PAPINHA INDUSTRIALIZADA É MAIS DOCE E TEM MENOS NUTRIENTES QUE A FEITA EM CASA

A coluna Equilíbrio do caderno Cotidiano da Folha de S.Paulo publicou nesta terça-feira, dia 17 de setembro, uma reportagem sobre papinhas prontas e deu destaque para o livro Comida de criança (MG Editores). Na reportagem a nutricionista Claudia Lobo, autora da obra, recomenda que as papinhas caseiras tenham pedacinhos e sejam servidas com os alimentos separados. Leia a íntegra: http://bit.ly/1eYWwVV

“Eu não gosto de salada!”; “Não tô com fome, mãe!”; “Detesto esse negócio verde no meu prato!”; “Por que eu tenho que comer isso?”; “Cadê a batata frita?” Que mãe nunca ouviu essas frases? Numa época em que o apelo do fast-food e a correria do dia a dia dificultam o consumo de alimentos saudáveis, muitas são as batalhas perdidas na conquista da saúde. Resultado: crianças obesas, com sérios problemas clínicos, e mães culpadas. Partindo da própria experiência, de quem conseguiu vencer a obesidade e hoje adota uma dieta saudável, Cláudia mostra no livro que é possível fazer seu filho gostar de alimentos naturais e nutritivos. O segredo? Aliar criatividade e conhecimento para mudar os hábitos alimentares da família.

Cláudia começa o livro com uma afirmação incômoda para as mães, mas totalmente verdadeira: “você é responsável pela qualidade e pela quantidade de comida que seu filho come”. Quando criança, a própria autora sempre teve suas vontades atendidas, só comia o que desejava. Bem intencionada e solícita, a mãe nunca imaginou que pudesse estar contribuindo para um quadro grave de obesidade. “Conto a minha história para ilustrar como é comum esse comportamento nas famílias. E, principalmente, para mostrar como isso acontece por falta deconhecimento”, afirma a nutricionista, que é mãe de dois filhos.

Dividida em cinco partes, a obra aborda os principais problemas do consumo de alimentos processados, explica a importância do consumo regular de proteínas, carboidratos, fibras e outros nutrientes, revela os benefícios do consumo de comida saudável e, principalmente, mostra como montar um cardápio equilibrado e tornar as refeições mais atraentes para as crianças.

“Todo o embasamento científico que apresento no livro é para convencer as mães da importância do que será posto em prática. Para entender a maneira como tudo funciona”, diz Cláudia. A alimentação saudável, explica a nutricionista, não é um ideal utópico, da dona de casa que tem todo o tempo do mundo. “O livro mostra que é possível, mesmo tendo de comer fora de casa, seguir as dicas e orientar a alimentação dos filhos, obtendo resultados e mantendo o bom hábito”, diz.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1241/Comida+de+crian%C3%A7a

 

One thought on “PAPINHA INDUSTRIALIZADA É MAIS DOCE E TEM MENOS NUTRIENTES QUE A FEITA EM CASA

  1. A falta de coragem dos profissionais, peneficiam as empresas (ricos) prejudicando a sociedade. Com relatórios e argumentos científicos assim publicados, fazem com que a indústria desenvolvam outros métodos de produção que parelhe com os produtos naturais. Sabemos que consumimos gato por lebre, já que as mulheres estão bem longe do fogão. Que saudades da comida da vovó. Parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*