‘RACISMO É PROBLEMA MEU, SEU, DA ESCOLA – É DE TODOS NÓS’

Quem acompanhou as notícias vindas dos Estados Unidos no mês de agosto achou que se tratava do noticiário de meados do século passado, quando as imagens do movimento dos direitos civis dos negros lutando por igualdade ganharam o mundo. Apesar de a escravidão no país ter sido abolida em 1863, o racismo era institucionalizado de diversas maneiras. Um dos exemplos mais concretos disso eram os lugares separados para negros no transporte, no comércio e nos prédios públicos, segregando-os espacialmente nas cidades.

Mas tudo isso foi na década de 1960. Ideias de grupos como a Ku Klux Klan ficaram no passado… certo? Errado. O erro é exatamente esse: pensar que o racismo foi superado e que, vez ou outra, domina a mídia por conta de conflitos aparentemente pontuais, como vimos acontecer agora em Charlottesville, no estado da Virgínia. Confrontos em um protesto de supremacistas brancos – sim, supremacistas brancos em 2017! – deixaram diversos feridos e uma pessoa morta.

É chocante ouvir esses grupos declararem abertamente ódio contra negros, judeus, homossexuais, imigrantes e refugiados. É chocante porque nos dá a percepção de que a escravidão em diversos pontos do mundo não foi suficiente para entendermos a dimensão desse crime. É chocante porque entendemos que o genocídio de milhões de pessoas na Segunda Guerra Mundial também não bastou para finalmente enxergarmos o outro como igual. E também é chocante porque estamos vendo novamente discursos políticos e “oficiais”, por assim dizer, legitimarem ideias absurdas e asquerosas como as nazistas. Auschwitz, o campo de concentração localizado na Polônia, hoje é um museu que abre as portas para milhões de pessoas todos os anos. Não aprendemos nada?

Precisamos entender que o racismo sempre existiu e que pode infelizmente perdurar por muito mais tempo se as noções de igualdade e equidade não forem absorvidas por todos nós.

É o que o professor Daniel T. Willingham, do Departamento de Psicologia da Universidade da Virgínia (EUA), diz: “Estou certo de que não estamos vendo um ressurgimento do racismo, do antissemitismo e do chauvinismo, mas tendo um olhar mais realista sobre o que sempre esteve lá”. Ele mostra como a influência e a persuasão dos grupos de extrema-direita criam dúvidas sobre fatos concretos, sobrepondo “crenças pessoais” – como a ideia de que os brancos são superiores aos negros – a fatos históricos e até à ciência. Esses grupos negam a realidade para fazer valer o preconceito como meio de construir uma sociedade em que eles acreditam.

Assim, negam a desigualdade estrutural que se vê no mundo inteiro em relação a negros e brancos. Aqui no Brasil, exemplos não faltam – os dados estão em todas as esferas sociais. As áreas em que isso fica mais latente são a segurança pública e a educação.

Segundo o último Anuário Brasileiro de Segurança Pública, das 58.467 mortes violentas intencionais ocorridas no país em 2015, 54% ocorreram entre jovens de 15 a 24 anos. Desses, 73% eram pretos e pardos. Já de acordo com o Mapa da Violência 2016, que analisa os homicídios por armas de fogo no Brasil, somente em três estados (Tocantins, Acre e Paraná) os brancos morrem mais do que os negros em decorrência desse tipo de crime.

No acesso à educação, as diferenças também são gritantes. Quando observamos o percentual dos jovens de até 16 anos que conseguem concluir o Ensino Fundamental, as taxas são de 82,6% para os brancos e 66,4% para os negros. Já dentre o 1,7 milhão de jovens de 15 a 17 anos que estão fora da escola, 9,6% e 58,7% autodeclaram-se, respectivamente, pretos e pardos.

Tais percentuais são superiores à participação dos dois grupos na população geral dessa faixa etária: 8,3% e 50,4%, respectivamente. Não dá para dissociar os dados do parágrafo anterior desses, não? Também não dá para desassociar os dados do parágrafo anterior desses, não? Também não dá para desassociar ambos dos dados socioeconômicos: segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), a média da renda familiar per capita da população parda e preta era um pouco superior à metade (55% e 56%, respectivamente) da renda dos brancos em 2014.

Precisamos de políticas públicas focalizadas que atendam a essas disparidades e as solucionem para garantir os direitos da população negra do Brasil. Ao mesmo tempo, precisamos que as famílias e as escolas trabalhem juntas para desconstruir preconceitos e mostrar que a naturalização dessas diferenças é errada. Mostrando a verdadeira história, instruímos nossas crianças e jovens a verem o mundo despido de discursos oportunistas e ideologicamente interessados.

Retomo o professor Daniel T. Willingham: precisamos fazer, por meio da educação, que as pessoas busquem evidências – e não opiniões e crenças alheias – com o objetivo de enxergar e construir um mundo de direitos iguais para todos, seja nos Estados Unidos, seja no Brasil – seja em qualquer lugar.

E isso se aprende em casa, mas também na escola. É missão dos nossos educadores. Porque é na escola – ao sair das quatro paredes de casa – que a criança e o jovem vão, finalmente, ter contato com o novo, o diferente, o discordante, o diverso e a história. Como chegamos até aqui e por que as coisas são desse jeito? Precisamos ensiná-los. A resistência em aceitar que somos uma sociedade racista deve, sim, começar a ser desconstruída no ambiente escolar.

No Brasil, hoje, temos leis que designam que o ensino da história dos povos africanos e indígenas seja obrigatório nas nossas escolas, como é o caso das leis n° 10.639 e n° 11.645. Mas isso não é suficiente. Precisamos que histórias como a da professora Diva Guimarães, que emocionou a plateia da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) deste ano, sirvam como exemplo do que não podemos mais tolerar – como as cenas de Charlottesville.

