Paulo Roberto Staudt Moreira

É doutor em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), professor do cursos de graduação e pós-graduação em História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), historiógrafo do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul e bolsista de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Publicou, entre outros trabalhos: Os cativos e os homens de bem: experiências negras no espaço urbano (EST, 2003); Comunidade negra de Morro Alto: historicidade, identidade e territorialidade (Editora da UFRGS, 2004, em coautoria); Que com seu trabalho nos sustenta: as cartas de alforria de Porto Alegre – 1748-1888 (EST, 2007, em coautoria). Atualmente, desenvolve pesquisas sobre família e saúde escrava, feitiçaria e curandeirismo. É um doas autores do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011).

Livros deste autor

Exibindo todos 3 resultados

Experiências da emancipação

Biografias, instituições e movimentos sociais no pós-abolição (1890-1980)
Beatriz Ana Loner
Elizabeth do Espírito Santo Viana
Flavio Gomes
e mais 10 autores
R$103,70

Em estoque

Esta coletânea reúne a história de milhares de ex-escravos e de seus descendentes dos últimos anos do século XIX até a década de 1980. De forma plural e inovadora, analisa os significados do pós-abolição – período de propostas, lutas e expectativas – por meio de biografias, da trajetória dos movimentos sociais e da formação e consolidação de instituições negras.

Religiões negras no Brasil

Da escravidão à pós-emancipação
Adriano Bernardo Moraes Lima
Cristiana Tramonte
Flavio Gomes
e mais 17 autores
R$109,90

Em estoque

Na historiografia brasileira, ainda são poucos os estudos que revelem em detalhe as práticas cotidianas, de invenção da cultura – também aquela material –, cobrindo todo o Brasil rural e urbano da escravidão e pós-emancipação. O que acontecia no interior das senzalas, nas matas circunvizinhas das fazendas ou nos becos, casebres e zungus (como eram chamadas as moradas dos africanos e crioulos nas cidades)? Muita coisa a ser redescoberta, descrita e analisada. Entre os séculos XVII e XIX, as experiências religiosas, sobretudo as de origem africana, foram reinventadas e modificadas permanentemente em diversos espaços. Nesta coletânea, os organizadores reuniram pesquisas inéditas sobre as formações religiosas negras em cidades coloniais e pós-coloniais do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, São Paulo, Paraíba, Sergipe, Maranhão, Alagoas, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Das devassas em torno dos calundus ao sincretismo com o catolicismo de monges beneditinos; da perseguição do Tribunal de Inquisição às santas africanas; do medo da feitiçaria à união entre religião e política; das batidas policiais que reprimiam e perseguiam as casas de dar fortuna, os cangerês e o candomblé às influências africanas sobre festas religiosas católicas.Assim, este livro mostra que, ao longo do tempo, experiências religiosas se inventaram e renovaram-se, perdendo e ganhando sentidos, significados e símbolos. Em meio à intolerância – inclusive racial, social e cultural –, encontramos disputas pela memória, pela origem e pelos mercados da crença.

Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação

Adriana Dantas Reis
Antonio Liberac Cardoso Simões Pires
Camillia Cowling
e mais 17 autores
R$106,40

Em estoque

Como foi a participação das mulheres cativas na sociedade escravista e nas primeiras décadas da pós-emancipação? Como protestaram mirando a escravidão e contrariando a ideia de que aceitaram com passividade a opressão imposta? Os ensaios desta coletânea, que abrange os séculos 18 a 20, constituem um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres africanas, crioulas, cativas e forras.