ISBN: 9788587478504

Experiências da emancipação

Biografias, instituições e movimentos sociais no pós-abolição (1890-1980)

Organizador(es): Flávio Gomes, Petrônio Domingues

Autor(es): Beatriz Ana Loner, Elizabeth do Espírito Santo Viana, Flavio Gomes, Joselina da Silva, Karin Sant’Anna Kössling, Karla Leonora Dahse Nunes, Kim D. Butler, Maria das Graças de Andrade Leal, Maria do Carmo Gregório, Michael Mitchell, Paulo Roberto Staudt Moreira, Petrônio Domingues, Wlamyra Albuquerque

Esta coletânea reúne a história de milhares de ex-escravos e de seus descendentes dos últimos anos do século XIX até a década de 1980. De forma plural e inovadora, analisa os significados do pós-abolição – período de propostas, lutas e expectativas – por meio de biografias, da trajetória dos movimentos sociais e da formação e consolidação de instituições negras.

R$103,70

ISBN: 9788587478504

Assuntos: , ,

Editora: Selo Negro Edições

Se preferir, compre este livro nos sites de nossos parceiros abaixo:



Detalhes do Livro

ISBN 9788587478504
REF: 40050
Edição 1
Ano 2011
Nº de Páginas 312
Peso 0.52 kg
Formato 17 × 24 cm

Flavio Gomes

Flavio GomesProfessor associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador do CNPq. Autor, entre outros livros, de Mocambos e quilombos: história do campesinato negro no Brasil (Cia. das Letras, 2015) e Negros e políticas (Jorge Zahar, 2005). Foi co-organizador dos livros Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação (2012) e Políticas da raça (2014), ambos pela Editora Selo Negro.

Petrônio Domingues

Petrônio DominguesGraduado, mestre e doutor em História pela Universidade de São Paulo (USP). É professor na Universidade Federal de Sergipe (UFS). Pesquisador convidado na Rutgers The State University of New Jersey (EUA), com bolsa da Capes, desenvolve pesquisas sobre populações da Diáspora africana no Brasil e nas Américas, pós-emancipação, movimentos sociais, identidades, biografias, multiculturalismo e diversidade etnorracial. É um dos autores / organizadores do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011), autor do livro A nova abolição Selo Negro, 2008) e um dos autores do livro Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação (Selo Negro, 2012).

Beatriz Ana Loner


É professora doutora do Departamento de História e Antropologia da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), dando aulas no curso de graduação em História e nos programas de mestrado em História e Ciências Sociais dessa instituição. Escreveu capítulos de coletâneas e livros, entre os quais: Construção de classe: operários de Pelotas e Rio Grande, 1888-1930 (Editora da UFPel, 2001), Dicionário de História de Pelotas (Editora da UFPel, 2010, em coautoria) e Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011),  além de vários artigos para revistas especializadas. Atualmente, desenvolve pesquisa sobre as trajetórias de ex-escravos e lideranças negras e também sobre os trabalhadores da década de 1940, com destaque para o papel das carteiras de trabalho.

Elizabeth do Espírito Santo Viana


É assistente parlamentar da Câmara Municipal do Rio de Janeiro (CMRJ), socióloga e mestre em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Publicou, entre outros textos, “Personagens, história intelectual e relações raciais no Brasil: notas sobre pesquisas biográficas”, em coautoria com Flávio Gomes (em: De preto a afrodescendente: trajetos sobre o negro, cultura e relações étnico-raciais no Brasil, EdUFSCar, 2003),“Lélia Gonzalez e outras mulheres: pensamento feminista negro – antirracismo e antissexismo” (Revista da ABPN, 2010) e Experiências da emancipação (Selo Negro,2011).

Flavio Gomes


Professor associado da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador do CNPq. Autor, entre outros livros, de Mocambos e quilombos: história do campesinato negro no Brasil (Cia. das Letras, 2015) e Negros e políticas (Jorge Zahar, 2005). Foi co-organizador dos livros Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação (2012) e Políticas da raça (2014), ambos pela Editora Selo Negro.

Joselina da Silva


É socióloga, bolsista de produtividade em pesquisa (BPI) pela Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap) e professora dos cursos de graduação em Biblioteconomia e Administração (do campus Cariri) e da pós-graduação em Educação (do campus Benfica) da Universidade Federal do Ceará (UFC). Integrou o grupo de redatores dos verbetes relacionados à raça, ao racismo e ao movimento negro presentes na Enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe (Boitempo, 2006). Foi membro do conselho consultivo e da equipe de redação da enciclopédia Mulheres negras do Brasil (Redeh/ Ed. Senac Rio, 2007). Além disso, publicou, entre outros trabalhos, o livro O movimento negro brasileiro: escritos sobre os sentidos de democracia e justiça social no Brasil (Nandyala, 2009, em coautoria). É uma das autoras do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011).  Atualmente desenvolve pesquisas sobre relações raciais, movimento social negro, antirracismo, mulheres negras e violência contra a mulher.

