ISBN: 9786599883712

Mentiras do ocidente, As

Organizador(es): Dagoberto José Fonseca

Autor(es): Alexandre de Lourdes Laudino, Bas’Ilele Malomalo, Dagoberto José Fonseca, Denise Dias Barros, Kowawa Kapukaja Apurinã, Kunhã Jeguakai Nhandeva Charrúa (Bruna Lopes Silva), Muryatan Santana Barbosa, Patricio Batsîkama, Renato Noguera, Tatiane Pereira de Souza

Durante séculos, o eurocentrismo científico ajudou a construir uma história baseada em mentiras. Tais mentiras fomentaram — e ainda fomentam — o racismo, a xenofobia, a misoginia e a morte de inúmeros grupos e povos, sobretudo na África e na América. A fim de restituir a verdade, a presente obra aponta novos caminhos teórico-metodológicos que partem da história real do continente africano e da diáspora de sua população. Entre os temas abordados estão: a vida e a obra de Ptahhotep, um dos grandes filósofos do Reino Antigo do Kemet (atual Egito); as falsas narrativas produzidas pelo pensamento euro-ocidental; a formação da democracia nas diversas nações da África; os conceitos de unidade e diversidade cultural africana; a afroperspectiva como método e teoria; o impacto do escravismo e do colonialismo na África; a interface entre arte e loucura nos rituais de cura do povo dogon (Mali); as lutas dos povos indígenas por seus territórios ancestrais.

A coleção África, presente! Negritude e luta antirracista constitui um espaço de produção e divulgação do pensamento não hegemônico acerca de africanos, afro-brasileiros e indígenas. Seu objetivo é problematizar e contestar cientificamente paradigmas, falácias e metodologias euro-ocidentais.

R$84,40

Calcular Frete
Forma de Envio Custo Estimado Entrega Estimada
ISBN: 9786599883712

Assuntos: , , ,

Coleção: África presente! Negritude e luta antirracista

Editora: Selo Negro Edições

Se preferir, compre este livro nos sites de nossos parceiros abaixo:



Detalhes do Livro

ISBN 9786599883712
REF: 42001
Edição 1
Ano 2022
Nº de Páginas 192
Peso 0,328 kg
Formato 0,90 × 17 × 24 cm

Dagoberto José Fonseca

Dagoberto José FonsecaTem graduação, mestrado e doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), pós-doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e livre-docência em Antropologia Brasileira pela Faculdade de Ciências e Letras da Unesp Araraquara. É docente da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp, no Departamento de Antropologia, Política e Filosofia e no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais do campus de Araraquara; membro do Programa de Pós-Graduação Dottorato in Scienze Umane da Università degli Studi di Perugia (Itália) e do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (Unesp Franca). Coordenador do Projeto Interdisciplinar do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica à Docência (Pibid) no projeto “Educação de Jovens e Adultos: o letramento crítico como base para uma abordagem interdisciplinar”, vinculado a Capes/MEC; assessor da Comissão Nacional da Verdade sobre a Escravidão Negra no Brasil do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Foi coordenador-geral e executivo do Núcleo Negro da Unesp para Pesquisa e Extensão (Nupe); coordenador- geral do Programa de Ações Afirmativas para a População Afro‑Brasileira do Nupe (convênio Unesp/MEC/Secad); coordenador do Centro de Referência Afro do Município de Araraquara, em parceria com a Assessoria Especial de Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura Municipal de Araraquara (convênio Unesp-Prefeitura de Araraquara, 2006-2008); supervisor do Grupo de Trabalho do Nupe da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp Araraquara; líder do Grupo de Trabalho do Nupe-Cladin-Lead, da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp Araraquara (CNPq); coordenador-geral do Programa Nacional de Qualificação Profissional e Social para as populações afro--brasileiras, indígenas, ciganos e membros das religiões afro-brasileiras (convênio Unesp/Ministério do Trabalho e Emprego, 2007-2008); coordenador do Centro de Estudos das Culturas e Línguas Africanas e da Diáspora Negra (Cladin) da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp Araraquara; membro da Comissão Assessora e Técnica Nacional de Diversidade e Assuntos Relacionados aos Afro-Brasileiros (Cadara), do Ministério da Educação (2006-2010); chefe do Departamento de Antropologia, Política e Filosofia da citada faculdade da Unesp (2011‑2015). É parecerista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e de outras instituições de fomento à pesquisa, bem como de revistas acadêmico-científicas. Tem experiência e publicações na área de Antropologia e Sociologia, com ênfase em antropologia das populações afro-brasileiras e africanas, atuando sobretudo nos seguintes temas: cidadania, educação, memória, corpo, identidade, imaginário, cultura, políticas públicas, religião, mulher negra e organizações sociais. Orcid: Orcid.org/0000- 0002-6279-6687; ID Lattes: 8483229888324823.

