DAGOBERTO JOSÉ FONSECA FALA SOBRE O LIVRO “VOCÊ CONHECE AQUELA?” EM ENTREVISTA À UNIVESP TV

O programa Livros 57 da UNIVESP TV, canal digital da TV Cultura, entrevistou o antropólogo Dagoberto José Fonseca. Na entrevista, que foi ao ar no dia 4 de julho, ele falou sobre o livro Você conhece aquela? (Selo Negro), lançado no final de 2012. Acompanhe a entrevista na íntegra: http://goo.gl/Qc0Ub.

Vivemos a era do politicamente correto, mas as piadas ainda servem de instrumento de preconceito, discriminação e marginalização. Se hoje os chistes procuram se enquadrar em uma falsa democracia racial, as chamadas “piadas de preto” continuam sendo disseminadas na surdina.

No livro, Fonseca cataloga diversas anedotas contadas no território brasileiro, interpretando-as à luz das relações raciais entre negros e brancos. Nesse percurso, ele descobre nas piadas novas e antigas manifestações sociais que ganham vida num universo engendrado pela produção cultural e pela história local, fazendo parte de um intercâmbio entre a língua, o poder, a força da palavra e de suas representações.

Trata-se de um estudo inédito nas ciências sociais visando analisar as mensagens transmitidas pelas piadas que difundem, consolidam e denunciam a existência do preconceito, da discriminação, da marginalização e dos estereótipos contra os afro-brasileiros na sociedade. Ao abordar o “racismo à brasileira” de modo amplo, o autor problematiza suas diferentes facetas partindo de piadas cujos protagonistas são os negros brasileiros.

Segundo Fonseca, as piadas racistas aparentemente diminuíram de intensidade, mas agora estão em ambientes mais reservados. “Além disso, muitos negros perceberam o ridículo a que eram submetidos e não deixam mais que zombem de si, de seus costumes e práticas culturais”, complementa o antropólogo.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1320/Voc%C3%AA+conhece+aquela%C2%A7

 

“VOCÊ CONHECE AQUELA?”, POR DAGOBERTO JOSÉ FONSECA

Dagoberto José Fonseca, autor de “Você conhece aquela? – A piada, o riso e o racismo à brasileira”, analisa como as piadas sobre negros contribuem para propagar o racismo e abre caminho para discutirmos mais profundamente as relações étnico-raciais em nosso país. Assista no vídeo abaixo sua apresentação sobre a obra, lançada pela Selo Negro Edições.

Clique e saiba mais sobre o livro: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1320/Voc%C3%AA+conhece+aquela%C2%A7

EM ENTREVISTA À RÁDIO UNESP, DAGOBERTO JOSÉ FONSECA FALA SOBRE O RACISMO À BRASILEIRA

O antropólogo Dagoberto José Fonseca falou recentemente com os ouvintes da Rádio UNESP sobre o livro Você conhece aquela? A piada, o riso e o racismo à brasileira (Selo Negro Edições). Nesta quarta-feira, 5 de dezembro, das 18h30 às 22h, acontece o lançamento da obra na Livraria Martins Fontes – Paulista. Às 19h, os professores doutores Josildeth Gomes Consorte (PUC/SP), Bader Burihan Sawaia (PUC/SP) e Kabengele Munanga (USP) fazem uma apresentação crítica do estudo que resultou na obra (piso superior). Em seguida, acontece a sessão de autógrafos no piso térreo da livraria, que fica na Av. Paulista, 509 (próxima à estação Brigadeiro do metrô). Clique no link para ouvir a entrevista: http://bit.ly/VjmsOM

Vivemos a era do politicamente correto, mas as piadas ainda servem de instrumento de preconceito, discriminação e marginalização. Se hoje os chistes procuram se enquadrar em uma falsa democracia racial, as chamadas “piadas de preto” continuam sendo disseminadas na surdina. No livro, Fonseca cataloga diversas anedotas contadas no território brasileiro, interpretando-as à luz das relações raciais entre negros e brancos. Nesse percurso, ele descobre nas piadas novas e antigas manifestações sociais que ganham vida num universo engendrado pela produção cultural e pela história local, fazendo parte de um intercâmbio entre a língua, o poder, a força da palavra e de suas representações.

Trata-se de um estudo inédito nas ciências sociais visando analisar as mensagens transmitidas pelas piadas que difundem, consolidam e denunciam a existência do preconceito, da discriminação, da marginalização e dos estereótipos contra os afro-brasileiros na sociedade. Ao abordar o “racismo à brasileira” de modo amplo, o autor problematiza suas diferentes facetas partindo de piadas cujos protagonistas são os negros brasileiros.

