‘COMO MELHORAR A VIDA SEXUAL APÓS OS 60’

Muitas mulheres acreditam que a menopausa e a terceira idade chegam para decretar o fim da vida sexual e a prática do sexo em busca (apenas) do prazer. E a realidade é completamente outra. Para sexólogos e geriatras ouvidos pelo Delas, o momento pode ser libertador e um dos mais prazerosos para quem ainda busca orgasmos nos 60 e poucos anos.

A reposição hormonal e o Viagra surgiram para quebrar os tabus que envolvem a sexualidade na terceira idade e dar longevidade à vida sexual. Se entre os jovens valoriza-se a quantidade de relações na mesma noite, entre os vovôs e vovós a qualidade do ato vira prioridade. E as preliminares começam com os clássicos programas de namorados.

“É importante tirar um dia da semana, pelo menos, para namorar. Ir ao cinema ou jantar romântico em casa ajuda na excitação e reacende o desejo, já que o corpo da mulher está mais devagar”, diz Débora Pádua, fisioterapeuta sexual e educadora.

Entre os homens, a disfunção erétil pode ser resolvida com medicamentos. Já a diminuição da lubrificação vaginal e a incontinência urinária são vilãs das mulheres, mas também são facilmente controladas com lubrificantes e exercícios de contração vaginal, respectivamente.

Sexo para todos

A unanimidade entre os especialistas é de que a vida sexual deve permanecer ativa em todas as fases da vida da mulher. E elas buscam isso. Pesquisas apontam que mulheres de 50 a 55 anos dominam sites de relacionamentos em busca de um novo parceiro para consolidar a vida sexual.Se a libido acabou, a saída é buscar os médicos da área (geriatras, ginecologistas e urologistas) e investigar se há restrição física. Muitas vezes, idosos são limitados por efeitos colaterais de remédios, pressão alta e até depressão.

Paulo Camiz, geriatra do Hospital das Clínicas (HCSP), cita ainda que o uso de álcool e o hábito de fumar afetam diretamente o sistema circulatório, reagindo diretamente na ereção.

“Ser doente não quer dizer que não tenha saúde. Adotando uma vida saudável, com atividade física regular e sociabilidade, o idoso pode retomar o controle da vida sexual”, diz o médico. Se o bloqueio é psicológico o tema pode ser debatido com sexólogas e educadoras sexuais que ajudam a quebrar os conceitos enraizados pela sociedade.

A descoberta com o toque

Antes de embarcar em novas aventuras sexuais, a mulher precisa conhecer a própria vagina, como gosta de ser tocada e descobrir novas áreas sexuais no corpo. A melhor ferramenta nesse caso é a masturbação, com a mão ou com o chuveirinho.

“Se você não se masturba, não irá aproveitar a sexualidade. Seguindo aquele pensamento de ‘quem não cola, sai da escola’”, brinca a sexóloga Márcia Mathias, que também atura como consultora do Ashley Madison.

Débora ainda defende o uso de brinquedos eróticos, como os vibradores clitorianos, os preferidos das mulheres maduras porque são discretos.

“O pior que pode acontecer é não funcionar e os dois caírem na risada, mas ainda assim é delicioso perceber o esforço para resgatar a vida sexual”.

O sexo oral ainda é citado pelas duas profissionais como uma forma de potencializar o prazer do casal, que deve buscar opções além da clássica penetração.

“Muitas mulheres têm preconceito com o sexo oral ou apenas não sabem fazer. Dou a mesma tarefa para todas as clientes, saiam e comprem um pirulo ou um picolé. O que fazer com eles, repita na cama. Não tem erro”, finaliza Márcia.

Estímulos e posições

O casal ainda pode buscar em filmes e contos eróticos momentos de inspiração. Muitas vezes, os filmes pornôs podem assustar além de causar rejeição e até frustração nos dois. Nesse caso, vale tentar filmes dirigidos por mulheres, que são bem mais recebidos pelo toque de realidade. Livros como a trilogia “Cinquenta Tons de Cinza”, que alcançou recorde de vendas em todo o mundo, servem como pílulas de inspiração.

O sexo na terceira idade já não conta com o malabarismo dos mais jovens ao estilo Kama sutra, mas pode ser igualmente prazeroso com as posições mais confortáveis. A fisioterapeuta sexual explica que o jogo das pernas é determinante: abertas garantem penetração profunda e fechadas, mais rasa.

Texto de Carolina Garcia, publicado originalmente no iG. Para lê-lo na íntegra, acesse: http://delas.ig.com.br/amoresexo/2014-08-29/sexo-depois-dos-60.html

***

10222Saiba mais sobre o tema conhecendo o livro “Sexo e amor na terceira idade”, de Robert N. Butler e Myrna I. Lewis. Nesta obra, Butler e Lewis derrubam tabus e provam que o sexo e a sexualidade são experiências prazerosas, gratificantes e altamente saudáveis, após os 60 anos. É a época em que o ser humano possui maior experiência e disponibilidade de tempo para poder, apesar das dificuldades naturais, usufruir de uma vida sexual positiva.

 

One thought on “‘COMO MELHORAR A VIDA SEXUAL APÓS OS 60’

  1. Eu tenho 62 e meu marido 65 anos e temos nos divertido muito com o sexo oral. Deixamos os tabus e preconceitos para os jovens e nos últimos dois anos redescobrimos o prazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*