‘RAIOS E TROVÕES’ FAZ LEITOR VIAJAR NO TEMPO

Matéria de Eliana Silva de Souza publicada originalmente no Caderno 2,
de O Estado de S. Paulo, em 6/11/2019.

Bruno Capelas, repórter do ‘Estado’, lança livro sobre ‘Castelo Rá-Tim-Bum’, sucesso da TV Cultura

Um livro que certamente vai atingir em cheio toda uma geração, proporcionando uma verdadeira viagem no tempo. Raios e Trovões – A História do Fenômeno Castelo Rá-Tim-Bum (Summus Editorial), do jornalista do Estado Bruno Capelas, surge da vivência do próprio autor, que é dessa turma que nasceu nos anos 1990 e acompanhou diariamente as aventuras de Nino, Pedro, Biba, Zeca e tantos outros personagens, que marcaram uma fase extremamente criativa e importante da TV Cultura. A obra, que trata da importância do programa infantil para a emissora e para as crianças, será lançada no dia 27, às 19h30, na Livraria da Vila.

Seguindo a trajetória dos infantis de sucesso da TV Cultura, como é o caso de O Mundo da Lua, Capelas tem como ponto de partida a incrível mostra com os cenários do icônico programa da TV Cultura Castelo RáTim-Bum – A Exposição, que ocupou as instalações do Museu da Imagem e do Som (MIS), em São Paulo, em 2014, e que foi vista por mais de 400 mil pessoas. O sucesso foi tamanho que obrigou o museu a mexer em seus horários para poder atender todos os interessados. Na mesma linha, em 2017, o Memorial da América Latina sediou uma nova exposição, Rá-Tim-Bum, o Castelo, que atraiu um público de pelo menos 800 mil pessoas.

O mais relevante, no entanto, é que tudo isso se deu por se tratar de um programa que marcou a infância de muita gente, crianças e adultos. Todos queriam ver de perto o porteiro pedindo a senha para liberar a entrada, o quarto do Nino e a árvore no meio da sala. É esse um dos motivos que levaram Capelas a se debruçar sobre o tema e colocar tudo em formato de livro, que teve início como um trabalho de conclusão de curso na faculdade.

“Sou geração Cultura e, como outros que nasceram nos anos 1990, também cresci vendo esses programas, Castelo Rá-TimBum , Mundo da Lua , X-Tudo ”, conta o autor, explicando a razão de ter escolhido o tema. “Tinha

que ser sobre algo que eu quisesse muito falar, alguma coisa muito minha, daí pensei no Castelo, pois ninguém tinha escrito sobre ele”, completa.

Fã assumido dos inúmeros programas da Cultura, Capelas contou com uma boa parcela de sorte para sua pesquisa. “Parte dela eu fiz em 2014. O Castelo estava comemorando 20 anos quando a exposição foi montada, o que me ajudou muito a conseguir encontrar algumas pessoas, principalmente os profissionais que trabalharam por trás das câmeras”, revela Capelas, que afirma que quis dar espaço a esses profissionais que pouco aparecem.

Como destaca o jornalista, quando se fala em Castelo RáTim-Bum, sempre se tem em mente nomes como os criadores Cao Hamburger e Flávio de Souza ou de Anna Muylaert, coordenadora de textos. “Quis mostrar que o Castelo é uma construção de muita gente, como o Silvio Galvão, que fez a árvore, a maquete, o jardim”, afirma.

O que Capelas expõe no livro é fruto de mais de 30 entrevistas, muita pesquisa de acervo, horas debruçado em material recheado de curiosidades, com cada capítulo contando uma história diferente que ajuda a elucidar a trajetória bem-sucedida da atração. Aos poucos, ele vai revelando curiosidades, como o fato de a abertura ter sido feita de trás para frente ou como era rotina de gravações. “Certa vez, teve uma enchente no cenário e todo mundo ajudou, ficando de joelho no chão, a repintar tudo”, conta, emocionado, o escritor, que aos poucos vai detalhando a trajetória do Castelo.