Karin Sant’Anna Kössling


É professora efetiva da rede pública estadual de São Paulo, ocupando a função de professora coordenadora de História na Oficina Pedagógica da Diretoria de Ensino de São Paulo – Centro. Realizou pesquisa de iniciação científica, financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), com o tema “Os movimentos negros: identidade étnica e identidade política (1924-1954)”. Mestre em História Social pela Universidade de São Paulo, com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), tendo produzido a dissertação As lutas antirracistas de afrodescendentes sob vigilância do Deops/SP (1964-1983). Publicou diversos artigos em revistas acadêmicas e de divulgação científica voltadas à temática afro-brasileira. É uma das autoras do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011).

Karla Leonora Dahse Nunes


É professora e coordenadora do curso de especialização em História Militar da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). Tanto sua dissertação de mestrado (com o título Antonieta de Barros: uma mulher negra no círculo do poder político em Santa Catarina nas décadas de 1930 e 1940) como sua tese de doutorado (Santa Catarina no caminho da Revolução de Trinta: memórias de combates – 1929- 1931) foram apresentadas ao Programa de Pós-graduação em História (PPGH) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É uma das autoras do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011).

Kim D. Butler


É professora de História na Rutgers University (Estados Unidos), ministrando o curso de Estudos Africanos. Suas pesquisas sobre pós-abolição começaram com seu livro Freedoms given, freedoms won: Afro-Brazilians in post-abolition São Paulo and Salvador (Rutgers University Press, 1998) e continuaram com a publicação de artigos no African Studies Review, Slavery and Abolition e Journal of Black Studies, entre outros periódicos. Sua outra linha de pesquisa, que deu origem a trabalhos publicados no periódico Diaspora e artigos de vários livros, incluindo The African diaspora and the disciplines (Indiana University Press, 2010) e The Oxford handbook of Latin American history (Oxford University Press, 2010), entre os mais recentes, relaciona-se à teoria e epistemologia da diáspora africana. É também uma das autoras do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011).

Maria das Graças de Andrade Leal


É professora titular do curso de graduação em História e do mestrado em História Regional e Local da Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Publicou artigos e livros – entre os quais A arte de ter um ofício: Liceu de Artes e Ofícios da Bahia (1872-1996) (Liceu de Artes e Ofícios da Bahia/ Fundação Odebrecht, 1996) e Manuel Querino entre letras e lutas: Bahia – 1851-1923 (Annablume, 2009) – e organizou a coletânea Capítulos de história da Bahia: novos enfoques, novas abordagens (Annablume, 2009, em parceria com Raimundo Nonato Pereira Moreira e Wellington Castellucci Júnior). Atualmente desenvolve projeto de pesquisa com o tema “Trabalho e organização de trabalhadores na Bahia imperial e republicana” e, com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), realiza estágio de pós-doutoramento na Universidade do Porto (Portugal), com o desenvolvimento do projeto “Mutualismo: experiência associativa de trabalhadores livres no Brasil oitocentista”. É uma das autoras do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011).

Maria do Carmo Gregório


É mestre em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e professora do curso de graduação em História da Faculdade Flama. Também leciona História na rede estadual e municipal de ensino do Rio de Janeiro. Publicou o livro Solano Trindade: o poeta das artes do povo (Ceap, 2009). É uma das autoras do livro Experiências da emancipação (Selo Ngro, 2011).

Michael Mitchell


É autor de vários artigos sobre raça e política no Brasil, entre eles: “Blacks and the Abertura Democrática” (em: Race, class, and power in Brazil, Center for Afro-American Studies – University of California, 1986), “Miguel Reale and the impact of conservative modernization on Brazilian race relations” (em: Racial politics in contemporary Brazil, Duke University Press, 1999) e “The ironies of citizenship: skin color, police brutality, and the challenge to Brazilian democracy” (Social Forces, v. 77, n. 3, mar. 1998), com Charles H. Wood. Realizou pesquisa de campo para sua tese de doutorado em São Paulo, onde fez entrevistas extensas com lideranças de movimentos negros das décadas de 1920 e 1930. Atualmente é professor da Escola de Política e Estudos da Globalização da Universidade do Estado do Arizona (em Tempe) e coeditor do National Political Science Review, jornal oficial da Conferência Nacional de Cientistas Políticos Negros. É também uma das autoras do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011).

Paulo Roberto Staudt Moreira


É doutor em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), professor do cursos de graduação e pós-graduação em História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), historiógrafo do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul e bolsista de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Publicou, entre outros trabalhos: Os cativos e os homens de bem: experiências negras no espaço urbano (EST, 2003); Comunidade negra de Morro Alto: historicidade, identidade e territorialidade (Editora da UFRGS, 2004, em coautoria); Que com seu trabalho nos sustenta: as cartas de alforria de Porto Alegre – 1748-1888 (EST, 2007, em coautoria). Atualmente, desenvolve pesquisas sobre família e saúde escrava, feitiçaria e curandeirismo. É um doas autores do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011).