Artigo de Priscila Cruz, com colaboração de Mariana Mandelli, publicado originalmente no UOL Educação em 30/08/2017. Para acessá-lo na íntegra: https://educacao.uol.com.br/colunas/priscila-cruz/2017/08/30/racismo-e-problema-meu-seu-da-escola—e-de-todos-nos.htm?cmpid=copiaecola

***

Tem interesse no assunto? Conheça os livros da Selo Negro Edições:

 


RACISMO E ANTI-RACISMO NA EDUCAÇÃO
Repensando nossa escola
Autora: Eliane Cavalleiro

Diversos olhares sobre o ambiente da sala de aula procuram captar os racismos presentes nesse cotidiano. Alguns dos assuntos que nos alertam para uma educação anti-racista são a revista especializada em educação, o livro infantil, o tratamento dado à África e outros.
………………………………..

TRAMAS DA COR
Enfrentando o preconceito no dia-a-dia escolar
Autora: Rachel de Oliveira

Com sensibilidade e singeleza, a autora utiliza um relato ficcional dos problemas enfrentados por uma menina negra em sua escola para abordar as questões básicas do racismo por parte de crianças e adultos em nossos estabelecimentos de ensino. Sugere posturas saudáveis para enfrentar os problemas mediante o incremento da auto-estima e o conhecimento de figuras ilustres da história negra.

 

RACISMO, SEXISMO E DESIGUALDADE NO BRASIL
Consciência em Debate
Autora: Sueli Carneiro

Entre 2001 e 2010, a ativista e feminista negra Sueli Carneiro produziu inúmeros artigos publicados na imprensa brasileira. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil reúne, pela primeira vez, os melhores textos desse período. Neles, a autora nos convida a refletir criticamente a sociedade brasileira, explicitando de forma contundente como o racismo e o sexismo têm estruturado as relações sociais, políticas e de gênero.
40046

“SONHO POSSÍVEL PARA CRIANÇAS DA FAVELA”, DIZ ALUNA NEGRA DE MEDICINA NO RJ

A carioca Mirna Moreira, 22, lembra-se da reação dos colegas no dia em que obteve nota máxima na disciplina de Anatomia, a mais temida por alunos recém-ingressados no curso de medicina da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro).

“Eu e uma outra menina? Branca? Gabaritamos a prova dessa matéria. Ninguém se surpreendeu com o desempenho dela, mas comigo foi diferente. Algumas pessoas ficaram surpresas. Ouvi a frase ‘Como assim você conseguiu?'”, recorda.

Negra e cotista, Mirna nasceu e cresceu no Complexo do Lins, conjunto de favelas na zona norte do Rio onde vive até hoje com a família.

“Quero devolver à minha comunidade o que vou aprender no curso de medicina. Quando ponho meu jaleco, prescrevo sonhos”, diz ela sobre a perspectiva de futuro que diz mostrar às crianças da favela.

Recentemente, um post da página Boca de Favela no Facebook sobre Mirna viralizou. Foram quase 79 mil curtidas e mais de 17 mil compartilhamentos. Em depoimento à BBC Brasil, ela falou sobre pobreza, racismo, negritude e empoderamento feminino. Confira:

“Nasci e cresci no Complexo do Lins, conjunto de favelas na zona norte do Rio de Janeiro. Hoje, aos 22 anos, me sinto uma privilegiada. Por esforço dos meus pais, ele bombeiro, ela telefonista, consegui ter acesso ao estudo e foi por causa deles que hoje faço medicina.

É até engraçado falar em privilégio nas minhas circunstâncias. Mas não são todas as pessoas daqui que têm um sonho e podem concretizá-lo. Sou uma exceção à regra. Fala-se em meritocracia, mas ela é inexistente a partir do momento que nem todo mundo tem as mesmas oportunidades.

Com exceção do primário, sempre estudei em colégio particular. Ganhava bolsas parciais e meus pais se esforçavam para pagar o resto. Quando fiz curso pré-vestibular, a mensalidade era de R$ 2.000. Nunca teria esse dinheiro. Mas conviver com essas duas realidades completamente diferentes me permitiu ter maior senso crítico. Conto nos dedos das mãos, por exemplo, os amigos que frequentavam minha casa durante a escola.

É desafiador ser negro e morar em uma favela no Brasil. Vivo um preconceito duplo. Vez ou outra, sou seguida por seguranças em lojas.

Medicina

E quando decidi cursar medicina, embora sempre tenha tido o apoio dos meus pais, muita gente próxima questionou minha escolha. Me perguntavam: ‘Você quer isso mesmo? Você não tem cara de médica’.

Entendo em parte esse pensamento. A sociedade diz a nós, negros, que não vamos conseguir. Além disso, continuamos sofrendo com a falta de representatividade. Você entra em um hospital e vê poucos médicos negros. Atores negros ainda são uma minoria nas novelas. E tudo isso apesar de sermos a maioria da população.

Prestei vestibular por três anos até conseguir passar no curso de medicina. Entrei por cotas, mas não estudei menos por isso. Nas vezes que fui reprovada, fiquei muito mal. Sabia que meus pais tinham outras contas para pagar e não poderiam me bancar nessa situação. Mas eles não desistiram do meu sonho. Nem eu.

Escolhi medicina pela arte de cuidar do outro. E pretendo ser médica de família. Não se trata de uma especialização muito divulgada e é até desprezada pelos próprios médicos.

Mas acho que meu envolvimento com essa área diz muito de onde eu venho. Quero devolver à minha comunidade o que me foi dado e atender a quem realmente precisa.

Racismo

Não vou generalizar, mas sempre tem alguém que me olha torto na faculdade. Porque sou negra, moradora de favela e cotista.

No primeiro período, por exemplo, aconteceu um episódio do qual não me esqueço. Eu e uma menina branca fomos as únicas a gabaritar a prova teórica de Anatomia, uma das disciplinas mais temidas pelos alunos. Alguns colegas ficaram surpresos. Disseram que ‘escondi o jogo’ e me perguntaram como eu tinha tirado uma nota daquelas. Por quê? Se as pessoas mal se conheciam, por que tanta surpresa com o meu desempenho e não com o dela?

Recentemente, também fui alvo de um ataque racista na internet. Uma página moderada pelos alunos da Uerj, sem vínculo com a universidade, decidiu fazer um concurso de beleza. Cada curso tinha uma representante –e eu fui escolhida para representar o curso de medicina.

