SUMMUS LANÇA O LIVRO “EQUIPES SOLIDÁRIAS”, DE RENATA DI NIZO

Com as constantes mudanças, os avanços tecnológicos e a forte necessidade de inovação, o universo corporativo virou uma torre de babel, impondo às empresas um ambiente multicultural. Diante desse cenário, é preciso estimular uma ética comportamental capaz de valorizar o semelhante e, incondicionalmente, ser receptivo às distintas culturas, ao outro, ao grupo, à integração. Segundo Renata Di Nizo, garantir um clima aberto à cooperação é condição de sobrevivência necessária à natureza intrínseca da inteligência coletiva. No livro Equipes solidárias – Por que em grupo e não sozinho?, lançamento da Summus, ela faz uma 11018reflexão sobre a necessária transição do mundo individualista para aquele em que os grupos são possíveis, mesmo diante da contínua dualidade entre real e virtual. Para a autora, somente os laços solidários mobilizam o bom desempenho no ambiente corporativo.

“Sabe-se hoje que uma boa política de cargos e salários não é suficiente para reter talentos”, afirma Renata. Segundo ela, as empresas reconhecem a importância de ter uma proposta estruturada que assegure o engajamento – o vínculo afetivo, a vontade de ir além, o entusiasmo pelo trabalho e pela organização. Para que isso se concretize, segundo ela, nada confere tanto peso como o fato de a liderança se importar genuinamente com o desenvolvimento das equipes e de cada pessoa. “Sustentar a força grupal que move montanhas é remar a favor da diversidade”, complementa a autora, lembrando que a criatividade das pessoas está intimamente relacionada à qualidade dos relacionamentos.

Partindo da dinâmica dos grupos de ajuda mútua – como Alcóolicos Anônimos, Tabagistas e Mulheres que Amam Demais Anônimas, entre outros –, a autora explica a lógica do bom funcionamento grupal no ambiente corporativo. Baseando-se em leis e premissas que orientam e auxiliam indi­víduos que não teriam sucesso sem o apoio dos pares, ela aborda pontos nevrálgicos que atingem as organizações, como o individualismo e a desconsideração do outro. Segundo Renata, alguns gaps comportamentais incidem negativamente no desempenho das equipes e, por conseguinte, no resultado dos negócios. “Por mais que se busquem novas estratégias de gestão de pessoas, é importante saber como motivá-las. Promover um foco compartilhado de propósito não basta”, afirma.

A autora mostra ainda que assegurar uma cultura de valor norteada por uma perspectiva ética e pelo princípio da responsabilidade é uma estratégia clara e simples que implica direção e, consequentemente, visão de futuro. Em função do dinamismo do mercado globalizado, ações comuns e colaborativas tornam-se mais ágeis e capazes de antecipar respostas, assegurando uma vantagem competitiva.

Segundo Renata, o potencial colaborativo, por meio de redes de inovação entre indivíduos e entre empresas, parece fornecer respostas mais adequadas às demandas ambientais. Em vista disso, pessoas e organizações estão interligadas por um conjunto de relacionamentos e redes que surgem, com base em elos de confiança, como uma linguagem de vínculos. É uma maneira compartilhada de interagir com a realidade, de enxergar e explorar limitações, diferenças e distintos aspectos de um problema. “A eficiência e a eficácia do capital social dizem respeito aos processos e às dinâmicas grupais, à qualidade de relacionamento e à comunicação. Para tanto, é fundamental a troca de experiências, a disseminação de estratégias, informações e conhecimentos”, explica a autora.

A obra inclui depoimentos de funcionários dos mais diversos escalões que participa­ram de treinamentos em Recursos Humanos conduzidos pela autora.

