Ney Figueiredo

Foi consultor das principais entidades empresariais do país por mais de 20 anos: FIESP, CNI, CNIF, FEBRABAN, Fecomércio-SP. Foi um dos idealizadores da UBE-União Brasileira dos Empresários e secretariou o Fórum Informal dos Empresários em São Paulo. Participou da criação da Ação Empresarial, capitaneada por Jorge Gerdau. Assessorou vários governadores como Roberto Magalhães (Pernambuco), Franco Montoro (São Paulo), Albano Franco (Sergipe) e foi responsável por algumas iniciativas de grande sucesso no governo de Fernando Henrique Cardoso. Pertenceu, durante sete anos, ao Conselho da TV Futura, na Fundação Roberto Marinho. Hoje, presta serviços de consultoria a diversas empresas, além de integrar vários conselhos. Participou de alguns episódios mais significativos de disputas empresariais nos últimos 10 anos, como a que aconteceu em 2011 entre o Grupo Casino e Abílio Diniz pelo controle do Pão de Açúcar, e das disputas envolvendo o Grupo Oportunity, de Daniel Dantas, em 2004/5. Além de centenas de artigos publicados na imprensa nacional, tem mais de 15 livros publicados, como autor ou coautor. Entre eles: Diálogos com o Poder (Edit. de Cultura, 2004)) e Empresariado Brasileiro: Política, Economia e Sociedade (Editora de Cultura, 2009).

Livros deste autor

ATENÇÃO
Devido à pandemia de COVID-19, a qual nos impede de estimar e cumprir prazos de entrega, nossa loja está desabilitada para compra até que a situação se normalize. Você pode navegar normalmente, acompanhar nosso blog e comprar as obras nas lojas de nossos parceiros por meio dos links diretos na página de cada livro. Em breve nossa loja estará de volta e voltaremos a atendê-lo diretamente.

Exibindo 1 resultado

JUNHO DE 2013

A sociedade enfrenta o Estado
Bernardo Sorj
Denis Rosenfield
José Nêumanne Pinto
e mais 6 autores
R$57,10

Em estoque

Os movimentos de junho de 2013 foram uma das mais importantes manifestações populares da história brasileira. Além disso, apresentaram um caráter absolutamente inédito. Não tiveram uma causa, como nas diretas‑já e no impeachment de Collor. Não foram convocados por instituições representativas tradicionais, como partidos, sindicatos e grêmios estudantis. E surpreenderam porque não existia no horizonte nada que indicasse uma movimentação social tão intensa. Acompanhar essas manifestações extraordinárias, tentar identificar suas causas, analisar a questão econômica, o papel das redes sociais, as reações das autoridades e a atuação dos jovens na política moderna são os objetivos deste livro, escrito por um time de expressivos intelectuais brasileiros.