GIKOVATE FAZ PALESTRA E SESSÃO DE AUTÓGRAFOS NO LANÇAMENTO DO LIVRO “PARA SER FELIZ NO AMOR”

MG Editores e a Livraria Cultura do Conjunto Nacional (São Paulo) promovem no dia 13 de setembroterça-feira, o lançamento do livro Para ser feliz no amor, de Flávio Gikovate. Das 18 ás 19 horas, haverá palestra com o psicoterapeuta no Teatro Eva Herz. A sessão de autógrafos acontecerá em seguida, em frente ao teatro, no piso superior da livraria, que fica na Avenida Paulista, 2073, São Paulo.

Serão distribuídas senhas uma hora antes do evento, em frente ao teatro.

Saiba mais sobre o livro lançado em http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1449/Para+ser+feliz+no+amor+

Para ser feliz no amor

FLÁVIO GIKOVATE NO “THE NOITE”, COM DANILO GENTILI

Danilo Gentili entrevistou o psicoterapeuta Flávio Gikovate no programa The Noite, no SBT. Assista abaixo ao vídeo da participação.

………………………..
O psiquiatra lançou recentemente Gikovate além do divã – Autobiografia, onde se abre para contar sua trajetória e revela, com sinceridade e emoção, como a influência familiar, a formação acadêmica, a vivência em consultório e a análise acurada do meio social contribuíram para construir seu modo de atuar. O objetivo da autobiografia, segundo ele, é deixar registradas as etapas que foram essenciais para a elaboração dos seus métodos de trabalho e de sua produção intelectual.

Para conhecer todos os livros do autor publicados pela MG Editores, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/busca/gikovate/all/0

GIKOVATE LANÇA AUTOBIOGRAFIA E COMEMORA 8 ANOS DO SEU PROGRAMA NA RÁDIO CBN

A MG Editores e a Livraria Cultura (Conjunto Nacional – São Paulo) promovem no dia 18 de agosto, o lançamento do livro Gikovate além do divã – Autobiografia. Das 18h às 19h15, haverá a gravação especial de No divã do Gikovate, da rádio CBN, em comemoração aos 8 anos do programa. Em seguida, a partir de 19h30, sessão de autógrafos no “Bico de madeira”, no piso do Teatro. A livraria fica na Av. Paulista, 2073 – São Paulo.

Nos anos 1970, no auge do lema “sexo, drogas e rock’n’roll”, Gikovate viveu sua primeira grande ruptura com o pensamento psicológico tradicional. Em um artigo para uma revista de grande circulação, ele separou sexo de amor. E disse mais: são impulsos instintivos autônomos e muitas vezes antagônicos. Foi também nessa época que ele falou pela primeira vez do medo da felicidade, relacionando-o ao trauma do nascimento, e estabeleceu diferenças cabais entre desejo e excitação.

Adepto do pensamento livre, Gikovate nunca se filiou a nenhuma das tradicionais correntes da psicologia. O modo peculiar de conduzir seu trabalho e a originalidade de suas reflexões atingem milhares de pessoas, seja pela leitura de seus livros, que já venderam mais de 1 milhão de exemplares, seja pelo incalculável alcance do rádio em seu programa semanal, seja pelo atendimento em consultório, onde já passaram mais de 10 mil pacientes, seja pelas redes sociais, com números crescentes de seguidores. Em Gikovate além do divã – Autobiografia, Gikovate se abre para contar essa trajetória e revela, com sinceridade e emoção, como a influência familiar, a formação acadêmica, a vivência em consultório e a análise acurada do meio social contribuíram para construir seu modo de atuar.

O objetivo da autobiografia, segundo ele, é deixar registradas as etapas que foram essenciais para a elaboração dos seus métodos de trabalho e de sua produção intelectual.  “Penso que fui capaz de elaborar um guia útil para aqueles que desejam entender como a experiência clínica, as mudanças ocorridas em nossa cultura ao longo dos últimos 50 anos e também as vivências pessoais se mesclaram e formaram o substrato das reflexões originais que fiz sobre sexo, amor, moral e felicidade – e sobre o medo dela.”

Sem histórias picantes e detalhes de bastidores, Gikovate escreveu sobre a vida pessoal apenas o que era indispensável para explicar certos aspectos do modo como se encaminhou sua trajetória como psicoterapeuta. A medicina entrou em sua vida desde muito cedo. Filho de um médico e intelectual respeitado, influente também no meio político, ele nutriu grande admiração pela determinação e inteligência do pai. Mas foi a severa doença psiquiátrica da mãe, que se manifestou pela primeira vez quando ele tinha 6 anos de idade, que selou sua escolha pela medicina e, posteriormente, pela psiquiatria.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1423/Gikovate+al%C3%A9m+do+div%C3%A3

Gikovate alem do diva

 

 

 

ÉPOCA ENTREVISTA FLÁVIO GIKOVATE

Em entrevista à Época Online, publicada nesta segunda-feira, dia 8 de abril, o psicoterapeuta Flávio Gikovate, que acaba de lançar o livro Sexualidade sem fronteiras (MG Editores), afirmou que “no futuro, o que irá determinar a orientação sexual de uma pessoa será seu envolvimento sentimental”. Na reportagem, ele propõe uma vida sexual sem cobranças e sem rótulos. O importante, diz ele, é trazer o sexo para o domínio do amor, independentemente de qual gênero o parceiro seja. Leia a íntegra: http://goo.gl/XWZr6. No livro Sexualidade sem fronteiras, Gikovate põe de lado velhos pontos de vista e crenças, fruto da tradição religiosa e dos preconceitos mais tradicionais, e traz para o centro do debate as variáveis que interferem na vida sexual.

O primeiro passo nessa jornada de volta à evolução é entender que o caráter lúdico do erotismo desvincula o sexo do compromisso social. Esse é o clima que deve prevalecer nas relações sexuais. Cada um de nós deve escolher e vivenciar os tipos de carícia – consentida – que mais lhe agradarem; cada um de nós deve ser livre para (re)direcionar os interesses eróticos da forma como bem nos aprouver. Só assim os rótulos se tornarão descabidos e desnecessários, e em vez de falarmos em hétero, homo, bissexualidade etc. falaremos em sexualidade.

“Minha proposta é de um mundo sem preconceitos (não só os de natureza sexual) no qual o sexo fosse verdadeiramente lúdico. Isso significaria tratá-lo como uma brincadeira em que não cabem cobranças, preocupações com o desempenho ou medo de fracasso, e na qual podemos considerar que tudo que é de consentimento recíproco é também legítimo”, afirma o psicoterapeuta.

Gikovate tem-se dedicado com mais afinco nos últimos anos a pensar sobre nossa condição de seres biopsicossociais, ou seja, indivíduos constituídos por ideias e ações tanto biológicas e psicológicas quanto decorrentes da educação e dos valores que recebemos ao longo da vida. “São tantas as variáveis implicadas em nosso futuro, do ponto de vista sexual – variáveis de caráter inato, determinadas pela nossa história de vida e também pelo contexto sociocultural em que vivemos, que tudo pode acontecer. É uma pena que essa liberdade não possa ser exercida, pois quando uma pessoa diz a si mesma ‘Eu sou heterossexual’ ou ‘Eu sou gay’ ela determina e delimita as fronteiras em que vai atuar”, diz.

Para saber mais sobre o livro, acesse:
http://www.gruposummus.com.br/gruposummus/livro/1330/SEXUALIDADE+SEM+FRONTEIRAS