JOVEM PAN ENTREVISTA RENATO MODERNELL NESTA SEXTA

O jornalista e escritor Renato Modernell participa do programa Rádio ao Vivo, da Jovem Pan, nesta sexta-feira, dia 9 de novembro, às 22h. Ele conversa com o apresentador José Luiz Menegatti sobre o livro A notícia como fábula, que acaba de ser lançado pela Summus Editorial. Acompanhe a entrevista na frequência AM 620 em São Paulo, na rede afiliada espalhada pelo Brasil ou ainda pelo site http://www.jovempan.com.br

No livro, Modernell examina a forma pela qual a realidade e a ficção se entrelaçam nos textos jornalísticos, analisando textos publicados em diferentes veículos e em épocas diversas. Ele parte do pressuposto de que aquilo que consideramos “fato” e “imaginação” tem limites mais tênues e permeáveis do que comumente se supõe. “Sabemos que, em princípio, a missão do jornalista é narrar o que aconteceu, enquanto a do ficcionista é flanar no que poderia ter acontecido. Porém, desde quando essas categorias se separam como a água e o óleo? Não podemos negar que a arte da escrita (e isso vale para ambos os casos) tem poderes de envolvimento muito eficazes”, afirma o jornalista. 

A obra é resultado de um estudo de mestrado concluído em 2004, na USP, e aprofundado posteriormente pelo autor. Um trabalho que dialoga com a fantasia e não se limita ao repertório conceitual das áreas mais familiares de Modernell, como o jornalismo e a literatura. Suas reflexões passeiam, sem muita cerimônia, pelos domínios da filosofia, da mitologia e da arte. O texto por vezes assume a leveza da crônica, sem que isso prejudique seu rigor acadêmico.

Com base em uma larga experiência simultânea com o jornalismo e a narrativa ficcional, Modernell acredita que um texto de qualidade, assim como o voo de um pássaro, desafia os limites territoriais entre a realidade e a imaginação. Ao criar o conceito dos fatores de fabulação, ele aponta uma série de recursos de escrita capazes de “ficcionalizar” o texto jornalístico. Esses artifícios sutis escapam à percepção não só de quem lê, mas até de quem escreve. 

Para saber mais sobre o livro, acesse: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//NOTÍCIA+COMO+FÁBULA,+A

LIVRO “A NOTÍCIA COMO FÁBULA”, PELO PRÓPRIO AUTOR

Veja no vídeo abaixo a apresentação de Renato Modernell sobre sua obra, uma coedição Editora Mackenzie e Summus Editorial:

“Às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data”, disse Luis Fernando Verissimo. Tomar ao pé da letra essa frase bem-humorada do cronista pode não ser um bom negócio. Porém, ainda mais temerário seria aceitar a hipótese oposta, ou seja, de que tudo acontece do jeito que o jornalista nos conta. Certos recursos de escrita e de edição aumentam tanto a temperatura do texto que provocam a fusão entre a fantasia e a realidade. Esse fenômeno misterioso, com seu toque de alquimia, é o que Renato Modernell investiga em A notícia como fábula.

Saiba mais sobre o livro, clicando aqui: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1317/NOT%C3%8DCIA+COMO+F%C3%81BULA,+A

 

RENATO MODERNELL LANÇA “A NOTÍCIA COMO FÁBULA” NO ESPAÇO CULTURAL JOÃO CALVINO, EM SÃO PAULO

A Editora Mackenzie e a Summus Editorial convidam para o lançamento do livro A notícia como fábula, do escritor, jornalista e professor Renato Modernell. A noite de autógrafos será no dia 7 de novembro, quarta-feira, às 17h30, no Espaço Cultural João Calvino, que fica na Rua da Consolação, 930 – São Paulo.

O livro, pelo próprio autor: http://www.gruposummus.com.br/blog/?p=883

Na obra, Modernell examina a forma pela qual a realidade e a ficção se entrelaçam nos textos jornalísticos, analisando textos publicados em diferentes veículos e em épocas diversas.

O autor parte do pressuposto de que aquilo que consideramos “fato” e “imaginação” tem limites mais tênues e permeáveis do que comumente se supõe. “Sabemos que, em princípio, a missão do jornalista é narrar o que aconteceu, enquanto a do ficcionista é flanar no que poderia ter acontecido. Porém, desde quando essas categorias se separam como a água e o óleo? Não podemos negar que a arte da escrita (e isso vale para ambos os casos) tem poderes de envolvimento muito eficazes”, afirma o jornalista.

O livro é resultado de um estudo de mestrado concluído em 2004, na USP, e aprofundado posteriormente pelo autor. Um trabalho que dialoga com a fantasia e não se limita ao repertório conceitual das áreas mais familiares de Modernell, como o jornalismo e a literatura. Suas reflexões passeiam, sem muita cerimônia, pelos domínios da filosofia, da mitologia e da arte. O texto por vezes assume a leveza da crônica, sem que isso prejudique seu rigor acadêmico.

