Texto parcial de matéria de Heloísa Noronha, publicada originalmente no VivaBem UOL, em 26/02/2021.

A maioria das pessoas tem um repertório de músicas marcantes em sua vida: a que lembra a infância, a que embalou a adolescência, uma canção que evoca a memória de alguém que já partiu, aquela que provoca um desejo imediato de dançar. A música sempre fez parte da história da humanidade, desde os ritos primitivos e religiosos até as lives durante a pandemia. Além de divertir e conectar pessoas, uma de suas principais funções —e que começou a ser estudada com mais afinco a partir dos anos 1990 — é nos ajudar a lidar melhor com as emoções a partir da conexão que ela promove entre os neurônios.

Quando ouvimos música, o som é processado pelo sistema auditivo, composto pelas orelhas e vias auditivas do cérebro, que permite traduzir ondas de pressão do ar e localizar as fontes sonoras. Os padrões de harmonia, melodia e ritmicidade são armazenados pelo córtex temporal com a memorização de notas e sua sequência temporal, enquanto o córtex auditivo processa o volume e o tom.

A partir daí são criados padrões de informações que são repassados a outras áreas do cérebro através das fibras de associação. Assim, diversas regiões são ativadas, como os lobos temporais e parietais, que evocam memórias relacionadas àqueles sons. O sistema límbico é a principal delas, pois é inteiramente ativado, produzindo ou fortalecendo emoções, levando o hipotálamo a controlar as reações automáticas do corpo frente às emoções, como frequência cardíaca, pressão, pupilas, excitação sexual etc.

A música também ativa a memória motora, que fica em circuitos do cerebelo, tronco e medula. As emoções e lembranças podem ativar o córtex visual, para evocar imagens relacionadas a alguma música específica.

Na prática, todo esse processo pode resultar em alguns benefícios à saúde mental. A seguir, veja alguns:

Sensação de prazer

Ao ouvir uma canção da qual você gosta, seu cérebro ativa a liberação de dopamina —um dos hormônios relacionados à sensação de bem-estar — no organismo. Para algumas pessoas, essa impressão é intensa a ponto de mimetizar a euforia que ocorre com comportamentos viciantes, como a dependência química. Além disso, músicas com viradas repentinas e mudanças bruscas e surpreendentes no ritmo provocam o mesmo efeito e são associadas a emoções positivas. A quebra das expectativas “assustam” o sistema nervoso autônomo em sua região mais primitiva (o tronco cerebral), produzindo a aceleração cardíaca e uma espécie de “frisson”.

Ativação da memória e da empatia

Certas músicas despertam lembranças, mas ouvir uma nova canção também atua como um reforço para a memória pelo nível de atenção que exige. Certas letras e melodias também estimulam o nosso senso de empatia ao tentar compreender o que o compositor ou o cantor sentia ao criar tudo aquilo.

Regulação emocional

O córtex cerebral é o local onde ocorrem as funções cognitivas e o processamento de informação de nível mais elevado. Entre suas funções estão o pensamento, o raciocínio, a memória, a consciência, a atenção, a consciência perceptiva e a linguagem. Estimulado pela música, ele leva a perceber as emoções de um modo mais consistente, atenuar o seu peso e a dar significado para elas. Isso vale tanto para a tristeza quanto para a alegria. Em outras palavras, a pessoa reage de uma forma mais saudável e menos impulsiva ao sentimento que está vivenciando. Sob certas circunstâncias, a música ajuda a refletir e a compreender melhor o que se passa internamente.

Poder desestressante

Realizar atividades tidas como chatas ou extenuantes ao som da batida favorita pode ser algo menos enfadonho. No caso de um faxina pesada em casa, por exemplo, vira até uma ação divertida. A música ainda alivia o tédio e o cansaço de viagens longas.

Antecipação de alegria

Esperar pelo refrão ou pelo trecho mais intenso de música ativa um circuito de antecipação, quebra e resolução de expectativas que dispara a liberação de dopamina em todo o nosso corpo. Com a companhia de outras pessoas, então, o sentimento de deleite é ainda mais forte.

Para ler a matéria na íntegra, acesse (assinantes UOL ou do jornal Folha de S.Paulo): https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2021/02/26/o-que-voce-sente-ao-ouvir-musica-som-tem-poder-sobre-regulacao-emocional.htm

***

.

Se você quer saber mais sobre o assunto, conheça os livros sobre musicoterapia publicados pela Summus:

.

O DESPERTAR PARA O OUTRO
Musicoterapia
Autora: Clarice Moura Costa

A partir de um embasamento teórico e de casos clínicos, a autora traça os objetivos e os limites da proposta psicoterápica apoiada na música. São mostradas as possibilidades de restauração dos processos de sociabilização e as reações dos pacientes.

.

CAMINHOS DA MUSICOTERAPIA
Autora: Even Ruud

Este livro pretende esclarecer as relações entre a musicoterapia e os diferentes caminhos existentes na área da saúde mental e observar como estes diversos procedimentos estão vinculados a tendências filosóficas distintas.

.

MÚSICA E SAÚDE
Autora: Even Ruud

Compilação de textos das conferências do Congresso de Musicoterapia (Oslo, 1985). Especialistas internacionais mostram as ligações entre a musicoterapia e outros campos do conhecimento, como a neurologia, a percepção corporal e a semiótica. O leitor encontra aqui reflexões e métodos sobre as diferentes formas de trabalhar com música em terapia.

.

TEORIA DA MUSICOTERAPIA
Contribuição ao conhecimento do contexto não-verbal
Autor: Rolando Benenzon

A musicoterapia é uma técnica que explora a relação entre emoções e música dentro de um processo terapêutico. Neste livro, o Dr. Benenzon esclarece os fundamentos teóricos da musicoterapia, contribuindo para a orientação na formação de musicoterapeutas em nível universitário.

Entre com seu e-mail para receber ofertas exclusivas do Grupo Summus!

    shares
    X