Minha foto recebeu vários comentários racistas. Li coisas do tipo: “Como assim essa preta tá fazendo medicina?” ou “Você vota na negra mas não alimenta macaco no zoológico”.

Decidi registrar uma denúncia na polícia. Mas não houve investigação. Se você não é artista, demora bastante.

Negritude

Acho que essa minha iniciativa foi um reflexo da minha maturidade. Me sinto mais consciente sobre meus direitos. E também resolvi assumir de vez minha negritude, começando pelo meu cabelo.

Desde criança, alisava os fios. Hoje, percebo que fazia isso porque queria me enquadrar. Na escola, minhas amigas eram brancas e tinham cabelo liso.

Mas resolvi parar. Não queria mais ser refém de algo que não me fazia bem. E foi uma ótima surpresa. Meu cabelo é lindo e amo os meus cachos. Antigamente, me embranquecia. Isso acabou. Tenho orgulho de ser negra.

E hoje tenho cada vez mais certeza disso. Há alguns meses, participei de uma ação sobre sexualidade na adolescência para escolas públicas no Morro dos Macacos. Na saída de uma delas, as meninas negras pediram para tirar fotos comigo e elogiaram meu cabelo crespo. Elas me viram como referência.

Isso porque, quando entro na favela de jaleco, não prescrevo apenas remédios, prescrevo sonhos. Mostro para essas meninas que elas podem ter um futuro.

Coincidentemente, porém, no dia dessa ação na escola, voltei no mesmo ônibus que uma aluna. E quando desci no mesmo ponto que ela aqui perto de casa, ela perguntou: ‘o que você tá fazendo aqui’?

Chorei muito. Mas isso só me fez ter mais consciência da minha função social. Com o perdão do trocadilho, quero poder dar uma ‘injeção de ânimo’ nessas pessoas.

Reconheço que aqui os sonhos são muitas vezes limitados pela falta de oportunidades. Mas espero que um dia todos nós tenhamos chances iguais.

Não vai ser fácil, mas sei que é possível.”

Texto de Luis Barrucho, da BBC Brasil, publicado no UOL Educação em 13/07/2016. Para acessá-lo na íntegra: http://educacao.uol.com.br/noticias/bbc/2016/07/13/sonho-possivel-para-criancas-da-favela-diz-aluna-negra-de-medicina-no-rj.htm

***

Tem interesse pelo assunto? Conheça:

40084AFROCIDADANIZAÇÃO
Ações afirmativas e trajetórias de vida no                   Rio de Janeiro
Autor: Reinaldo da Silva Guimarães
SELO NEGRO EDIÇÕES 

Quando Reinaldo da Silva Guimarães propôs pesquisar a trajetória profissional dos bolsistas de ação social formados pela PUC-Rio, ele adotou sua própria história como referência intelectual e emocional para compreender as percepções narradas pelos entrevistados. Estes apontam para um contexto pautado na perseverança e no desejo de superação, mostrando uma realidade pouco conhecida e difícil de ser traduzida, mas repleta de simbolismos: a realidade das relações raciais no Brasil. A trajetória do autor reflete e dá essência e concretude ao conceito de afrocidadanização: nascido em comunidade pobre, Reinaldo conseguiu superar diversos momentos difíceis e ingressar na universidade. Como um dos protagonistas dessa história de “sucesso”, ele aproveita sua narrativa para explicitar o processo de construção de identidade racial. Livro foi produzido em regime de coedição com a PUC-Rio. Prefácio de Elisa Larkin Nascimento.

“CRIANÇA NEGRA SOFRE RACISMO TODO DIA NA ESCOLA”, DIZ MC SOFFIA, 11

Desde pequena, a menina de nome extenso e pernas compridas vai a passeatas, palestras e eventos contra o racismo. Criada em uma família formada por mulheres negras e militantes, ela aprendeu a ter orgulho da cabeleira “que não é dura, é crespa”. Prestes a completar 12 anos, Soffia Gomes da Rocha Gregório Corrêa, a MC Soffia, declama sobre a beleza da negritude, as brincadeiras da infância, e, sobretudo, se aceitar do jeito que se é.

Ao UOL, na casa da avó materna no centro de São Paulo, no começo de fevereiro, a revelação do hip hop paulistano afirma que sofre e fica indignada quando lê sobre casos de pessoas famosas agredidas por comentários racistas na internet, a exemplo da jornalista Maria Júlia Coutinho e da atriz Taís Araújo. Porém ela lembra que o racismo é uma presença persistente no cotidiano das pessoas comuns:

“Tem criança negra que sofre racismo todo dia na escola, e isso a televisão não mostra. Tem criança que fica com trauma, trancada em casa, não quer sair na rua”, afirma.

As situações vividas por ela mesma é um norte para MC Soffia, ao escrever as letras de suas músicas, em parceria com a mãe, a produtora de eventos Kamilah Pimentel, 29, e a avó, a pedagoga e bonequeira, Lúcia da Rocha, 54. A consciência racial da garota é resultado da educação proporcionada pelas duas mulheres.

Quando eu era menor já falaram do meu cabelo, já falaram da minha cor. Eu não gosto de ficar lembrando. Eu sempre digo que meu cabelo não é duro, e sim o preconceito das pessoas.”

MC Soffia diz cantar para que as crianças negras não se tranquem mais em casa. E conta a história de uma nova amiga, que conheceu após uma de suas apresentações. A menina foi alvo de brincadeiras racistas dos colegas e depois obrigada pela professora a pedir desculpas aos agressores porque quis denunciá-los. “A gente nem sabia o que conversar, mas ela ficou muito feliz quando ouviu minhas músicas”.

“A primeira coisa que falam para uma criança negra é sobre o cabelo dela. Existe uma pressão muito grande na sociedade que valoriza apenas uma estética, a do cabelo liso, e isso se mexe muito com psicológico das crianças e, principalmente, das mulheres”, afirma Kamilah, que foi mãe aos 18. Dois anos depois, ela mesma deixou de alisar o cabelo para servir de referência à filha. “Os pais precisam criar filhos fortes para que saibam enfrentar o preconceito. Não adianta esconder a realidade”.

