JOÃO DORIA JR. ENTREVISTA GIKOVATE

João_e_Giko_2
Em entrevista a João Doria Jr., no programa Show Business, da Band, o psicoterapeuta Flávio Gikovate falou sobre carreira, depressão e vaidade humana. O bate-papo foi exibido no último sábado, dia 6 de junho. Veja a entrevista na íntegra: http://goo.gl/k109LU


Conferencista e autor consagrado, Gikovate lançou em 2014 o livro Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira. Na obra, ele reconhece as dificuldades para quem deseja mudar e lembra que vontade pessoal e autoanálise são importantes, mas não só. A razão também tem papel primordial.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

50109No livro, Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1380/Mudar 

 

TODOS TÊM MEDO DA FELICIDADE, DIZ PSIQUIATRA FLÁVIO GIKOVATE

Em entrevista ao portal UOL, o psicoterapeuta Flávio Gikovate esmiúça os mecanismos do medo, que paralisa as conquistas, e fala como é possível modificar o modo de agir. Segundo ele, todo mundo teme a felicidade e costuma sabotá-la. Leia a entrevista na íntegra: http://goo.gl/C4bLrQ

Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? No livro Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira, da MG Editores, Gikovate vai ao âmago dessas questões. 50109O psicoterapeuta não apresenta fórmulas prontas nem conselhos fáceis.  Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

No livro, Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Tecendo considerações acerca de como nos tornamos aquilo que somos, o autor contempla todas as possibilidades sem se deixar aprisionar por nenhuma das hipóteses teóricas que povoaram o território da psicologia do século XX. “Penso que só podemos chamar de ciência um sistema aberto e eternamente incompleto, no qual hipóteses e ideias vêm e vão, sendo sempre substituídas por outras mais abrangentes”, diz. Para ele, todo saber é temporário, sendo isso particularmente verdadeiro num terreno como o da psicologia.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Mudar

 

FLÁVIO GIKOVATE PARTICIPA DO ENCONTRO COM FÁTIMA BERNARDES, DA TV GLOBO, NESTA SEGUNDA, DIA 24/11

Encontro_com_fátima_bernardes_logoO psicoterapeuta Flávio Gikovate estará nesta segunda-feira, dia 24 de novembro, no programa Encontro com Fátima Bernardes (TV Globo). Dessa vez, o bate papo é sobre o livro Deixar de ser gordo, da MG Editores.  O programa vai ao ar das 10h40 ao meio dia.

A humanidade nunca se preocupou tanto com a obesidade. Não é para menos. Estudos recentes revelam que 40% da população global sofre com a doença, que passou a figurar como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. O pior nesse quadro é que as famosas dietas não apenas não funcionam como têm contribuído seriamente para agravar a situação. 50043Utilizando uma linguagem clara e direta e a sua própria história de ex-obeso, Gikovate mostra no livro como funciona o círculo viciosos da obesidade — cujos componentes principais são a privação, a compulsão e a culpa. O objetivo é ajudar aqueles que querem deixar de ser gordos, e não apenas emagrecer.

As dietas, em geral, pregam a privação e não a reeducação alimentar, diz Gikovate. “A privação leva ao desejo, por isso elas não funcionam. Impor uma dieta rigorosa ao indivíduo que é submetido diariamente a milhões de ofertas dos mais variados tipos de comida vai torná-lo um obsessivo.” O psiquiatra explica que quando o cérebro é obrigado a prestar muita atenção em algo, ele responde de maneira inversa, pois a obsessão vira desejo: “Por isso, quem está fazendo dieta começa bem o dia, seguindo corretamente a lista de ‘privações’, e, no fim do dia, termina atacando a geladeira”.

O maior insucesso, segundo o autor, é exatamente a preocupação excessiva com o emagrecimento. A neurose é tão grande que mesmo se a pessoa não comer, ela tenderá a não perder peso. Soma-se a esse quadro a necessidade de se adaptar a um novo mundo. “O avanço tecnológico, com máquinas que fazem o trabalho do homem, bastando apertar um botão, tornou a vida sedentária. A oferta de alimentos quintuplicou. E pior: podemos comer a qualquer hora do dia”, afirma. Além disso, Gikovate lembra que indústria da cultura do emagrecimento aumenta a cada dia a oferta de milagres, como remédios que permitem que se coma loucamente e depois se elimine a gordura ingerida.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Deixar+de+ser+gordo

FLÁVIO GIKOVATE PARTICIPA DO PROGRAMA ENCONTRO COM FÁTIMA BERNARDES NESTA SEGUNDA, 3/11

O psicoterapeuta Flávio Gikovate estará nesta segunda-feira, dia 3 de novembro, no programa Encontro_com_fátima_bernardes_logoEncontro com Fátima Bernardes (TV Globo). Ele conversa com a apresentadora sobre o seu novo livro, Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira (MG Editores). O programa vai ao ar das 10h40 ao meio dia.

Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? 50109O novo livro de Gikovate vai ao âmago dessas questões. No livro, o psicoterapeuta não apresenta fórmulas prontas nem conselhos fáceis.  Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

No livro, Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Tecendo considerações acerca de como nos tornamos aquilo que somos, o autor contempla todas as possibilidades sem se deixar aprisionar por nenhuma das hipóteses teóricas que povoaram o território da psicologia do século XX. “Penso que só podemos chamar de ciência um sistema aberto e eternamente incompleto, no qual hipóteses e ideias vêm e vão, sendo sempre substituídas por outras mais abrangentes”, diz. Para ele, todo saber é temporário, sendo isso particularmente verdadeiro num terreno como o da psicologia.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1380/Mudar

CAFÉ FILOSÓFICO EM CAMPINAS COM FLÁVIO GIKOVATE

GIKOVATE300dpiO psicoterapeuta Flávio Gikovate lança o livro “Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira” (MG Editores) nesta sexta-feira, 24 de outubro, às 19h, em uma edição especial do Café Filosófico da CPFL Cultura (Rua Jorge Figueiredo Corrêa, 1.632, Chácara Primavera, Campinas – SP). A entrada é gratuita e por ordem de chegada, a partir de 18h. A capacidade da sala é de 180 lugares. Haverá transmissão online ao vivo pelo site http://www.cpflcultura.com.br/aovivo/

Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? O novo livro de Gikovate vai ao âmago dessas questões. 50109Ele não apresenta fórmulas prontas nem conselhos fáceis.  Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

No livro, Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Mudar

GIKOVATE PARTICIPA DO PROGRAMA DO JÔ

flavio-gikovate_JOO Programa do Jô, da TV Globo, exibiu na última sexta-feira, 10 de outubro, entrevista com o psicoterapeuta Flávio Gikovate. No talk show, ele falou sobre o seu novo livro: Mudar – Caminhos para transformação verdadeira (MG Editores).
Para assistir ao vídeo de sua participação, acesse:
http://globotv.globo.com/t/programa/v/jo-soares-entrevista-o-psicoterapeuta-flavio-gikovate/3689751/

Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? Gikovate vai ao âmago dessas questões. No livro, 50109ele não apresenta fórmulas prontas nem conselhos fáceis.  Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

No livro, Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Tecendo considerações acerca de como nos tornamos aquilo que somos, o autor contempla todas as possibilidades sem se deixar aprisionar por nenhuma das hipóteses teóricas que povoaram o território da psicologia do século XX. “Penso que só podemos chamar de ciência um sistema aberto e eternamente incompleto, no qual hipóteses e ideias vêm e vão, sendo sempre substituídas por outras mais abrangentes”, diz. Para ele, todo saber é temporário, sendo isso particularmente verdadeiro num terreno como o da psicologia.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1380/Mudar

LEIA ENTREVISTA DE FLÁVIO GIKOVATE PARA O CADERNO 2, DO ESTADÃO

O psicoterapeuta Flávio Gikovate falou sobre o seu novo livro – Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira (MG Editores) – em entrevista para o Caderno 2, do jornal O Estado de S.Paulo, publicada neste domingo, 5 de outubro. Na reportagem, ele afirma que a sociedade está caminhando para o individualismo e, segundo ele, isso pode ser bom. Leia a entrevista na íntegra: http://goo.gl/UrU2Nc.

