‘MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA EM CASA TEM MAIS RISCO DE DEPRESSÃO, DIZ ESTUDO’

As mulheres vítimas de violência doméstica têm o dobro de chance de sofrer depressão e três vezes mais risco de ter surtos psicóticos. O risco se torna ainda maior -de quatro a sete vezes mais- se a mulher vítima da violência doméstica na fase adulta tiver sofrido o mesmo tipo de abuso na infância.

Estas são conclusões de um estudo do Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociência do King College London, na Inglaterra, feito em conjunto com o Institut Universitaire en Santé Mentale de Montréal (IUSMM – Instituto Universitário de Saúde Mental), da Universidade de Montréal. A pesquisa foi divulgada recentemente no periódico “Depression and Anxiety”, da Associação Americana de Transtornos de Ansiedade (ADAA, na sigla em inglês).

Durante dez anos, os pesquisadores avaliaram 1.052 mulheres, sem histórico de depressão até o início da pesquisa, e detectaram que quatro a cada dez delas sofriam violência doméstica de seus cônjuges, que variava de empurrões até golpes com objetos; e que tais ações influenciaram diretamente na sua saúde mental.

Os pesquisadores detectaram também que, entre as mulheres agredidas, havia mais casos de violência doméstica na infância, uso de drogas, gravidez precoce, personalidade antissocial, além de a maioria ser de classes mais pobres economicamente.

“A violência doméstica é inaceitável por causa das lesões que provoca. Temos demonstrado que essas lesões não são apenas físicas. Elas também podem ser psicológicas, uma vez que aumentam o risco de depressão e sintomas psicóticos”, afirmou Louise Arseneault, pesquisadora do Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociência do King College London.

Para Arseneault, os profissionais de saúde devem ter essa possibilidade em mente quando cuidarem de mulheres com problemas mentais.

“Dada à prevalência de depressão nestas vítimas, precisamos saber prevenir esses danos e agir diante destas situações. Os atos de violência deixam mais do que danos físicos, deixam cicatrizes psicológicas”, afirmou.

Texto publicado originalmente no UOL em 01/04/2015. Para lê-lo na íntegra, acesse: http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2015/04/01/mulher-vitima-de-violencia-em-casa-corre-mais-risco-de-depressao-e-psicose.htm

***

Se você tem interesse pelo tema, conheça os livros:

20807O FIM DO SILÊNCIO NA VIOLÊNCIA FAMILIAR
Teoria e Prática
Organizadoras: Dalka Chaves de Almeida Ferrari e Tereza Cristina Cruz Vecina
EDITORA ÁGORA

Os artigos aqui reunidos foram escritos por profissionais de centro de referência às vítimas de violência – CNRVV. O livro aborda temas como a retrospectiva da questão da violência, o modo de funcionamento de uma sociedade e as intervenções possíveis. É uma obra de grande importância para todos que lidam com esse tema devastador, mostrando que há, sim, saídas possíveis.

 

10719VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA NAS RELAÇÕES CONJUGAIS
Pesquisa e intervenção clínica
Autora: Adelma Pimentel
SUMMUS EDITORIAL

A violência psicológica que permeia a convivência dos casais é o tema deste livro. Essa modalidade de agressão aparece nas relações conjugais com intensa incidência e sem que seja reconhecida pelos cônjuges, sobretudo pela mulher. Visando estudar e combater o fenômeno, Adelma Pimentel caracteriza a violência psicológica e propõe a nutrição psicológica, por meio da Gestalt-terapia, para o enfrentamento da violência que atinge o casal.

 

10661FERIDAS INVISÍVEIS
Abuso não-físico contra mulheres
Autora: Mary Susan Miller
SUMMUS EDITORIAL

Milhões de mulheres em todo o mundo sofrem uma violência não-física por parte de maridos e companheiros, nem sempre fácil de identificar e neutralizar: intimidações, manipulação emocional e sexual, humilhações, chantagens financeiras, etc.

Este livro expõe a existência do problema, oferece meios de identificá-lo e sugere alternativas para que a mulher possa fugir do pesadelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*