Alexandre de Lourdes Laudino


Alexandre de Lourdes Laudino

Mestre em Filosofia Política, Ética e Subjetividade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), com dissertação sobre o tema Reflexões sobre biopolítica na filosofia de Michel Foucault: considerações sobre a metodologia e sobre o controle das populações. Especialista em Diversidade Étnico-Racial e Educação Superior Brasileira pela UFRRJ, com a monografia A filosofia como modo de vida: um estudo comparativo dos ensinamentos de Ptahhotep e Epicteto, é professor da Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc), na qual atua em quatro instituições — Colégio Estadual Hilton Gama, Colégio Estadual Dr. Oscar Pimenta, Colégio Estadual Lourenço Filho e Ciep 397. Atua como professor colaborador do Pré-Vestibular para Negros e Carentes da Pastoral da Juventude (PVNC-PJ Igreja Santo Antônio). Foi docente do Colégio Estadual Pereira Guimarães Filho (Colégio Prisional-Seap). ID Lattes: 5729229727566825.

Bas’Ilele Malomalo


Bas’Ilele Malomalo

Oriundo da etnia-nação mongo-ndegese, nasceu na aldeia de Idumbe, na República Democrática do Congo. É graduado em Filosofia pelo Institut Philosophicum Saint François-Xavier de Mbuyi-Mayi. Doutor em Sociologia pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), é docente de graduação nos cursos das Relações Internacionais e Ciências Sociais e do Mestrado Interdisciplinar em Humanidades (MIH) do Instituto de Humanidades e Letras (IHL) da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), além de professor colaborador no Programa de Pós- -Graduação em Políticas Sociais e Cidadania (PPPSC) da Universidade Católica do Salvador (Ucsal). É também coordenador do Grupo de Pesquisa “África- Brasil: Produção de conhecimentos, sociedade civil, desenvolvimento e cidadania global”; pesquisador associado do Centro dos Estudos das Culturas e Línguas Africanas e da Diáspora Negra (Cladin-Unesp) e da Rede para o Constitucionalismo Democrático Latino-Americano. Atua como pesquisador e membro do Comitê Internacional da Cadeira da Unesco Educação Transformadora, Democracia e Cidadania Mundial, da Université du Québec en Outaouais (UQO), Canadá, e como especialista da plataforma Harmony With Nature, da ONU. Tem experiência na área de Ciências Sociais, História da África e do Negro no Brasil, atuando sobretudo nos seguintes temas: sociologia africana, estudos das relações étnico-raciais, multiculturalismo, migrações, cooperação internacional, desenvolvimento sustentável, direitos da natureza, segurança alimentar e nutricional. É estagiário pós-doutorado no Instituto de Biociências do Departamento de Educação da Unesp Botucatu e pesquisador do Centro de Ciência e Tecnologia para Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Interssan-Unesp). Fundador do Per Ankh Ntu – Escola Filosófico- teológica Kamita/Afrikana. ID Lattes: 2442167007595307.