Com base em uma larga experiência simultânea com o jornalismo e a narrativa ficcional, Modernell acredita que um texto de qualidade, assim como o voo de um pássaro, desafia os limites territoriais entre a realidade e a imaginação. Ao criar o conceito dos fatores de fabulação, ele aponta uma série de recursos de escrita capazes de “ficcionalizar” o texto jornalístico. Esses artifícios sutis escapam à percepção não só de quem lê, mas até de quem escreve.

Destinado a estudantes de jornalismo e a todos os que se interessam pela arte da escrita, seja ela baseada na realidade ou na imaginação, a obra tem como principal objetivo estimular a consciência crítica das novas gerações de jornalistas, contribuindo para uma postura diferente no trato da informação e no ofício da escrita.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1317/NOT%C3%8DCIA+COMO+F%C3%81BULA,+A

CBN ENTREVISTA RENATO MODERNELL, AUTOR DO LIVRO “A NOTÍCIA COMO FÁBULA”, NESTE SÁBADO

O Show da Notícia, da rádio CBN, entrevista neste sábado, dia 13 de outubro, às 17h30, o escritor, jornalista e professor Renato Modernell, que acaba de lançar A notícia como fábula (Summus Editorial). No livro, o autor nos lembra de algo que às vezes esquecemos: a notícia que consumimos no dia a dia não passa de uma das possíveis versões de um acontecimento. Segundo Modernell, a fronteira entre o real e o imaginário tem limites mais tênues e permeáveis do que comumente se supõe. Você pode ouvir a entrevista na freqüência AM 780 e FM 90,5 em São Paulo, na rede afiliada espalhada pelo Brasil ou ainda pelo site www.cbn.com.br.

“Sabemos que, em princípio, a missão do jornalista é narrar o que aconteceu, enquanto a do ficcionista é flanar no que poderia ter acontecido. Porém, desde quando essas categorias se separam como a água e o óleo? Não podemos negar que a arte da escrita (e isso vale para ambos os casos) tem poderes de envolvimento muito eficazes”, afirma.

O livro é resultado de um estudo de mestrado concluído em 2004, na USP, e aprofundado posteriormente pelo autor. Um trabalho que dialoga com a fantasia e não se limita ao repertório conceitual das áreas mais familiares do autor, como o jornalismo e a literatura. Suas reflexões passeiam, sem muita cerimônia, pelos domínios da filosofia, da mitologia e da arte. O texto por vezes assume a leveza da crônica, sem que isso prejudique seu rigor acadêmico.

Com base em uma larga experiência simultânea com o jornalismo e a narrativa ficcional, Modernell acredita que um texto de qualidade, assim como o voo de um pássaro, desafia os limites territoriais entre a realidade e a imaginação. Ao criar o conceito dos fatores de fabulação, ele aponta uma série de recursos de escrita capazes de “ficcionalizar” o texto jornalístico. Esses artifícios sutis escapam à percepção não só de quem lê, mas até de quem escreve.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1317/NOT%C3%8DCIA+COMO+F%C3%81BULA,+A

 

SUMMUS LANÇA “A NOTÍCIA COMO FÁBULA – REALIDADE E FICÇÃO SE CONFUNDEM NA MÍDIA”

A obra A notícia como fábula (Summus Editorial) examina a forma pela qual a realidade e a ficção se entrelaçam nos textos jornalísticos. O foco dirige-se ao âmbito jornalístico, com base na análise de textos publicados em diferentes veículos e em épocas diversas. Partindo da hipótese de que aquilo que consideramos “fato” e “imaginação” tem limites mais tênues e permeáveis do que comumente se supõe, o autor desvenda mecanismos presentes no processo de ficcionalização do texto, conforme atuem de modo direto ou indireto. Seu objetivo é estimular a consciência crítica das novas gerações de jornalistas, contribuindo para uma nova postura no trato da informação e no ofício da escrita.

O autor, Renato Modernell, é jornalista e doutor em Letras. Foi colaborador da Folha de S.Paulo na Itália, trabalhou em revistas como Quatro Rodas e Globo Ciência, entre outras. Atualmente, dá aulas na Universidade Presbiteriana Mackenzie e na Academia Brasileira de Jornalismo Literário (ABJL) e dirige oficinas de escrita criativa. Ganhou o Jabuti e outros prêmios literários dentro e fora do país. Publicou, entre outros, livros como Gird (2012), Em trânsito (2011), Os jornalistas (1995).

Este livro é uma coedição da Summus com a Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1317/NOT%C3%8DCIA+COMO+F%C3%81BULA,+A