Franthiesco Ballerini

Franthiesco Ballerini é doutorando em Comunicação Midiática pela Universidade Metodista (Umesp). Foi repórter e crítico do Grupo Estado por oito anos, com reportagens em países como México, Canadá, Estados Unidos, Índia e Argentina. Foi colaborador das revistas Bravo! e Cult, além de colunista cultural da Rádio Eldorado, da TV Gazeta e do Observatório da Imprensa. É autor dos livros Diário de Bollywood; Cinema Brasileiro no Século 21; Jornalismo cultural no século 21; e Poder suave  (soft power), finalista do 60º Prêmio Jabuti na categoria Economia Criativa (todos publicados pela Summus). Fundou, em 2017, a agência Ethos Comunicação & Arte e tem experiência como professor de graduação e pós-graduação em diversas instituições. No cinema, produziu o curta Legacy, para a Giorgio Armani, e o documentário Bollyworld, na Índia. É roteirista e diretor de Nome.

Livros deste autor

ATENÇÃO
Devido à pandemia de COVID-19, a qual nos impede de estimar e cumprir prazos de entrega, nossa loja está desabilitada para compra até que a situação se normalize. Você pode navegar normalmente, acompanhar nosso blog e comprar as obras nas lojas de nossos parceiros por meio dos links diretos na página de cada livro. Em breve nossa loja estará de volta e voltaremos a atendê-lo diretamente.

Exibindo todos 5 resultados

História do cinema mundial

Franthiesco Ballerini
R$106,40

Em estoque

Fruto de três anos de profundas pesquisas, História do cinema mundial traz um viés inédito para o estudo do tema: o enfoque geográfico e cultural da sétima arte. Na primeira parte do livro, Franthiesco Ballerini explica como se formaram as principais indústrias cinematográficas do mundo, como Hollywood e Bollywood. Em seguida, passeia pelos movimentos cinematográficos mais emblemáticos do planeta – como o Neorrealismo italiano e a Nouvelle Vague francesa. Na terceira parte, o autor faz uma análise detalhada do melhor cinema feito em cada continente, detalhando aspectos culturais, estéticos e de linguagem. Utilizando o didatismo que lhe é característico, Ballerini se dirige a estudantes de artes e comunicação, profissionais do cinema e do audiovisual, professores e artistas. Na obra, o leitor também encontrará:

  • pequenas sinopses dos filmes mais importantes;
  • curiosidades sobre os bastidores da indústria cinematográfica;
  • listas com os filmes fundamentais;• lindas fotografias que ajudam a contar a história de cada capítulo;
  • índice onomástico composto por todas as películas citadas e por diretores, atores e produtores.

Cinema brasileiro no século 21

Reflexões de Cineastas, produtores, distribuidores, exibidores, artistas, críticos e legisladores sobre os rumos da cinematografia nacional
Franthiesco Ballerini
R$101,10

Em estoque

Esta é a obra definitiva sobre o cinema brasileiro. Baseado em dois anos de entrevistas com os mais importantes nomes do cinema nacional, em pesquisas e em dados da indústria, Franthiesco Ballerini faz um retrato da produção cinematográfica hoje nas áreas de atuação, direção, roteiro, exibição, distribuição e legislação, entre outras. Prefácio de Jean-Claude Bernardet.

Poder suave (Soft power)

Franthiesco Ballerini
R$79,80

Em estoque

Utilizado pela primeira vez pelo cientista político Joseph Nye na década de 1980, o termo “poder suave” (soft power) designa a capacidade de um Estado ou uma instituição influenciar a opinião pública para que seus objetivos sejam cumpridos. Acompanhando a humanidade há milênios, o poder suave se fez sentir sobretudo na cultura. O exemplo mais clássico é Hollywood, que, com seus filmes e produtos dele derivados, reproduz um estilo de vida que serve muito bem aos interesses americanos no campo da política e da economia. Porém, diversos outros tipos de poder suave têm mostrado sua força ao longo dos séculos, deixando claro que ideias podem, por vezes, ser mais persuasivas que canhões.Publicação única no Brasil, fruto de mais de dois anos de intensas pesquisas e dezenas de entrevistas, este livro explica os mecanismos de ação do poder suave e sua expressão em áreas como música, cinema, artes plásticas, dança e artes visuais. Obra atual e perene, é dedicada a estudantes e profissionais de Comunicação, Relações Internacionais e Ciências Políticas, mas sobretudo a todos aqueles que desejam conhecer melhor uma força tão sutil e, ao mesmo tempo, inquestionável.

Jornalismo cultural no século 21

Literatura, artes visuais, teatro, cinema, música [A história, as novas plataformas, o ensino e as tendências na prática]
Franthiesco Ballerini
R$83,70

Em estoque

No mercado editorial brasileiro e mundial, existem poucas obras dedicadas ao universo do jornalismo cultural, muito embora ele atraia cada vez mais profissionais e responda por uma fatia importante do faturamento dos veículos de comunicação. Buscando preencher essa lacuna, Franthiesco Ballerini oferece ao leitor um panorama amplo e aprofundado do tema. Partindo de um histórico do surgimento e da consolidação do jornalismo cultural no Brasil e no mundo, o autor mostra como a atuação nesse nicho se consolidou ao longo dos séculos e em seguida mergulha nas principais áreas cobertas por ele: literatura, artes visuais, teatro, cinema e música. Mas não só: atento às mudanças provocadas pelo advento da internet, Ballerini fala sobre os novos universos – como games, gastronomia e moda – e as novas plataformas – portais, redes sociais – em que os jornalistas especializados podem atuar. Contando com entrevistas detalhadas com os jornalistas culturais mais importantes em atividade no Brasil, a obra traz ainda um capítulo sobre o ensino universitário da especialidade e um ensaio sobre as inter-relações entre consumo e cultura.

Diário de Bollywood

Curiosidades e segredos da maior indústria de cinema do mundo
Franthiesco Ballerini
R$53,10

Em estoque

Misto de diário de campo e grande reportagem, a obra aborda as principais características do cinema indiano, conhecido mundialmente como Bollywood. Reflete com olhar crítico os pontos fortes desta indústria, suas dificuldades e o momento de transição inédito por que passa a indústria cinematográfica indiana. Por fim, faz um paralelo com o cinema de Hollywood e da América Latina.