ISBN: 9786555491340

Lutos

Organizador(es): Márcia Noleto, Mariana Magalhães

Autor(es): Camila Alves, Chico Alencar, Daniel Carvalho, Eduardo Medeiros, Eliane Arenas, Fernanda Chaves, Gilberto Gil, José Mauro Brant, Jovita Belfort, Leandro Frederico Marques, Lucinha Araújo, Marcus Vinícius Pavan, Margareth Pretti Dalcolmo, Mariana Magalhães, Monica Benicio, Márcia Noleto, Victor Meneses, Willams Amaral Nogueira

Este livro trata, com muita delicadeza, do processo de luto, considerando sua pluralidade e revelando que existem muitos tipos de dor quando as perdas são significativas. Muito embora tenhamos a sensação de estar imersos em nossa solidão particular, a obra nos mostra o contrário. Há um universo de pessoas que tentam diariamente encontrar novos caminhos para recomeçar a vida após momentos de perda. Nesse sentido, as organizadoras trazem depoimentos de vários lutos diferentes. O materno, o masculino, o anunciado, o político. O luto neonatal e gestacional. O luto por infertilidade, por desaparecimento, pela perda de um animal. O luto trágico, amoroso, da pessoa trans, da família, do imigrante, de Deus, de um futuro, de um país. O luto por violência, pela covid-19, por suicídio. Dando voz a essas experiências singulares, podemos nos conectar com elas e, assim, encontrar maneiras de elaborar nosso sofrimento.

R$78,40

Calcular Frete
Forma de Envio Custo Estimado Entrega Estimada
ISBN: 9786555491340

Assuntos: ,

Editora: Summus Editorial

Se preferir, compre este livro nos sites de nossos parceiros abaixo:



Detalhes do Livro

ISBN 9786555491340
REF: 12134
Edição 1
Ano 2024
Nº de Páginas 200
Peso 0,246 kg
Formato 0,90 × 14 × 21 cm

Márcia Noleto

Carioca, casada, mãe de Mariana e João Pedro. Psicóloga clínica (IBMR/RJ), mestranda em Metafísica e Filosofia da Ciência (Uerj) e especialista em Psicologia Clínica Fenomenológica Hermenêutica (USU/RJ). Graduada em Jornalismo (Facha/RJ) e em História, Literatura e Civilização Francesa pela Universidade de Nancy II (França). Fundadora do Grupo Mães Semnome e da Clínica C -FEN. Dedica -se, desde 2011, ao tema do luto materno e à implantação de uma rede de apoio a enlutados.

Mariana Magalhães

Em “Barriga oca”, a psicóloga clínica Mariana Magalhães com‑ partilha as suas tentativas de realizar o desejo de ser mãe e o luto decorrente. Depois de tentar por quatro anos engravidar natural‑ mente, recorreu por mais dois anos à fertilização in vitro em três clínicas de reprodução assistida, onde perdeu dez pré‑embriões e viu seu sonho naufragar.

Camila Alves


A psicóloga Camila Alves aborda o luto por um animal em “Delicadamente, ela se foi”. Cega aos 15 anos de idade, por causa de uma retinose pigmentar, ele adotou um cão‑guia. A Pucca chegou em 2010, quando Camila tinha 20 anos, e morreu em 2020, com 12 anos de vida e 8 de trabalho.

Chico Alencar


Historiador, professor e deputado federal, Chico Alencar presenteia os leitores com seu depoimento sobre um luto político em “Perdas e danos”, em que discorre sobre os “tempos amargos” que vivemos no passado recente, no qual prevaleceram o negacionismo, a irracionalidade, a mentira e o ódio.

Daniel Carvalho


Daniel Carvalho, coordenador do projeto Luto do Homem, perdeu a filha Joana seis dias após o nascimento dela, por complicações no parto. Em “Silêncio”, ele recupera o antigo e conhecido cartaz de hospital para mostrar que o luto do homem costuma ser silenciado e abafado na sociedade, ainda que o padecimento, como o seu, seja esmagador.

Eduardo Medeiros


Eduardo Medeiros é cozinheiro e empreendedor. Em “O luto de uma pessoa trans e seus renascimentos”, ele compartilha como sua privação de existir com liberdade para se construir enquanto indivíduo afetou sua vida e o levou a vivenciar lutos diversos. Tendo renascido somente aos 20 anos de idade, mostra como se cura, se reinventa e, ainda, se constrói e aprende a se amar, apesar de tudo.

Eliane Arenas


“De um velório a outro” é o título do depoimento de Eliane Arenas, doutora em Educação, no qual ela desenvolve suas lembranças do luto por um pessoa querida para ligá‑lo a outro, mais antigo, motiva‑ do pela morte de outra pessoa benquista. Eliane mostra que aparentemente os lutos nunca morrem.