50109Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? O novo livro de Gikovate vai ao âmago dessas questões. Em Mudar, ele não apresenta fórmulas prontas nem conselhos fáceis.  Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

No livro, Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Tecendo considerações acerca de como nos tornamos aquilo que somos, o autor contempla todas as possibilidades sem se deixar aprisionar por nenhuma das hipóteses teóricas que povoaram o território da psicologia do século XX. “Penso que só podemos chamar de ciência um sistema aberto e eternamente incompleto, no qual hipóteses e ideias vêm e vão, sendo sempre substituídas por outras mais abrangentes”, diz. Para ele, todo saber é temporário, sendo isso particularmente verdadeiro num terreno como o da psicologia.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Mudar

 

MUDAR É PRECISO

Em entrevista ao jornal Estado de Minas, o psicoterapeuta Flávio Gikovate falou sobre o tema do seu novo livro: Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira (MG Editores). Na entrevista, ele afirma que mudar é um processo difícil, embora a psicologia venda a ideia de que é sempre possível. “Mudar exige muito trabalho, muito empenho da própria pessoa e é muito difícil. O terapeuta é apenas o facilitador.” Leia a reportagem na íntegra: http://goo.gl/IpLvGW

Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou 50109atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? No livro, Gikovate vai ao âmago dessas questões, mas não apresenta fórmulas prontas nem conselhos fáceis.  Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

No livro, Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Para saber mais sobre o livro, acesse:

http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Mudar

GIKOVATE PARTICIPA DO “MAIS VOCÊ”, DA TV GLOBO

maisvoce[1]O psicoterapeuta Flávio Gikovate estará no programa Mais Você, da TV Globo, na segunda-feira, dia 8 de setembro. Ele conversa com a apresentadora Ana Maria Braga sobre o seu novo livro: Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira. O programa começa às 8h40.

GIKOVATEContumaz observador da alma humana, Gikovate analisa no livro os desafios da mudança, sem apresentar fórmulas prontas nem conselhos fáceis. Realista, ele reconhece as dificuldades para quem deseja mudar e lembra que vontade pessoal e autoanálise são importantes, mas não só. A razão também tem papel primordial.

Na obra, Gikovate percorre os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade – e leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar. “É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. 50109Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma.

Para ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

Gikovate analisa no livro os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Tecendo considerações acerca de como nos tornamos aquilo que somos, o autor contempla todas as possibilidades sem se deixar aprisionar por nenhuma das hipóteses teóricas que povoaram o território da psicologia do século XX. “Penso que só podemos chamar de ciência um sistema aberto e eternamente incompleto, no qual hipóteses e ideias vêm e vão, sendo sempre substituídas por outras mais abrangentes”, diz. Para ele, todo saber é temporário, sendo isso particularmente verdadeiro num terreno como o da psicologia.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Mudar

 

FLÁVIO GIKOVATE FALA AO GLAMURAMA SOBRE MUDANÇA E FELICIDADE

O site Glamurama entrevistou o psicoterapeuta Flávio Gikovate em seu consultório. Na reportagem, ele fala sobre o processo de mudança e o medo da felicidade, temas que ela aborda em seu novo livro Mudar – Caminhos para a transformação verdadeira, da MG Editores. Leia a entrevista na íntegra: http://goo.gl/rjQwcF

50109Por que é tão difícil mudar, mesmo quando sabemos que determinados hábitos ou atitudes nos são prejudiciais? Que mecanismos estão por trás da nossa resistência à mudança e como entendê-los para, então, desmantelá-los? Gikovate vai ao âmago dessas questões em seu novo livro. Percorrendo os caminhos que moldam o indivíduo – a biologia, a cultura e a personalidade –, o autor leva-nos a refletir sobre a capacidade que todos temos de mudar.

“É preciso ousar, tentar realizar os sonhos que elaboramos. Quem não acha que terá condições de ousar e tratar de perseguir seus sonhos não deve construí-los”, afirma Gikovate. Segundo ele, viver sem sonhos pode ser triste, mas mais doloroso é tê-los e não persegui-los. “Isso é muito mais terrível que tentar e fracassar. No fim das contas, todo processo de mudança deveria ter como objetivo principal o crescimento pessoal, tanto emocional como moral. Aqueles que alcançarem esse patamar saberão muito bem o que desejam fazer da vida e terão coragem, disciplina e determinação para ir atrás de seus sonhos.”

No livro, Gikovate analisa os obstáculos que enfrentamos quando nos propomos a mudar um comportamento e aponta caminhos para vencer os entraves. A vontade pessoal e a autoanálise são ingredientes fundamentais, mas a razão também tem papel primordial: o que de fato queremos mudar? Quem desejamo-nos tornar? Estaremos dispostos a abrir mão da estabilidade para alcançar nossos objetivos? Conseguiremos suportar a dor das perdas imediatas para gozar de benefícios em longo prazo?

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro//Mudar