Pedagoga aposentada, a avó materna Lúcia da Rocha diz que a família “sempre teve consciência racial”, mas ela própria só passou a exercer a militância, nos últimos 15 anos. “O racismo está impregnado na sociedade e algumas atitudes são naturalizadas, por isso muita gente acha normal esta ‘obrigação’ de se alisar o cabelo crespo, por exemplo”.

Bonecas Negras

Além do laço no cabelo black power, outra marca registrada de MC Soffia em seus shows é a presença das bonecas Makena, uma criação de sua avó. Um dia, Lúcia tomou um “choque” ao ver a capa de uma revista que ensinava a fazer bonecas. A que ilustrava a capa era negra. “Eu só tive bonecas brancas na minha infância”, diz. Comprou a revista e resolveu confeccionar a Makena, que significa “A Feliz”, na língua kikuyu, falada pelo maior grupo étnico do Quênia.

MC Soffia estuda no Projeto Âncora, uma ONG que se transformou em escola na cidade de Cotia. O local fica a dois quilômetros da casa da mãe, na Cohab Raposo Tavares, zona oeste de São Paulo. “Lá a gente discute racismo, tem aula de música, pintura, horta. Eu passo o dia todo lá”, explica MC Soffia.

Em seus dois quartos, um na casa do pai e outro na da mãe, MC Soffia coleciona mais de 100 bonecas, quase todas negras. É capaz de citar numa mesma frase, em andamento acelerado ídolos como a figura histórica Dandara dos Palmares, o militante Malcom X, a cantora Beyoncé e criticar o personagem “bobo” Cirilo, da novela Carrossel.

MC Soffia é considerada uma revelação no cenário musical paulistano, desde sua primeira apresentação solo, na Viradinha Cultural em 2015, e já ganhou elogios de músicos como Criolo e Karol Conka. Ela começou a cantar quando participou do coletivo Hip Hop do Futuro. Suas letras mostram um trabalho consciente, de estilo simples e tom positivo. A exemplos dos versos de “Flortaleza”: Somos mulheres, sim/Com certeza/Somos lindas e fortes/Flortaleza.

“A gente sempre mantém um controle. Chegam muitos convites, mas ela só se apresenta nos finais de semana, em eventos culturais. As prioridades dela são os estudos e viver a infância como uma criança normal”, diz a mãe Kamilah.

MC Soffia começou a gravar o primeiro disco, mas também tem outros planos para o futuro. “Eu quero ser médica cardiologista, e eu também vou ser jogadora de futebol, jogadora de basquete, jogadora de vôlei, atriz, modelo, cineasta…” E a lista não para.

Reportagem de Flávio Costa, publicada originalmente no UOL, em 12/02/2016. Acesse a matéria na íntegra e assista aos vídeos em http://bit.ly/20szM5B

***

Se você tem interesse pelo assunto, conheça algumas obras da Selo Negro Edições que abordam o tema:

 

40014RACISMO E ANTI-RACISMO NA EDUCAÇÃO
Repensando nossa escola
Autora: Eliane Cavalleiro

Diversos olhares sobre o ambiente da sala de aula procuram captar os racismos presentes nesse cotidiano. Alguns dos assuntos que nos alertam para uma educação anti-racista são a revista especializada em educação, o livro infantil, o tratamento dado à África e outros.

………….

40027TRAMAS DA COR
Enfrentando o preconceito no dia-a-dia escolar
Autora: Rachel de Oliveira

Com sensibilidade e singeleza, a autora utiliza um relato ficcional dos problemas enfrentados por uma menina negra em sua escola para abordar as questões básicas do racismo por parte de crianças e adultos em nossos estabelecimentos de ensino. Sugere posturas saudáveis para enfrentar os problemas mediante o incremento da auto-estima e o conhecimento de figuras ilustres da história negra.

………….
………….
40023O SORTILÉGIO DA COR
Identidade, raça e gênero no Brasil
Autora: Elisa Larkin Nascimento

Livro que se insere na nova corrente de reflexões sobre o negro brasileiro. Colocando o problema da identidade no centro de sua análise, a autora mostra que a identidade não é apenas um conceito teórico, mas se manifesta concretamente na realidade social. O livro descreve a recusa dos afrodescendentes em ver sua identidade diluída em uma homogeneidade cultural ditada pela branquitude e pelo universalismo europeu.

 

‘AS CRIANÇAS NEGRAS SÃO MAIS PUNIDAS DO QUE AS BRANCAS’, DIZ PEDAGOGA

Existe racismo na sala de aula, e ele começa na educação infantil. Isso é o que afirma Ellen de Lima Souza, mestre e doutoranda do Programa de Pós-graduação em Educação da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) e diretora do Itesa (Instituto de Tecnologia, Especialização e Aprimoramento Profissional).

Segundo a pedagoga, a escola normalmente é um ambiente inóspito para as crianças negras. Ellen estudou como elas são vistas por professoras de educação infantil e constatou duas visões distintas: o negro que gera nas docentes piedade (uma postura paternalista) ou expectativa (que deve necessariamente assumir uma postura ativista). Para mudar essa realidade, ela propõe que os professores assumam uma postura de protagonismo em sala de aula, de geradores de conhecimento, para trabalhar a autonomia e a independência nas crianças.

UOL Educação – Crianças também podem ser racistas?

Ellen de Lima Souza – Sim, podem. E são. As pessoas não esperam que elas reproduzam atitudes racistas. Depois da família, o primeiro ambiente de socialização é a escola, onde a criança é mais exposta ao racismo.

UOL – De que forma o preconceito se apresenta em sala de aula?

Souza – Quando você tem criança que se recusa a se sentar ao lado de outra negra, que diz que tem nojo de negro, que vê o negro sempre em papéis de subalternidade; quando crianças negras não são selecionadas a participar ou não têm protagonismo em atividades culturais, festas. Isso faz com que as crianças naturalizem a desigualdade e reproduzam ofensas, como quando dizem que o negro é feio, burro, cheira mal e outras coisas bastante pesadas.

UOL – Como os professores costumam tratar o tema na educação infantil?