Renata Di Nizo formou-se pela tradicional Escola Superior de Arte Dramática de Barcelona. Em seguida, dedicou-se à pesquisa e à experimentação da criatividade em grupos, no Instituto de Ciências da Educação da Universidade Central de Barcelona. Em Paris, estudou teatro com Augusto Boal e juntou-se a outros educadores, empenhados em fomentar metodologias arrojadas. Estudou criatividade em Paris com o sociólogo Guy Aznar e dinâmica e funcionamento de grupos na pós-graduação da Sociedade Brasileira de Dinâmica de Grupos e Coaching Integrado (International Coaching Institute). Em 2000, criou a Casa da Comunicação, empresa especializada em soluções de aprendizagem que visam estimular a expressão criativa e o diálogo multicultural, repensar velhas formas de fazer as coisas e buscar outras melhores, inovando – em conjunto – continuamente. Sua prática profissional inspirou e embasou diversos livros, que constituem importantes subsídios para o desenvolvimento de competências de comunicação e criatividade.

Para saber mais sobre o livro Equipes solidárias, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Equipes+solid%C3%A1rias

Para conhecer os outros livros da autora publicados pelo Grupo Summus, acesse:

 

LUIZ CONTRO LANÇA O LIVRO “POR DENTRO DAS EQUIPES”, EM CAMPINAS

A Editora Ágora e a Livraria da Vila (Campinas – SP) promovem no dia 21 de março, sexta-feira, das 18h30 às 21h30, a noite de autógrafos do livro Por dentro das equipes. O psicólogo Luiz Contro, autor da obra, receberá os convidados na livraria, que fica no Galleria Shopping, piso Expansão (Rod. Dom Pedro, s/no, km 131,5 – Campinas – SP).

Desmotivação, tensão, pressão. São inúmeros os motivos que comprometem o bom desempenho das equipes de trabalho. Cada vez mais ligadas no piloto automático e absorvidas pela velocidade dos tempos modernos, as equipes padecem, sobretudo, de reflexão. Como criar melhores condições para o fazer diário? Quais são os caminhos para a ampliação da autonomia, o aumento da consciência crítica, a implantação de dinâmicas mais espontâneo-criativas e menos cristalizadas? Como o trabalho pode ser integrado satisfatoriamente no dia a dia das pessoas?

No livro Por dentro das equipes, Contro mergulha no universo das equipes. Partindo de sua larga experiência com intervenções em organizações e instituições, ele mostra como o trabalho em equipe foi contaminado pelas diversas variáveis da pós-modernidade. Para comprovar a tese, o autor apresenta cases de intervenções em diferentes equipes e propõe alternativas e soluções baseadas no método do psicodrama para corrigir a rota.

A correção, contudo, não é feita com base em fórmulas e manuais, em número pequeno e determinado de lições. “Identifico-me com o posicionamento que acredita que transformações não se dão a toque de caixa. Pedem etapas e maturações. Não se referem a atos, mas a processos de educação continuada e permanente”, afirma o psicólogo. Segundo ele, procedimentos pontuais e por vezes mirabolantes tendem a não fazer perdurar seus conteúdos já nas horas seguintes à sua execução.

A proposta de intervenção grupal de Contro foge ao fluxo de trabalho serializado, não criativo e ausente de prazer. Seja para temas como liderança, motivação ou fortalecimento do grupo, o psicólogo defende algo simples, mas que no atropelo diário das atividades profissionais tem sido ignorado pela maioria: todo o processo de trabalho implica relações.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1359/Por+dentro+das+equipes

Por_dentro_das_equipes

 

FOLHA DE S.PAULO SUGERE A LEITURA DE “POR DENTRO DAS EQUIPES”

O caderno Mercado, da Folha de S.Paulo, deu destaque para o lançamento do livro Por dentro das equipes (Editora Ágora), no sábado, dia 1º de março. Partindo de sua experiência com intervenções em equipes organizacionais e institucionais, o psicólogo Luiz Contro propõe alternativas e soluções para tornar o trabalho mais prazeroso. Sua proposta prevê a ampliação da autonomia, o aumento da consciência crítica e a implantação de dinâmicas mais espontâneo-criativas e menos cristalizadas no fazer diário. Leia a nota na íntegra: http://goo.gl/xQmoCp