Dagoberto José Fonseca


Dagoberto José Fonseca

Tem graduação, mestrado e doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), pós-doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e livre-docência em Antropologia Brasileira pela Faculdade de Ciências e Letras da Unesp Araraquara. É docente da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp, no Departamento de Antropologia, Política e Filosofia e no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais do campus de Araraquara; membro do Programa de Pós-Graduação Dottorato in Scienze Umane da Università degli Studi di Perugia (Itália) e do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (Unesp Franca). Coordenador do Projeto Interdisciplinar do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica à Docência (Pibid) no projeto “Educação de Jovens e Adultos: o letramento crítico como base para uma abordagem interdisciplinar”, vinculado a Capes/MEC; assessor da Comissão Nacional da Verdade sobre a Escravidão Negra no Brasil do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Foi coordenador-geral e executivo do Núcleo Negro da Unesp para Pesquisa e Extensão (Nupe); coordenador- geral do Programa de Ações Afirmativas para a População Afro‑Brasileira do Nupe (convênio Unesp/MEC/Secad); coordenador do Centro de Referência Afro do Município de Araraquara, em parceria com a Assessoria Especial de Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura Municipal de Araraquara (convênio Unesp-Prefeitura de Araraquara, 2006-2008); supervisor do Grupo de Trabalho do Nupe da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp Araraquara; líder do Grupo de Trabalho do Nupe-Cladin-Lead, da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp Araraquara (CNPq); coordenador-geral do Programa Nacional de Qualificação Profissional e Social para as populações afro--brasileiras, indígenas, ciganos e membros das religiões afro-brasileiras (convênio Unesp/Ministério do Trabalho e Emprego, 2007-2008); coordenador do Centro de Estudos das Culturas e Línguas Africanas e da Diáspora Negra (Cladin) da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp Araraquara; membro da Comissão Assessora e Técnica Nacional de Diversidade e Assuntos Relacionados aos Afro-Brasileiros (Cadara), do Ministério da Educação (2006-2010); chefe do Departamento de Antropologia, Política e Filosofia da citada faculdade da Unesp (2011‑2015). É parecerista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e de outras instituições de fomento à pesquisa, bem como de revistas acadêmico-científicas. Tem experiência e publicações na área de Antropologia e Sociologia, com ênfase em antropologia das populações afro-brasileiras e africanas, atuando sobretudo nos seguintes temas: cidadania, educação, memória, corpo, identidade, imaginário, cultura, políticas públicas, religião, mulher negra e organizações sociais. Orcid: Orcid.org/0000- 0002-6279-6687; ID Lattes: 8483229888324823.

Denise Dias Barros


Denise Dias Barros

Mestre em Ciências Sociais (Antropologia) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (puc-sp) e doutora em Sociologia pela Universidade de São Paulo (usp). Realizou pós-doutorado na França, no Laboratoire Systèmes de Pensée en Afrique Noire (École Pratique des Hâutes Études, CNRS) e foi pesquisadora residente (fellow) do Institute for Advanced Studies de Nantes (2008-2009). Docente aposentada pela Universidade de São Paulo, onde trabalhou entre 1985 e 2015, pertence ao quadro de docentes e orientadores do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte da USP e do Mestrado Profissional em Terapia Ocupacional da FMUSP. É membro-fundadora da Casa das Áfricas-Amanar, em São Paulo. Recebeu em 2005 o terceiro lugar do Prêmio Jabuti por seu livro Itinerários da loucura em territórios dogon. É membro-fundadora e atuante do Projeto Metuia, grupo interinstitucional de pesquisas e ações pela cidadania de crianças, jovens e adultos em processos de ruptura das redes sociais de suporte. Realizou pesquisas sobre o tratamento social e a percepção da loucura, a migração, a história das relações entre arte e antropologia e as práticas religiosas (ancestralidade e Islã), tendo como campo a sociedade dogon, da República do Mali. Desde 2010, tem realizado estudos sobre mobilidade de pessoas no continente africano, notadamente entre o oeste e o norte da África — com estudos de campo no Mali e no Egito — e sobre expressões culturais tamacheques e em sua diáspora. No Brasil, pesquisa grupos em processo de ruptura de redes sociais, religiosidade, mobilidade e migração. Atua nos campos da terapia ocupacional social e da antropologia — com ênfase em antropologia das sociedades africanas, interfaces entre artes e história e antropologia visual. Orcid: orcid.org/0000-0002- 4145-3415. ID Lattes: 6607056840278610.

