BASTIDORES DA REPORTAGEM

O Portal Imprensa publicou boa reportagem sobre o lançamento do livro Atravessagem (Summus Editorial), de Cremilda Medina. Na entrevista, ela resumiu a sua experiência como repórter: “Eu nunca consegui desvincular a necessidade de estudar com a necessidade de aplicar aquilo que estudo e, descobri na prática do jornalismo minha identidade de repórter. A reportagem sempre foi para mim o espaço de aplicação do conhecimento. Uma coisa provoca a outra”. Leia a reportagem na íntegra: http://goo.gl/dLQ00j

Pioneira do jornalismo no Brasil, a professora, jornalista e pesquisadora Cremilda Medina reúne no livro análises sobre a profissão e grandes reportagens realizadas durante a sua carreira. 10943Privilegiando o contato em detrimento da assepsia, o humano em lugar do técnico, ela refaz sua trajetória profissional e intelectual, mostrando sua inegável contribuição para o jornalismo brasileiro.

Ao longo da obra, Cremilda propõe o exercício jornalístico por meio das mídias tradicionais e das tecnologias digitais, em um ambiente democrático, o que denomina signo da relação – em que a mediação autoral do comunicador constrói uma interação social transformadora.

Formada em Jornalismo e em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul nos anos 1960, ela iniciou sua trajetória profissional em Porto Alegre. Mas foi em São Paulo, onde se radicou em 1971, que intensificou a pesquisa acadêmica na Universidade de São Paulo (USP) e exerceu o jornalismo em vários veículos de comunicação, como o Jornal da Tarde, O Estado de S. Paulo e as TVs Bandeirantes e Cultura, entre outros. “Decidi eleger uma antologia cronológica de reportagens articulada com ensaios decorrentes dos estudos universitários”, diz a autora. Na obra, ela integra teoria e prática, mostrando que não há descompasso entre o que pensa como educadora e pesquisadora e o que realiza como jornalista.

No seu 15º livro, Cremilda declara sua paixão pela rua – onde vida e morte estão latentes. Na obra, a autora apresenta a sua ampla experiência em debates interdisciplinares sobre temas contemporâneos e revela, na própria atuação, o comprometimento ético, técnico e estético com a linguagem dialógica. Dessa forma, ela reforça a importância do mediador autoral na comunicação social, capaz de criar elos de cidadania para os mais marginalizados da informação oficial e canais de expressão para os sujeitos anônimos da sociedade civil.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1372/Atravessagem