PROFISSIONAIS DE CRECHES NÃO ESTÃO PREPARADOS PARA FORMAR LEITORES

Os docentes e responsáveis pelas bibliotecas de creches e berçários públicos não estão preparados para desenvolver atividades de formação de leitores com as crianças de 0 a 3 anos, segundo matéria publicada no site UOL nesta semana. As autoras do livro Corpo, atividades criadoras e letramento, da Summus Editorial, Marina Teixeira de Souza Costa, Daniele Nunes Henrique Silva e Flavia Faissal de Souza, participaram da reportagem dando dicas de brincadeiras que podem melhorar a capacidade de leitura. Leia a íntegra: http://goo.gl/cT0nSm

A criança aprende a escrever bem antes de manusear o lápis para juntar as letras. O corpo é o grande protagonista nessa fase inicial de contato com o letramento e a alfabetização. Por meio dele, a criança narra, cria, brinca, desenha e, finalmente, escreve. Essa é a discussão central do livro, que é o segundo volume da coleção Imaginar e Criar na Educação Infantil. O objetivo das autoras é ampliar o debate sobre o papel do corpo nas atividades criadoras, mostrando que a aquisição da escrita não se restringe aos exercícios psicomotores.

“A obra auxilia o professor da educação infantil a melhor qualificar sua percepção acerca dos processos criativos correntes em sala de aula. As pesquisadoras indicam como o corpo da criança participa do processo de simbolização que 10885antecede a escrita formal. Assim, por meio de sugestões de atividades, o docente pode criar situações pedagógicas que incluam o corpo, a escrita, o faz de conta, a narrativa e o desenho”, afirma Daniele, coordenadora da coleção, lembrando que episódios de sala de aula, sugestão de leituras e exercícios complementam o livro.

Dividido em seis capítulos, o livro trata da aquisição da escrita, fundamentado na perspectiva histórico-cultural, destacando o papel do corpo nas atividades criadoras infantis; as leituras e escritas de mundo que a criança realiza antes da escrita sistematizada.

Aspectos fundamentais para o desenvolvimento infantil são discutidos na obra, enfatizando a importância da criança vivenciar os processos simbólicos em diferentes atividades, em que o corpo se revela como protagonista. Assim, de uma pesquisa feita em uma escola de educação infantil, teoria e prática se entrelaçam para uma melhor compreensão dos processos simbólicos das crianças pequenas e sua relação com o corpo e o letramento.

“De modo geral, o debate que levantamos nessa investigação busca promover uma discussão sobre os processos simbólicos implicados nas atividades criadoras infantis e sua relação com as práticas de letramento e alfabetização”, afirmam as autoras. Para elas, brincar, narrar, desenhar e escrever são experiências essenciais para o desenvolvimento infantil e, portanto, não podem ser vistos de forma subalterna às ações de escrever e ler, como tradicionalmente tratou a escola. “Criar histórias, vivenciar personagens, produzir grafias, entre outras atividades, é escrever e ler o mundo circundante”, complementam.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1327/Corpo,+atividades+criadoras+e+letramento

AUTORAS DO LIVRO “CORPO, ATIVIDADES CRIADORAS E LETRAMENTO” AUTOGRAFAM EM BRASÍLIA

A Summus Editorial e a Livraria Cultura (CasaPark Shopping Center – Brasília) promovem dia 12 de abril, sexta-feira, das 19h30 às 21h30, a noite de autógrafos do livro Corpo, atividades criadoras e letramento. As autoras da obra, Marina Teixeira de Souza Costa, Daniele Nunes Henrique Silva e Flavia Faissal de Souza, receberão os convidados na livraria, que fica no Casa Park Shopping Center – SGCV – Sul – Lote 22 – Loja 4ª – Zona Industrial – Guará – DF.

A criança aprende a escrever bem antes de manusear o lápis para juntar as letras. O corpo é o grande protagonista nessa fase inicial de contato com o letramento e a alfabetização. Por meio dele, a criança narra, cria, brinca, desenha e, finalmente, escreve. Essa é a discussão central do livro Corpo, atividades criadoras e letramento, segundo volume da coleção Imaginar e Criar na Educação Infantil. O objetivo das autoras é ampliar o debate sobre o papel do corpo nas atividades criadoras, mostrando que a aquisição da escrita não se restringe aos exercícios psicomotores. 

“A obra auxilia o professor da educação infantil a melhor qualificar sua percepção acerca dos processos criativos correntes em sala de aula. As pesquisadoras indicam como o corpo da criança participa do processo de simbolização que antecede a escrita formal. Assim, por meio de sugestões de atividades, o docente pode criar situações pedagógicas que incluam o corpo, a escrita, o faz de conta, a narrativa e o desenho”, afirma Daniele, coordenadora da coleção, lembrando que episódios de sala de aula, sugestão de leituras e exercícios complementam o livro.

Aspectos fundamentais para o desenvolvimento infantil são discutidos na obra, enfatizando a importância da criança vivenciar os processos simbólicos em diferentes atividades, em que o corpo se revela como protagonista. Assim, de uma pesquisa feita em uma escola de educação infantil, teoria e prática se entrelaçam para uma melhor compreensão dos processos simbólicos das crianças pequenas e sua relação com o corpo e o letramento.

O livro surge da dissertação de mestrado intitulada O papel do corpo nas práticas de letramento: um estudo sobre as atividades criadoras na infância, escrita por Marina Costa, defendida no Programa de Pós-Graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde (PG-PDS/Universidade de Brasília) e sem perder a profundidade acadêmica necessária à abordagem dos temas selecionados, mas ganhando uma dinamicidade na leitura, a obra inclui boxes explicativos, episódios de sala de aula e sugestão de atividades.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1327/CORPO,+ATIVIDADES+CRIADORAS+E+LETRAMENTO