20132Desmotivação, tensão, pressão. São inúmeros os motivos que comprometem o bom desempenho das equipes de trabalho. Cada vez mais ligadas no piloto automático e absorvidas pela velocidade dos tempos modernos, as equipes padecem, sobretudo, de reflexão. Como criar melhores condições para o fazer diário? Quais são os caminhos para a ampliação da autonomia, o aumento da consciência crítica, a implantação de dinâmicas mais espontâneo-criativas e menos cristalizadas? Como o trabalho pode ser integrado satisfatoriamente no dia a dia das pessoas?

No livro Por dentro das equipes, Contro mergulha no universo das equipes, mostrando como o trabalho em equipe foi contaminado pelas diversas variáveis da pós-modernidade. Para comprovar a tese, ele apresenta cases de intervenções em diferentes equipes e propõe alternativas baseadas no método do psicodrama para corrigir a rota.

A correção, contudo, não é feita com base em fórmulas e manuais, em número pequeno e determinado de lições. “Identifico-me com o posicionamento que acredita que transformações não se dão a toque de caixa. Pedem etapas e maturações. Não se referem a atos, mas a processos de educação continuada e permanente”, afirma o psicólogo. Segundo ele, procedimentos pontuais e por vezes mirabolantes tendem a não fazer perdurar seus conteúdos já nas horas seguintes à sua execução.

A proposta de intervenção grupal de Contro foge ao fluxo de trabalho serializado, não criativo e ausente de prazer. Seja para temas como liderança, motivação ou fortalecimento do grupo, o psicólogo defende algo simples, mas que no atropelo diário das atividades profissionais tem sido ignorado pela maioria: todo o processo de trabalho implica relações.

Para serem efetivas no objetivo de promover melhor desempenho, trabalho de qualidade e atendimento eficaz, com capacidade crítica avaliativa e melhor sinergia entre os integrantes, as equipes necessitam, sobretudo, de tempo e de espaço para si. “São pessoas que também precisam ser cuidadas. Cuidadas, principalmente, para compreender o que realizam”, afirma Contro.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1359/Por+dentro+das+equipes

 

CONHEÇA “POR DENTRO DAS EQUIPES”, LANÇAMENTO DA ÁGORA

Numa época em que a tecnologia e a pressa fragmentam nossa maneira de ver o mundo, faz-se necessário refletir sobre as consequências dessa velocidade nas relações humanas. 20132Em Por dentro das equipes, Luiz Contro mostra como o trabalho em equipe foi contaminado por essas variáveis na pós-modernidade e propõe alternativas e soluções baseadas no método do psicodrama.

Partindo de sua experiência com intervenções em equipes organizacionais e institucionais, ele questiona: como criar melhores condições para o fazer diário? Quais são os caminhos para a ampliação da autonomia, o aumento da consciência crítica, a implantação de dinâmicas mais espontâneo-criativas e menos cristalizadas? Como o trabalho pode ser integrado satisfatoriamente no dia a dia das pessoas? Leitura fundamental para psicólogos, estudantes e profissionais de RH.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Por+dentro+das+equipes

Sobre o autor

Luiz ControLuiz Contro é psicólogo e doutor em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), além de professor, terapeuta didata e supervisor pelo Instituto de Psicodrama e Psicoterapia de Grupo de Campinas (SP). Coordena grupos em instituições, ONGs e empresas e assessora equipes que discutem seus processos de trabalho.

Autor de artigos em periódicos científicos, escreveu Psicossociologia crítica – A intervenção psicodramática (CRV) e Nos jardins do psicodrama – Entre o individual e o coletivo contemporâneo (Alínea). É coautor dos livros Psicodrama – Ciência e arte (Ágora), Práticas grupais contemporâneas (Ágora) e From one-to-one psychodrama to large group socio-psychodrama (versão digital, acessível em http://www.luizcontro.com.br/livros.php) .