Souza – Na minha dissertação [de mestrado], fui buscar professoras premiadas pelas práticas que já exerciam, de uma educação para a igualdade, e percebi que elas são atingidas por duas percepções básicas em relação aos negros: um sentimento forte de paternalismo, ela tem pena da criança negra, entende que ela vai necessariamente sofrer o racismo, e tem um sentimento de piedade; a outra percepção é a que gera nas professoras uma expectativa de que a criança negra tem que ser ativista. Por outro lado, existem as professoras que não têm essa consciência de uma educação para a igualdade. Essas acreditam que o Brasil vive uma democracia racial, trata o negro com indiferença e pune a criança negra com muita frequência. Aliás, desde bebês, as crianças negras são mais punidas do que as crianças brancas, recebem apelidos depreciativos e, nas situações de conflito, são as preteridas ou as culpadas.

UOL – Então como o tema deve ser tratado em sala de aula?

Souza – Na dissertação, a primeira coisa que eu proponho é que o professor crie metodologias e didáticas, ele é o protagonista em sala de aula, tem um papel social, é alguém que garante direitos, que deve ver o sujeito como autor e não reprodutor do conhecimento. Depois, eu trabalho com três conceitos básicos, baseados na mitologia iorubá: as perspectivas da ancestralidade, da corporalidade e da oralidade. Esses conceitos ajudam a criança, seja negra ou não negra, a desenvolver sua identidade, suas relações, desenvolver a emoção, física e intelectualmente, das várias formas possíveis. O professor precisa lidar com as crianças para potencializar e valorizar a condição de ser negro, já que a criança aprendeu sempre que é algo ruim. Essas perspectivas fazem com que as crianças sejam cada vez mais independentes, autônomas, aprendam a respeitar, dão a ideia de pertencimento étnico, de que a criança não está sozinha.

UOL – E o que fazer quando os pais não querem que os filhos participem dessas atividades?

Souza – Eu acho que é preciso procurar o Ministério Público, a Justiça. Ensinar história e cultura afro-brasileira é primordial. Se esse pai ou essa mãe não quer o filho estude cultura africana e afro-brasileira, ele deve pagar uma escola confessional. A escola pública é de todos, é da criança negra, da não negra, da boliviana, e se você não quer que o seu filho aprenda esses valores, tira do serviço público. A escola pública brasileira que tem que ser laica. A gente aprendeu os valores cristãos, por que as crianças não podem aprender parte da filosofia africana?

UOL – Quais são os impactos de discutir racismo na educação infantil?

Souza – A criança que tem condição de trabalhar a partir de uma educação igualitária vai além do que está posto, tem novas perspectivas de valores, uma nova cosmologia de mundo. Ela recebe essa gama de informações e fica com pensamento mais abrangente. Indiretamente, faz com que ela saiba lidar com questões de gênero, de orientação sexual, diferenças entre empobrecidos e não empobrecidos.

Reportagem de Marcelle Souza, publicada originalmente no UOL Educação, em 12/01/2016. Para lê-la na íntegra, acesse: http://educacao.uol.com.br/noticias/2016/01/12/as-criancas-negras-sao-mais-punidas-do-que-as-brancas-diz-pedagoga.htm

***

Se você tem interesse pelo assunto, conheça os livros abaixo, da Selo Negro Edições:

40014RACISMO E ANTI-RACISMO NA EDUCAÇÃO
Repensando nossa escola
Autora: Eliane Cavalleiro

Diversos olhares sobre o ambiente da sala de aula procuram captar os racismos presentes nesse cotidiano. Alguns dos assuntos que nos alertam para uma educação anti-racista são a revista especializada em educação, o livro infantil, o tratamento dado à África e outros.
 

40027TRAMAS DA COR
Enfrentando o preconceito no dia-a-dia escolar
Autora: Rachel de Oliveira

Com sensibilidade e singeleza, a autora utiliza um relato ficcional dos problemas enfrentados por uma menina negra em sua escola para abordar as questões básicas do racismo por parte de crianças e adultos em nossos estabelecimentos de ensino. Sugere posturas saudáveis para enfrentar os problemas mediante o incremento da auto-estima e o conhecimento de figuras ilustres da história negra.


40018AÇÕES AFIRMATIVAS EM EDUCAÇÃO
Experiências brasileiras
Organizadora: Cidinha da Silva

Este livro busca aprofundar o debate sobre as ações afirmativas, ampliando-o para além das cotas. São apresentados programas que visam garantir o acesso, a permanência e o sucesso de negros/as na universidade, possibilitando a realização do sonho de jovens que vivenciam processos estruturais de exclusão; são discutidas as metodologias de seleção de pessoas negras nesses projetos; são abordadas a África e a Afro-Ascendência na perspectiva da cultura construída pela matriz banto. Finalmente, são considerados os principais aspectos da discussão sobre as cotas para negros/as, especialmente o falso dilema – quem é negro/a no Brasil? – uma vez que, quando se trata de garantir direitos, a pessoa negra se desvanece na decantada miscigenação racial brasileira.

“NÓS, MULHERES NEGRAS, SOMOS TRIPLAMENTE DISCRIMINADAS”, DIZ PROFESSORA

Há 23 anos, em 25 de julho de 1992, acontecia pela primeira vez um encontro de mulheres negras latino-americanas e caribenhas nas terras de Santo Domingo, na República Dominicana. Foi quando instituiu-se um dia em memória a todas elas e suas lutas.

Para a professora mineira Luana Tolentino, 25 de julho é um dia para comemorar as conquistas das mulheres negras, assim como também é um momento de reflexão, de luta por mais direitos e de denunciar a situação de opressão e de desvantagem em que vivem as mulheres negras, não só no Brasil, mas em toda a América Latina e no Caribe.

Na última década, é perceptível o aumento significativo de políticas públicas em benefício de jovens, mulheres e homens negros, como a criação da Secretaria da Igualdade Racial e o sistema de cotas. “Ainda temos um caminho longo e tortuoso para percorrer, mas os avanços e as mudanças ocorridas nos últimos anos me deixam bastante esperançosa de que podemos, sim, construir um país melhor para todos nós”, aponta ela.