Kowawa Kapukaja Apurinã


Kowawa Kapukaja Apurinã

Nasceu indígena da etnia apurinã do Médio Purus (AM). Doutoranda em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), bacharela em Direito, licenciada em Artes Visuais e mestra em Antropologia, tendo obtido os três títulos na Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Mestra em Educação e Tecnologia pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense, tem experiência nas áreas de Artes, Antropologia, Educação e Direito. Atua sobretudo nos seguintes temas: educação indígena, educação ambiental, questões raciais, ações afirmativas e mulheres indígenas. Membro-fundadora do Instituto Pupykary do Povo Apurinã. Cofundadora da Articulação Brasileira de Indígenas Antropóloges (Abia), cofundadora do coletivo: Artivismo Indígena. Pesquisa povos indígenas, violências e ancestralidades indígenas. Artista, educadora e produtora cultural. Editora do portal Catarinas (https://catarinas.info/#). Ativista dos direitos, humanos ou não. Atualmente, desenvolve pesquisa com o povo tupinambá de Olivença (Acuípe) nas áreas de retomada no sul da Bahia. ID Lattes: 4580001101461928.

Kunhã Jeguakai Nhandeva Charrúa (Bruna Lopes Silva)


Kunhã Jeguakai Nhandeva Charrúa (Bruna Lopes Silva)

Pertence ao povo guarani, sendo natural do território da bacia hidrográfica Mirim-São Gonçalo. Bacharela em Artes Visuais pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), pesquisa a questão discursiva na ética das imagens e as relações de poder estabelecidas por meio delas, os processos de desterritorialização e violência decorrentes da atividade civilizatório-urbanizada e a assimilação forçada da cultura e da economia não indígena. Atua no fomento e na produção de resistência enunciativa na produção cultural guarani e kaiowá contemporânea, visando colaborar na retomada poética e política do Tekoha ñee Katu (palavra/enunciação em guarani que representa respeito à terra, aos outros, à justiça e à defesa da plena manutenção da vida, do território tradicional, da cosmovisão, do modo de ser e produzir pensamento dos povos originários). Trabalha com produção e reflexão sobre imagens visuais, sonoras, performáticas e audiovisuais, bem como produção de comunicação indígena em mídias digitais. É artista, produtora cultural, ativista de direitos humanos e direitos indígenas. Cofundadora dos coletivos de mulheres Artivismo Indígena e Feminismo Essencial, é membro do Conselho Yusiti Tekoá Pindó, do Fórum de Ação Permanente pela Cultura de Porto Alegre (RS). Atua, ainda, como produtora cultural no Ateliê Mãos de Lótus. Foi bolsista de monitoria do Ateliê de Gravura da UFPel e depois colaboradora. Participou como mediadora e debatedora do projeto integrado (ensino, pesquisa e extensão) “Patafísica: mediadores do imaginário” e do projeto de extensão “Galeria A SALA: arte contemporânea para o público”. Participou também do projeto de ensino “Zigoto: seminário de experimentações poeticoeducativas”. ID Lattes: 9851620968184780.

Muryatan Santana Barbosa


Muryatan Santana Barbosa

É bacharel em História, mestre em Sociologia, doutor e pós-doutor em História da África, tendo obtido todos esses títulos na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP). Foi pesquisador visitante na Universidade Harvard e consultor da Unesco Brasil para o “Programa Brasil-África: histórias cruzadas”. Trabalha atualmente com temáticas relativas a pan-africanismo, união africana, sul global, relações étnico-raciais e teorias do sul. É professor adjunto dos bacharelados em Ciências e Humanidades e em Relações Internacionais, bem como do Programa de Pós- -Graduação em Economia Política Mundial da Universidade Federal do ABC (UFABC). Membro do Núcleo de Estudos Africanos e Afro-brasileiros da UFABC (Neab-UFABC), é autor dos livros Guerreiro Ramos e o personalismo negro (Paco, 2015) e A razão africana: breve história do pensamento africano contemporâneo (Todavia, 2020), além de artigos especializados. Ganhador do Prêmio Jabuti em Ciências Sociais (2021) por A razão africana (2020). ID Lattes: 6114420838009053.

