‘COMO MELHORAR A RELAÇÃO ENTRE MÃE E BABÁ’

Respeito e cumprimento das regras são essenciais para que o dia a dia não seja conflituoso.

Ter uma babá para ajudar a cuidar dos filhos é uma necessidade para muitas mães, mas a relação com a profissional pode ser complicada. O contato intenso com os filhos dos chefes e a proximidade da rotina da família podem trazer à tona sentimentos e rancores mútuos.

Para evitar transtornos na relação mãe-babá, os esforços devem começar já na contratação da profissional. Fernando Souza, diretor administrativo da agência Prendas Domésticas, afirma: “É necessário se certificar que a babá tenha as qualificações e competências necessárias para exercer a função que a contratante deseja”.

Ainda na contratação está uma das etapas mais importantes, segundo Renata Simonetti, consultora da agencia de babás Alô Babá. “As pessoas têm que ser bem claras ao estabelecer as regras da casa”. Ela reforça ainda que é fundamental que os pais criem uma rotina de atividades com horários de alimentação, banho entre outras tarefas para as babás seguirem.

Mas apenas instituir as regras não é o suficiente, é preciso respeitá-las. “O principal para a relação de trabalho ter sucesso é o que foi combinado na contratação ser mantido” defende Fernando. De ambos os lados, reforça.

Ele também diz que qualquer contratempo, como um dos pais precisar sair mais tarde do trabalho, ou outra mudança nas regras pré-estabelecidas devem ser avisados e explicados à babá. Ter consideração pela profissional e sua vida fora do trabalho também são pontos importantes para o bom relacionamento.

Pode ou não pode

Muitas vezes, os conflitos aparecem diante da determinação das tarefas que as babás devem ou podem exercer. Fernando esclarece: “A babá deve fazer todas as tarefas relacionadas à criança”. Ou seja, lavar as roupas da criança que cuida e fazer a comida dela, mas o cuidado com o resto da família não é uma obrigação dessa profissional.

Outra função que não pode se exigir da babá é a de educar a criança. “Quem dita as regras são o pai e a mãe. A baba faz só a manutenção do que foi determinado”.

Mas os problemas na relação entre mãe e babá não existem apenas com relação às tarefas. Uma questão importante é o relacionamento entre as partes. Por estar dentro de casa e muito próxima ao filho, acaba existindo a dúvida se o tratamento deve ser estritamente profissional ou se pode haver intimidade.

“Os pais têm que construir uma relação íntima com a babá, para criar confiança”, sugere Renata. Mas ela lembra que não se pode confundir intimidade com total liberdade: “Deve-se sempre manter o respeito”.

Os conflitos podem ser mais frequentes no período de adaptação. Por mais que a profissional seja experiente, cada família tem um ritmo diferente com o qual a babá precisa se acostumar. A criança também precisa se adaptar com uma nova pessoa cuidando dela, e esta pode ser uma etapa complicada.

Fernando recomenda para as mães que têm mais de duas crianças, com idades muito distantes, que tenham duas babás. Além da quantidade de trabalho e atenção que se deve ter com tantas crianças, quando as idades não são próximas, as necessidades são diferentes. No caso de ter apenas uma babá, Renata recomenda que se deixe claro em quais atividades as crianças podem estar juntas e quais devem ser feitas separadamente.

Matéria publicada originalmente no iG, em 12/06/2015. Para lê-la na íntegra, acesse: http://delas.ig.com.br/filhos/2015-06-12/como-melhorar-a-relacao-entre-mae-e-baba.html

***

Quer saber mais sobre o assunto? Conheça o livro:

70009aBABÁ/MÃE
Manual de instruções
Autora: Roberta Palermo
MESCLA EDITORIAL

Escrito para mães e babás, este livro visa melhorar o relacionamento entre ambas. De um lado estão dicas para que a mãe encontre uma boa babá, ajude-a a se adaptar à rotina familiar e conheça a legislação trabalhista. Do outro, a babá encontrará dicas para trabalhar bem, lidar com conflitos e transmitir segurança aos pais.

 

O PAPEL DA BABÁ

O site UOL Mulher deu destaque para o livro Babá/Mãe – Manual de instruções (Mescla Editorial) em reportagem publicada no dia 12 de outubro. A jornalista Heloisa Noronha entrevistou a terapeuta familiar Roberta Palermo, autora do livro. Segundo Roberta, as babás são importante aliadas, mas elas nunca devem substituir os pais. Leia a reportagem: http://goo.gl/iqIbA

A babá é hoje uma das profissionais mais importantes na vida da família. Está presente em grande parte dos lares brasileiros de classe média e alta. A relação entre mãe e babá, no entanto, nem sempre é equilibrada e harmoniosa. Muitas dúvidas permeiam esse relacionamento, da falta de informações básicas sobre os direitos da babá até o que realmente deve ser delegado a ela. Para esclarecer o papel de cada uma, Roberta idealizou o livro Babá/Mãe – Manual de instruções. Inédita no mercado editorial, a obra traz orientações tanto para a mãe quanto para a babá. Entrelaçados, os dois guias orientam e oferecem dicas essenciais que visam ao que realmente importa: a educação e o bem-estar da criança.

“As famílias contam com a participação de uma babá para cuidar da criança. E as mães estão desesperadas por soluções práticas para o dia a dia familiar com a babá”, afirma a autora. “Por isso, é tão importante esclarecer esses papéis.” Na obra, a terapeuta mostra o que a mãe espera da babá e o que a babá espera da família onde vai trabalhar. O objetivo, segundo Roberta, é mostrar à mãe que a babá é uma importante aliada na educação das crianças, mas a responsabilidade por elas continua sendo da família.

“É ótimo ter alguém para ajudar a cuidar da criança, mas o papel da mãe – e do pai – é fundamental em seu desenvolvimento social, psicológico e biológico”, diz Roberta.

Resultado de um trabalho de dois anos, incluindo uma longa pesquisa para a monografia da terapeuta e a experiência adquirida no curso de formação para babás que ela coordena há cinco anos, o livro esclarece dúvidas e aborda questões para aproximar mãe e babá.

A obra é dividida em duas partes, contemplando os dois lados. O “Guia para a babá” traz dicas eficazes para que as babás exerçam o seu trabalho de maneira produtiva e alegre. Entre os temas abordados estão os benefícios e as dificuldades da profissão; a melhor maneira de se adaptar à rotina da nova família; o que fazer quando não se concorda com as regras estabelecidas pela mãe da criança; e como transmitir aos pais segurança e responsabilidade.

Já no “Guia para a mãe”, a autora mostra o papel da babá na educação da criança, destacando o que as mães podem – e o que não podem – esperar e cobrar dela. O guia reúne dicas práticas para encontrar uma boa babá, ajudá-la a se adaptar ao trabalho, à rotina da casa e à família e mostra que a babá deve ser uma parceira da família nos cuidados com a criança. A autora aborda também aspectos importantes da legislação trabalhista.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1185/Bab%C3%A1_M%C3%A3e