ATENÇÃO
Devido à pandemia de COVID-19, a qual nos impede de estimar e cumprir prazos de entrega, nossa loja está desabilitada para compra até que a situação se normalize. Você pode navegar normalmente, acompanhar nosso blog e comprar as obras nas lojas de nossos parceiros por meio dos links diretos na página de cada livro. Em breve nossa loja estará de volta e voltaremos a atendê-lo diretamente.
ISBN: 9788585689582

Fonoaudiólogo e a escola, O

Autor(es): Léslie Piccolotto Ferreira

O trabalho do fonoaudiólogo no Brasil, a partir de 1970, passou a integra-se às escolas, ocorrendo a produção de um novo conhecimento para a profissão e um avanço da fonoaudiologia em nosso país. Este livro é fruto do trabalho de vários profissionais, com diferentes enfoques, permitindo um profunda reflexão sobre as relações entre a fonoaudiologia e a educação.

ISBN: 9788585689582

Assuntos: , ,

Editora: Plexus Editora

Se preferir, compre este livro nos sites de nossos parceiros abaixo:

Detalhes do Livro

ISBN 9788585689582
REF: 60058
Edição 4
Ano 2001
Nº de Páginas 136
Peso 0.15 kg
Formato 14 × 21 cm

Léslie Piccolotto Ferreira

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Fonoaudiólogo e a escola, O”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de…

TDAH e medicalização

Implicações neurolinguísticas e educacionais do Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade
Ana Paula Santana
Rita Signor
R$68,80

Em estoque

Esta obra representa uma significativa contribuição a um debate que tem mobilizado pais, educadores, estudantes e profissionais de saúde: o Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) e a medicalização da educação. Medicalizar significa transformar aspectos de ordem social, pedagógica, cultural e afetiva em doença (transtorno, distúrbio). Partindo dessa realidade inquietante, Rita Signor e Ana Paula Santana mostram os problemas de deixar de lado o contexto social e a história de cada criança ao avaliá-la, apontando o papel da formação dos profissionais (de educação e saúde) na produção do chamado TDAH. Seguindo esse entendimento, as autoras questionam a qualidade do ensino no Brasil, o excesso de diagnósticos voltados ao campo educacional, os testes padronizados da área da saúde, o crescente consumo de medicamentos e as políticas públicas, entre outros fatores que legitimam o fenômeno da medicalização. Amparadas na perspectiva sócio-histórica, refletem sobre essas e outras questões neste livro corajoso e pioneiro, que conta também com dois estudos de caso que comprovam que a afetividade do educador e o trabalho interdisciplinar na escola podem mudar o futuro de muitos adolescentes e crianças.