Patricio Batsîkama


Patricio Batsîkama

É bacharel em História e Ciências Sociais pelo Instituto de Pedagogia Nacional (IPN) — hoje universidade — em Angola, mestre em História pela University of Plymouth, na Inglaterra, e doutor em Antropologia pela Universidade Fernando Pessoa, em Portugal. Atualmente é diretor do Centro de Estudos e Investigação Científica Aplicada do Instituto Superior Politécnico Tocoísta e professor de História de Angola da mesma instituição de ensino superior. Tem experiência na área de história, com ênfase em história da África Central Ocidental. ID Lattes: 8996275534002064.

Renato Noguera


Renato Noguera

É professor do Departamento de Educação e Sociedade (DES), do Programa de Pós-Graduação em Filosofia, do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e pesquisador do Laboratório de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (Leafro). Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), coordena o Grupo de Pesquisa Afroperspectivas, Saberes e Infâncias (Afrosin) e está envolvido com os projetos de pesquisa: “O que as crianças pensam sobre a escola: imagens, palavras e infâncias na Educação Infantil e no Ensino Fundamental” e “Modernidade”, na perspectiva da crítica da razão negra. Coordena o projeto de Extensão Brinquedoteca Pedagoginga. Também é autor, roteirista e dramaturgo infantil. ID Lattes: 7589245190503189.

Tatiane Pereira de Souza


Tatiane Pereira de Souza

Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (bolsa Capes/Unesp), mestra em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (bolsa Capes/Neab/UFSCar), na qual atuou em 2013 como professora orientadora de monografias do curso de Especialização em Educação para as Relações Étnico-Raciais (Neab/SEaD/UFSCar. É graduada em Pedagogia e em Gestão Educacional (2009), ambas pelo Centro Universitário de Rio Preto (Unirp). Atualmente, é pesquisadora do Centro de Estudos das Culturas e Línguas Africanas e da Diáspora Negra (Cladin), do Laboratório de Estudos Africanos, Afrobrasileiros e da Diversidade (Lead) e do Núcleo Negro da Unesp para Pesquisa e Extensão (Nupe), da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp Araraquara, inscritos no CNPq. Fundadora e coordenadora do Akoma — Grupo de Estudos e Pesquisas em Africanidades, Culturas, Diversidades & Memórias associado ao GT: Cladin-Lead-Nupe/CNPq, da Unesp‑FCLAr. É professora substituta da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), no Instituto de Ciências Humanas do Pontal/ICHPO. Tem experiência nas áreas de Educação e Ciências Sociais, com ênfase em ensino-aprendizagem, pesquisa e extensão nos seguintes temas: processos educativos, culturas, culturas populares e tradicionais, culturas negras, diversidade étnica e cultural; Áfricas; congado; pertencimentos, identidades, memórias e culturas; equidade; gênero e sexualidade; educação ambiental e relações étnico-raciais, sobretudo nas áreas da Educação das Relações Étnico-Raciais, Antropologia, Sociologia, História e Filosofia de Áfricas e de suas Diásporas Negras. Vem atuando, principalmente, com docência e formação de professores, profissionais da educação, servidores públicos e privados, capacitando pessoas e instituições para sustentabilidade, valorização das africanidades, inclusão social e respeito às diferenças. ID Lattes: 3454749523832801.

Leia o sumário e as primeiras páginas deste livro abaixo ou, se preferir, faça o download do PDF

Loader Loading...
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Download [875.88 KB]

Você também pode gostar de…

Políticas públicas e ações afirmativas

Consciência em Debate
Dagoberto José Fonseca
R$35,10

As políticas públicas no Brasil sempre foram implementadas em benefício de uns e prejuízo de outros. Resgatando o passado histórico brasileiro da época do “descobrimento” até os dias recentes, o autor mostra que o Estado brasileiro deixou sistematicamente de lado negros e indígenas na constituição da sociedade democrática. Fonseca fundamenta, assim, a necessidade de ações afirmativas que resgatem a dignidade e a autonomia dos excluídos. Num momento em que nosso país depara com temas polêmicos, como o Estatuto da Igualdade Racial e as cotas em universidades, a Coleção Consciência em Debate pretende discutir assuntos prementes que interessam não somente aos movimentos negros como a todos os brasileiros. Fundamental para educadores, pesquisadores, militantes e estudantes de todos os níveis de ensino. Coordenação de Vera Lúcia Benedito.

