29 DE SETEMBRO: DIA MUNDIAL DO CORAÇÃO

 

Criado no ano 2000 pela WHF – World Heart Federation, o Dia Mundial do Coração é comemorado neste sábado, 29 de setembro. Em 2018, a entidade está aumentando a conscientização sobre um fator de risco cada vez mais importante: a poluição do ar. Quase uma em cada cinco mortes por doenças cardiovasculares são causadas pela poluição do ar, um total de 3 milhões de mortes no mundo a cada ano.

Pesquisas revelam que 7 milhões de pessoas morrem prematuramente todos os anos por causa da poluição do ar: 1,4 milhão de acidente vascular cerebral e mais de 2 milhões por doenças cardíacas.

Uma pesquisa cientifica recente, publicada pela revista Nature, adverte que a exposição ao dióxido de nitrogênio e às partículas finas da poluição do ar está claramente ligada à mortalidade por doenças cardiovasculares. A má qualidade do ar também é classificada como a quarta causa de DALY (Disability Adjusted Life Years), ou seja, um ano de vida saudável perdida,  de acordo com o mais recente Estudo Global do Ônus das Doenças.

Para a WHD, a redução da exposição à poluição do ar tornou-se um desafio crucial que o mundo precisa enfrentar se quiser continuar avançando na meta de reduzir o impacto das doenças não transmissíveis, especialmente cardiovasculares.

Além de alertar a população sobre os riscos da poluição do ar, a celebração do Dia Mundial do Coração tem como objetivo reforçar junto ao público a importância de manter a boa saúde do coração. No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 300 mil pessoas sofrem infarto agudo do miocárdio por ano. Infelizmente, para 30% delas, a doença é fatal.

Por isso, para os mais cuidadosos e preocupados com a manutenção desse órgão fundamental do corpo humano, o livro Coração, manual do proprietário: tudo o que você precisa saber para viver bem, escrito pelo cardiologista Mauricio Wajngarten, da MG Editores, explica tudo sobre o seu funcionamento. O livro é  um manual sobre o coração acessível a todos. Já no primeiro capítulo, o médico explica o funcionamento do órgão a partir de analogias e desenhos divertidos.

No capítulo Conversando com o seu ‘mecânico’, o cardiologista dá dicas de como o paciente e o médico devem se comportar durante a consulta, explica o que é anamnese, bateria de perguntas que o médico faz ao paciente, exame físico etc. As doenças que podem afetar o coração como arteriosclerose, angina, enfarto, derrame, entre outras, são descritas no capítulo Sinais de desgaste do equipamento.

Em Manutenção preventiva, ele explica como lidar com “fatores de risco controláveis” como diabetes, tabagismo, colesterol, triglicérides, estresse, depressão etc. e, também, com “fatores de risco incontroláveis” como herança genética, raça, sexo e idade. E o cardiologista ressalta que os fatores controláveis ou modificáveis são responsáveis por 70% das doenças do coração.

Apertando os parafusos mostra o que é possível fazer para consertar um coração meio entupido: angioplastia, ponte de safena, cirurgia das valvas; ou um coração que bate pouco: marcapasso, transplante de coração e ressuscitação cardiorrespiratória.

No livro, o cardiologista fala da necessidade de cuidar do coração nas diferentes fases da vida: infância, adolescência, maturidade e velhice. Também explica como cuidar do coração durante o sexo, no verão e no inverno. Quanto aos exercícios físicos, ele garante que basta caminhar meia hora por dia para manter o coração saudável.

Para saber mais, acesse: https://www.gruposummus.com.br/mg/livro/9788572550307

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*