Petrônio Domingues


Petrônio Domingues

Graduado, mestre e doutor em História pela Universidade de São Paulo (USP). É professor na Universidade Federal de Sergipe (UFS). Pesquisador convidado na Rutgers The State University of New Jersey (EUA), com bolsa da Capes, desenvolve pesquisas sobre populações da Diáspora africana no Brasil e nas Américas, pós-emancipação, movimentos sociais, identidades, biografias, multiculturalismo e diversidade etnorracial. É um dos autores / organizadores do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011), autor do livro A nova abolição Selo Negro, 2008) e um dos autores do livro Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação (Selo Negro, 2012).

Wlamyra Albuquerque


É professora dos cursos de graduação e pós-graduação em História da Universidade Federal da Bahia (Ufba). Publicou, entre outros trabalhos, O jogo da dissimulação: abolição e cidadania negra no Brasil (Companhia das Letras, 2009) e Uma história da cultura afro-brasileira (Moderna, 2009, com Walter Fraga). Com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), desenvolve atualmente pesquisa sobre racialização e cidadania no processo emancipacionista e no pós-abolição. É também uma das autoras do livro Experiências da emancipação (Selo Negro, 2011).

Leia o sumário e as primeiras páginas deste livro abaixo ou, se preferir, faça o download do PDF

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Download [82.92 KB]

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Experiências da emancipação”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de…

POLÍTICAS DA RAÇA

Experiências e legados da abolição e da pós-emancipação no Brasil
Celso Thomas Castilho
Daryle Williams
Elione Silva Guimarães
e mais 16 autores
R$100,70

Esta coletânea, escrita por pesquisadores brasileiros e estrangeiros, aborda um longo período da história do nosso país: dos anos 1870, com o início do movimento abolicionista, a 2010, quando o STF julgou constitucionais as cotas raciais na Universidade de Brasília. Entre outros assuntos abordados estão: a formação dos quilombos; a migração de libertos por São Paulo e Rio de Janeiro; os negros no movimento republicano brasileiro; as representações culturais dos negros na música, na cultura, nas artes e na religião; linchamentos raciais no Oeste paulista; a luta entre imigrantes e ex-escravizados pela posse de terra e por moradia; a atuação dos negros na luta contra a monarquia; as relações entre o movimento operário e os trabalhadores negros; comunismo, integralismo e a Frente Negra Brasileira. Trata-se de uma obra completa, lastreada tanto pelo uso de fontes e abordagens diversas quanto pela pluralidade de ideias e pela multiplicidade de interpretações.

Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação

Adriana Dantas Reis
Antonio Liberac Cardoso Simões Pires
Camillia Cowling
e mais 17 autores
R$106,40

Como foi a participação das mulheres cativas na sociedade escravista e nas primeiras décadas da pós-emancipação? Como protestaram mirando a escravidão e contrariando a ideia de que aceitaram com passividade a opressão imposta? Os ensaios desta coletânea, que abrange os séculos 18 a 20, constituem um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres africanas, crioulas, cativas e forras.

Religiões negras no Brasil

Da escravidão à pós-emancipação
Adriano Bernardo Moraes Lima
Cristiana Tramonte
Flavio Gomes
e mais 17 autores
R$109,90

Na historiografia brasileira, ainda são poucos os estudos que revelem em detalhe as práticas cotidianas, de invenção da cultura – também aquela material –, cobrindo todo o Brasil rural e urbano da escravidão e pós-emancipação. O que acontecia no interior das senzalas, nas matas circunvizinhas das fazendas ou nos becos, casebres e zungus (como eram chamadas as moradas dos africanos e crioulos nas cidades)? Muita coisa a ser redescoberta, descrita e analisada. Entre os séculos XVII e XIX, as experiências religiosas, sobretudo as de origem africana, foram reinventadas e modificadas permanentemente em diversos espaços. Nesta coletânea, os organizadores reuniram pesquisas inéditas sobre as formações religiosas negras em cidades coloniais e pós-coloniais do Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco, São Paulo, Paraíba, Sergipe, Maranhão, Alagoas, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Das devassas em torno dos calundus ao sincretismo com o catolicismo de monges beneditinos; da perseguição do Tribunal de Inquisição às santas africanas; do medo da feitiçaria à união entre religião e política; das batidas policiais que reprimiam e perseguiam as casas de dar fortuna, os cangerês e o candomblé às influências africanas sobre festas religiosas católicas.Assim, este livro mostra que, ao longo do tempo, experiências religiosas se inventaram e renovaram-se, perdendo e ganhando sentidos, significados e símbolos. Em meio à intolerância – inclusive racial, social e cultural –, encontramos disputas pela memória, pela origem e pelos mercados da crença.