África na sala de aula, A

Visita à história contemporânea
Leila Leite Hernandez
R$147,70

Uma visão clara e abrangente da África contemporânea, que reúne questões polêmicas sobre o domínio europeu e a diversidade das lutas contestatórias até a formação dos Estados nacionais. Com rica pesquisa cartográfica, a obra interessa aos estudiosos de história, geografia, antropologia, ciência política e sociologia.Edição revista.

Matriz africana no mundo, A

Coleção Sankofa - Volume 1
Anani Dzidzienyo
Carlos Moore
Elisa Larkin Nascimento
e mais 5 autores
R$96,80

Neste volume ilustrado, Elisa Larkin Nascimento faz um resumo da pesquisa pioneira de Cheikh Anta Diop e seus seguidores, que comprovam a influência da matriz negro-africana em todo o mundo, desde a Antigüidade até os tempos modernos. O escritor ganense Michael Hamenoo, bem como os angolanos Francisco Romão de Oliveira e Ismael Diogo da Silva, contribuem com análises do legado colonial e da África contemporânea. Elisa Larkin Nascimento e Carlos Moore Wedderburn apresentam uma visão geral das lutas pan-africanas na África e na diáspora americana. Anani Dzidzienyo aborda a questão das relações internacionais entre África e diáspora, focalizando o Brasil.

Afrocentricidade

Uma abordagem epistemológica inovadora - Coleção Sankofa - Volume 4
Abdias Nascimento
Ama Mazama
Asa G. Hilliard III
e mais 12 autores
R$119,70

Esta antologia reúne textos de estudiosos e ativistas da abordagem afrocentrada. Apresenta a postura básica dessa linha de pensamento e seus fundamentos teóricos, bem como reflexões e levantamentos sobre sua presença no Brasil, acompanhados de trabalhos sobre temas específicos como: psicologia, a mulher afrodescendente, assistência social e educação multicultural.

Guerreiras de natureza

Mulher negra, religiosidade e ambiente - Coleção Sankofa - Volume 3
Aderbal Moreira Ashogun
Carlos Moore
Clarice Novaes da Mota
e mais 13 autores
R$96,80

A mulher negra conquistou seu espaço na sociedade por meio de grandes lutas, testemunhadas neste volume por lideranças e pensadoras como Lélia Gonzalez, Sueli Carneiro, Hédio Silva Jr. e Helena Theodoro. A tradição religiosa afro-brasileira valoriza o papel da mulher e reúne uma sabedoria guardada por ela como protagonista da vida de sua comunidade. A tradição dos orixás cultiva uma rica e dinâmica relação com a natureza, antecedendo por milênios a repentina preocupação do Ocidente atual sobre o meio ambiente. Com apresentação de Mãe Beata de Yemonjá e ensaios de Dandara, Nei Lopes e Aderbal Moreira Axogum, entre outros, este volume explora as diversas implicações dessa tradição para a interação do ser humano com as forças da natureza. No processo, elucida várias dimensões do impacto negativo da intolerância religiosa na sociedade contemporânea.

Cultura em movimento

Matrizes africanas e ativismo negro no Brasil - Coleção Sankofa - Volume 2
Beatriz Nascimento
Carlos Moore
Elisa Larkin Nascimento
e mais 5 autores
R$99,90

Tratando do legado cultural e da tradição de resistência dos descendentes de africanos no Brasil, este volume reúne ensaios e depoimentos sobre várias dimensões e aspectos. Nei Lopes e Beatriz Nascimento trazem uma perspectiva sobre o legado dos ancestrais bantos e malês; Elisa Larkin Nascimento, Joel Rufino e Abdias Nascimento, assinando pelo Conselho Deliberativo do Memorial Zumbi, esboçam uma pequena história das lutas afro-brasileiras do século XX. A questão da educação no Brasil como tema fundamental da vida e da luta dos afro-descendentes é tema de relatórios de fóruns de educadores que a abordam no seu aspecto teórico e prático. Três educadoras – Vera Regina Triumpho, Silvany Euclêncio e Piedade Marques – trazem depoimentos ricos sobre a sua experiência com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, modificada pela Lei nº 10.639 de 2003.