Henrique Cunha Junior

Henrique Cunha Junior nasceu no Bexiga, em São Paulo, e passou sua infância no tradicional bairro do Ipiranga. Foi aluno do grupo escolar Marechal Floriano e do Colégio Estadual Brasilio Machado. Depois, formou-se em Engenharia Elétrica pela USP (São Carlos) e em Sociologia pela Unesp (Araraquara). É mestre em História. Fez doutorado em Engenharia na França e livre-docência na USP. É professor titular na Universidade Federal do Ceará. Dirigiu grupos de teatro amador no movimento negro na década de 1970 e foi membro do Grupo Congada de São Carlos. Participou da fundação da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros, tendo sido seu primeiro presidente.

Livros deste autor

ATENÇÃO
Devido à pandemia de COVID-19, a qual nos impede de estimar e cumprir prazos de entrega, nossa loja está desabilitada para compra até que a situação se normalize. Você pode navegar normalmente, acompanhar nosso blog e comprar as obras nas lojas de nossos parceiros por meio dos links diretos na página de cada livro. Em breve nossa loja estará de volta e voltaremos a atendê-lo diretamente.

Exibindo todos 2 resultados

Aprovados!

Cursinho pré-vestibular e população negra
Antonio Carlos Pezzi
Benedito Carlos dos Santos
Clayton Wenceslau Borges
e mais 11 autores
R$67,70

Fora de catálogo

Um estudo precioso sobre a relação entre os afrodescendentes com os cursinhos pré-vestibulares e as universidades. Os autores da coletânea são profissionais renomados, com vivência no meio e propõem uma reflexão sobre os mecanismos de dominação e exclusão racial. Alguns artigos contêm entrevistas com pessoas que contribuem para uma maior visibilidade da importância e capacidade da população negra.

Tear africano

Contos afrodescendentes
Henrique Cunha Junior
R$42,80

Em estoque

O tear africano de cada dia tece o pano e tece a trama da vida. Africanidades e afrodescendentes constituem um dos eixos fundamentais da construção do Brasil. Este livro reúne contos escritos durante um período de dez anos de militância do autor. Os contos buscam retratar uma visão da sociedade brasileira nas suas contradições étnicas. Quilombos e quilombolas figuram não só como símbolos de luta e vitória, mas também como portadores da sabedoria e dignos contribuidores para o saber da humanidade.