Mesmo com a humildade e o otimismo de quem aguarda dias mais justos, Luana pensa que a sociedade brasileira ainda precisa passar por um processo de reeducação: “Uma educação antirracista e antissexista, ou como nas palavras da médica e feminista Fátima Oliveira ‘o nosso país precisa passar por uma faxina moral’”.

É necessário assumir que o Brasil é um país extremamente racista, o que ocasiona a exclusão e a marginalização de mais da metade da população. É inaceitável que ainda hoje as negras tenham menor escolaridade, recebam menores salários e apresentem índices maiores de mortalidade materna, quando comparadas a mulheres brancas.

Luana conta que é por meio das ações que ela e outras ativistas buscam educar e denunciar a situação de desigualdade em que se encontram, não somente as mulheres, mas toda a população negra.

Sua história se assemelha a de muitas outras mulheres negras do Brasil. Entre os 13 e 18 anos, ela trabalhou como babá, faxineira e doméstica, quando experimentou diversas formas de humilhações. “Essas profissões continuam sendo ocupadas majoritariamente pelas afrodescendentes, mas fico extremamente feliz que esse quadro esteja mudando”, compara.

Há sete anos ela é professora de História do ensino fundamental e médio e, apesar de todas as dificuldades que envolvem a profissão, dar aula, ensinar e aprender são as atividades que ela mais gosta na vida. Luana também é historiadora, bolsista do CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) pela UFMG, pesquisa sobre a imprensa feminina e feminista, e também cronista.

“Nós, mulheres negras, somos triplamente discriminadas, em função do gênero, da raça e também de classe, já que a grande maioria das afro-brasileiras pertence às classes mais pobres. Mesmo que ascendamos socialmente, não ficamos imunes ao preconceito e às humilhações.”

Há cerca de dois anos, ao chegar numa escola particular para dar uma palestra, o porteiro perguntou se ela estava procurando vaga para o cargo de serviços gerais. A atitude reflete na concepção de boa parte da sociedade, que acredita que os negros devem estar sempre em ocupações de menor prestígio social e econômico. “Espera-se que não tenhamos voz, que estejamos prontas para servir os outros, numa eterna perpetuação do regime escravagista”, critica.

Matéria de Amanda Garcia , publicada originalmente no iG, em 25/07/2015. Para Lê-la na íntegra, acesse: http://delas.ig.com.br/comportamento/2015-07-25/nos-mulheres-negras-somos-triplamente-discriminadas-diz-professora.html

***

Se você tem interesse pelo tema, conheça alguns livros da Selo Negro Edições:


40046RACISMO, SEXISMO E DESIGUALDADE NO BRASIL
Consciência em Debate
Autora: Sueli Carneiro

Entre 2001 e 2010, a ativista e feminista negra Sueli Carneiro produziu inúmeros artigos publicados na imprensa brasileira. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil reúne, pela primeira vez, os melhores textos desse período. Neles, a autora nos convida a refletir criticamente a sociedade brasileira, explicitando de forma contundente como o racismo e o sexismo têm estruturado as relações sociais, políticas e de gênero.

… 

40070MULHERES NEGRAS NO BRASIL ESCRAVISTA E DO PÓS-EMANCIPAÇÃO
Organizadores:
Juliana Barreto Farias, Giovana Xavier, Flávio Gomes

Como foi a participação das mulheres cativas na sociedade escravista e nas primeiras décadas da pós-emancipação? Como protestaram mirando a escravidão e contrariando a ideia de que aceitaram com passividade a opressão imposta? Os ensaios desta coletânea, que abrange os séculos 18 a 20, constituem um quadro amplo e fascinante das experiências das mulheres africanas, crioulas, cativas e forras.

……

40007
OUTROS TIPOS DE SONHOS

Organizações de mulheres negras e políticas de transformação
Autora: Julia Sudbury

Este livro busca repensar e transformar os conceitos do feminismo. Entrevistando uma série de ativistas, a autora traça um quadro histórico das organizações de mulheres negras. As entrevistadas descrevem e teorizam o próprio trabalho, recuperando a imagem da sua ação coletiva para o pensamento atual.

PRÉ-ESCOLA DE SP USA BONECOS PARA DISCUTIR RACISMO COM ALUNOS

Racismo é o tema da aula e a sala parece pequena para a energia de 35 crianças de 4 e 5 anos na Emei (Escola Municipal de Educação Infantil) Guia Lopes, no Limão, zona norte de São Paulo. “Apartheid é quando o negro fica separado do branco”, explica uma das alunas no dia em que a reportagem do UOL visitou a escola.

Em outros tempos e em outras escolas, o 13 de maio, data da Abolição da Escravatura no Brasil, era data comemorativa a ser lembrada com direito à lembrança da Princesa Isabel e da Lei Áurea. Mas nessa escola, não. Porque a questão do negro na sociedade é tema de todo dia.

Na atividade, as duas professoras fazem perguntas sobre preconceito, racismo e a vida de Nelson Mandela. Os dedinhos para o alto mostram que a turma está afiada e todos querem falar o que aprenderam nas aulas anteriores. “Mandela foi presidente da África do Sul”, diz uma vozinha no fundo da sala. “Ele foi preso”, afirma outro aluno. “Ganhou o prêmio da paz”, acrescenta um garoto.

Mas não pense que todos os conceitos foram ensinados para os alunos de uma só vez. O debate sobre racismo faz parte das atividades pedagógicas de todas as turmas da Emei Guia Lopes desde 2011, quando a comunidade escolar adotou o personagem Azizi, um príncipe africano que virou o mascote da escola.

Lei 10.639/03

Esse foi o mote usado para montar um projeto pedagógico para a escola que atendesse à lei 10.639/03, que trata da inclusão do ensino de história e cultura afro-brasileira no currículo escolar. “Durante uma reunião, perguntei às professoras se havia preconceito entre crianças de 4 e 5 anos. Metade delas disse que não e a outra metade não sabia responder”, disse a diretora Cibele Racy.

A partir daí, Azizi foi incorporado ao cotidiano da Emei, que tem mais de 400 alunos, e protagonizou um dos primeiros debates sobre racismo com as crianças.”Perguntamos se ele podia casar com a Sofia [que é branca]. No começo, a maioria dos alunos disse que não, porque ele era negro e ela, branca”, conta Cibele.