“Entre tantas divertidas curiosidades, o leitor vai descobrir, por exemplo, que o quarto do Nino foi um improviso, pois, na verdade, era para ser um portal, que levaria para qualquer lugar do castelo”, explica.

Para o autor, o sucesso dos programas infantis da Cultura tem relação com quem produzia o material. “Era um monte de gente que se encontrou no Castelo. A trilha sonora era Grupo Rumo, do Karnak, o Flávio de Souza era do grupo de teatro Pod Minoga, o Cao tinha feito curta-metragem de massinha ECA.” Com o programa, a TV Cultura inovou, passou por cima das dificuldades, mas optou por não dar continuidade ao trabalho, conta Capelas. “O Roberto Muylaert, que montou essa estrutura na emissora, saiu e, na sequência, houve corte de verbas. Mas foi um momento muito rico.”

Para ler na íntegra (assinantes ou cadastrados no jornal O Estado de S. Paulo), acesse: https://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,raios-e-trovoes-livro-de-bruno-capelas-faz-leitor-viajar-no-tempo,70003077244

***

Conheça o livro:

RAIOS E TROVÕES
A história do fenômeno Castelo Rá-Tim-Bum
Autor: Bruno Capelas
SUMMUS EDITORIAL

“Morcego, ratazana, baratinha e companhia: está na hora da feitiçaria!”. Lançado em 1994 pela TV Cultura, o Castelo Rá-Tim-Bum é até hoje a maior produção infantil já feita pela televisão brasileira. Nesse sentido, Raios e trovões dá a senha para os leitores que quiserem entrar nos bastidores do programa: dos detalhes de figurinos e cenários à rotina de gravações, passando pela criação dos roteiros e escolha do elenco. Baseado em mais de 30 entrevistas com quem viveu o Castelo, o livro mostra como a Cultura conseguiu, em meio a um dos piores momentos da economia brasileira, realizar um projeto que marcou gerações, unindo entretenimento, informação e educação. Para isso, Bruno Capelas faz um mergulho pela história da emissora, em uma trajetória que passa por antenas, incêndios, bonecos de espuma e muito bom humor. Raios e trovões também avança até os dias de hoje, contando por que personagens como Nino, Zequinha, Dr. Victor, Celeste, Bongô, Penélope e Etevaldo permanecem vivos no coração e na mente de crianças pequenas e de outras já bem crescidas – afinal, “porque sim não é resposta!”


“TELENOVELA ‘A MORTA SEM ESPELHO’, ESCRITA POR NELSON RODRIGUES, ESTÁ PERDIDA”

Autor foi descoberto pelo cinema, com adaptações de ‘Boca de Ouro’ e ‘Bonitinha, mas Ordinária’, mas também foi parar na televisão

Matéria de Nelson de Sá, publicada na Folha de S.Paulo,
em 06/09/2019.

Nelson Rodrigues, no momento em que foi descoberto pelo cinema, com as adaptações de “Boca de Ouro” e “Bonitinha, mas Ordinária”, sucessos de bilheteria às vésperas do golpe de 1964, também foi parar na televisão.

Walter Clark, então na TV Rio, emissora que dividia programação com a paulista Record, da mesma família, encomendou o que seria a primeira telenovela produzida na cidade, em 1963 —dois anos antes de surgir a Globo.

Era para ser a “novela das oito”, mas o juizado de menores ordenou 22h30. Segundo Clark, na autobiografia “O Campeão de Audiência” (Summus), “como não existia essa faixa de novelas e não havia o hábito do público, tivemos de cancelá-la” após dois meses.

“Terminou, afinal, ‘A Morta Sem Espelho’, um dramalhão fúnebre, um enredo deletério, de neuróticos e assassinos”, publicou o Correio da Manhã em 9 de novembro, acrescentando, porém, elogios “à linguagem ousada, solta e inesperada” do autor.

Uma cena ficou célebre, aquela em que o personagem do ator Ítalo Rossi desperta sua mulher com uma arma, dizendo: “Acorda para morrer”. Mas o texto da “primeira novela brasileira de todos os tempos”, como descreve Ruy Castro na biografia “O Anjo Pornográfico” (Companhia das Letras, 1992), se perdeu, assim como as gravações.