Fernanda Chaves


Fernanda Chaves, jornalista e ex‑assessora de Marielle Franco, foi a única sobrevivente do ataque a tiros que matou a vereadora carioca e seu motorista, Anderson Gomes. Em “Fragmentos do luto possível”, ela relata as suas perdas para a violência — a amizade de dez anos, o colega recente, o trabalho — e o impacto delas em sua vida.

Gilberto Gil


Cantor, compositor, ex‑ministro da Cultura, ex‑embaixador da ONU, “Artista pela Paz” da Unesco, entre tantos outros méritos, Gilberto Gil perdeu o filho Pedro, de 19 anos, em 1990, em um acidente de carro. Com toda a sua delicadeza, Gil nos conta desse luto por um futuro perdido em “Eu agora não tô mais com medo, tô com Pedro”.

José Mauro Brant


José Mauro Brant, ator, cantor e contador de histórias, revela em “Um tiro que mudou a história — Relato em três atos”, com grande comoção, a trama mais desoladora de sua vida — a perda do próprio pai, em uma época em que o governo federal incentivava e facilitava o acesso às armas de fogo no país.

Jovita Belfort


Jovita Belfort é mãe de Priscila Belfort, desaparecida no início de 2004, um caso nunca solucionado, que ela retoma em “Saudade sem fim” para relatar como sobreviveu a essa dor. Em 2019, Jovita assumiu a Coordenadoria de Prevenção e Enfrentamento ao Desaparecimento de Pessoas, no Rio de Janeiro.

Leandro Frederico Marques


Leandro Frederico Marques, mestre em Teologia pela PUC‑RJ e psicólogo clínico, esteve por muitos anos à frente da Igreja Presbiteriana Betânia Litorânea, em Niterói. No depoimento “Passagem”, ele conta a respeito do drama que viveu quando ainda era conhecido como Pastor Leandro e depois que deixou a igreja.

Lucinha Araújo


Lucinha Araújo é mãe de Cazuza, primeiro artista brasileiro que revelou publicamente ser HIV positivo. Filantropa, Lucinha fundou a ONG Sociedade Viva Cazuza, criada após o falecimento do filho. Em “O tempo não para”, ela relata as dores do seu luto anunciado e como sobreviveu a ele.

Márcia Noleto


Carioca, casada, mãe de Mariana e João Pedro. Psicóloga clínica (IBMR/RJ), mestranda em Metafísica e Filosofia da Ciência (Uerj) e especialista em Psicologia Clínica Fenomenológica Hermenêutica (USU/RJ). Graduada em Jornalismo (Facha/RJ) e em História, Literatura e Civilização Francesa pela Universidade de Nancy II (França). Fundadora do Grupo Mães Semnome e da Clínica C -FEN. Dedica -se, desde 2011, ao tema do luto materno e à implantação de uma rede de apoio a enlutados.

Marcus Vinícius Pavan


Quem nunca teve um ídolo? No texto “O luto de um país”, o fotógrafo Marcus Vinícius Pavan expõe o seu lado personalíssimo de um luto coletivo: a morte de Ayrton Senna da Silva, o piloto de Fórmula 1 mais premiado, conhecido e querido do Brasil e um dos mais admira‑ dos e lembrados em todo o mundo.

Margareth Pretti Dalcolmo


Margareth Pretti Dalcolmo, médica, pneumologista e pesquisadora da Fiocruz, tornou‑se uma figura emblemática na luta contra a covid‑19. Incansável na linha de frente do combate à pandemia, ela descreve suas experiências em “Um luto pressentido” e critica com veemência o negacionismo instaurado no país quanto à doença.

Mariana Magalhães


Em “Barriga oca”, a psicóloga clínica Mariana Magalhães com‑ partilha as suas tentativas de realizar o desejo de ser mãe e o luto decorrente. Depois de tentar por quatro anos engravidar natural‑ mente, recorreu por mais dois anos à fertilização in vitro em três clínicas de reprodução assistida, onde perdeu dez pré‑embriões e viu seu sonho naufragar.

Monica Benicio


Monica Benicio é vereadora no Rio de Janeiro, arquiteta urbanista voltada para o “direito à cidade”, militante de direitos humanos e feminista. Perdeu inesperadamente a sua mulher, Marielle Franco, assassinada em 14 de março de 2018. Monica se emociona e nos emociona ao relatar o luto de um amor com garra e imensa saudade.

Victor Meneses


O venezuelano Victor Meneses confidencia como foi a sua vinda para o Brasil em um depoimento de título muito sugestivo, “O cinza e as cores do Brasil”. Sentindo‑se arrasado por não conseguir suprir as suas necessidades e as da sua família, ele apostou na ideia de um amigo e veio para um novo país em busca de vida melhor.