A escola envolveu as famílias na discussão. Pais e mães participaram do debate contando como se conheceram e como começaram a namorar antes dos filhos nascerem. “No fim, os alunos concordaram que, se o Azizi e a Sofia se amavam, poderiam se casar”, explica a diretora.

Junto às discussões, professores começaram a trabalhar diferentes aspectos da cultura negra e até a tradicional festa junina foi substituída por uma comemoração afro-brasileira.

Beleza nas diferenças

No ano passado, os pequenos foram questionados como seriam os filhos do casal Azizi e Sofia. Discutiram sobre diferenças físicas e descobriram o que era melanina (proteína responsável pela pigmentação da pele). “Foi muito interessante, porque eles começaram a disputar quem tinha mais melanina”, conta Cibele.

Os filhos mestiços do casal Azizi e Sofia “nasceram” durante a última festa da escola (com direito a parto feitos pelos aluno) e foram integrados à comunidade escolar. Hoje eles possuem um espaço todo especial no pátio interno e diariamente visitam as salas de aula para ajudar professoras e alunos a falar de maneira lúdica sobre racismo e preconceito.

Em 2014, o tema escolhido para permear as discussões durante todo o ano foi a vida de Nelson Mandela, que no mundo de fantasia criado pelos alunos lutou contra o monstro do Apartheid e foi transformado em avô do príncipe Azizi. Com ele, vieram várias “crianças” –bonecos negros, orientais, brancos e deficientes que vão incitar outros debates em sala de aula.

Na semana passada, por exemplo, uma das turmas teve que votar no boneco que adotaria. O grupo discutiu e acabou escolhendo o garoto negro. “O branco é melhor do que o negro”, disse um menino durante o debate. A afirmação serviu de mote para uma pergunta: por quê? E, após uma conversa, ele pensou bem e corrigiu: “acho que tá errado [o que disse]”.

Revistas sem negros

Em outra turma, eles relembraram o que aprenderam sobre a vida de Mandela e o Apartheid. Foram unânimes em dizer que no Brasil não havia separação entre negros e brancos, já que eles dividiam a mesma mesa naquela sala de aula. Na próxima etapa da atividade, porém, tiveram que procurar cinco pessoas negras na mesma revista. “Professora, eu não encontro nenhum negro na minha revista”, reclamou uma das alunas.

“Percebemos que depois que começamos a discutir diversidade, os pais se aproximaram mais da escola. Recebemos pais homossexuais, crianças com deficiência e as famílias passaram a valorizar mais a beleza dos seus filhos”, diz a diretora. O hino adotado pela escola é uma música que diz “Ninguém é igual à ninguém, ainda bem”. Ainda bem.

Texto de Marcelle Souza, publicado originalmente no UOL, em 13/05/2014. Para lê-lo na íntegra, acesse: http://educacao.uol.com.br/noticias/2014/05/13/escola-publica-de-sp-usa-bonecos-para-discutir-racismo-na-pre-escola.htm

***

40014Se você quer saber mais sobre assunto, conheça o livro Racismo e anti-racismo na educação – Repensando nossa escola, da Selo negro Edições:

Autora: Eliane Cavalleiro

Diversos olhares sobre o ambiente da sala de aula procuram captar os racismos presentes nesse cotidiano. Alguns dos assuntos que nos alertam para uma educação anti-racista são a revista especializada em educação, o livro infantil, o tratamento dado à África e outros.

RACISMO NÃO

A Revista IstoÉ fez ampla reportagem sobre o episódio que envolveu o jogador de futebol Daniel Alves. Ao comer uma banana jogada por um torcedor, em mais um ato de intolerância nos estádios, o brasileiro desencadeou uma campanha global contra o preconceito racial. A educadora Eliane Cavalleiro, organizadora do livro Racismo e antirracismo na educação (Selo Negro Edições), foi uma das entrevistadas na reportagem. Leia a íntegra: http://goo.gl/IHaf2J

Como integrar a temática racismo ao refletirmos sobre o tipo de educação que queremos? Como o ambiente educacional organiza seu cotidiano para a 40014presença do preconceito, de discriminações raciais diárias? O livro, lançado em 2001, traz, sob diferentes óticas, contribuições de vários autores. São diversos olhares sobre o ambiente da sala de aula, procurando captar os racismos presentes nesse cotidiano. Alguns dos assuntos que nos alertam para uma educação antirracista são a revista especializada em educação, o livro infantil, o tratamento dado à África, entre outros.

O trato pedagógico vai traçando, nas análises, referências à África, aos PCNS (Parâmetros Curriculares Nacionais e Pluralidade Cultural), às questões sobre letramento (entendido aqui como conjunto das práticas e dos usos sociais que envolvem tanto a leitura como a oralidade realizados pelos sujeitos, em distintos conceitos socioculturais), até uma inevitável comparação com o modelo norte-americano que envolve relações raciais e educação.

Autoestima e embranquecer para ser aceito são algumas das polêmicas questões  que nos dão dicas sobre nossa responsabilidade por um ambiente antirracista na escola.

São reflexões construídas por educadores e militantes, na maioria negros. Baseadas na observação sensível desse cotidiano, eles tiram da invisibilidade e do silêncio práticas racistas e contribuem para iniciativas que assumem com responsabilidade uma educação antirracista.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/699/Racismo+e+Anti-Racismo+na+educa%C3%A7%C3%A3o

DAGOBERTO JOSÉ FONSECA FALA SOBRE O LIVRO “VOCÊ CONHECE AQUELA?” EM ENTREVISTA À UNIVESP TV

O programa Livros 57 da UNIVESP TV, canal digital da TV Cultura, entrevistou o antropólogo Dagoberto José Fonseca. Na entrevista, que foi ao ar no dia 4 de julho, ele falou sobre o livro Você conhece aquela? (Selo Negro), lançado no final de 2012. Acompanhe a entrevista na íntegra: http://goo.gl/Qc0Ub.

Vivemos a era do politicamente correto, mas as piadas ainda servem de instrumento de preconceito, discriminação e marginalização. Se hoje os chistes procuram se enquadrar em uma falsa democracia racial, as chamadas “piadas de preto” continuam sendo disseminadas na surdina.