Segundo Fonseca, as piadas racistas aparentemente diminuíram de intensidade, mas agora estão em ambientes mais reservados. “Além disso, muitos negros perceberam o ridículo a que eram submetidos e não deixam mais que zombem de si, de seus costumes e práticas culturais”, complementa o antropólogo.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1320/Voc%C3%AA+conhece+aquela%C2%A7
 

DAGOBERTO JOSÉ FONSECA AUTOGRAFA O LIVRO “VOCÊ CONHECE AQUELA?”, NA LIVRARIA MARTINS FONTES – SP

A Selo Negro Edições e a Livraria Martins Fontes – Paulista (São Paulo) promovem no dia 5 de dezembro, quarta-feira, das 18h30 às 22h, o lançamento do livro Você conhece aquela? – A piada, o riso e o racismo à brasileira, do antropólogo Dagoberto José Fonseca. Às 19h, os professores doutores Josildeth Gomes Consorte (PUC/SP), Bader Burihan Sawaia (PUC/SP) e Kabengele Munanga (USP) fazem uma apresentação crítica do estudo que resultou na obra (piso superior). Em seguida, acontece a sessão de autógrafos no piso térreo da livraria, que fica na Av. Paulista, 509 (próxima à estação Brigadeiro do metrô).

Vivemos a era do politicamente correto, mas as piadas ainda servem de instrumento de preconceito, discriminação e marginalização. Se hoje os chistes procuram se enquadrar em uma falsa democracia racial, as chamadas “piadas de preto” continuam sendo disseminadas na surdina. No livro, Fonseca cataloga diversas anedotas contadas no território brasileiro, interpretando-as à luz das relações raciais entre negros e brancos. Nesse percurso, ele descobre nas piadas novas e antigas manifestações sociais que ganham vida num universo engendrado pela produção cultural e pela história local, fazendo parte de um intercâmbio entre a língua, o poder, a força da palavra e de suas representações.

Trata-se de um estudo inédito nas ciências sociais visando analisar as mensagens transmitidas pelas piadas que difundem, consolidam e denunciam a existência do preconceito, da discriminação, da marginalização e dos estereótipos contra os afro-brasileiros na sociedade. Ao abordar o “racismo à brasileira” de modo amplo, o autor problematiza suas diferentes facetas partindo de piadas cujos protagonistas são os negros brasileiros.

Segundo Fonseca, as piadas racistas aparentemente diminuíram de intensidade, mas agora estão em ambientes mais reservados. “Além disso, muitos negros perceberam o ridículo a que eram submetidos e não deixam mais que zombem de si, de seus costumes e práticas culturais”, complementa o antropólogo.

Dividida em quatro capítulos, a obra traz um diálogo entre antropologia e história. No primeiro capítulo, o autor demonstra que o ato de rir é uma expressão universal situada no tempo e no espaço dos diversos grupos humanos. Retorna aos períodos medieval, renascentista e iluminista vividos pela sociedade ocidental europeia com o intuito de compreender a forma e a disposição que esse ato adquiriu na Europa. Além disso, ele busca na cultura e na cosmovisão nagô entender o riso entre os africanos e os afro-brasileiros. “Mesmo estando ciente de que a cultura nagô não abrange toda a África, considero valiosíssima sua contribuição cultural, política e psíquica para nossa sociedade”, complementa o autor.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1320/Voc%C3%AA+conhece+aquela%C2%A7


 

 

LANÇAMENTOS DA SELO NEGRO TÊM DESTAQUE NO ESTADÃO

A coluna Babel, publicada no caderno Sabático do jornal O Estado de S.Paulo, no sábado, dia 27 de outubro, deu destaque para os livros Você conhece aquela? e Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação, ambos lançamentos da Selo Negro Edições. Para ler a nota, acesse: http://goo.gl/3cHD8

No livro Você conhece aquela?, o antropólogo Dagoberto José Fonseca analisa como as piadas sobre negros contribuem para propagar o racismo e abre caminho para que se discuta mais profundamente as relações etnorraciais em nosso país. Ele catalogou diversas anedotas contadas no território brasileiro, interpretando-as à luz das relações raciais entre negros e brancos. Nesse percurso, descobriu nas piadas novas e antigas manifestações sociais que ganham vida num universo engendrado pela produção cultural e pela história local, fazendo parte de um intercâmbio entre a língua, o poder, a força da palavra e de suas representações.
Já o livro Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação, organizada por Giovana Xavier, Juliana Barreto Farias e Flavio Gomes, traz vários ensaios de importantes especialistas na temática. Os temas da escravidão e da presença africana tiveram destaque no chamado pensamento social brasileiro desde o alvorecer do século XX. Por meio de inúmeras publicações, sabemos cada vez mais sobre as estruturas sociais, demográficas, econômicas e culturais de várias regiões, assim como de sua população de africanos e descendentes. Entretanto, para algumas temáticas ainda há muitas indagações. Como foi a participação das mulheres cativas na organização da sociedade escravista e nas primeiras décadas do pós-emancipação? Como elaboraram sociabilidades, modificando a própria vida e a de seus familiares? Como protestaram com obstinação, minando a escravidão e contrariando a ideia de que aceitaram com passividade a opressão imposta? A coletânea avança nessa direção. Os vários ensaios passeiam por cidades, plantations e áreas de mineração de norte a sul do Brasil, nos séculos XVIII, XIX e primeiras décadas do XX. Com pesquisas originais, que esmiúçam fontes diversas e privilegiam as biografias, temos um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres africanas, crioulas, cativas e forras – primeiras agentes da emancipação da comunidade de africanos e de seus descendentes na diáspora.

Para saber mais sobre os livros, clique nas capas acima.