‘NA ESCOLA BRITÂNICA SUMMERHILL, QUEM DECIDE SÃO OS ESTUDANTES’

Reportagem publicada pelo jornal O Globo, em 17/09/2019.

Na Escola Summerhill, quem toma as decisões são os estudantes. Baseada em um modelo democrático pautado pela autogestão, a instituição britânica dá liberdade a seus alunos para que eles escolham regras de convivência, o modo como vão estudar e, até mesmo, se farão provas ou não.

Mas se engana quem pensa que a Summerhill é um experimento novo fadado a uma vida curta. Com quase cem anos, a instituição se notabilizou como a primeira escola democrática do mundo, colecionando casos de sucesso e estudantes nos bancos universitários.

Diretor da escola, Henry Readhead ministro uma das principais palestras do Educação 360 Encontro Internacional, na Cidade das Artes, sobre os valores que norteiam a Summerhill. O evento é uma realização dos jornais O GLOBO e “Extra”, com patrocínio de Itaú Social, Fundação Telefônica/Vivo, Colégio Ph e Universidade Estácio, e apoio institucional de TV Globo, Unicef, Unesco, Fundação Roberto Marinho e Canal Futura.

— Na escola, a liberdade é absoluta. A pessoa é livre para vestir, fazer e dizer o que quiser. Mas o ponto mais importante é que liberdade não é licença. Ela deve ser acompanhada pela sabedoria — frisa Readhead, neto do fundador da Summerhill.

A escola tem cerca de 450 leis, todas criadas pelos alunos em reuniões que ocorrem três vezes por semana.

— Os estudantes, na verdade, gostam de regras. As nossas leis tornam as coisas mais simples.

Além disso, a liberdade dos alunos é orientada pelo binômio “licença e não licença”. Não há licença, por exemplo, para fazer bullying ou desrespeitar regras criadas pelo corpo discente.

Infrações aos ditames da escola são discutidas nos encontros semanais, onde são estabelecidas punições de caráter lúdico. Não há hierarquia na aplicação dessas leis. Todos podem ser punidos, inclusive professores e diretores. Esse tratamento horizontalizado é outro alicerce na filosofia da Summerhill.

— Em uma reunião, o meu voto vale o mesmo que o de uma criança de seis anos — explica o britânico, destacando ainda que desigualdades ligadas a gênero, etnia ou idade foram eliminadas, já que a voz de todos têm o mesmo peso.

O diretor esclareceu também que o ensino na escola é pautado por métodos pedagógicos profissionalizados, praticados por professores experientes. Mas a parte central do aprendizado é que ele não é algo compulsório.

— Muitas pessoas acham que, se as crianças não forem forçadas, elas não vão aprender. Isso é mito.

Readhead considera que o aprendizado envolve o ato de se apaixonar por um determinado assunto.

— A infância é uma época muito importante. Ela pode ser repleta de amor, paixão e diversão. Podemos fazer um sistema educacional que nutra, em vez de fazer justamente o contrário — diz o educador.

Para ler na íntegra (restrito a assinantes do jornal): https://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/educacao-360/na-escola-britanica-summerhill-quem-decide-sao-os-estudantes-23955775

***

Quer saber mais sobre Summerhill? Conheça o livro publicado pela Summus:

SUMMERHILL
Uma infância com liberdade
Autor: Matthew Appleton
SUMMUS EDITORIAL

Fundada na Inglaterra em 1921 por Alexander Neill, Summerhill ficou conhecida como a escola mais livre do mundo. Nela, as crianças são encorajadas a tomar decisões e a desenvolver-se a seu ritmo. As aulas não são obrigatórias e os alunos podem escolher as matérias que desejam estudar. Baseado em diversos conceitos de seu amigo Wilhelm Reich, Neill acreditava que os aspectos emocionais dos seres humanos eram mais importantes que quaisquer outros, paradigma que predomina na instituição até hoje.

Ao longo dos anos, Summerhill consolidou-se como uma escola democrática, onde crianças, adolescentes e adultos convivem em nível de igualdade e aprendem que o conceito de liberdade implica responsabilidade e empatia.

Criticada por muitos, adorada por outros, mas sempre envolta em mitos, Summerhill é retratada neste livro por alguém que lá viveu por quase uma década. Trabalhando como pai – espécie de cuidador – de dezenas de alunos, Matthew Appleton aprendeu valiosas lições, que compartilha aqui com os leitores. Da dificuldade de manter a privacidade às assembleias democráticas, do desabrochar das crianças às mudanças constantes de regras e à autorregulação, Appleton constrói um rico relato, mostrando inclusive as tentativas do Ministério da Educação inglês de fechar a escola. E, claramente, toma posição: Summerhill é para ele, de fato, o melhor lugar para promover uma infância com liberdade.