No livro, Fonseca cataloga diversas anedotas contadas no território brasileiro, interpretando-as à luz das relações raciais entre negros e brancos. Nesse percurso, ele descobre nas piadas novas e antigas manifestações sociais que ganham vida num universo engendrado pela produção cultural e pela história local, fazendo parte de um intercâmbio entre a língua, o poder, a força da palavra e de suas representações.

Trata-se de um estudo inédito nas ciências sociais visando analisar as mensagens transmitidas pelas piadas que difundem, consolidam e denunciam a existência do preconceito, da discriminação, da marginalização e dos estereótipos contra os afro-brasileiros na sociedade. Ao abordar o “racismo à brasileira” de modo amplo, o autor problematiza suas diferentes facetas partindo de piadas cujos protagonistas são os negros brasileiros.

Segundo Fonseca, as piadas racistas aparentemente diminuíram de intensidade, mas agora estão em ambientes mais reservados. “Além disso, muitos negros perceberam o ridículo a que eram submetidos e não deixam mais que zombem de si, de seus costumes e práticas culturais”, complementa o antropólogo.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1320/Voc%C3%AA+conhece+aquela%C2%A7

 

CONTRA A DISCRIMINAÇÃO RACIAL

Em 21 de março de 1960, no bairro de Shaperville, na cidade de Joanesburgo, na África do Sul, uma multidão de negros, em sua maioria homens e mulheres jovens, protestava de forma pacifica contra a lei do passe, que os obrigava, em pleno regime de segregação racial, a portar cartões de identificação, especificando os locais onde eles podiam circular. Numa ação que ficou conhecida como o  Massacre de Shaperville, forças militares a serviço desse regime de triste lembrança, o Apartheid, atiraram de forma indiscriminada contra os manifestantes, matando 69 pessoas e ferindo outras 186. Para marcar essa tragédia a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o dia 21, como o Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial.

A legislação brasileira instituiu os primeiros conceitos de racismo em 1951 com a Lei Afonso Arinos que classificava a prática como contravenção penal. Somente na Constituição Federal de 1988, o racismo passou a ser considerado crime inafiançável, sujeitando o criminoso à pena de reclusão. De lá para cá, o Brasil somou importantes avanços, principalmente com ações afirmativas, mas há ainda um longo caminho a ser trilhado para corrigir e eliminar as desigualdades históricas.

Um trabalho realizado pelo Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese) de 2010 sobre a inserção do negro no mercado de trabalho mostra que a população negra predomina na população brasileira, é mais jovem, tem mais filhos, é mais pobre e está mais exposta à mortalidade por causas externas, especialmente homicídios. Nos últimos anos, com as políticas compensatórias, houve ascensão social. De acordo com a última Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (PNAD), são negros 80% dos mais de 40 milhões de brasileiros que subiram à classe C. Nas universidades, eles são 921 mil entre 3,5 milhões de estudantes. Uma porcentagem pequena se comparada ao total de universitários, mas já grande o suficiente para fazer diferença no mercado de trabalho.

O livro Afrocidadanização, recém lançado pela Selo Negro Edições, retrata um pouco desse universo. O autor, professor Reinaldo da Silva Guimarães, partiu da própria história para compreender a trajetória profissional de bolsistas de ação social formados pela PUC-Rio. Pautados na perseverança e no desejo de superação, eles revelam uma realidade difícil de ser traduzida, mas repleta de simbolismos: a realidade das relações raciais no Brasil.

Afrocidadanização é o processo pelo qual os indivíduos negros, historicamente subalternizados na sociedade brasileira, conquistam efetivamente a cidadania plena. No livro, produzido em coedição com a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Guimarães aborda essa ascensão por meio do ingresso na universidade. Ele apresenta a trajetória de vida dos universitários provenientes dos pré-vestibulares comunitários e populares em rede, que foram beneficiados com as ações afirmativas da PUC-Rio depois de sua graduação. O autor dá visibilidade ao peso do racismo no mercado de trabalho, uma vez superada a histórica barreira da formação acadêmica pelos negros brasileiros.

Para pesquisar a trajetória profissional dos bolsistas, Guimarães adotou sua própria história como referência intelectual e emocional para compreender as percepções narradas pelos entrevistados. Eles apontam para um contexto pautado na perseverança e no desejo de superação, mostrando uma realidade pouco conhecida e difícil de ser traduzida, mas repleta de simbolismos.

A trajetória do autor reflete e dá essência e concretude ao conceito de afrocidadanização. Nascido em comunidade pobre, ele conseguiu superar diversos momentos difíceis e ingressar na universidade. Como um dos protagonistas dessa história de sucesso, aproveita sua narrativa para explicitar o processo de construção de identidade racial. “O livro marca um momento positivo na vida brasileira”, diz Elisa Larkin Nascimento, do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (Ipeafro), que assina o prefácio da obra.

Para saber mais sobre o livro Afrocidadanização, acesse: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1331/AFROCIDADANIZA%C3%87%C3%83O

E para saber mais sobre o tema, leia:

Políticas públicas e ações afirmativas
Dagoberto José Fonseca 

 

Racismo, sexismo e desigualdade racial
Sueli Carneiro 

Relações raciais e desigualdade no Brasil
Gevanilda Santos

 

Experiências da emancipação
Petrônio DominguesFlávio Gomes

 

 

Ações afirmativas em educação
Cidinha da Silva (org.) 

Racismo e anti-racismo na educação
Eliane Cavalleiro 

“VOCÊ CONHECE AQUELA?”, POR DAGOBERTO JOSÉ FONSECA

Dagoberto José Fonseca, autor de “Você conhece aquela? – A piada, o riso e o racismo à brasileira”, analisa como as piadas sobre negros contribuem para propagar o racismo e abre caminho para discutirmos mais profundamente as relações étnico-raciais em nosso país. Assista no vídeo abaixo sua apresentação sobre a obra, lançada pela Selo Negro Edições.

Clique e saiba mais sobre o livro: http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1320/Voc%C3%AA+conhece+aquela%C2%A7