Ana Lucia Coradazzi

Graduada pela Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp), ANA LUCIA CORADAZZI concluiu a residência médica em Hematologia e Hemoterapia na Unesp e, posteriormente, em Cancerologia Clínica no Hospital Amaral Carvalho, em Jaú/SP. É especialista em Oncologia Clínica pela Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), com PhD em Fisiopatologia em Clínica Médica pela Unesp. Concluiu pós-graduação em Medicina Paliativa pelo Instituto Pallium, em Buenos Aires, e exerceu o cargo de coordenadora da Unidade de Controle da Dor e Cuidados Paliativos do Hospital Amaral Carvalho desde sua inauguração, em 2008, até outubro de 2015. Atualmente é responsável pela equipe de Oncologia Clínica da Faculdade de Medicina da Unesp, em Botucatu, e é médica do Centro Avançado em Terapias de Suporte e Medicina Integrativa (Catsmi) do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo. Autora do livro No final do corredor (Minha Editora, 2015) e do blog homônimo (www.nofinaldocorredor.com), que têm se tornado referências em cuidados paliativos no Brasil.

Livros deste autor

ATENÇÃO
Devido à pandemia de COVID-19, a qual nos impede de estimar e cumprir prazos de entrega, nossa loja está desabilitada para compra até que a situação se normalize. Você pode navegar normalmente, acompanhar nosso blog e comprar as obras nas lojas de nossos parceiros por meio dos links diretos na página de cada livro. Em breve nossa loja estará de volta e voltaremos a atendê-lo diretamente.

Exibindo todos 2 resultados

Cuidados paliativos

Diretrizes para melhores práticas
Amilton Silva Junior
Ana Lucia Coradazzi
Andrea Diogo Sala
e mais 26 autores
R$86,80

Em estoque

O conhecimento do ser humano evolui continuamente em todas as áreas. Na medicina, porém, o avanço de uma ampla gama de tecnologias voltadas para o prolongamento da vida – desejo primitivo dos seres humanos – deu lugar à tecnocracia. Esse movimento iludiu leigos (e muitos profissionais) e criou mitos, sobretudo o de que a morte poderia ser vencida. O problema é que essa obstinação terapêutica é hoje, muitas vezes, fonte de sofrimento – e paradoxalmente pode resultar no abreviamento do tempo de vida.Assim, é fundamental resgatar a qualidade do cuidar, não só do ponto de vista biológico, mas também mental e espiritual. Não se trata de abandonar o desenvolvimento tecnológico, mas de integrá-lo à visão plural de cuidado.Partindo desse pressuposto, esta obra – escrita por uma equipe multidisciplinar – se baseia numa prática integrativa, na qual todas as áreas de conhecimento trabalham juntas na busca da melhor qualidade de vida e da dignidade humana. Dividida em 16 capítulos, ela oferece protocolos seguros e eficazes que aliviam os principais sintomas dos pacientes que demandam atenção paliativa e traz uma série de opções de tratamento. Também são abordados temas como plano avançado de cuidados e diretivas antecipadas de vontade, além dos cuidados de fim de vida. Trata-se de uma referência fundamental num campo que está em franco desenvolvimento.

Pancadas na cabeça

As dificuldades na formação e na prática da medicina
Ana Lucia Coradazzi
Ricardo Caponero
R$57,10

Em estoque

A medicina é, sem dúvida, para os fortes. Os médicos precisam lidar desde muito cedo com angústias, controvérsias, desafios, incertezas. Seus sucessos e fracassos caminham de mãos dadas. Eles se envolvem em situações das quais a maior parte das pessoas fugiria, apavorada. Muitas vezes, cabe a eles executar o trabalho “sujo”. É também sobre eles que as maiores expectativas se depositam. Os médicos assumem sobre seus ombros responsabilidades que, em muitas culturas, são atribuídas a divindades. Este livro traz os percalços, as frustrações e os sofrimentos de seu dia a dia – tais como as dificuldades na formação do profissional de medicina, o primeiro contato com a morte, erro médico, entre outros –, além de discutir assuntos como a ética profissional e a relação médico-paciente e dar dicas a estudantes e jovens que pretendem ingressar nessa carreira. É assim, trocando experiências e expondo angústias, que as “pancadas na cabeça” tornam-se menos doloridas, mais fáceis de suportar.