Willams Amaral Nogueira


Até os 18 anos de idade, Willams Amaral Nogueira viveu em abrigos em Recife depois de perder os familiares. Em “Um placar de virada”, ele conta que, em suas orações, só pensava em ter uma nova família. Foi por meio de uma campanha realizada pelo Sport Club do Recife que Willams conseguiu superar o seu luto familiar.

Leia o sumário e as primeiras páginas deste livro abaixo ou, se preferir, faça o download do PDF

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Download [503.04 KB]

Você também pode gostar de…

Revés de um parto

Luto materno
Amanda Tinoco
Cristiana Jacó Monteiro Cascaldi
Elaine Prestes
e mais 9 autores
R$53,00

Todos sabemos ser impossível catalogar a dor da perda, mas numa escala imaginária de sofrimento humano a morte de um filho certamente ocuparia o primeiro lugar. Do desespero à raiva, passando pela culpa, pela tristeza e pela aceitação, os sentimentos envolvidos nesse tipo de luto muitas vezes se misturam. Como lidar com eles sem vivenciar um aniquilamento existencial? Neste livro, doze mães trazem relatos contundentes e emocionantes sobre a experiência de perder um filho. Porém, mais do que falar da morte, elas falam da vida, honrando a memória daqueles que se foram tão jovens e mostrando que não se trata de lutar contra a dor, mas de incorporar a falta ao cotidiano, ressignificando-a. Além disso, mostram que é possível preservar a existência de quem amamos por meio da perpetuação de seu legado – seja criando grupos de apoio emocional a famílias enlutadas, seja capitaneando projetos ligados a sonhos e ideais de seus filhos. Obra fundamental para mães e pais que perderam seus filhos, bem como para sua rede de apoio, parentes e amigos.

Quando a morte chega em casa

Ana Lucia Coradazzi
Juliana Martins de Mattos Gonnelli
Karina Okajima Fukumitsu
e mais 10 autores
R$53,00

A morte, destino comum a todos os seres vivos, é tabu na cultura ocidental. Organizado por Teresa Vera de Sousa Gouvêa e Karina Okajima Fukumitsu, psicólogas especialistas em luto, este livro reúne treze relatos nos quais os autores compartilham, de maneira sensível e poética, experiências de vida em que a presença da morte lhes trouxe aprendizados transformadores. Entre os temas abordados estão: a morte súbita e a morte lenta; a morte em idade precoce e aquela em idade avançada; a perda de um pai e a perda de um filho; a morte esperada e aquela que interrompe planos; a morte desamparada e a morte acompanhada. De forma pungente e generosa, os autores desta obra mostram que é aprendendo a refletir e a conversar sobre a perda de quem amamos que nos abrimos à possibilidade de uma vida plena. Prefácio de Maria Julia Kovács.

Conversando sobre o luto

Edirrah Gorett Bucar Soares
Maria Aparecida de Assis Gaudereto Mautoni
R$47,10

Embora a morte seja nossa única certeza, ela se tornou um fenômeno mitificado e temido. Este livro se propõe a ajudar as pessoas a lidar melhor com momentos de tanta angústia. Por meio de depoimentos, orientações e reflexões, ele nos ajuda a perceber que o sofrimento causado pelo luto e os questionamentos que vivemos são comuns a todo ser humano.

Luto é outra palavra para falar de amor

Cinco formas de honrar a vida de quem vai e de quem fica após uma perda
Rodrigo Luz
R$47,10

A morte de um amor é uma das experiências mais devastadoras enfrentadas pelo ser humano. Apesar disso, na sociedade ocidental, a expressão da dor é muitas vezes vista como fraqueza ou exagero. O luto, entretanto, é um fenômeno inerente à nossa existência, que não pode ser evitado sem que um preço alto seja pago. O que acontece quando sufocamos nossos sentimentos, evitando entrar em contato com eles? O que perdemos quando submetemos o que sentimos às normas sociais, que nos chamam o tempo todo para a festa da vida? Neste livro, o terapeuta do luto Rodrigo Luz apresenta as muitas faces e os diversos sentimentos que constituem o luto. Além disso, com delicadeza e um embasamento teórico impecável, conta algumas das muitas histórias vividas por ele no contato com famílias e indivíduos que enfrentam a perda. De forma empática e acolhedora, o autor detalha cinco maneiras de honrar aqueles que se foram, oferecendo aos enlutados infinitas possibilidades de acolher a dor e mostrando que ela é uma das faces do amor.

Maternidade interrompida

O drama da perda gestacional
Maria Manuela Pontes
R$78,80

Por vezes o ciclo da vida inverte-se: morre-se antes de nascer. Estará a sociedade civil consciente da fragilidade da maternidade e do vigor desse sono eterno que nos desvincula da existência? Este livro denuncia os processos da dor e do luto em mulheres que enfrentaram o drama da perda gestacional. São testemunhos reais de uma dura realidade que, silenciosa, clama por ser ouvida. Prefácio de Maria Helena Pereira Franco.