Procurados, a atriz Fernanda Montenegro e o pesquisador e editor Caco Coelho disseram não ter pistas nem desta nem de outras duas novelas que Nelson Rodrigues escreveu no ano seguinte, “Sonho de Amor” e “O Desconhecido”.

Coelho chegou a ir aos arquivos da censura, mas “tinham destruído”, e a várias pessoas do elenco, sem sucesso. Restam fotos, resumos e depoimentos, inclusive sobre a divergência entre Clark e o autor, quanto ao gênero.

O objetivo do primeiro era uma atração “naquele espírito de combate à Excelsior”, emissora então em ascensão, “com uma programação mais sofisticada”. Já o dramaturgo queria o folhetim.

“Novela é um gênero de concessão”, dizia, mas que “pode ser bonito, pode ser a obra mais hierática”, sagrada.

“Eu queria fazer folhetim no duro, bem cabeludo. Nunca me deixaram. O pessoal queria intelectualizar o negócio. Se você quiser elevar o folhetim, fica ridículo, atroz.” Na síntese de Nelson Rodrigues, que nunca mais escreveria telenovela, “o bom folhetim é isso: coisas tremendas, adúlteras fugindo em carruagens”.

Para ler na íntegra, acesse: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2019/09/telenovela-escrita-por-nelson-rodrigues-esta-perdida.shtml

***

Conheça o livro de Walter Clark, mencionado na matéria:

O CAMPEÃO DE AUDIÊNCIA
Uma autobiografia
Autores:  Walter ClarkGabriel Priolli
SUMMUS EDITORIAL

Walter Clark foi um dos mais importantes profissionais da televisão brasileira. Nesta autobiografia, escrita com o jornalista Gabriel Priolli, ele conta sua trajetória pessoal – marcada por grandes paixões, inúmeras mulheres e muito luxo – e profissional – sobretudo na TV Rio e, mais tarde, na Globo. Trata‑se de leitura indispensável para entender a implantação e a consolidação da TV no Brasil – até hoje o veículo de comunicação mais poderoso do país.

‘A ÚNICA COISA QUE A DRAMATURGIA NÃO PODE FAZER É ENTEDIAR’

O escritor e dramaturgo Doc Comparato fala com Tânia Morales, do programa CBN Noite Total, sobre a criação de roteiros nos dias atuais e o lançamento da nova versão, atualizadíssima, de seu livro Da criação ao roteiro – Teoria e Prática. Ouça abaixo.

.

 

Para saber mais sobre o livro, acesse:
https://amzn.to/2rKuuKM

DOC COMPARATO: UMA AULA SOBRE PERSONAGENS – ÚLTIMA PARTE (6)

Uma aula sobre personagens, dividida em 6 partes, com o mestre Doc Comparato.
Parte 6 – Antagonista e Protagonista.

Conheça o novo Da criação ao roteiro – Teoria e Prática, à venda nas melhores livrarias físicas e virtuais do Brasil: https://www.gruposummus.com.br/summus/livro/9788532311139

Para assistir às partes anteriores (1 – O Roteiro e suas Etapas, 2 – Como criar um personagem3 – A Alma4 – O Batismo e 5 – A Composição), acesse:
https://www.youtube.com/playlist?list=PLWBZMIEw-unatnlK2tRTUqdrsqPzd8vCg

DOC COMPARATO: UMA AULA SOBRE PERSONAGENS – PARTE 5

Uma aula sobre personagens, dividida em 6 partes, com o mestre Doc Comparato.
Parte 5 – A Composição.

Assista e não perca a última parte: na quinta-feira, 06/12, postaremos a Parte 6 – Antagonista e Protagonista.

