Marcelo S. Tognozzi

É jornalista com pós-graduação em Marketing Político e Gestão de Campanhas Eleitorais pela Graduate School of Political Management, da The George Washington University. Tem grande experiência como consultor na área de relações institucionais. É especialista em novas mídias e marketing político digital. Trabalhou em veículos como Jornal
do Commercio, O Globo, Jornal do Brasil, Correio Braziliense, Folha de S.Paulo, O Dia, Veja e IstoÉ. Foi secretário adjunto de Comunicação do governo do Distrito Federal, chefiou a Assessoria Parlamentar do Ministério de Minas e Energia durante o governo Fernando Henrique, coordenou o Departamento de Comunicação Social da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e foi secretário de Imprensa da Presidência do Senado Federal. Em 1996, planejou e implantou a Agência Brasília do
governo do Distrito Federal, primeira agência de notícias governamental on-line do Brasil. Nos últimos 14 anos, executou outros dois projetos pioneiros de agências de notícias on-line para a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Confederação Nacional da Agricultura (CNA). Como especialista em novas mídias, desenvolveu diversos trabalhos na área de marketing viral e mobile marketing. Já participou de campanhas de partidos como PDT, PT, DEM, PMDB e de entidades de classe. É autor de Vote certo – A eleição sem complicação e do e-book Manual da
campanha digital, além de coautor dos livros Marketing político em tempos modernos e Políticos ao entardecer. Professor do curso de pós-graduação em Marketing e Comunicação Digital do Iesb, é sócio-diretor da A+B Comunicação e RP Digitais, com sede em Brasília.

Livros deste autor

Exibindo um único resultado

JUNHO DE 2013

A sociedade enfrenta o Estado
Bernardo Sorj
Denis Rosenfield
José Nêumanne Pinto
e mais 6 autores
R$57,10

Os movimentos de junho de 2013 foram uma das mais importantes manifestações populares da história brasileira. Além disso, apresentaram um caráter absolutamente inédito. Não tiveram uma causa, como nas diretas‑já e no impeachment de Collor. Não foram convocados por instituições representativas tradicionais, como partidos, sindicatos e grêmios estudantis. E surpreenderam porque não existia no horizonte nada que indicasse uma movimentação social tão intensa. Acompanhar essas manifestações extraordinárias, tentar identificar suas causas, analisar a questão econômica, o papel das redes sociais, as reações das autoridades e a atuação dos jovens na política moderna são os objetivos deste livro, escrito por um time de expressivos intelectuais brasileiros.