CÂNCER DE MAMA: MAMOGRAFIA E EXAME CLÍNICO REDUZEM TAXA DE MORTALIDADE

O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres. Em 2012, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), foram estimados 52.680 novos casos no Brasil. Em 2013, esse número deve chegar a 60 mil. A expectativa é de que uma em cada 7 mulheres tenha câncer de mama ao longo da vida. A prevenção continua sendo a principal aliada das mulheres na luta contra a doença.

Embora seja uma prática bastante indicada para detectar grandes nódulos, o autoexame não é mais recomendado como método preventivo. Isso porque ele implica um diagnóstico mais tardio do que os obtidos com exames de imagem. A sensibilidade de equipamentos como a mamografia e o ultrassom das mamas, por exemplo, permite detectar nódulos de dimensões tão pequenas quanto 0,2 ou 0,3 cm, que seriam imperceptíveis ao toque. Um estudo do Plano de Seguro-Saúde da Grande Nova York (HIP, em inglês) mostrou uma diminuição de 30% nos casos de morte nas mulheres submetidas ao rastreamento.

“Nessa área da medicina, o diagnóstico precoce é diretamente relacionado com o sucesso do tratamento. Com métodos mais sensíveis conseguimos diagnosticar com muita frequência casos que iriam ameaçar a saúde da mulher apenas muito mais tarde”, afirma o oncologista Artur Malzyner, organizador do livro Câncer e prevenção, lançado recentemente pela MG Editores. Na obra, Malzyner explica que o diagnóstico precoce em oncologia visa reduzir o risco de morte e possibilitar tratamentos com menor probabilidade de sequelas e outras complicações.

A partir dos 40 anos as mulheres devem ser submetidas a exames clínicos (palpação) feitos por médico ou enfermeiros treinados para detectar tumores superficiais de até 1 cm. O exame mamográfico (radiografia capaz de detectar nódulos pequenos de poucos milímetros) é indicado a cada dois anos a mulheres de 50 a 69 anos. Para mulheres consideradas de alto risco recomendam-se os exames anuais a partir dos 35 anos. 

Câncer e prevenção

Voltado para leigos, o livro Câncer e prevenção foi escrito por uma equipe multidisciplinar. A obra explica o que é câncer e como preveni-lo; aborda a prevenção primária por meio de cirurgias, medicamentos, alimentação adequada e hábitos saudáveis; esclarece sobre a importância do diagnóstico precoce; e fala sobre os principais tipos de tratamento existentes. Conteúdo fundamental para pacientes, familiares, psicólogos e enfermeiros.

 

 

AUTORES DO LIVRO “CÂNCER E PREVENÇÃO” AUTOGRAFAM NA LIVRARIA CULTURA, EM SÃO PAULO

A MG Editores, a Clinonco e a Livraria Cultura do Conjunto Nacional promovem no dia 11 de setembro, quarta-feira, das 18h30 às 21h30, o lançamento do livro Câncer e prevenção. Os organizadores da obra, os oncologistas Artur Malzyner e Ricardo Caponero, e os autores recebem os convidados no piso térreo da livraria, que fica na Avenida Paulista, 2073, São Paulo.

Estima-se que surgiram mais de 500 mil novos casos de câncer no Brasil em 2012. Considerada a segunda causa de morte no mundo, ficando atrás apenas dos problemas cardiovasculares, a doença ainda é um enigma para a maioria das pessoas. Apesar do maior acesso à informação, inúmeras dúvidas continuam cercando o assunto. Para ajudar pacientes com câncer e familiares a prevenir e enfrentar a doença, uma equipe multidisciplinar composta por especialistas da Clinonco – Clínica de Oncologia Médica, uma das pioneiras em oncologia no país e referência no tratamento humanizado, reuniu informações fundamentais sobre o tema, em linguagem simples e direta. O resultado está no livro Câncer e prevenção.

Dividida em quatro partes – “Noções gerais sobre a doença”, “Prevenção primária: é possível evitar a ocorrência do câncer?”, “Diagnóstico precoce” e “Tratamento” -, a obra aborda o câncer em todas as suas dimensões, desmistificando a doença e conscientizando a população acerca da importância de preveni-la.

Os autores tratam de assuntos como fatores de risco, alimentação e vida saudável, conduta durante o tratamento, fatores genéticos e importância do apoio clínico e psicológico ao paciente. Também tratam de questões polêmicas, como o uso de forno de micro-ondas, telefones celulares e potes plásticos e as cirurgias preventivas, como a feita nas mamas pela atriz Angelina Jolie e as que evitam o câncer de intestino e de ovário.

Cerca de 30% a 40% de todos os cânceres podem ser prevenidos com alimentação e estilo de vida mais saudáveis. Por isso, os autores chamam a atenção para a importância de focar a saúde, e não o câncer, e listam todas as possibilidades para quem deseja prevenir o mal. O estresse tem sido apontado como um fator desencadeante de câncer, visto que pode levar à exaustão física e emocional. Entretanto, estudos demonstram que mais importante que o fator estressante é a forma como se lida com ele.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//C%C3%A2ncer+e+preven%C3%A7%C3%A3o