Conheça o novo Da criação ao roteiro – Teoria e Prática, à venda nas melhores livrarias físicas e virtuais do Brasil: https://www.gruposummus.com.br/summus/livro/9788532311139

Para assistir às partes 1 – O Roteiro e suas Etapas, 2 – Como criar um personagem3 – A Alma 4 – O Batismo, acesse:
https://www.youtube.com/playlist?list=PLWBZMIEw-unatnlK2tRTUqdrsqPzd8vCg

DOC COMPARATO: UMA AULA SOBRE PERSONAGENS – PARTE 4

Uma aula sobre personagens, dividida em 6 partes, com o mestre Doc Comparato.
Parte 4 – O Batismo.

Assista e fique atento: na segunda-feira, 03/12, postaremos a Parte 5 – A Composição.

Conheça o novo Da criação ao roteiro – Teoria e Prática, à venda nas melhores livrarias físicas e virtuais do Brasil: https://www.gruposummus.com.br/summus/livro/9788532311139

Para assistir à Parte 1 – O Roteiro e suas Etapas, Parte 2 – Como criar um personagem e Parte 3 – A Alma, acesse:
https://www.youtube.com/playlist?list=PLWBZMIEw-unatnlK2tRTUqdrsqPzd8vCg

DOC COMPARATO: UMA AULA SOBRE PERSONAGENS – PARTE 3

Uma aula sobre personagens, dividida em 6 partes, com o mestre Doc Comparato.
Parte 3 – A Alma.

Assista e fique atento: na quinta-feira, 29/11, postaremos a Parte 4 – O Batismo!

Conheça o novo Da criação ao roteiro – Teoria e Prática, à venda nas melhores livrarias físicas e virtuais do Brasil:
https://www.gruposummus.com.br/summus/livro/9788532311139

Para assistir à Parte 1 – O Roteiro e suas Etapas e Parte 2 – Como criar um personagem, acesse:
https://www.youtube.com/playlist?list=PLWBZMIEw-unatnlK2tRTUqdrsqPzd8vCg

DOC COMPARATO: UMA AULA SOBRE PERSONAGENS – PARTE 2

Uma aula sobre personagens, dividida em 6 partes, com Doc Comparato.
Parte 2 – Como criar um personagem.

Assista e fique atento: na segunda-feira postaremos a Parte 3 – A Alma.

Conheça o novo Da criação ao roteiro – Teoria e Prática, à venda nas melhores livrarias físicas e virtuais do Brasil:
https://www.gruposummus.com.br/summus/livro/9788532311139

Para assistir à Parte 1 – O Roteiro e suas Etapas, acesse:
https://youtu.be/6pq_4vZrqUo

DOC COMPARATO: UMA AULA SOBRE PERSONAGENS – PARTE 1

Uma aula sobre personagens, dividida em 6 partes, com o mestre Doc Comparato.
Parte 1 – O Roteiro e suas Etapas.

Assista e fique atento: na quinta-feira, dia 22, postaremos a Parte 2 – Como criar um personagem!

 

Conheça o novo Da criação ao roteiro – Teoria e prática, à venda na melhores livrarias físicas e virtuais do Brasil: https://www.gruposummus.com.br/summus/livro/9788532311139

 

NOITE DE AUTÓGRAFOS DA EDIÇÃO RENOVADA DO CLÁSSICO “DA CRIAÇÃO AO ROTEIRO”

Summus Editorial e a Livraria Argumento – Leblon promovem no dia 22 de novembro, quinta-feira, a partir das 19 horas, o lançamento do atualíssimo Da criação ao roteiro – Teoria e prática, de Doc Comparato. O autor receberá amigos e convidados para a noite de autógrafos na livraria, que fica na Rua Ferreira Dias, 41, Leblon, Rio de Janeiro.

Depois de quarenta anos de uma vida dedicada ao ato de escrever para o cinema, o teatro e a televisão no Brasil e na Europa, Doc Comparato concebe uma nova visão do trabalho do roteiristaNasce um novo livro, com inédita definição sobre o roteiro e sua aplicação, atribuição e divisão – seja ele para cinema, televisão ou mídias digitais. A obra tem a missão de trazer o que existe de mais moderno na criação para streaming, realidade virtual, webséries, game e inteligência artificial, e aborda ainda contratos, adaptações, festivais, contatos profissionais, universitários e muito mais.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
https://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1503/9788532311139