MORRE MARSHALL B. ROSENBERG, O CRIADOR DA COMUNICAÇÃO NÃO-VIOLENTA

Lamentamos informar que faleceu, no dia 7 de fevereiro de 2015, aos 80 anos, o psicólogo americano Marshall B. Rosenberg, vítima de câncer. Pacifista, ele criou na década de 1960, com base em sua experiência de vida, uma forma de comunicação para substituir a violência. De acordo com a teoria da comunicação não-violenta, os conflitos entre as pessoas podem ser amenizados e frequentemente evitados apenas com palavras. Para isso, é preciso exercitar o respeito mútuo, a compaixão e a compreensão.

Incansável, Rosenberg dedicou a vida a disseminar suas ideias. Para apoiar esse processo, ele escreveu o livro Comunicação não-violenta, publicado no Brasil pela Editora Ágora em 2006. A obra, que traz um compêndio da sua filosofia, foi traduzida em mais de 30 idiomas e já vendeu mais de 1 milhão de exemplares.

Tendo crescido em um bairro turbulento de Detroit, nos Estados Unidos, Rosenberg se interessou por novas formas de comunicação para criar alternativas pacíficas de diálogo que amenizassem o clima de violência. A comunicação não-violenta foi resultado de sua especialização em psicologia social, de seus estudos de religião comparada e de suas vivências pessoais.

Em 1984, Rosenberg fundou, na Califórnia, o Center for Nonviolent Communication (CNVC), que se transformou em uma organização sem fins lucrativos, com dezenas de pessoas habilitadas a dar treinamentos em todo o mundo. O trabalho tem sido realizado com educadores, profissionais da área de saúde, mediadores, empresários, detentos e guardas, policiais, militares, membros do clero e funcionários públicos.

O autor introduziu programas de paz em regiões assoladas por guerras, como Sérvia e Croácia, Burundi e Sri Lanka, e as técnicas da CNV estão sendo ensinadas em escolas na antiga Iugoslávia e em Israel. Rosenberg fez várias viagens para mediar conflitos.

No Brasil, o responsável por difundir a teoria foi o cientista social inglês Dominic Barter, discípulo de Rosenberg. Atualmente, ele preside a sede da CNVC, nos Estados Unidos. A entidade brasileira, criada em 2003, é sustentada por doações. Os profissionais ajudam a mediar conflitos em presídios, em morros do Rio de Janeiro, em empresas e até em ambientes familiares.

“Não há como descrever o impacto de Marshall na vida de tantas pessoas, por seu trabalho, por sua maneira de ser e pelo extraordinário equilíbrio entre ambos. Professor amado por milhares de pessoas em todos os continentes, ele tocou o coração delas”, afirma Barter.

Rosenberg, que ao longo da vida recebeu diversos prêmios, morreu em paz em sua casa, ao lado da mulher, Valentina, e dos filhos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*